A pedofilia vista como opção sexual nos EUA, já oficializada. No Brasil, o PLC 122 do PT faz o mesmo

__

“No Brasil, em meio ao debate do Projeto de lei PLC 122, proposto pelo PT, o senador Magno Malta, declarou: 

“Se aprovarmos um projeto desses, de você ser criminoso por não aceitar a opção sexual de alguém, é como se você estivesse legalizando a pedofilia, o sadomasoquismo, a bestialidade … O advogado do pedófilo vai dizer, senhor juiz a opção sexual do meu cliente é criança de nove anos de idade. O juiz vai decidir como, se está escrito que é crime?”

Os governos petistas de Lula e Dilma, envidam esforços para legalizar no Brasil a extinção da família como ente social, a ponto de  proibir o uso das palavras pai, mãe, filhos e família em projetos de lei.   Junto com isto é evidente que a liberdade religiosa e a própria existência das religiões são colocadas como real objetivo desses governantes.

Continue se enganando e votando no PT para que seu filho seja vítima legal de pedófilos de todo mundo.

dilma presidente e lula BX

Tudo pelo social?  Um país rico é um país sem miséria?  Não: Tudo contra as crianças eleitores do PT!

__

Em 1990, a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista internacional de doenças. Desde 1886 ela era tratada como um caso de saúde pública.

A Associação Americana de Psiquiatria publicou, em 1952, em seu primeiro Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtorno Mentais, que a homossexualidade era uma desordem ou transtorno. Após anos de debate entre psiquiatras, em 1973 a Associação Americana de Psiquiatria retirou a opção sexual da lista de transtornos mentais. Pouco depois a Associação Americana de Psicologia adotou a mesma posição.

Esse foi o primeiro passo para que a Organização Mundial de Saúde acatasse essa decisão e mudasse sua situação na classificação internacional de doenças (CID). De lá para cá ativistas LGBT fizeram sucessivas investidas para que a questão gay fosse tratada apenas como “opção sexual”. No Brasil, o Conselho Federal de Psicologia deixou de considerar a opção sexual como doença em 1985.

Na maioria dos países do mundo, grupos de cristãos tradicionais (evangélicos e católicos) sempre se opuseram a essa abordagem, classificando apenas como uma questão de “escolha” ou simplesmente “pecado”.

Em outubro de 2013, está começando uma nova guerra dos cristãos contra a questão do que é aceitável e inaceitável do ponto de vista médico. A Associação Americana de Psiquiatria acaba de mudar a classificação de pedofilia. De um transtorno, passou a ser uma orientação ou preferência sexual. A mais recente edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª edição (DSM-V). Trata-se de um manual para diagnóstico de doenças mentais. Ele é usado para definir como é feito o diagnóstico de transtornos mentais.

A pedofilia é definida na nova edição como “uma orientação sexual ou preferência sexual desprovido de consumação, enquanto o ‘distúrbio pedófilo’ é definido como uma compulsão e usado para caracterizar os indivíduos que usam assim a sua sexualidade”. O referencial são crianças com menos de 13 anos de idade.

Grupos cristãos estão se manifestando nos EUA, temendo que ocorra o mesmo processo que aconteceu com a homossexualidade, onde o primeiro passou foi justamente a mudança de classificação da Associação Americana de Psiquiatria.

Por outro lado, associações defensoras da pedofilia, como a B4U-ACT, aprovaram a medida. Paul Christiano, porta-voz do grupo afirma que ficará mais fácil distinguir quem sente atração sexual e quem comete a violência (configurando crime).  Christiano, que é formado em psiquiatria, defende a “autonomia sexual” das crianças, e acredita que “mais educação sexual nas escolas iria ajudá-los a compreender melhor seus limites”.

Sandy Rios, da ONG evangélica Associação da Família Americana, disse em comunicado oficial: “Assim como a Associação Americana de Psiquiatria declarou a homossexualidade uma ‘orientação’ após uma tremenda pressão de ativistas homossexuais em meados dos anos 1970, agora, sob pressão dos ativistas pedófilos, declararam o desejo de fazer sexo com crianças também uma ‘orientação’. Não é difícil ver onde isso vai levar. Mais crianças se tornarão presas sexuais se não agirmos”.

No Brasil, em meio ao debate do Projeto de lei PLC 122, proposto pelo PT, o senador Magno Malta, declarou: “Se aprovarmos um projeto desses, de você ser criminoso por não aceitar a opção sexual de alguém, é como se você estivesse legalizando a pedofilia, o sadomasoquismo, a bestialidade… O advogado do pedófilo vai dizer, senhor juiz a opção sexual do meu cliente é criança de nove anos de idade. O juiz vai decidir como, se está escrito que é crime?”

Todos contra a Pedofilia

Esta semana, nos EUA, o Dr. Gregory Popcak , do Instituto de Soluções Pastorais, organização católica dedicada a tratar, do ponto de vista da fé, questões relacionadas ao casamento e a família, alerta: “se chamarmos de ‘orientação’ algo que pode ser utilizado por algum grupo de defesa, acabaremos ouvindo que a pedofilia é “apenas mais uma expressão normal do desejo sexual, o que seria extremamente problemático”.

No início deste ano, um Tribunal Federal da Holanda aprovou a existência da Associação Martijn, defensora do sexo consensual entre crianças e adultos. O veredito oficial reconhece que o trabalho da associação é “contrário à ordem pública, mas não há uma ameaça de desintegração da sociedade”. Com informações Charisma News e Women of Grace.

http://noticias.gospelprime.com.br/revoltados-pedofilia-opcao-sexual/

Cientista brasileiro revela espantoso poder da vitamina D contra a esclerose múltipla – Globo Repórter 06.09.2013

https://vimeo.com/74317258

Linha entre a vida e a morte está menos clara – brain death

__

Inovações tecnológicas e diferença de procedimentos põem em causa diagnóstico de morte

 

O diagnóstico de morte não apresentou dúvidas aos médicos durante vários anos. Mas o avanço tecnológico que diariamente invade o mundo está a alterar esta realidade e pode alterar o momento em que, afinal, morremos.

amortocomcoracao

Anestesistas de todo o mundo estão reunidos num congresso europeu e alguns já pediram um acordo internacional sobre o quando e como a morte é diagnosticada, informa a BBC.

Dois dos especialistas presentes no encontro defendem que devem ser criadas directrizes mais precisas e que a pesquisa sobre o tema deve ser aprofundada. Em causa, estão os raros, mas reais, casos de pessoas que são pronunciadas mortas, mas que na realidade estão mortas. A Organização Mundial de Saúde está também à procura de um consenso.

Na maior parte dos casos nos hospitais, as pessoas são pronunciadas mortas apenas depois dos médicos examinarem o coração e os pulmões e verificarem que não existe mais bater do coração, respiração ou reação ao mundo exterior.

No entanto, Alex Manara, médico anestesista no Frenchay Hospital em Bristol, alega que existem mais de 30 casos na literatura médica que descrevem casos em que as pessoas foram consideradas mortas, mas na realidade estavam vivas. Casos que levam os especialistas a questionarem a possibilidade dos diagnósticos poderem ser melhorados.

No encontro da Sociedade Europeia de Anestesistas, o clínico afirmou que alguns médicos não observam o corpo tempo suficiente para declarar a morte. Alex Manara pediu um convenção internacional que determine a observação do corpo durante cinco minutos para evitar que erros.

Muitas instituições nos EUA e na Austrália consideram que dois minutos é o mínimo de tempo para observação. Já no Reino Unido e Canadá a recomendação é já de cinco minutos. A Alemanha não aplica uma recomendação e a Itália defende que o tempo de avaliação deve ser de 20 minutos.

Na conferência, Ricardo Valero, professor de anestesia na Universidade de Barcelona, considerou o cenário de doentes que estão nos cuidados intensivos, cujos corações e pulmões funcionavam por estarem ligados às máquinas. Nestes cenários, os médicos usam o conceito de morte cerebral, mas os critérios utilizados variam de país para país.

No Canadá, por exemplo, apenas um médico é necessário para diagnosticar morte cerebral. No Reino Unido, são recomendados dois médicos e em Espanha são precisos três. O número de testes neurológicos e o tempo necessários para determinar a morte também varia.

«Estas variações na prática não são parecem lógicas», defendeu o clínico.

http://www.tvi24.iol.pt/internacional/saude-tvi24-morte-ultimas-noticias-anestesistas-obito/1456455-4073.html
__

 

A Indústria Farmacêutica perde patentes e lucros: sua saúde vai pagar para restaurar estas perdas

__

Quem resgatará a indústria farmacêutica? Pode ser você

Vêm aí testosterona spray, ritalina plus, patologização da insônia, e outras promessas fármaco-publicitárias

Está chegando ao fim, para a indústria farmacêutica mundial, a farra de lucros com alguns dos medicamentos mais vendidos. Nos Estados Unidos, expiraram as patentes de comprimidos como Lipitor, Seroquel, Zyprexa, Singulair e Concerta. Mas não se preocupe, Wall Street. A indústria farmacêutica não vai desapontar suas expectativas de ganhos só porque pouca ou nenhuma droga nova está surgindo e porque falhou na sua razão mesma de existir.

afarma7

Eis aqui seis novas iniciativas do marketing farmacêutico que vão garantir que as expectativas dos investidores continuem altas, par-e-passo com as mensalidades dos seguros-saúde. O segredo? Reciclar drogas antigas e descreditadas e explorar o marketing de doenças para vender algumas poucas novas drogas.

1. Repaginando a Ritalina

Agora que a indústria farmacêutica foi bem sucedida ao conseguir que cinco milhões de crianças de quatro a oito milhoes de adultos fossem diagnosticados com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), está procurando novos mercados para as drogas. Um novo uso da Ritalina (metilfenidato), a avó das drogas para TDAH, poderia ser para tratar transtornos alimentares.

Pesquisadores dizem que uma mulher que sofreu de bulimia nervosa, transtorno bipolar I, dependência de cocaína e álcool, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade e transtorno do pânico “conseguiu uma remissão sustentada (por mais de um ano)” quando o metilfenidato foi adicionado à sua lista de remédios.

Mas também existem as grávidas. Um novo artigo sugere que tirar o metilfenidato durante a gravidez de uma mulher pode “representar risco significativo” e que, “em todos os casos, as crianças se desenvolveram normalmente e nenhum efeito adverso foi relatado,” apesar de terem sido expostas no útero. Sim, crianças podem receber medicamentos para TDAH na mais tenra idade: ainda como fetos.

A indústria farmacêutica também está de olho nos idosos, como um novo mercado para as drogas que tratam TDAH. O metilfenidato pode “melhorar a função da caminhada nos mais velhos”, escreveram pesquisadores recentemente. E uma grande clínica patrocinada pela Escola de Saúde Pública John Hopkins Bloomberg está a caminho de descobrir se o metilfenidato pode reduzir a apatia em pacientes com Alzheimer. É claro que muitos pacientes com esse mal não têm apatia, mas agitação e agressividade; estes serão excluídos.

2) Reposição hormonal masculino

Mulheres acima de 40 anos devem sentir um élan de justiça médica, diante do novo impulso para o tratamento do “Baixo T” nos homens, uma “doença” recente que agora está sendo agressivamente comercializada, incentivando a reposição de testosterona. Por mais de 50 anos, as publicações médicas foram implacáveis em dizer às mulheres que elas estavam “sobrevivendo aos seus ovários” (frase de propaganda real) e que a única esperança para manter a aparência, o marido e a sanidade era a reposição hormonal.

Agora, são os homens que estão ouvindo que a decaída no desempenho sexual e na energia, perda de massa muscular e ganho de peso os colocam na mesma posição. A lacuna em ambas campanhas de marketing é o fato de que pessoas não ficam velhas porque perdem hormônios; elas perdem hormônios porque estão ficando velhas.

Muitos produtos de reposição de testosterona têm sido aprovados pela FDA [Food and Drug Administration, agência reguladora da indústria farmacêutica nos Estados Unidos]: pílulas, injeções e adesivos a géis e soluções para uso tópico. Em novembro, foi aprovado o primeiro produto de reposição de testosterona feito para ser aplicado nas axilas, como um desodorante.

Os produtos de TRH (terapia de reposição hormonal) masculinos também implicam riscos. Eles podem agravar problemas benignos de próstata, causar falha do coração, apneia, toxidade hepática e possivelmente estimular o câncer de próstata, apesar de este permanecer como um risco teórico.

Testosterona injetada tem sido associada a embolias e reações alérgicas extremas (anafilaxia), sendo que ambas podem ser fatais. Homens que tomam Propecia contra a perda de cabelo podem especialmente desenvolver baixa testosterona, o que pode não ser reversível, pois reduz-se uma enzima envolvida na síntese do hormônio.

3) Tratar dependentes de álcool e drogas como doentes mentais que precisam de vacinas

Uma das poucas coisas boas no alcoolismo e na adição às drogas é que eles podem ser tratados de graça. Programas de doze passos como o dos Alcoólicos Anônimos utilizam grupos de apoio em vez de drogas, pessoal treinado ou seguro-saúde – e funciona. Não surpreende que as milhões de pessoas que se recuperam sem a ajuda da indústria farmacêutica sejam o seu mais recente alvo, na tentativa de alavancar receitas. Cada vez mais, as corporações estão pressionando clínicas de reabilitação e médicos a imputar diagnósticos de doença mental a pacientes em recuperação, para vender medicamentos caros.

Pior, Nora Volkow, a chefe do Instituto Nacional de Abuso de Drogas dos Estados Unidos, está conduzindo experimentos cruéis em primatas na tentativa de desenvolver uma vacina para alcoolismo ou dependência. Existe algum alcoólico ou viciado no mundo que tomaria uma dessas vacinas? Ela não sabe que bebidas e drogas são divertidas (até determinado momento…) e que ninguém quer parar com elas antes da festa acabar? Ela não sabe que quando beber e usar drogas deixa de ser divertido, uma coisa chamada negação se abate e os aditos novamente não vão tomar sua vacina?

Essas vacinas para vícios serão vendidas a pessoas “em risco” de dependência com base em seu histórico familiar e varreduras de seu cérebros, o que soa um pouco, digamos, não-voluntário. E a comercialização de tratamentos precoces agressivos para doenças que pessoas nem têm ainda (“pré-osteoporose”, “pré-diabetes”, “pré-asma” e “pré-doenças mentais”) é um modelo de negócio infalível para a indústria farmacêutica porque as pessoas nunca saberão sequer se vão precisar dessas drogas – ou se precisam agora.

4) Patologizar a insônia

A insônia tem sido uma mina de ouro para a indústria dos medicamentos. Para encher os bolsos no mercado da insônia, as corporações criaram subcategorias para o problema – crônica, aguda, transitória, de início retardado e no meio-da-noite, assim como o despertar cansado. Sua insônia é tão única quanto você! Tampouco é coincidência que as medicações para “manter acordado” causem insônia e que as drogas para insônia, em razão da ressaca, criem o mercado das drogas para manter acordado.

Agora a indústria está anunciando que a insônia é na verdade um fator de “risco” para a depressão e que “tratar a insônia pode ajudar a tratar a depressão”. O novo Manual de Diagnósticos e Estatística (DSM-5 [Diagnostic and Statistical Manual]) da Associação Norte-Americana de Psiquiatria que saiu em maio [leia mais a respeito, em Outras Palavras] também acaba de patologizar o sono.

Considerada a bíblia dos tratamentos com drogas psiquiátricas, a última versão do DSM trouxe uma revisão do modo como a insônia é diagnosticada e classificada. “Se o distúrbio do sono é persistente e prejudica o funcionamento do corpo ao longo do dia, ele deve ser reconhecido e tratado”, escrevem os autores em um artigo na edição de dezembro da Journal of Clinical Psychiatry [Revista de Psiquiatria Clínica].

5) “Vender” doenças imunológicas crônicas

A artrite reumatóide, artrite psoriática, a espondilite anquilosante e a psoríase em placas são transtornos raros, mas você não saberia disso pelos últimos esforços da indústria farmacêutica. Suas condições autoimunes são cada vez mais tratadas com medicamentos frutos de engenharia genética injetáveis como Humira, Remicide, Enbrel e Cimzia, que dão às corporações 20 mil dólares por ano por paciente. Não causa espanto que uma recente campanha publicitária tente convencer as pessoas com dores nas costas “que nunca passam” de que elas realmente têm espondilite anquilosante.

Não espanta que a propaganda da “AR” (artrite reumatóide) esteja por todos os lugares e as de remédios para psoríase em placas prometam “pele mais clara” como se fossem cremes de beleza. Em Chicago, propagandas de drogas caras e injetáveis apareceram em jornais de universidades, como se fossem para a população em geral, não para pessoas com doenças incomuns.

Como tais drogas, chamadas de inibidoras de TNF, suprimem o sistema imunológico, elas atraem super infecções bactericidas e fúnguicas, herpes e cânceres raros, estes principalmente em crianças. Eles estão conectados com o crescimento de hospitalizações, reações alérgicas extremas e eventos cardiovasculares, tudo o que a indústria farmacêutica tenta minimizar. Bloqueadores de TNF também são vendidos para o enfraquecimento dos ossos e asma, condições que iriam raramente garantir seus riscos. Xolair, vendido para asma apesar dos avisos da FDA, recentemente foi muito falado como um grande tratamento para a coceira crônica.

6) A reciclagem do Neurontin

A apreensão da droga Neurontin (gabapentin) não foi o melhor momento da indústria de medicamentos. Uma repartição da Pfizer Inc. foi declarada culpada, em 2008, por promover o remédio para o transtorno bipolar, dores, enxaquecas e para afastar as drogas e o álcool, quando tinha sido aprovado apenas para neuralgia pós-herpética, epilepsia e dor causada por herpes zoster. A multa foi de 430 milhões de dólares. Ops. A Pfizer realmente promoveu os usos ilegais enquanto estava sob inquérito por atividades ilegais relacionadas ao Lipitor; e mais tarde promoveu usos ilegais para uma droga similar, a Lyrica, enquanto estava sob o acordo relacionado ao Neurontin! Ela parece, de fato, incorrigível.

Para vender Neurontin, a Parke-Davis, da Pfizer, lançou um elaborado “plano de publicação”, cujo objetivo era conseguir peças de marketing disfarçadas de ciência, em revistas médicas. Em apenas três anos, a Parke-Davis colocou 13 artigos escritos por fantasmas em publicações de medicina, promovendo usos que estão fora da bula para o Neurontin. Isso incluiu um suplemento no prestigioso Cleveland Clinic Journal of Medicine (Revista Clínica de Medicina de Cleveland, tradução livre), que a empresa transformou em 43 mil reimpressões disseminadas por seus representantes. “Veja, doutor, dizem aqui que…”.

E há ainda mais duplicidade. Em 2011, três anos antes do acordo de 430 milhões de dólares, a tentativa da Pfizer chamada STEPS (“Study of Neurontin: Titrate to Effect, Profile of Safety” — “Estudo da Neurontin: dosagem efetiva, perfil de segurança”, tradução livre) foi denunciado por também ser publicidade, e não um estudo científico; era uma ferramenta de vendas criada para inspirar os 772 investigadores que participavam do experimento a prescrever o Neurontin.

Recentemente, os novos usos do remédio para tosse crônica, menopausa e insônia estão aparecendo na literatura científica. Por que ninguém parece acreditar neles?

Por Martha Rosenberg, no Alternet. Texto original em português no Blog Outras Palavras. Tradução: Gabriela Leite

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/28878/quem+resgatara+a+industria+farmaceutica+pode+ser+voce.shtml

Horror: paciente acorda em NY hospital com médicos tentando colher seus órgãos para lucrar com transplantes

__

TUDO QUE TEM VALOR, TEM COMPRADOR

Celso Galli Coimbra – OABRS 11352

__

(NaturalNews) I’ve warned Natural News readers about this several times over the last decade: Do NOT become an organ donor! Although you may wish to help others out of the goodness of your (literal) heart, the sinister truth is that doctors routinely harvest organs from LIVING patients right here in the USA.

organ-harvesting-cost-chart

And here’s yet more proof. This true story will astound you.

Waking up on the organ harvesting table…
A woman named Colleen Burns recently opened her eyes to find herself on an operating table in a hospital in Syracuse, NY. Looking around, she noticed that she was the subject of the operation. It turns out doctors were about to harvest her organs and send them to other waiting surgeons who would transplant them into other patients.

This isn’t fiction. It was covered by ABC News and several other news sources. It really happened.

And how did it happen? Doctors falsely pronounced her dead by fraudulently claiming she had suffered “cardiopulmonary arrest” and “irreversible brain damage.” This gave them the medical justification to start slicing away even while the woman’s heart was still beating.

This is a big “holy crap I didn’t know that” fact about organ donations: Doctors don’t wait until you’re really dead. At least not by any normal definition of “dead.”

See, you and I think “dead” means your heart isn’t beating, your brain isn’t functioning, and you’re lifeless. But hospitals — which happen to generate huge profits from the trade of transplant organs — have a strong financial incentive to declare you “medically dead” long before you’re actually lifeless.

They can, in fact, declare you “dead” even when your heart is still beating and you still have brain activity. And they often do. This is how a lot of the organ harvesting in America actually gets done: patients that are on the verge of death (but not yet actually dead) are simply “declared” dead, then their organs are quickly removed, killing them for good.

It’s a crime that takes place every day in America, where U.S. hospitals have been caught over and over again engaging in black market organ trafficking.

Read: U.S. Hospitals Secretly Promote Black Market Trading of Harvested Organs for Transplants

A multi-billion-dollar industry
Organ trafficking is a multi-billion-dollar industry. Wealthy people around the world are always in need of new kidneys, new livers, new hearts and other body parts.

And guess who makes the money on all these organ transplants? The doctors, hospitals and drug companies, of course. Organ transplants are a hugely profitable industry — largely because they get the organs for free. Patients who are killed by these doctors are never paid for their organs. The fact that they “donate” them actually means they are donating their immensely valuable organs to a for-profit system that’s going to earn potentially millions of dollars off the organs of a single donor.

So while the donor patient gets murdered for his or her organs, the doctors engaged in organ removal and organ transplants get wealthy. Transplant recipients and health insurance companies pay huge dollars for organ transplant surgeries, and the profits are ongoing because transplant recipients must also pay for a long course of organ transplant anti-rejection drugs, all priced at monopoly prices (of course).

Truth be told, the organ transplant industry is all about money — at any cost. It’s about killing patients who might otherwise survive in order to take their organs and make millions of dollars transplanting them into other patients… patients who typically only have a few months to live even after the transplant.

Read: Global organ harvesting a booming black market business; a kidney harvested every hour.

Transplanted organs are often damaged or infested with disease
Here’s another dirty little trick the organ transplant industry will never tell you: The organs that are transplanted into other patients are often fatally damaged and full of infectious diseases.

As yet more proof of this, take the case of Colleen Burns, mentioned above. She tried to commit suicide by taking a toxic combination of prescription medications. According to the doctors, this toxic cocktail of chemicals was fatal, and it killed her (they pronounced her dead).

Yet, simultaneously, they still insisted her organs were healthy enough to transplant into another patient! That’s why they almost began harvesting them.

In other words, even organs that doctors know are heavily damaged with toxic chemical cocktails will still be transplanted into other patients! (This is 100% true.)

But it’s even worse than that…

Transplant organs often riddled with disease: hepatitis, stealth viruses, mad cow disease and more
There are effectively zero quality standards in the organ transplant industry. If the organ still functions at any level, it’s “good enough” to be slapped into a transplant patient even though that organ might actually kill them.

One of the reasons organ transplant patients often die so quickly after receiving transplants is because the organs they often receive are ticking time bombs of disease.

Introducing a diseased heart or kidney into someone’s body, for example, can suddenly infest that person with hundreds or even thousands of viruses and blood-borne illnesses that quickly overcome their weakened immune systems. This is made even worse by the anti-rejection drugs which, by definition, cause extreme suppression of immune function.

So at the exact time that new diseases are being introduced into the transplant recipient’s body, their immune system is being undermined by anti-rejection drugs. Not surprisingly, this is a recipe for disaster, and that’s one reason why so many patients die so quickly after receiving “donor” organs.

Iraq war veteran killed by cancer-ridden transplant lungs
As an example of what I just described above, in 2009, an Iraq war veteran named Matthew Millington was given a lung transplant using lungs that were riddled with a fast-growing cancer.

Not surprisingly, he died less than 10 months later. Did all the organ transplant doctors and surgeons give him a refund for their botched procedure? Of course not! Organ transplants do not come with warranties, and you’re often given a diseased, damaged or heavily infested organ that’s going to kill you. (But you still gotta pay up!)

There are roughly 100,000 people waiting for organ transplants in the USA right now. But there are only a fraction of that number of organs available in any given year, so doctors are under intense pressure to 1) harvest organs from people who aren’t yet dead, and 2) use ANY organs they can find, even organs that are riddled with disease.

Again, these are the dirty little secrets of the organ transplant industry that you’ll never be told by any doctor. Expect to hear nothing but denials if you ask organ transplant doctors about any of this.

More healthy organ donors “need to suddenly die”
The other challenge the transplant industry faces is that healthy people who take care of their organs through nutrition and exercise simply don’t tend to die very often. The kind of people most likely to die (and therefore most like to donate organs) are alcoholics, drug addicts and people who are obese and diseased. Therefore, those are the kind of organs that end up being available for transplant: nasty “fatty” livers and cancerous lungs, for example.

Ideally, the organ transplant industry would like to see a lot of young, healthy people getting decapitated in military training exercises or automobile accidents. That would supply a fresh supply of healthy organs that might actually be worth transplanting. In China, of course, this is why Falun Gong members are routinely arrested and imprisoned: they eat super-healthy diets and so have high-grade organs that can be profitably harvested from political prisoners there.

The practice of arresting people, imprisoning them and sometimes even murdering them for their organs is a lot more widespread than you think. How do you suppose Steve Jobs got a new liver so quickly, even while thousands of other people were waiting for one? He bought it. Gee, do you really think Steve Jobs stood in line like everyone else and then magically a liver appeared for him much faster than for anyone else?

Presumed consent
There is a push under way around the world to harvest organs from everyone who doesn’t explicitly say no. These laws are called “presumed consent” laws, and they exist only to provide a fresh supply of human organs to generate billions of dollars in profits for the sick, criminal-minded organ transplant industry.

As a 2011 article in the British Medical Journal explains, these “presumed consent” laws mean doctors can start harvesting the organs of your wife, your children or other loved ones without even asking family members for permission!

As the BMJ article explains:

Presumed consent is alternatively known as an ‘opt-out’ system and means that unless the deceased has expressed a wish in life not to be an organ donor then consent will be assumed. This can be divided into what is known as a ‘hard opt-out’ where the family are not consulted.

There’s even a website about this — PresumedConsent.org — which uses a lot of flowery language and feel-good imagery to hide the fact that it’s pushing for doctors to pronounce more patients “dead” and take their organs so that the organ transplant industry can make a few billion more dollars each year.

What we’re talking about here is coercive organ harvesting in order to feed the organ trafficking and transplant industries.

Think about that the next time some clueless paper-pusher asks you at the DMV, “Do you want to be an organ donor?”

Just answer: “No thanks. I prefer that doctors actually try to keep me alive.”

Don’t give doctors any incentive to kill you. They already kill enough patients even when they aren’t trying.

Trust me on this: say NO to organ donation. If you really want to help people, teach them to protect the organs God already gave them through superfoods, nutrition, exercise and healthy living.

Read more:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3363073/
http://www.naturalnews.com/028497_organ_transplants_kidneys.html
http://www.naturalnews.com/028994_organ_transplants_black_market.html

Learn more: http://www.naturalnews.com/041152_transplant_patients_organ_harvesting_presumed_consent.html#ixzz2btHAEcRz

Falta de vitamina D pode elevar o peso

__

A escassez prejudica a produção de insulina pelo organismo e sobrecarrega o pâncreas, o que faz aumentar o apetite

São Paulo – Diferentemente do estigma popular, a absorção de vitamina D possui diversas outras funções no organismo, além do fortalecimento dos ossos e dentes.

Dentre elas, segundo especialista, está a participação, mesmo como coadjuvante, na luta contra a balança, o que tem contribuído para aumentar o número de adeptos aos nutracêuticos de vitamina D.

aobesidade-e-diabetes

“A vitamina D está envolvida na produção da insulina. Portanto, quando há carência, reduzem-se os receptores para insulina nas células. Com isso, o pâncreas tem que produzir mais insulina, o que prejudica o processamento do açúcar e, ainda por cima, aumenta o acúmulo de gordura e de substâncias inflamatórias que estimulam o apetite”, esclarece a Nutricionista Especialista em Clínica Funcional, Esportiva e Materno-Infantil, Fernanda Granja.

Normalmente, o corpo produz essa substância quando exposto ao sol, cerca de quinze minutos ao dia. Mas, sabe-se que a radiação ultravioleta pode causar danos à pele, até mesmo câncer. Alguns alimentos, como peixes, ovos, leite também são boas opções de fonte, porém, nem sempre a alimentação diária é suficiente para suprir as necessidades individuais.

“Em média, um adulto precisa consumir 5 mg por dia. Os idosos, em geral, devem consumir 10 mg. No entanto, é importante alertar que o excesso também pode fazer mal ao elevar os níveis de cálcio na corrente sanguínea que, como resultado, pode causar o desenvolvimento de pedras nos rins”, diz a nutricionista.

http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/saude/noticias/falta-de-vitamina-d-pode-elevar-o-peso

__

Nos EUA, Suprema Corte recusa patente de partes de DNA

__

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu ontem que as empresas não podem patentear partes específicas do DNA, em uma decisão ambígua que também reconheceu os direitos da indústria de biotecnologia, que movimenta US$ 83 bilhões por ano, sobre produtos genéticos sintéticos.

Animation of the structure of a section of DNA...

Animation of the structure of a section of DNA. The bases lie horizontally between the two spiraling strands. (Photo credit: Wikipedia)

Os juízes decidiram que o DNA sintético – filamentos de material genético modificados em laboratório – podem ser patenteados porque esse processo envolve alguma ingerência humana. A decisão da corte invalidou as patentes que a Myriad Genetics, uma companhia de biotecnologia sediada em Utah,  havia registrado sobre dois genes humanos: o BRCA1 e o BRCA2.

Mutações nesses genes estão ligadas ao câncer nos seios e ovários – as mesmas mutações que a atriz Angelina Jolie  confirmou em testes e que a levaram a optar por uma mastectomia dupla preventiva.

Mark Skolnick, um dos fundadores da Myriad, tornou-se o primeiro cientista a isolar e sequenciar os dois genes, garantindo patentes de 20 anos sobre eles na metade da década de 90. A Myriad realiza testes dos genes.

Cientistas e organizações de defesa dos direitos humanos, liderados neste caso pela Association for Molecular Pathology,  contestaram os direitos exclusivos da Myriad sobre os genes, alegando que “produtos da natureza” não podem ser patenteados.

Mas a Myriad respondeu que os genes se enquadram na categoria de “invenção humana” porque os fragmentos do DNA tiveram que ser isolados. A corte concordou com os cientistas. “Um segmento de DNA ocorre naturalmente, é um produto da natureza e não pode ser patenteado simplesmente por ter sido isolado”, escreveu o juiz Clarence Thomas na decisão unânime.

A Myriad “encontrou um gene importante e útil,  mas descobertas inovadoras ou mesmo brilhantes não justificam por si só a patente”, escreveu ele.

Mas a decisão da corte foi limitada e o preço da ação da Myriad subiu imediatamente.  Ao meio-dia de ontem, ela era negociada a US$ 36,55, uma alta de 10,6%.

De fato, a corte disse que o DNA sintético ou complementar, conhecido como cDNA, pode ser patenteado por não ocorrer naturalmente. “O cDNA não apresenta os mesmos obstáculos à capacidade de receber patente que os segmentos isolados de DNA, que ocorrem naturalmente”, escreveu em nome da corte o juiz Thomas.

“Os técnicos de um laboratório indiscutivelmente criam algo novo quando o cDNA é feito”, disse ele, acrescentando que o cDNA não é um “produto da natureza” e, desse mod, pode ser patenteado.

A Myriad, que afirma ter mais de 500 reivindicações válidas e exequíveis em 24 patentes diferentes relacionadas ao seu teste de genes, disse que a corte “manteve apropriadamente” suas reivindicações sobre o cDNA.

Companhias farmacêuticas que incluem a Amgen, GlaxoSmithKline e Monsanto têm sido citadas como detentoras de patentes que poderão ser afetadas pela decisão da Myriad.

Fonte: Valor Econômico Jornalista: Anna Fifield e Andrew Jack, Financial Times Data: 14/06/2013

 

********

Suprema Corte dos Estados Unidos proíbe patentear DNA humano natural

 

Por Lawrence HurleyWASHINGTON, 13 Jun (Reuters) – Em sua primeira sentença desse tipo sobre a genética humana, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu por unanimidade nesta quinta-feira que material genético produzido sinteticamente pode ser patenteado, mas que isso não se aplica ao DNA natural.Os nove juízes concederam vitória parcial à empresa de biotecnologia Myriad Genetics, de Salt Lake City (Utah), detentora das patentes em questão.O principal órgão judicial dos Estados Unidos preservou importantes proteções de patentes que beneficiam a indústria de biotecnologia, mas deixou claro que isso não abrange o DNA extraído do corpo humano.Pesquisadores e defensores dos pacientes dizem que isso pode baratear os exames genéticos que apontam riscos de doenças.O tribunal se pronunciou em uma ação movida por pesquisadores médicos e outros interessados, envolvendo sete patentes detidas ou licenciadas pela Myriad, relacionados a dois genes associados aos cânceres de mama e ovário.O trabalho da Myriad nos diagnósticos preventivos atraiu a atenção mundial neste ano, quando a atriz Angelina Jolie anunciou que havia extraído as duas mamas depois que um exame apontou que ela tinha um risco extremamente elevado de desenvolver câncer de mama.O setor de biotecnologia viu algo de bom na decisão, observando que os juízes mantiveram intactas as proteções de patente sobre as formas de DNA produzidas por cientistas em laboratórios, e os processos usados para realizar os exames que prognosticam o câncer e outras doenças. O setor vinha alertando que uma condenação mais rigorosa à Myriad ameaçaria um investimento de bilhões de dólares.Em voto redigido pelo juiz Clarence Thomas, a corte disse que o chamado cDNA (“c” de “complementar, por ser “editado” em laboratório) pode ser patenteado, pois não ocorre naturalmente, o que lhe garantiria proteção sob a lei federal.Um laboratorista, escreveu ele, “inquestionavelmente cria algo novo quando o cDNA é feito”. Thomas observou que a chamada patente metodológica, que abrange os procedimentos técnicos para a realização de determinado processo, não foi afetada pela sentença.O acordo intermediário, que havia sido recomendado aos juízes pelo governo Obama, terá menos impacto sobre a Myriad do que se o tribunal tivesse proibido as patentes de todo tipo de material genético. Todas as patentes contestadas da Myriad expiram em 2015, mas a empresa diz deter outras que protegerão seus exames até 2018 e potencialmente depois.As ações da Myriad tiveram alta superior a 10 por cento depois da sentença devido à expectativa de que ela continuará lucrando com seus exames de diagnóstico preventivo do câncer.Mas essa alta acabou sendo revertida mais tarde, à medida que analistas de Wall Street questionaram as implicações em mais longo prazo sobre as ferramentas genéticas de diagnóstico.(Com reportagem adicional de Diane Bartz, Sharon Begley e Bill Berkrot)

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-5 ajuda a perpetuar mito da loucura feminina

 

__

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

 

__

A recém-lançada edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) pode ser anunciada como a “bíblia da psiquiatria”, mas não é um documento científico objetivo revelando a verdade sobre a loucura, como seus defensores afirmam.

Pelo contrário, é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis.

amito-loucura-feminina-1

A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

As mulheres são significativamente mais propensas do que os homens a serem diagnosticadas com uma vasta gama de doenças psiquiátricas. Isso inclui depressão, ansiedade, transtornos alimentares, transtorno de personalidade marginal (borderline), transtorno somatoforme, distúrbios do sono e transtorno de identidade dissociativa, ou despersonalização.

As mulheres também são significativamente mais propensas do que os homens a receberem receitas de medicações psicotrópicas conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como o Prozac, receberem tratamentos de eletroconvulsoterapia (ECT), ou serem hospitalizadas por doenças psiquiátricas.

Mas isso não quer dizer que as mulheres sejam mais loucas do que os homens.

Elas são simplesmente mais propensas a serem rotuladas como tal quando expressam descontentamento ou angústia com a vida cotidiana. Ou quando não conseguem viver de acordo com os ideais irrealistas da esposa e mãe perfeitas.

Esses ideais mudam com o tempo.

No século 19, mulheres foram internadas em asilos para doentes mentais por usarem linguagem chula, fazer sexo fora do casamento ou quando expressavam desejo de deixar seus maridos.

Hoje, nós não trancamos mais as mulheres por comportamento não feminino ou por descontentamento conjugal – em vez disso, nós as colocamos em uma camisa de força química prescrevendo medicações psicotrópicas.

Testado em homens, prescrito para mulheres

Esse fenômeno é ilustrado em um estudo de 2004 que analisou propagandas dos antidepressivos ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) de 1985 a 2000. O estudo mostrou uma clara mudança para reposicionar reações normais das mulheres – dificuldades associadas com o casamento, a maternidade, a menstruação ou a menopausa – como doenças psiquiátricas que justificam a medicação ISRS.

Experiências emocionais, tais como “ser oprimida por tristeza”, ou “nunca sentir-se feliz”, começaram a ser catalogadas como depressão ou ansiedade, em vez de reações compreensíveis em relação à vida.

Tristeza e ansiedade não são doenças mentais

Os mesmos pesquisadores também analisaram artigos da mídia sobre a depressão entre 1985 e 2000.

Eles concluíram que não havia provas que dessem suporte ao “diagnóstico baseado em gênero” – um alargamento dos critérios específicos de gênero para a depressão -, que legitima o uso de ISRSs para as mulheres.

Histórias na imprensa retratam o Prozac como uma droga milagrosa, que pode ajudar as mulheres a se sentirem “normais”, “alicerçadas” e “melhor do que bem” (Prozac Nation), ou fornecendo a “química que ajuda a ser uma supermãe” (Time).

Quem não gostaria de tomar SSRIs se isso fosse verdade? Mas não é.

O teste original dos ISRS para a FDA (Food and Drug Administration) foi realizado em pequenos grupos de homens com diagnóstico de depressão grave.

No entanto, o principal mercado para essas drogas hoje são as mulheres com depressão leve ou “sombra”.

Nós sabemos também que os ISRS têm efeitos colaterais graves, incluindo suicídio, agressão, espasmo muscular, disfunção sexual, agitação interior, problemas de estômago e pele, e comportamento “fora do personagem”.

O excesso de prescrição dessas drogas para as mulheres é claramente uma questão de séria preocupação. E esse excesso de prescrição pode ser diretamente ligado ao DSM.
A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

Ligações duvidosas

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

O diagnóstico psiquiátrico e a prescrição de medicação para as mulheres também aumentou ao longo deste período de 20 anos.

A indústria farmacêutica é uma das indústrias mais rentáveis do mundo – com vendas globais alcançando US$ 400 bilhões por ano. As medicações psicotrópicas desempenham um papel fundamental nos lucros, com os cinco primeiros SSRIs rendendo entre US$ 1 bilhão e US$ 3 bilhões por ano, apesar de as drogas serem quase idênticas. Isso equivale a lucros totais de mais de US$ 10 bilhões por ano.

Lucros doentios

A indústria é impulsionada pelo imperativo econômico para manter lucros elevados através de manutenção e da expansão contínua de seus mercados. E o DSM desempenha uma função chave nesse processo expandindo a lista de categorias de diagnóstico a cada nova edição.

Isso permite que os psiquiatras diagnostiquem infelicidade como loucura, e prescrevam medicamentos para um número crescente de mulheres infelizes ou vulneráveis.

Nós precisamos levar a angústia relatada por mulheres – e por homens – a sério.

Às vezes, a ajuda terapêutica ou medicinal é necessária. Mas nós também precisamos questionar a crescente patologização da infelicidade cotidiana.

Ela fornece um mercado para a indústria farmacêutica e legitima o controle psiquiátrico. E isso reforça o mito de que as mulheres são mais loucas do que os homens.

Psiquiatras ampliam definição de doenças para aumentar mercado

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dsm-5-perpetuar-mito-loucura-feminina&id=8885&nl=nlds
__

Suprema Corte dos Estados Unidos proíbe patentear DNA humano natural

__

Em sua primeira sentença desse tipo sobre a genética humana, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu por unanimidade nesta quinta-feira que material genético produzido sinteticamente pode ser patenteado, mas que isso não se aplica ao DNA natural.

Os nove juízes concederam vitória parcial à empresa de biotecnologia Myriad Genetics, de Salt Lake City (Utah), detentora das patentes em questão.

dna humano

O principal órgão judicial dos Estados Unidos preservou importantes proteções de patentes que beneficiam a indústria de biotecnologia, mas deixou claro que isso não abrange o DNA extraído do corpo humano.

Pesquisadores e defensores dos pacientes dizem que isso pode baratear os exames genéticos que apontam riscos de doenças.

O tribunal se pronunciou em uma ação movida por pesquisadores médicos e outros interessados, envolvendo sete patentes detidas ou licenciadas pela Myriad, relacionados a dois genes associados aos cânceres de mama e ovário.

O trabalho da Myriad nos diagnósticos preventivos atraiu a atenção mundial neste ano, quando a atriz Angelina Jolie anunciou que havia extraído as duas mamas depois que um exame apontou que ela tinha um risco extremamente elevado de desenvolver câncer de mama.

O setor de biotecnologia viu algo de bom na decisão, observando que os juízes mantiveram intactas as proteções de patente sobre as formas de DNA produzidas por cientistas em laboratórios, e os processos usados para realizar os exames que prognosticam o câncer e outras doenças. O setor vinha alertando que uma condenação mais rigorosa à Myriad ameaçaria um investimento de bilhões de dólares.

Em voto redigido pelo juiz Clarence Thomas, a corte disse que o chamado cDNA (“c” de “complementar, por ser “editado” em laboratório) pode ser patenteado, pois não ocorre naturalmente, o que lhe garantiria proteção sob a lei federal.

Um laboratorista, escreveu ele, “inquestionavelmente cria algo novo quando o cDNA é feito”. Thomas observou que a chamada patente metodológica, que abrange os procedimentos técnicos para a realização de determinado processo, não foi afetada pela sentença.

O acordo intermediário, que havia sido recomendado aos juízes pelo governo Obama, terá menos impacto sobre a Myriad do que se o tribunal tivesse proibido as patentes de todo tipo de material genético. Todas as patentes contestadas da Myriad expiram em 2015, mas a empresa diz deter outras que protegerão seus exames até 2018 e potencialmente depois.

As ações da Myriad tiveram alta superior a 10 por cento depois da sentença devido à expectativa de que ela continuará lucrando com seus exames de diagnóstico preventivo do câncer.

Mas essa alta acabou sendo revertida mais tarde, à medida que analistas de Wall Street questionaram as implicações em mais longo prazo sobre as ferramentas genéticas de diagnóstico.

Com reportagem adicional de Diane Bartz, Sharon Begley e Bill Berkrot
Reuters

http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/suprema-corte-dos-estados-unidos-proibe-patentear-dna-humano-natural,04c54b65d463f310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html

__

 

Tráfico de Órgãos – Terceiro crime organizado mais lucrativo do mundo

__

acougue humano

Não patenteiem meus genes! Liberem os genes do câncer da mama!

 

Você sabia que as empresas privadas podem patentear genes em seu corpo? Uma empresa chamada Myriad Genetics “possui” dois genes conhecidos como genes BRCA 1 e BRCA2 ou Breast Cancer 1 e câncer de mama 2 . Mulheres com certas mutações nestes genes têm uma forte chance de câncer de mama ou de ovário.Isso tem implicações muito perigosas para a saúde da mulher e da pesquisa científica .O governo não deve conceder às entidades de controle privado algo tão pessoal e fundamental para o corpo humano como nossos genes. Além disso, a concessão de patentes limitam a pesquisa científica, a aprendizagem e o fluxo livre de informação viola a Primeira Emenda.A ACLU argumenta o caso contra patentes de genes perante a Suprema Corte dos EUA em 15 de abril de 2013. Esperamos que uma decisão neste verão.

A empresa Myriad Genetics tem uma patente de dois genes, BRCA1 e BRCA2, ambos intimamente associado com câncer de mama e de ovário. Assim, a Myriad controla a pesquisa sobre os genes, o preço do teste e sua capacidade de obter uma segunda opinião. Patenteamento de genes tem implicações perigosas para a nossa saúde e que recentemente desafiou as patentes sobre BRCA1/BRCA2 no Suprema Corte.  Saiba mais sobre os riscos do patenteamento de genes a partir da perspectiva de um paciente:  https://www.aclu.org/free-speech-technology-and-liberty-womens-rights/patents-human-genes-patients-perspective.

 

ageneA

Mastectomia de Angelina Jolie alimenta negócio bilionário

 

__

 (…) “De acordo com o site americano de saúde, Natural Health News, o anúncio de Angelina causou pânico nas mulheres, que acreditam que a mutilação é a única opção para elas.

Mas a companhia denuncia: por trás desse anúncio de Jolie pode estar um negócio bilionário, já que a empresa Myriad Genetics patentou os genes BRCA 1, e agora somente eles, no mundo todo, é que podem fornecer esse exame, que em alguns países, como no Brasil, pode chegar a custar R$ 7 mil. (…)

(…) desde que a atriz fez pública sua situação, aumentou consideravelmente o número de mulheres querendo fazer a polêmica cirurgia, mesmo estando saudáveis.  (…)

agenes

 

Leia: Câncer de mama: a vitamina D ou mastectomia.

__

Especialistas médicos criticam a decisão da atriz de promover o exame que detecta os genes BRCA1

 

De famosos a especialistas médicos. Todos deram sua opinião sobre a decisão de Angelina Jolie de submeter-se a uma dupla mastectomia preventiva, já que ela tem uma alta porcentagem de vir a sofrer câncer de mama no futuro.

Mas sua decisão deixou parte do corpo médico bastante preocupado, pois desde que a atriz fez pública sua situação, aumentou consideravelmente o número de mulheres querendo fazer a polêmica cirurgia, mesmo estando saudáveis.

De acordo com o site americano de saúde, Natural Health News, o anúncio de Angelina causou pânico nas mulheres, que acreditam que a mutilação é a única opção para elas.

Mas a companhia denuncia: por trás desse anúncio de Jolie pode estar um negócio bilionário, já que a empresa Myriad Genetics patentou os genes BRCA 1, e agora somente eles, no mundo todo, é que podem fornecer esse exame, que em alguns países, como no Brasil, pode chegar a custar R$ 7 mil.

Médica fala sobre o apoio de Brad Pitt durante as cirurgias de Angelina Jolie
Para o jornalista especializado, da Natural Health, Mike Adams, a decisão de Angelina de dizer ao mundo, não foi nada valente, e sim uma triste forma de aterrorizar as mulheres com falsas estatísticas de câncer de mama, incitando à auto-mutilação e paranoia.

“Angelina Jolie é parte de um astuto plano corporativo desenhado para proteger milhões de dólares em patentes de genes BRCA, e influir na decisão da Corte Suprema dos Estados Unidos”, acusa.

O site financeiro MarketWatch também criticou a atriz:

“Ela simplesmente se nega a dizer a essas mulheres que a cirurgia não é a única opção preventiva, que existe tratamento preventivo, sem ter de tomar essa decisão tão dramática. O que Angelina provocou:

1)  Que mulheres assustadas corressem a fazer esses caros exames por medo, aumentando ainda mais o fluxo da companhia.

2)  Seu anúncio fez com que as ações da Myriard Genetics (MYGN) aumentassem na bolsa. No dia do anúncio, depois da publicação no New York Times, a companhia fechou em alta.

3)  Seu anúncio fez com que a opinião pública influenciasse na decisão da Corte Suprema de Justiça para legislar a favor da privativação dos genes humanos. Angelina Jolie está enganando todas as mulheres do mundo. O que ela fez, literalmente, foi vender as mulheres à indústria do câncer, com fins lucrativos.

4)  As ‘declarações’ de Jolie foram publicadas dias antes de que a Corte expedisse sobre a viabilidade de patentar genes BRCA1″.

E continua:

“Investigadores especializados, conselheiros genéticos, pacientes mulheres, sobreviventes de câncer, instituições de câncer de mama, grupos de saúde das mulheres, e associações científicas que representam a 150 mil geneticistas, patólogos e profissionais de laboratório, argumentam que os genes humanos não podem ser patentados porque são produto da natureza. A intenção de patentar genes humanos viola os exames de diagonóstico e investigação que poderiam conduzir a uma cura, limitando as opções das mulheres com respeito à sua atenção médica”.

Alguns acreditam que a mulher de Brad Pitt também foi enganada. Um médico especialista, consultado pela publicação afirma que todas as pessoas tem microcélulas cancerígenas no corpo, e que algunas desenvolvem a doença, enquanto outras não.

A boa alimentação preventiva, e tratamentos específicos preventivos, podem ajudar mais do que a auto-mutilação.

Avalie esta Matéria
1

Aborto: A incompetência do Conselho Federal de Medicina

__

Por Cícero Harada*

“O CFM apoia o aborto até a 12ª semana de gestação.” “Médicos apoiam aborto até o 3º mês.” Eis as manchetes dos principais meios de comunicação.

aborto

Tem-se discutido o mérito da questão, isto é, se a favor ou contra o aborto. Claro que este é a pena de morte que se inflige ao inocente indefeso. Nesse sentido não há aborto seguro e inseguro. Todos irremediavelmente matam o nascituro.

Não é disso que vou tratar agora, mas da indagação prévia do desvio de finalidade do CFM perpetrado por seus dirigentes.

A incompetência dessa autarquia de fiscalização profissional, no tocante à matéria, é gritante.

Com efeito, a Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, que dispõe sobre os Conselhos de Medicina e dá outras providências, em seu artigo 5º, estabelece as atribuições do CFM, a saber: “a) organizar o seu regimento interno; b) aprovar os regimentos internos organizados pelos Conselhos Regionais; c) eleger o presidente e o secretária geral do Conselho; d) votar e alterar o Código de Deontologia Médica, ouvidos os Conselhos Regionais; e) promover quaisquer diligências ou verificações, relativas ao funcionamento dos Conselhos de Medicina, nos Estados ou Territórios e Distrito Federal, e adotar, quando necessárias, providências convenientes a bem da sua eficiência e regularidade, inclusive a designação de diretoria provisória; f) propor ao Governo Federal a emenda ou alteração do Regulamento desta lei; g) expedir as instruções necessárias ao bom funcionamento dos Conselhos Regionais; h) tomar conhecimento de quaisquer dúvidas suscitadas pelos Conselhos Regionais e dirimi-las; i) em grau de recurso por provocação dos Conselhos Regionais, ou de qualquer interessado, deliberar sobre admissão de membros aos Conselhos Regionais e sobre penalidades impostas aos mesmos pelos referidos Conselhos.”

Como se vê, não há previsão que autorize o CFM a apoiar ou não projetos de lei, muito menos dessa natureza.

Trata-se de autarquia federal que não pode ultrapassar os limites da autorização legal de competências. Se ela atuasse no âmbito do direito privado, poderia fazer tudo que não lhe fosse vedado por lei, mas regendo-se pelo direito administrativo, há de observar estritamente o que a lei determina. Portanto, a ilegalidade de seu ato é um evidente escândalo que depõe contra a maioria dos dirigentes que fizeram aprovar o apoio ao projeto abortista.

Os dirigentes da instituição que assim pensam até podem, como cidadãos, em nome próprio, manifestar nesse sentido, mas o CFM não detém poderes para encaminhar moção, ofício ou mesmo designar comissão a quaisquer dos Poderes, apoiando ou rejeitando o aborto.

O diploma legal citado autoriza no artigo 5º, letra “f “, apenas e tão só que o CFM proponha emenda ou alteração do Regulamento da referida lei nº 3.268/57, ou seja, em assunto que diga estritamente respeito ao rol taxativo de suas competências.

A proposta do aborto, pois, sequer poderia ter sido posta em discussão, ser aprovada ou rejeitada, menos ainda a sua defesa encaminhada ao Senado, em nome do CFM. São atos de desvio de finalidade e como tais nulos de pleno direito e de nenhum efeito. Cuida-se de grave instrumentalização política de entidade que sempre gozou da mais ampla respeitabilidade social, mas que agora, ao arrepio da lei, embarca na canoa da morte.

Há interesses corporativos de médicos, como já se vem propalando, visando a ampliar o mercado de trabalho, em atividade que arrecada milhões e milhões de dólares em outros países à custa da morte dos não nascidos? Não sei, mas certo é que, qualquer que seja o interesse classista, ao tomar posição, o CFM assume o papel de sindicato, desviando de suas atribuições legais, o que lhe é vedado.

Saliento que, de acordo com o art. 11 da lei nº 8.429, de 2 de junho de 1992, “constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente: I – praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de competência.”

É de se esperar que o CFM, por seu conselheiros, adote “interna corporis” ações corretivas rigorosas, imediatas e eficazes, evitando que essa nódoa macule triste e definitivamente a história da entidade e impedindo, ao mesmo tempo, que medidas externas venham a ser tomadas, visando a fazer cumprir a lei? É improvável, mas só o futuro dirá.

*Advogado, foi Procurador do Estado de São Paulo e Conselheiro da OAB-SP
Publicado originalmente em Catolicanet, 25/3/2013

O que você não sabe ou reconhece pode prejudicar a sua saúde

A doença celíaca cujo local mais afetado é o trato gastrointestinal – é uma das doenças autoimunes mais mal diagnosticadas, de acordo com Peter H. R. Green, diretor do Centro de Doença Celíaca da Universidade Columbia. Os motivos vão desde o fato de que até bem pouco tempo a doença era considerada rara – portanto os médicos não a investigavam – ao desconhecimento por parte da classe, uma vez que a doença celíaca não fazia parte de muitos programas médicos educacionais. Felizmente, isso está mudando.

Depois de passar, pelo menos, vinte anos da minha vida tendo fortes e inexplicáveis dores de cabeça, ser submetida a diversos tratamentos para corrigir anemia (baixa quantidade de ferro/ferritina) e ser acometida, ainda relativamente jovem, com problemas de osteopenia nos quadris com evolução para osteoporose, desenvolvi mais uma doença autoimune a Artrite Reumatóide. Falta de sorte? Não, falta de diagnóstico!

___

Eu era celíaca e não sabia! Hein? Sim, é isso mesmo! Celíaco é o nome dado às pessoas que não podem ingerir trigo ou, mais corretamente, glúten: proteína encontrada naturalmente no trigo, centeio e cevada. Escondido em alimentos como pizzas, massas, pães, cervejas, molhos e um número infinito de produtos industrializados, incluindo medicamentos, o glúten pode estar destruindo a saúde de muitas pessoas sem que elas saibam. E aqui começa o nosso suposto problema ou a solução para ele.

aceliaca

A doença celíaca cujo local mais afetado é o trato gastrointestinal – é uma das doenças autoimunes mais mal diagnosticadas, de acordo com Peter H. R. Green, diretor do Centro de Doença Celíaca da Universidade Columbia. Os motivos vão desde o fato de que até bem pouco tempo a doença era considerada rara – portanto os médicos não a investigavam – ao desconhecimento por parte da classe, uma vez que a doença celíaca não fazia parte de muitos programas médicos educacionais. Felizmente, isso está mudando.

Depois de passar, pelo menos, vinte anos da minha vida tendo fortes e inexplicáveis dores de cabeça, ser submetida a diversos tratamentos para corrigir anemia (baixa quantidade de ferro/ferritina) e ser acometida, ainda relativamente jovem, com problemas de osteopenia nos quadris com evolução para osteoporose, desenvolvi mais uma doença autoimune a Artrite Reumatóide. Falta de sorte? Não, falta de diagnóstico!

Nas doenças autoimunes o corpo ataca a si próprio. E na doença celíaca as células do sistema imunológico danificam as vilosidades do intestino delgado provocando uma inflamação, ou seja, elas destroem a porção do intestino responsável pela absorção de nutrientes necessários à manutenção da boa saúde.

O glúten é a proteína responsável por desencadear o processo inflamatório. As células do sistema imunológico presentes na sua maioria no trato digestivo e encarregadas da defesa do organismo tratam o glúten como se este fosse um impostor, e travam uma verdadeira batalha para destruir o invasor. No combate, as partes afetadas são, exatamente, as vilosidades, encarregadas de digerir e absorver os alimentos.

Diferentes porções do intestino delgado têm a função de absorver nutrientes distintos. Por exemplo, além de outros, o ferro e o cálcio são absorvidos na chamada porção proximal do intestino delgado: local onde a doença celíaca causa mais danos. Ora, não é de admirar os problemas que enfrentei com repetidos quadros de anemia e infindáveis diagnósticos de osteopenia que acabaram evoluindo para osteoporose: ainda assim a doença celíaca, por vezes silenciosa, seguiu seu curso sem levantar suspeitas e sem ser diagnosticada, até o aparecimento da segunda doença autoimune.

Hoje é perfeitamente documentado e conhecido o fato de que as doenças autoimunes tendem a aparecer em pares, ou seja, se você desenvolver uma é provável que desenvolva a segunda.

O The New Journal of Medicine catalogou pelo menos 55 doenças relacionadas à doença celíaca ou à intolerância ao glúten. Entre elas encontramos a artrite reumatóide, a esclerose múltipla, a ataxia cerebelar, a doença de Hashimoto, a osteoporose e outras. O problema maior é que como a doença celíaca nem sempre é apontada como uma das possíveis causas de doenças autoimunes, muitas vezes os pacientes iniciam o tratamento dos sintomas sem eliminar a causa. O que pode, com o passar do tempo, levar ao agravamento da doença autoimune.

No entanto, segundo pesquisadores, cientistas e médicos não é o glúten que torna o trigo que consumimos um “veneno perfeito e crônico”, mas sim o fato de que hoje usamos uma qualidade de trigo geneticamente modificado com características muito diferentes do trigo que usávamos há cinqüenta anos. E isto explica, em parte, por que a doença celíaca, considerada rara no passado, deixou de ser tão rara assim e hoje afeta um em cada 133 americanos. No Brasil, embora os números não sejam conhecidos, estima-se que a situação seja mais ou menos semelhante.

Com a evolução de ambas as doenças autoimunes, há dois anos eu precisei andar com o auxílio de uma bengala e as horas produtivas do meu dia foram muito reduzidas, devido às frequentes pausas para descanso. O cansaço produzido pelas inflamações era tão grande que não restava energia para outra coisa a não ser dormir. Sem medicamentos e com uma dieta alternada e 100% sem glúten recuperei a minha saúde e qualidade de vida. Hoje faço exercícios cardiológicos e musculação três vezes por semana sem nenhuma restrição ou limitação física. A bengala virou estória!

Assim como eu, se você também tem ou suspeita ter a doença celíaca ou qualquer outra doença autoimune, procure o seu médico e converse com ele. Insista e não desista! Mas lembre-se: uma dieta bem balanceada e 100% sem glúten poderá fazer milagres pela saúde do seu corpo. Se eu consegui você também pode conseguir o mesmo. O antigo ditado, “Você é o que você come!”, vem provando ser uma grande verdade.

Referências:

Celiac Disease The Hidden Epidemic by Peter H.R. Green

The Autoimmune Epidemic by Donna Jackson Nakazawa

Fora estudos práticos, as informações desse artigo foram baseadas em pesquisas conduzidas pelo autor e estas não devem substituir o seu relacionamento com médicos qualificados e não devem ser entendidas como um conselho médico. A intenção é partilhar conhecimento e informação vindos a partir de pesquisas e experiências da autora. A autora encoraja a todos que façam suas próprias decisões médicas levando em conta suas próprias pesquisas auxiliadas por profissional médico qualificado.

Rosanne Martins é bióloga, química, terapeuta holística, coach, palestrante motivacional e autora do livro Por que sonhar se não para realizar? Site da autora: http://www.rosannemartins.com.br.

__

Genética influi pouco em doenças autoimunes

English: Angelina Jolie at the Cannes film fes...

_

Luis Ricardo Goulart Filho, o estudo ajuda a esclarecer suspeitas que sempre existiam na área médica. “Existem doenças, como o diabetes, que conseguimos identificar o gene responsável pelo desencadeamento dela, mas muitas outras enfermidades dessa magnitude são causadas por fatores externos. Como esse estudo mostra, seria bastante complicado definir os agentes só no DNA da pessoa”, destaca o pesquisador. O geneticista diz ainda que as pessoas com um gene relacionado a alguma doença podem não desenvolvê-la. “Podemos usar como exemplo o caso da Angelina Jolie, que tinha cerca de 80% de chances de ter câncer de mama. Isso significa que 20% (de pacientes como ela) não desenvolvem. Por isso, não podemos generalizar e dizer que a hereditariedade seria a principal causa. Temos fatores, como o estresse e a poluição, que podem fazer diferença”, destaca.

__

Cientistas da Universidade Queen Mary, de Londres, realizaram o sequenciamento genético de mais de 40 milpessoas

Em um estudo publicado na revista Nature, pesquisadores ingleses fizeram um mapeamento genético de grandes proporções em busca de indícios que ligassem a origem das doenças autoimunes a fatores genéticos. O objetivo da equipe era encontrar uma maneira de combater essas enfermidades em sua formação inicial, mas o resultado mostrou que o enfoque nos genes pode não ser muito efetivo, pois outros importantes fatores parecem estar por trás do desencadeamento desses males.

Os cientistas da Universidade Queen Mary, de Londres, realizaram o sequenciamento genético de mais de 40 mil pessoas. A investigação usou como base seis quadros autoimunes: doenças da tireoide, doença celíaca, doença de Crohn (enfermidade crônica inflamatória intestinal), psoríase, esclerose múltipla e diabetes tipo 1. O mapeamento dos participantes foi dividido em dois grupos, sendo que 24.892 voluntários tinham algum desses males, e 17.019 eram saudáveis. Ao analisar os genes dos dois conjuntos de indivíduos e compará-los, os estudiosos perceberam que o fator genético das doenças é pequeno (na ordem de 3%). Logo, outros fatores seriam grandes responsáveis por esse tipo de condição.

De acordo com David Van Heel, professor de genética gastrointestinal de Queen Mary e líder do estudo, os genes que foram identificados não são suficientes para que um tratamento mais eficaz possa ser desenvolvido. “Para cada doença, deve haver centenas de fatores, e o risco genético é provavelmente herdado de um grande número de variantes de ambos os genitores. Se for esse o caso, talvez seja possível prever com exatidão as chances de um indivíduo desenvolver doenças autoimunes. Entretanto, os resultados não fornecem informações essenciais sobre a base biológica dessas condições e sobre as vias envolvidas”, destaca o pesquisador no trabalho.

Para o geneticista da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Luis Ricardo Goulart Filho, o estudo ajuda a esclarecer suspeitas que sempre existiam na área médica. “Existem doenças, como o diabetes, que conseguimos identificar o gene responsável pelo desencadeamento dela, mas muitas outras enfermidades dessa magnitude são causadas por fatores externos. Como esse estudo mostra, seria bastante complicado definir os agentes só no DNA da pessoa”, destaca o pesquisador. O geneticista diz ainda que as pessoas com um gene relacionado a alguma doença podem não desenvolvê-la. “Podemos usar como exemplo o caso da Angelina Jolie, que tinha cerca de 80% de chances de ter câncer de mama. Isso significa que 20% (de pacientes como ela) não desenvolvem. Por isso, não podemos generalizar e dizer que a hereditariedade seria a principal causa. Temos fatores, como o estresse e a poluição, que podem fazer diferença”, destaca. (VS)

 

Fogo amigo
Doenças autoimunes são quadros que ocorrem quando o sistema imunológico ataca e destrói os tecidos saudáveis do corpo, como se fosse incapaz de distinguir o que é prejudicial e o que faz parte do próprio organismo. Existem mais de 80 tipos dessas enfermidades.

http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2013/05/23/noticia_saudeplena,143471/genetica-influi-pouco-em-doencas-autoimunes.shtml

__

Por que os bebês precisam de sol?

__

A exposição solar ajuda na produção de um componente essencial ao organismo, a vitamina D, que é uma importante aliada da saúde dos ossos, pois influencia na absorção de cálcio. No entanto, a poluição, o clima seco das grandes cidades e a incidência de raios ultravioletas podem servir como obstáculo a essa tarefa.

abebe

Como as mães devem proceder nesses casos? A pediatra do Hospital Villa-Lobos, Camila Lemiechek Orellana, explica: “A recomendação é de exposição solar a partir da segunda semana de vida, 30 minutos por semana com a criança usando apenas fralda — de 6 a 8 minutos por dia, 3 vezes na semana — ou 2 horas por semana, expondo apenas a face e as mãos da criança — 17 minutos por dia.”

Os benefícios da vitamina D são muitos. Além do papel já reconhecido na preservação da estrutura óssea e no metabolismo do cálcio, evitando fraturas e osteoporose na vida adulta e o raquitismo nas crianças, estudos mais recentes apontam para outros efeitos positivos em relação à melhora da imunidade e prevenção de doenças autoimunes (como diabetes tipo I e esclerose múltipla) e até alguns tipos de câncer (mama, próstata, cólon).

Para aproveitar os benefícios da vitamina D as mães devem adotar algumas medidas de precaução ao colocarem as crianças para tomar sol. “Os cuidados no momento da exposição solar são principalmente em relação à hidratação do bebê. Deve-se oferecer bastante água, usar roupas leves e estar atento aos sinais de desidratação, como urina escassa e escura, olhos encovados, choro sem lágrima, irritabilidade, moleira funda, saliva espessa e boca seca”, detalha a pediatra.

Além da exposição solar, a alimentação e os suplementos também são formas de obtenção da vitamina D. No entanto, menos de 10% são provenientes das fontes alimentares. Por isso, tomar sol ainda é mais efetivo, embora ainda não exista consenso sobre níveis seguros de exposição solar que garantam a produção de vitamina D sem receber os malefícios da radiação ultravioleta, segundo a pediatra.

Além disso, a médica ressalta que bebês de até 18 meses devem receber suplementação medicamentosa de vitamina D como prevenção, uma vez que nesta idade as crianças ainda não são expostas ao sol com tanta regularidade.

Vários sinais podem indicar falta de vitamina D no organismo, como
— Atraso no desenvolvimento
— Baixa estatura
— Falência de crescimento
— Dor óssea
— Fraturas
— Atraso na erupção dentária
— Suscetibilidade a infecções
— Distúrbios respiratórios e cardíacos

Nestes casos, o recomendável é procurar um especialista. “Tais sinais devem ser diagnosticados pelo pediatra, nas consultas de rotina, e esta é a recomendação mais importante a ser dada aos pais, a de continuarem com um seguimento médico regular”, alerta.

Apesar de necessária em todas as fases da vida, a vitamina D é importante, principalmente na infância, época em que cerca de 90% da massa óssea se desenvolve.

Uma criança com boas doses deste nutriente no organismo pode evitar problemas futuros como osteopenia e osteoporose.

Os benefícios nesta fase são tantos que a Sociedade Brasileira de Pediatria dobrou a recomendação de vitamina D para crianças e adolescentes. Desde 2011, a dose diária indicada passou de 200 para 400 UIs (cada UI equivale a 40 microgramas).

Tribuna da Bahia.

Estudo liga consumo de carne processada a risco de morte precoce

De acordo com os cientistas, aqueles que consumiam mais de 160g de carnes processadas por dia – equivalente a cerca de duas salsichas e uma fatia de bacon – registraram 44% mais chances de morrer durante o período do estudo do que os que consumiam cerca de 20g.

No total, quase 10 mil pessoas morreram de câncer e 5,5 mil de problemas cardíacos.

“Um alto consumo de carne, especialmente carnes processadas, está associado a um estilo de vida menos saudável”, disse à BBC a professora Sabine Rohrmann, da Universidade de Zurique, uma das autoras do estudo.

 

__

 

Um estudo feito com meio milhão de pessoas na Europa indica que salsicha, presunto, bacon e outros tipos de carne processada aumentam o risco de morte precoce.

O levantamento acompanhou pessoas de dez países europeus durante uma média de 13 anos, sendo que uma em cada 17 pessoas acompanhadas no estudo morreu.

aCarne-processada1

Os cientistas concluíram que dietas com alto consumo de carnes processadas estão ligadas a doenças cardiovasculares, câncer e mortes precoces.

Segundo eles, pessoas que comem muita carne processada mostraram também ter maior propensão a serem obesas, a fumar e a apresentar outros fatores de risco à saúde.

Os pesquisadores disseram, porém, que mesmo levando-se em conta esses outros fatores de risco, as carnes processadas ainda assim foram consideradas perigosas.
Risco

De acordo com os cientistas, aqueles que consumiam mais de 160g de carnes processadas por dia – equivalente a cerca de duas salsichas e uma fatia de bacon – registraram 44% mais chances de morrer durante o período do estudo do que os que consumiam cerca de 20g.

No total, quase 10 mil pessoas morreram de câncer e 5,5 mil de problemas cardíacos.

“Um alto consumo de carne, especialmente carnes processadas, está associado a um estilo de vida menos saudável”, disse à BBC a professora Sabine Rohrmann, da Universidade de Zurique, uma das autoras do estudo.

“Mas mesmo depois de ajustar fatores como fumo ou obesidade, acreditamos que há um risco em comer carnes processadas”, afirmou.

“Parar de fumar é mais importante que cortar o consumo de carne, mas eu recomendaria que as pessoas reduzissem sua ingestão de carne.”

Segundo Rohrmann, se cada participante do estudo consumisse no máximo 20g de carnes processadas por dia, 3% das mortes precoces poderiam ter sido evitadas.

No entanto, um pouco de carne, mesmo carne processada, traz benefícios à saúde, de acordo com o estudo.

ADIABETE

Ursula Arens, da British Dietetic Association, disse ao programa Today, da BBC Radio 4, que passar carne fresca em um moedor não torna essa carne processada.

Arens observou que a carne processada foi alterada de alguma maneira para aumentar sua validade, ou mudar seu sabor.
Escolhas

Rachel Thompson, do World Cancer Research Fund, organização britânica que dá dicas sobre prevenção de câncer, disse que este estudo é mais um acréscimo “ao conjunto de evidências científicas que sublinham os riscos à saúde de comer carnes processadas”.

“Nossa pesquisa, publicada em 2007 e posteriormente confirmada em 2011, demonstra forte evidência de que comer carnes processadas, como bacon, presunto, salsichas, salame, etc, aumenta o risco de câncer no intestino”.

A organização diz que haveria 4 mil casos de câncer de intestino a menos caso as pessoas consumissem menos de 10g por dia.

Tracy Parker, da British Heart Foundation, organização que se dedica a campanhas contra doenças cardíacas, disse que a pesquisa sugere que carnes processadas podem estar ligadas a um maior risco de morte precoce, mas que aqueles participantes do estudo que consumiram maiores quantidades também fizeram “outras escolhas pouco saudáveis em seu estilo de vida”.

“Percebeu-se que eles comiam menos frutas e legumes e eram mais propensos a fumar, o que pode ter afetado os resultados”, disse.

 

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/03/130307_carne_riscos_ac.shtml

__

 

%d blogueiros gostam disto: