O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-5 ajuda a perpetuar mito da loucura feminina

 

__

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

 

__

A recém-lançada edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) pode ser anunciada como a “bíblia da psiquiatria”, mas não é um documento científico objetivo revelando a verdade sobre a loucura, como seus defensores afirmam.

Pelo contrário, é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis.

amito-loucura-feminina-1

A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

As mulheres são significativamente mais propensas do que os homens a serem diagnosticadas com uma vasta gama de doenças psiquiátricas. Isso inclui depressão, ansiedade, transtornos alimentares, transtorno de personalidade marginal (borderline), transtorno somatoforme, distúrbios do sono e transtorno de identidade dissociativa, ou despersonalização.

As mulheres também são significativamente mais propensas do que os homens a receberem receitas de medicações psicotrópicas conhecida como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como o Prozac, receberem tratamentos de eletroconvulsoterapia (ECT), ou serem hospitalizadas por doenças psiquiátricas.

Mas isso não quer dizer que as mulheres sejam mais loucas do que os homens.

Elas são simplesmente mais propensas a serem rotuladas como tal quando expressam descontentamento ou angústia com a vida cotidiana. Ou quando não conseguem viver de acordo com os ideais irrealistas da esposa e mãe perfeitas.

Esses ideais mudam com o tempo.

No século 19, mulheres foram internadas em asilos para doentes mentais por usarem linguagem chula, fazer sexo fora do casamento ou quando expressavam desejo de deixar seus maridos.

Hoje, nós não trancamos mais as mulheres por comportamento não feminino ou por descontentamento conjugal – em vez disso, nós as colocamos em uma camisa de força química prescrevendo medicações psicotrópicas.

Testado em homens, prescrito para mulheres

Esse fenômeno é ilustrado em um estudo de 2004 que analisou propagandas dos antidepressivos ISRS (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) de 1985 a 2000. O estudo mostrou uma clara mudança para reposicionar reações normais das mulheres – dificuldades associadas com o casamento, a maternidade, a menstruação ou a menopausa – como doenças psiquiátricas que justificam a medicação ISRS.

Experiências emocionais, tais como “ser oprimida por tristeza”, ou “nunca sentir-se feliz”, começaram a ser catalogadas como depressão ou ansiedade, em vez de reações compreensíveis em relação à vida.

Tristeza e ansiedade não são doenças mentais

Os mesmos pesquisadores também analisaram artigos da mídia sobre a depressão entre 1985 e 2000.

Eles concluíram que não havia provas que dessem suporte ao “diagnóstico baseado em gênero” – um alargamento dos critérios específicos de gênero para a depressão -, que legitima o uso de ISRSs para as mulheres.

Histórias na imprensa retratam o Prozac como uma droga milagrosa, que pode ajudar as mulheres a se sentirem “normais”, “alicerçadas” e “melhor do que bem” (Prozac Nation), ou fornecendo a “química que ajuda a ser uma supermãe” (Time).

Quem não gostaria de tomar SSRIs se isso fosse verdade? Mas não é.

O teste original dos ISRS para a FDA (Food and Drug Administration) foi realizado em pequenos grupos de homens com diagnóstico de depressão grave.

No entanto, o principal mercado para essas drogas hoje são as mulheres com depressão leve ou “sombra”.

Nós sabemos também que os ISRS têm efeitos colaterais graves, incluindo suicídio, agressão, espasmo muscular, disfunção sexual, agitação interior, problemas de estômago e pele, e comportamento “fora do personagem”.

O excesso de prescrição dessas drogas para as mulheres é claramente uma questão de séria preocupação. E esse excesso de prescrição pode ser diretamente ligado ao DSM.
A chamada “bíblia da psiquiatria” é um manual que tem sido usado para propagar o diagnóstico errado e os maus-tratos a mulheres vulneráveis. [Imagem: Amparo Torres/Wikimedia]

Ligações duvidosas

Em um estudo sobre os 170 membros do painel que produziu os critérios de diagnóstico do DSM-4 (publicado em 1994), 56% tinham vínculos financeiros com empresas farmacêuticas. Isto incluía o financiamento de pesquisas, consultorias e pagamentos por palestras.

Alguns painéis pareciam mais ligados à Big Pharma do que outros. Nos painéis sobre transtornos de humor e esquizofrenia, 100% dos especialistas tinham ligações com a indústria farmacêutica.

Os painéis sobre transtorno disfórico pré-menstrual tinham 83%, distúrbios alimentares 83% e transtornos de ansiedade 81%. Com a exceção da esquizofrenia, todas são desordens mais vulgarmente atribuídas às mulheres.

Quando olhamos para os membros dos painéis convocados para elaborar o DSM-5, esse interesse e influência parece ter aumentado. Cerca de 70% dos membros da força-tarefa relataram relações com a indústria farmacêutica – um aumento de 14% em relação ao DSM-IV.

O diagnóstico psiquiátrico e a prescrição de medicação para as mulheres também aumentou ao longo deste período de 20 anos.

A indústria farmacêutica é uma das indústrias mais rentáveis do mundo – com vendas globais alcançando US$ 400 bilhões por ano. As medicações psicotrópicas desempenham um papel fundamental nos lucros, com os cinco primeiros SSRIs rendendo entre US$ 1 bilhão e US$ 3 bilhões por ano, apesar de as drogas serem quase idênticas. Isso equivale a lucros totais de mais de US$ 10 bilhões por ano.

Lucros doentios

A indústria é impulsionada pelo imperativo econômico para manter lucros elevados através de manutenção e da expansão contínua de seus mercados. E o DSM desempenha uma função chave nesse processo expandindo a lista de categorias de diagnóstico a cada nova edição.

Isso permite que os psiquiatras diagnostiquem infelicidade como loucura, e prescrevam medicamentos para um número crescente de mulheres infelizes ou vulneráveis.

Nós precisamos levar a angústia relatada por mulheres – e por homens – a sério.

Às vezes, a ajuda terapêutica ou medicinal é necessária. Mas nós também precisamos questionar a crescente patologização da infelicidade cotidiana.

Ela fornece um mercado para a indústria farmacêutica e legitima o controle psiquiátrico. E isso reforça o mito de que as mulheres são mais loucas do que os homens.

Psiquiatras ampliam definição de doenças para aumentar mercado

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=dsm-5-perpetuar-mito-loucura-feminina&id=8885&nl=nlds
__

How dead are organ donors?

The Independent — 23 de jan. de 2008

http://www.independent.co.uk/opinion/letters/letters-.htmlssion-fears-772196.html

Sir: Organs for transplant (letter, 21 January) have to be taken from still-living bodies, bodies still perfused by their naturally beating hearts, warm and so reactive that muscle-paralysing drugs may have to be given to facilitate the surgery.

Their owners will have been certified “dead” on the controversial basis of bedside brain-stem testing, a procedure not sufficiently stringent to exclude some persisting brain-stem function and which includes no test for what may be abundant life elsewhere in the brain.

Many or even most of those who have put their names on the NHS Organ Donor Register may have thereby offered their organs to be taken for transplant purposes on the (mis)understanding that the wording “after my death” on the application forms meant that they would be dead in the commonly understood sense before their offers were taken up.

If so, they have made their offers on a false premise and those offers cannot be regarded as valid. Had it been explained to them that they would be dead in only a notional (“brain-stem death”) sense, at least some of them might have wished to specify general anaesthesia to cover the organ procurement procedure.

David W Evans

****

(Sometime Consultant Cardiologist at Papworth and Addenbrooke’s Hospitals), Cambridge

Sir: Of course dead people matter (Dominic Lawson, 18 January). No one, certainly not the BMA, is calling for people’s remains to be used disrespectfully or against the wishes of the potential donor or their relatives. This would be deplorable and doctors are not in favour of a system that disregards personal views or family wishes.

Every year, hundreds of people die because they cannot get an organ to save their life. We know most people support organ donation but do not get round to signing the donor register. It is a tragedy that people’s personal wishes about what happens to their bodies when they die are not being respected because often no one is aware of their views about organ donation. We would like to see more families talking about these difficult but important issues so that informed discussions about the deceased person’s wishes can be held with health teams.

The BMA does not believe that a system of presumed consent will be the answer to all the problems we have with organ donation, but, as doctors, we think that it will go some way to increasing the number of organs available. Of course, other factors need to be looked at, for example, the number of transplant surgeons and intensive care beds available.

Dr Tony Calland

Chairman, Medical Ethics Committee, British Medical Association, London WC1

http://www.independent.co.uk/opinion/letters/letters-.htmlssion-fears-772196.html

***

%d blogueiros gostam disto: