Sua depressão pode ser devido à deficiência de D de vitamina

__

Um estudo novo de investigadores canadenses descobriu que  algumas formas de  depressão podem estar associadas a uma deficiência de vitamina D.

adepressao-300x294

“Uma revisão sistemática e meta-análise de 14 estudos com um total de 31.424 participantes, revelou uma associação entre os níveis de vitamina D e depressão”, disse um resumo do estudo de pesquisadores do Departamento de Psiquiatria e Neurociências Comportamental do Hospital de São José, Hamilton, Ontario, Canadá.

“Um estudo de controle de caso, 10 estudos transversais e três estudos de grupo foram revisados. Pesquisadores descobriram que os níveis baixos de vitamina D corresponderam à depressão e que os níveis mais baixos de vitamina D aumentaram  chances de depressão”, o resumo continuou.

Aumentar a vitamina D para melhorar da depressão

 

A meta-análise, liderada pela Professora Rebecca Anglin, envolveu o exame de seis bases de dados para estudos de investigação relacionados com a depressão e os níveis de vitamina D. A equipe de pesquisa buscou ensaios clínicos randomizados, estudos caso-controle, estudos transversais e estudos de grupo , em que a depressão era o elemento que estava sendo estudado.  Em um nível de vitamina D no sangue foi descrita como uma potencial intervenção ou fator de risco.

“No geral, as estimativas de síntese de todas as análises sugerem uma relação entre a vitamina D e depressão”, a equipe de investigação concluiu.

“Dada a alta prevalência de deficiência de vitamina D como da depressão, uma associação entre essas duas condições teriam implicações de saúde pública, especialmente porque a suplementação com vitamina D é de custo-benefício eficaz e sem efeitos adversos significativos “, disse a equipe. “Os estudos de observação até agora forneceram algumas evidências de uma relação entre a deficiência de vitamina D e depressão”.  Mais pesquisa é “urgentemente necessária para determinar se a vitamina D pode prevenir e tratar a depressão.”

Os resultados do estudo refletem os de estudos anteriores, incluindo um que se concentrou principalmente na ligação entre baixos níveis de vitamina D e de depressão em mulheres.

Esse estudo, lançado em 2012, constatou que “as mulheres com depressão moderada a grave tiveram melhora substancial em seus sintomas de depressão após receber tratamento para sua deficiência de vitamina D”, como relatou o  ScienceDaily,  acrescentando que os resultados do estudo foram apresentados em junho na Reunião 94 da Sociedade de Endocrinologia anual, em Houston.

Os autores do estudo concluíram que a suplementação à falta de vitamina D nos pacientes pode ter sido responsável por uma melhoria na depressão, porque as mulheres não tinham ajustado ou mudado medicamentos antidepressivos ou outros fatores ambientais que se relacionam com a depressão.

“A vitamina D pode ter um efeito ainda não comprovado no humor, e sua deficiência pode agravar a depressão”, Sonal Pathak , MD , endocrinologista do Centro Médico Bayhealth em Dover, Delaware, disse. “Se esta associação for confirmada , pode melhorar a forma como tratar a depressão. ”

Pathak apresentou suas descobertas em cada três mulheres, na faixa etária 42-66, as quais já haviam sido diagnosticadas com transtorno depressivo maior ( também conhecida como depressão clínica). Todas estavam recebendo terapia com antidepressivos, e todas estavam sendo tratadas para diabetes tipo II ou hipotireoidismo.

O Estado depressivo para cada mulher melhora com a terapia da vitamina D

 

Porque cada uma tinha fatores de risco para a deficiência de vitamina D, tais como a redução da ingestão de vitamina D e a falta de exposição ao sol, para o trio foi dada a 25- hidroxivitamina D no sangue de teste, a qual revelou níveis baixos de vitamina D para todas as três , variando 8,9-14,5 nanogramas por mililitro (ng / mL), conforme relato de Pathak. Segundo o The Endocrine Society , níveis abaixo de 21 ng / ml são considerados de deficiência de vitamina D, e níveis normais de vitamina D estão acima de 30 ng /mL.

Ao longo de oito a 12 semanas, as mulheres foram dadas por via oral vitamina D, como terapia de substituição, que restaurou os seus níveis normais.  Após o tratamento, os seus níveis variaram de 32 a 38 ng /mL de acordo com o sumário do estudo.

Após o tratamento, as três mulheres relataram uma melhora significativa em seu estado depressivo, como medido pelo Inventário de Depressão de Beck. De acordo com o BDI, uma pontuação de zero a nove indica depressão mínima; 10-18, depressão leve, 19-29 depressão moderada, e 30 a 63 indica depressão grave.

Uma das mulheres melhorou de nível 32 antes da terapia com vitamina D para nível  12, uma outra de 26 a oito,  e a terceiro caiu de 21 para 16, que também está no intervalo neutro.

__

“Rastreio de risco em pacientes deprimidos para deficiência de vitamina D e trata-los adequadamente pode ser um complemento fácil e de baixo custo para as terapias convencionais para a depressão”, disse Pathak .

“Screening at-risk depressed patients for vitamin D deficiency and treating it appropriately may be an easy and cost-effective adjunct to mainstream therapies for depression,” Pathak said.

Sources:

http://www.sciencedaily.com/releases/2012/06/120625152358.htm

http://www.vitasearch.com/get-clp-summary/40584

http://www.naturalnews.com/Vitamin_D.html

__

Falta de vitamina D está ligada a fator de risco de diabetes tipo 2, diz estudo

__

Cientistas veem relação entre nível do composto e síndrome metabólica.  Outra pesquisa aponta que reposição da vitamina pode reduzir depressão.

Do G1, em São Paulo

Um novo estudo americano revela uma possível ligação entre baixos níveis de vitamina D e a síndrome metabólica, doença que altera as taxas de glicose, triglicérides, colesterol, pressão e peso, o que pode levar à diabetes tipo 2 e a doenças cardiovasculares.

O trabalho foi apresentado esta semana no 94º encontro anual da Sociedade Americana de Endocrinologia, em Houston, Texas.

A principal autora, Joanna Mitri, do Centro Médico Tufts, em Boston, adverte que a pesquisa não prova que a deficiência de vitamina D cause a diabetes tipo 2, nem que haja uma ligação direta entre as duas condições.

No estudo, pessoas com altas taxas de vitamina D no sangue apresentaram 48% menos risco de desenvolver síndrome metabólica. Junto com colegas, a médica avaliou indivíduos pré-diabéticos de diferentes etnias.

A pré-diabetes atinge 79 milhões de americanos acima dos 20 anos de idade, de acordo com as estatísticas de 2010 do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA. No Brasil, o problema afeta 12% da população.

A equipe fez o estudo com base em dados de participantes do Programa de Prevenção à Diabetes, um grande levantamento financiado pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês) americano.

Para mensurar a quantidade de vitamina D no corpo, foi usado como padrão um intervalo entre 20 ng/ml (nanogramas por mililitro) e 30 ng/ml, sendo abaixo de 21 deficiência e acima de 30, normal. O intervalo disso é o patamar limítrofe.

O grupo com maior concentração tinha 30,6 ng/ml, e o com nível mais baixo estava com 12,1 ng/ml.

Os pesquisadores também descobriram uma associação entre a vitamina D e alguns fatores de risco individuais para a síndrome metabólica. Os participantes com melhor índice de vitamina D tinham uma menor circunferência da cintura, bom colesterol (HDL) alto e glicemia mais baixa.

.
Vitamina D contra depressão


Outro trabalho, a ser apresentado neste sábado (30) na convenção anual de endocrinologia, mostra que tratar a deficiência de vitamina D pode melhorar a depressão, em casos moderados a graves.

Segundo a médica Sonal Pathak, do Centro Médico Bayhealth, no estado de Delaware, a vitamina D pode ter um efeito ainda não comprovado sobre o humor, e sua deficiência é capaz de exacerbar a depressão.

A pesquisadora analisou três pacientes com idades entre 42 e 66 anos, diagnóstico prévio de depressão clínica e tratamento com antidepressivos. As mulheres também estavam sendo tratadas de diabetes tipo 2 ou ou hipotireoidismo.

Em testes de vitamina D, foram encontrados níveis bem baixos, de 8,9 ng/ml a 14,5 ng/ml. Ao longo de dois a três meses, as pacientes fizeram terapia de reposição oral da vitamina, e os níveis após o tratamento variaram de 32 ng/ml a 38 ng/ml. Os sintomas da depressão também foram amenizados, passando de graves para leves.

A pesquisadora ressalta que outros estudos sugerem que a vitamina D tem um efeito sobre o humor e a depressão, mas há uma necessidade de trabalhos maiores e randomizados para comprovar se há uma relação real entre as duas coisas.

Fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/06/falta-de-vitamina-d-esta-ligada-fator-de-risco-de-diabetes-tipo-2-diz-estudo.html

__

%d blogueiros gostam disto: