O Hormônio – Vitamina ‘D‘ auxilia na Fertilidade

Sempre observando: Vitamina D não é nutriente, é hormônio

__

“Estudos, como o da Kocaeli University\USA demostra que altos níveis de vitamina D no organismo auxiliam na fisiologia reprodutiva. A suplementação da vitamina D atua como um regulador celular do metabolismo das pacientes. De acordo com a investigação, os dados obtidos a respeito dos efeitos da vitamina D em ratos demostrou que a falta desta vitamina na fisiologia reprodutiva desses animais, reduziu em 75% a capacidade de fertilidade, assim como a deficiência do crescimento neonatal também foram descritos.”

 

Publicado no Jornal Europeu de Endocrinologia

As vitaminas exercem um papel importante no organismo humano e podem ser aliadas no momento de ter um bebê. O efeito da alimentação na fertilidade, sobretudo feminina, está cada vez mais descrito em trabalhos científicos. Pesquisas recentes mostram que a Vitamina D, em especial, conhecida pelo seu papel de regular absorção de cálcio e fósforo no organismo, modula a função dos órgãos sexuais e é crucial para a integridade os tecidos sexuais e a reprodução. Direta e indiretamente, a D está relacionada a pelo menos 2.000 genes, o que comprova a sua vasta gama de benefícios. Conforme o especialista em Reprodução Humana Nilo Frantz, a prescrição de vitaminas faz parte da rotina de muitas instituições que tratam os problemas de infertilidade. “Na nossa clínica já adotamos a rotina de dosar os níveis sanguíneos de vitamina D em pacientes que realizam tratamentos como a fertilização in vitro”, relata o médico.
abanner-express

Estudos, como o da Kocaeli University\USA demostra que altos níveis de vitamina D no organismo auxiliam na fisiologia reprodutiva. A suplementação da vitamina D atua como um regulador celular do metabolismo das pacientes. De acordo com a investigação, os dados obtidos a respeito dos efeitos da vitaminha D em ratos demostrou que a falta desta vitamina na fisiologia reprodutiva desses animais, reduziu em 75% a capacidade de fertilidade, assim como a deficiência do crescimento neonatal também foram descritos.

Outras investigações experimentais com modelos de ratos mostram insuficiência gonadal, expressão gênica reduzida e deficiência nos níveis de estrógenos, assim como defeitos ósseos. Alguns pesquisadores têm atribuído a redução da fertilidade à reduzidas taxas de vitamina D. No entanto, outros estudos, sugerem que, em ratos machos, a fertilidade é mais criticamente afetados por níveis de cálcio, independente da vitamina D. De fato, a falta de cálcio afeta a maturação do espermatozoide, capacitação e reação acrossômica Os dados revelam também que o consumo de uma dieta deficiente em vitamina D, antes e durante a gravidez, em ratos afeta negativamente a fecundidade, independentes da idade das fêmeas e índice de massa corporal (IMC).

Segundo a nutricionista Rosa Silvestrim, esse nutriente é fundamental para proliferação e diferenciação dos tecidos, síntese e secreção de hormônios tireoidianos e paratireoidianos, secreção de insulina, modulação do sistema imune, atividade cerebral, adequado funcionamento cardiovascular, controle da pressão arterial, entre outros benefícios. Mas é importante destacar, que o excesso de vitamina D provoca produção excessiva de urina, dor, náusea e perda de apetite, assim como aumento na reabsorção óssea.

O especialista em reprodução humana, Marcos Höher, lembra que outras pesquisas, como a do grupo de pesquisadores da University of Graz, Aústria, demonstram que a vitamina “D” no corpo humano auxilia na regulação hormonal da mulher e também na contagem deespermatozóides do homem. “No Rio Grande do Sul é verificado um maior percentual de insuficiência e de deficiência desta vitamina em relação à média brasileira. Isto ocorre pelo período mais longo de frio e, com mais pessoas de pele clara, devido aos cuidados em evitar a exposição à radiação solar, mesmo nos meses de calor”, ressalta.

Esse estudo publicado no Jornal Europeu de Endocrinologia, analisou 2.300 pessoas e revelou que os efeitos da vitamina nos hormônios sexuais de ambos os sexos é um meio de explicar porque as taxas de concepção caem no inverno e aumentam significativamente no verão nos países do norte europeu.
Fonte: http://www.nilofrantz.com.br/noticias/vitamina-%E2%80%98d%E2%80%98-auxilia-na-fertilidade/114

 

Nascituros aprendem línguas no ventre materno desde a décima semana – Unborn Babies Learn Language in Womb, as Early as 10 Weeks

__

Fonte: http://news.discovery.com/human/language-learning-begins-before-birth-130103.html

bebe

New reports of fascinating research show babies can distinguish between their native language and foreign languages when they’re just a few hours old. A new study found that and suggests they start absorbing language before birth.

The report shows sensory and brain mechanisms for hearing develop by 30 weeks of the gestational age. The study’s authors said the unborn child starts listening to the mother’s voice during the last 10 weeks of pregnancy.

For weeks before birth, babies absorb the nuances of their mothers’ words. And within hours after they are born, they can already tell the difference between their native language and foreign tongues.

The new finding suggests that language learning begins prenatally, perhaps as soon as fetuses are able to hear — after about 30 weeks of gestation — with their initial focus on vowel sounds, which are louder, longer and more rhythmic than consonants.

NEWS: Are Some Brains Better At Learning Languages?

LANGUAGE LEARNING BEGINS IN WOMB

 

For weeks before birth, babies absorb the nuances of their mothers’ words. And within hours after they are born, they can already tell the difference between their native language and foreign tongues.

The new finding suggests that language learning begins prenatally, perhaps as soon as fetuses are able to hear — after about 30 weeks of gestation — with their initial focus on vowel sounds, which are louder, longer and more rhythmic than consonants.

“The mother has first dibs on influencing the child’s brain,” said Patricia Kuhl, of the Institute for Learning & Brain Sciences at the University of Washington, in a press release. “The vowel sounds in her speech are the loudest units and the fetus locks onto them.”

Previous studies have shown that the perception of speech sounds develops in infants long before they are able to speak themselves.

Between the ages of 6 months and a year, for example, babies quickly get better at telling the difference between sounds often used in their native languages. At the same time, they rapidly lose the ability to distinguish between the typical sounds of other languages.

NEWS: Bilingual Babies Learn Language In The Womb

To see just how early those abilities develop, Kuhl and colleagues tested 40 American newborns and 40 Swedish newborns, all between seven hours and three days old. While still in the hospital, each infant listened through headphones to 17 computer-generated examples of the English vowel sound used in syllables like “fee” and 17 examples of the Swedish vowel sound used in syllables like “fy.” During the experiment, babies sucked on sensor-equipped pacifiers.

When exposed to vowel sounds from their non-native language, babies sucked longer than they did if they heard vowel sounds that their mothers frequently spoke, the researchers will report in the journal Acta Paediatrica. Sucking longer is an established response in infants to something that is unfamiliar or novel to them.

NEWS: Newborns Pick Up Language In The Womb

“The results of our study support the hypothesis that language experienced in utero affects vowel perception,” the researchers wrote. “These results suggest that birth is not a benchmark that reflects a complete separation between the effects of nature versus those of nurture on infants’ perception of the phonetic units of speech.”

Long before parents start watching their words, it seems, their kids are taking in everything they say.

Photo: A fetus in the third trimester. Credit: iStockPhoto

Fonte: http://news.discovery.com/human/language-learning-begins-before-birth-130103.html

 

Deficiência de vitamina D em grávidas

__

A vitamina D é muito mais importante para o período gestacional do que se imagina. Confira os riscos de sua carência durante a gravidez.
Falta de Vitamina D pode causar dificuldades no aprendizado da linguagem

Falta de Vitamina D pode causar dificuldades no aprendizado da linguagem

A vitamina D é fundamental o desenvolvimento saudável da gestação, garantindo a segurança tanto da mãe quanto do bebê. Muitas mulheres não sabem, mas os níveis baixos desse elemento estão intimamente ligados a problemas como pré-eclâmpsia, raquitismo e dificuldade de linguagem. Fique por dentro do assunto e saiba mais sobre a deficiência da vitamina D em grávidas.

Aumento do risco de pré-eclâmpsia

A falta de vitamina D nos primeiro trimestre gestacional está associada a uma chance cinco vezes maior de desenvolver pré-eclâmpsia, risco esse que perdura mesmo após a eliminação de outros fatores de risco, como etnia, peso corporal, velocidade do ganho de peso gestacional e hipertensão arterial.

A pré-eclâmpsia é uma das complicações gestacionais mais temidas, caracterizada pelo aumento da pressão e inchaço das mãos e pés. Esse problema é a principal causa de partos prematuros e afeta 7% de todas as primigestas. Até mesmo uma diminuição discreta nos níveis séricos de vitamina D materna pode dobrar o risco de desenvolver pré-eclâmpsia.

Raquitismo

vitamina D está intimamente ligada à saúde óssea, pois proporciona a captação e absorção do cálcio, fundamental na formação do esqueleto humano. Como toda a fonte nutritiva que o bebê tem acesso é proveniente dos níveis séricos maternos, mulheres que índices vitamínicos abaixo do normal consequentemente terão bebês com deficiência dessa vitamina. O resultado é uma maior chance de desenvolver raquitismo.

Durante a gestação são formadas as diversas estruturas cerebrais, que irão desempenhar papel importantíssimo no desenvolvimento intelectual, social e emocional da criança. Como a vitamina D participa ativamente nesse processo, mães que garantem bons níveis vitamínicos proporcionam melhores meios para que determinadas regiões do cérebro da criança, relacionadas ao aprendizado da linguagem, se desenvolva.

De acordo com um estudo científico, as mulheres que apresentaram quantidades séricas de vitamina D abaixo do normal durante o segundo trimestre de gravidez, apresentaram um risco 2 vezes maior de ter filhos com dificuldade de linguagem.

Outros problemas

importância da vitamina D na formação do sistema nervoso central é tão grande que sua carência durante o período gestacional está associado a maiores riscos da criança apresentar doenças como esquizofrenia e autismo. Os baixos níveis desse elemento estão ligados à maiores chances de desenvolver asma.

Fonte: http://www.mundodastribos.com/deficiencia-de-vitamina-d-em-gravidas.html

__

Vitamina D diminui o risco de autismo nas crianças – Autism prevalence in the United States with respect to solar UV-B doses: An ecological study

English: Autism awareness ribbon Português: Fi...

English: Autism awareness ribbon Português: Fita símbolo da conscientização a respeito do autismo (Photo credit: Wikipedia)

 

__

 

Segundo este artigo publicado em revista de pediatria americana, o autismo estaria relacionado com falta de vitamina D.

E parte do tratamento seriam suplementos de vitamina D.

 

 

 

Source: Dermato-Endocrinologia

 

__

 

Autism prevalence in the United States with respect to solar UV-B doses: An ecological study

 

 

 

Volume 4, Issue 4   October/November/December 2012
Keywords: 25(OH)D, African American, Asian American, autism, ecological, pregnancy, serum 25-hydroxyvitamin D, ultraviolet-B, vitamin D

 

Authors: William B. Grant and John J. Cannell

 
View affiliations

 

Abstract: 
Evidence is mounting that vitamin D deficiency is intimately involved in autism. We report on autism prevalence by US state for those aged 6–17 y in 2010 with respect to indices of solar UV-B (UVB) doses. We calculated autism prevalence rates for white, black and Asian Americans by using total prevalence and relative populations of minors for each ethnic group by state. Analyses omit AK and HI (considered extreme cases), WY (no data), along with AZ and ND for black Americans (low numbers) and DC, ME, MT, ND and SD for Asian Americans (low numbers). For white Americans, the regression coefficient for solar UVB doses and autism prevalence ranged from -0.52 in January to -0.57 in October. For black Americans, the regression coefficient for latitude was 0.61, whereas those for solar UVB ranged from -0.55 to -0.61. For Asian Americans, the values for solar UVB ranged from -0.28 to -0.38. The inverse correlation between solar UVB and autism prevalence is similar to that for many types of cancer in the US. The journal literature indicates that adverse effects on fetal brain development during pregnancy due to vitamin D deficiency can explain these findings. However, we cannot rule out a role of vitamin D deficiency in early life. These results add to the evidence that vitamin D deficiency may be an important risk factor for autism and suggest that pregnant women and autistic individuals raise their serum 25-hydroxyvitamin D concentrations above 30 ng/ml.

 

Full Text

Introduction

Evidence is mounting that vitamin D deficiency is a risk factor for autism. Cannell1 [2008] first proposed and later extended2 [2010] the UV-B (UVB)-vitamin D-autism hypothesis. Kinney and colleagues3 reviewed the autism and vitamin D connection and suggested that “Vitamin D plays important roles in repairing DNA damage and protecting against oxidative stress—a key cause of DNA damage.” Mostafa and Al-Ayadhi recently studied autistic children and found a strong correlation between better autism rating scales and higher 25(OH)D levels and between higher anti-neural antibodies and lower 25(OH)D levels.4 Kočovská and colleagues5 reviewed the evidence supporting this hypothesis and called for “urgent research” into vitamin D and autism. Despite the mounting evidence, the working hypothesis has not been accepted among autism researchers. .

A map of autism rates by state for children aged 6–17 y in the Los Angeles Times in December 20116 prompted this ecological study. The map showed highest rates in the Northeast and on the West Coast and lowest among the Southern and Plains states. The trend of high rates in the Northeast and lowest rates in the Southern states is similar to that of many types of cancer,7 which were linked to solar UVB doses for July.8,9Thus, we thought that the data, when analyzed in greater detail, might show an inverse correlation between solar UVB doses and prevalence of autism.

 

Results

Table 1 gives the regression results for solar UVB doses for several different months as well as latitude. For white and Asian Americans, the regression fits for UVB in March, July and October were similar and stronger than those for UVB in January or latitude. However, for black Americans, the results for latitude were similar to those for UVB. The regression fits for black Americans were slightly stronger than for white Americans.
Table 1. Regression results, autism aged 6–17 y in the US in 2010 by state

Race, states Factor Linear fit (r, adjusted R2p) Power law fit (r)
White Americans (AK,
HI, WY omitted)
UVB-vit D, Oct -0.57, 0.31, * 0.60
UVB-vit D Mar -0.55, 0.29, * 0.58
UVB Jul -0.55, 0.28, * 0.57
UVB-vit D, Jul -0.54, 0.28, * 0.60
UVB-vit D, Jan -0.52, 0.25, * 0.52
Latitude 0.48, 0.22, * 0.48
Black Americans (AK, AZ, HI, ND, WY omitted) Latitude × latitude 0.63, 0.38, * 0.63
Latitude 0.61, 0.36, * 0.63
UVB-vit D, Oct -0.61, 0.36, * 0.69
UVB-vit D Mar -0.59, 0.33, * 0.62
UVB Jul -0.57, 0.31, * 0.60
UVB-vit D, Jan -0.56, 0.31, * 0.65
UVB-vit D, Jul -0.55, 0.29, * 0.63
Asian Americans (AK, DC, HI, ME, MT, ND, SD, WY omitted) UVB-vit D, Jul -0.38, 0.13, 0.01 0.38
UVB Jul -0.36, 0.11, 0.02 0.35
UVB-vit D, Oct -0.32, 0.08, 0.04 0.33
UVB-vit D Mar -0.30, 0.07, 0.06 0.30
Latitude × latitude 0.29, 0.06, 0.06 0.27
Latitude 0.28, 0.05, 0.08 0.27
UVB-vit D, Jan -0.28, 0.05, 0.08 0.34

*

, p < 0.001; UVB-vit D, data for vitamin D production from UVB;12 UVB Jul, data from reference 54.
No significant correlations emerged for other possible risk-modifying factors such as air pollution, alcohol consumption, obesity, poverty, or smoking.

Figures 1–3 are scatter plots of the autism prevalence data with respect to solar UVB doses. Figure 1 shows the results for white Americans with respect to October UVB vitamin D production with both linear and power-law fits to the data. Figure 2 does the same for black Americans. Figure 3shows the results for Asian Americans with respect to July UVB vitamin D production. The linear regression fits to the data show ratios for low to high UVB of 2.4 for white Americans, 3.6 for black Americans and 1.7 for Asian Americans. In all three cases, prevalence of autism with respect to changes in solar UVB decreases faster at lower UVB doses than at higher doses.

Figure 1. Scatter plot of autism prevalence for white Americans vs. solar UVB doses for October13 with linear and power-law fits to the data. Prevalence data are in arbitrary units. Omitted states: AK, HI and WY.

Figure 3. Same as Figure 1 but for Asian Americans. Omitted states: AK, DC, HI, ME, MT, ND, SD and WY.

Figure 2. Same as Figure 1 but for black Americans. Omitted states: AK, AZ, HI, ND and WY.

 

Discussion

The finding that, for both white and Asian Americans, solar UVB doses for March, July and October are much stronger than UVB doses in January or latitude suggests that vitamin D’s effect is associated with vitamin D production from solar UVB when doses are relatively high. This finding is similar to those for many types of cancer.8,9 Other ecological studies directly correlated multiple sclerosis prevalence rates with latitude.10,11 The latitudinal dependence in the United States is considered an index of wintertime solar UVB doses12 because summertime solar UVB doses are highly asymmetrical, being highest in the Southwest and lowest in the Northeast.13 Low serum 25(OH)D concentrations in winter are associated with infectious diseases such as influenza,14 which peaks in winter. However, for black Americans, the results for latitude are comparable to those for UVB.

If we assume that solar UVB production of vitamin D is an important factor in reducing risk of autism, an important question is how vitamin D deficiency before and during pregnancy and in early life affects risk. Reasonable evidence exists that autism is due in part to genetic factors. For example, evidence indicates that vitamin D status affects both male and female fertility,15 which could be due to potential genetic effects on the fetus. In addition, monozygotic twins are more likely to be concordant for autism than dizygotic twins.16 Good evidence also exists that vitamin D deficiency during pregnancy leads to adverse birth outcomes. Maternal metabolic conditions during pregnancy (diabetes, hypertension and obesity) are associated with increased risk of offspring diagnosed with autism by age 5 y.17 Vitamin D deficiency is a risk factor for diabetes,18and obesity is associated with lower serum 25(OH)D concentrations.19 Animal model studies have documented adverse effects on fetal brain development for vitamin D-deficient mothers.20 Although prompted by an interest in schizophrenia, Sullivan and colleagues21 associated family history of schizophrenia with increased risk of autism.

A study in Australia “found that the risk of women with vitamin D insufficiency (≤46 nmol/L) during pregnancy having a child with clinically significant language difficulties was increased close to twofold compared with women with vitamin D levels >70 nmol/L.”22 A study in the UK found that there were excess birth rates in April for several immune-mediated diseases found to be related to vitamin D deficiency in other studies, thereby providing evidence that vitamin D deficiency during fetal development is a risk factor for these diseases.23

Season of birth (or conception) affects risk of autism. In the 1980s and 1990s, excess birth rates for autism occurred around March.24,25However, Zerbo and colleagues26 associated wintertime conception with increased risk of autism. Maternal infection during pregnancy is associated with increased risk of autism,3,27 as is elevated maternal temperature. See Edwards29 for an explanation of how infection through increasing body temperature, is a risk factor for adverse birth outcomes.

Vitamin D reduces risk of both bacterial and viral infection.30 Lower respiratory infections are relatively common during pregnancy.31 Influenza infection during pregnancy is associated with increased risk of schizophrenia in offspring.32 Vitamin D may reduce the risk of influenza32,33 as well as that of other acute respiratory infections.34

A study in Denmark found significantly increased risk of epilepsy for those born to mothers who experienced elevated temperature during pregnancy associated with infections.35 Both epilepsy and autism have elevated birth rates in winter and lower birth rates in summer or fall.24,36

Although the journal literature supports the evidence for vitamin D deficiency before or during pregnancy as an important risk factor for autism, this ecological study cannot determine whether vitamin D status after birth plays a role although Mostafa and Al-Ayadhi’s recent study indicates such a connection.4 Both genetics and environment affect risk of autism.16 However, separating genetic from environmental factors is difficult.37

Since differences were found for those with different skin pigmentation, there might be some effects of solar irradiance other than vitamin D production involved in the link between solar UVB doses and prevalence of autism. A number of papers have reviewed the neuroendocrinology of the skin.3841 For example, keratinocytes stimulated by UVR can produce and secrete a number of cytokines.38 A recent study found that children with autism were “more likely to have decreased levels of both T helper-1(Th-1)-like cytokines (i.e. IFN-γ) and Th-2like cytokines (i.e. IL-4, IL-10).”42 Since darker pigmentation reduces the effect of UVR on keratinocytes, those with darker skin should produce fewer cytokines. Certainly more research is needed in this area.

UVA can increase serotonin production and reduce melatonin concentrations.43 “Low maternal plasma serotonin may be a risk factor for autism through effects on fetal brain development..”44 Those with autism may have a deficit of melatonin since supplementing them with melatonin improves sleep patterns.45 Since dark skin reduces the production of serotonin and degradation of melatonin, those with lighter skin have an decreased risk of autism and a recent review showed the opposite.46 Obviously, more work needs to be done in this area.

There is some evidence that UVR contributed to regulation of the hypothalamic-pituitary-adrenal (HPA) axis and the inflammatory response system and that they may have systemic effects.41 Prenatal stressors should increase the risk of autism and maternal stress during pregnancy is weakly associated with raised maternal cortisol.47 Thus, more research is needed in this area.

 

Vitamin D recommendations

,

The Institute of Medicine determined that pregnant women require only 600 IU/d (15 µg/day) of vitamin D3 (recommending the same for a 300-pound professional football lineman) and opine that a serum 25(OH)D concentration of 20 ng/ml is adequate.48 In the US, serum 25(OH)D concentrations during pregnancy are already low,49,50 and black Americans have much lower serum 25(OH)D concentrations than white Americans in general.51 The optimal serum 25(OH)D concentration during pregnancy is above 30 ng/ml based on a number of observational studies. Representative studies reporting that levels above 30 ng/ml are optimal include those related to pregnancy outcomes such as bacterial vaginosis,52 birth weight,53 primary Cesarean section delivery,54 and pre-eclampsia.55 In addition, gestational 25(OH)D concentrations are associated with normal fetal brain development20,56 and levels above 30 ng/ml are associated with reduced risk of childhood neuropsychological impairments,57 and development language difficulties.58

There is also evidence that serum 25(OH)D concentrations above 40 ng/ml might be considered optimal during pregnancy since optimal production of 1,25-dihydroxyvitamin D was achieved above this value in a randomized controlled trial with pregnant women.59,60 No adverse effects on calcium metabolism or other parameters were apparent in pregnant women taking 4000 IU/d of vitamin D3.60 A recent study of 25(OH)D levels in women living a traditional life style near the equator found mean serum 25(OH)D levels of nearly 60 ng/ml in pregnancy, approximately triple that of pregnant women in more developed poleward countries who putatively live and work indoors.61

The optimum 25(OH)D levels for children with autism are unknown although Mostafa and Al-Ayadhi found a strong negative correlation between autism rating scales and 25(OH)D levels in children with autism.4 They did not report a flattening of the association with higher vitamin D levels and improved autism scores although their study was limited by both the sample size and the low number of children with higher vitamin D levels. They also found autistic children have lower 25(OH)D levels than do control children although both groups reported similar time outdoors.

Mean “natural” 25(OH)D levels (as opposed to “normal” 25(OH)D levels) are around 46 ng/ml, as recently discovered by Luxwolda et al. who studied 25(OH)D levels of hunter-gatherers in equatorial Tanzania.62 Such “natural” 25(OH)D levels were common among tanned lifeguards in Missouri.63

 

Conclusion

This ecological study finds that autism prevalence among those aged 6–17 y in 2010 was significantly inversely correlated with solar UVB doses. Taken together, these results and other findings strongly implicate vitamin D deficiency as an important risk factor for developing autism. Maternal vitamin D deficiency appears to play an important role although we cannot discount a role of vitamin D deficiency in early life. Further studies should evaluate the UVB-vitamin D-autism hypothesis in both pregnant women and children with autism.

 

Methods

WBG obtained prevalence data from the Data Accountability Center associated with the Individuals with Disabilities Education Act data. The numbers of children by state with autism in 2010 are from Part B, Child Count (https://www.ideadata.org/PartBChildCount.asp (accessed Dec 16, 2011). Data used included the number of children with autism aged 6–17 y; those aged 6–21 y; and number of Asian, black and white children aged 6–21 y with autism. The data for those aged 6–17 y were not separated by race. WBG used the data by race for those aged 6–21 y with autism to estimate the number by race of those aged 6–17 y.

The data for total population aged 6–17 y by state are from Part C, Population and Enrollment Data, Table C-4, Number of and percentage change in estimated resident population ages 6–17, by state: 2001, 2009 and 2010 (https://www.ideadata.org/PopulationData.asp#2010[accessed Dec 16, 2011]).

WBG calculated the estimated population by race and state for children aged 6–17 y, he calculated numbers of autism children for each race and state. WBG obtained racial populations by state for children aged 5–17 y in 2009 from the US. Census Bureau (http://www.census.gov/compendia/statab/cats/population/estimates_and_projections_by_age_sex_raceethnicity.html [accessed Dec 18, 2011]). The fractions for single races were as follows: white (including Hispanics), 0.760; black, 0.151; and Asian, 0.043. WBG used these values to apportion the population by state into the three racial categories to calculate autism rates by race and state.

The independent variables used in this ecological study were solar UVB doses and latitude. WBG used two sets of data for UVB doses. One was DNA-weighted surface UVB doses from the Total Ozone Mapping Spectrometer (TOMS) for noon for July 1992.64 Grant and Garland9 used these data in an ecological study of cancer mortality rates. The other data set was monthly solar UVB doses weighted for vitamin D production from TOMS, validated using ground-based measurements and averaged over the period 1980–1990 for 12:00–12:59 p.m. local time.13 Solar UVB doses in the US in summer are highly asymmetric, with levels highest in the Southwest, lowest in the Northeast. The reasons for this asymmetry include that surface elevations are higher in the West, whereas stratospheric ozone column contents are lower. In addition, the Northeast has greater aerosol loading and cloud cover. For both sets of data, WBG estimated the UVB dose for each state from the maps in an effort to weight it by each state’s population distribution. A problem with the data maps from Fioletov and colleagues is that the contours are closely spaced in the Southwest, making this graphical approach less reliable for those states.

Latitude is an index for wintertime solar UVB dose and vitamin D production because solar zenith angle is much more important in winter than is surface elevation and stratospheric ozone column content. WBG chose latitude data to be near the center of population for each state. The second-order regression with latitude yielded the best model for multiple sclerosis prevalence among veterans of World War II and the Korean War in the US10 Scientists have linked multiple sclerosis to the Epstein-Barr virus, and other diseases linked to this virus have peak rates in March.65

This report omits data for AK and HI because those states are at the extreme latitudes and were not used in other ecological studies such as those regarding solar UVB and cancer.8 No data were available for Wyoming. In addition, some states have few Asians and/or blacks with autism, yielding poor estimates of autism rates. For black Americans, analyses omitted AZ and ND. For Asian Americans, DC, ME, MT, ND and SD were also omitted.

The analyses also used data for several possible risk-modifying factors, as has been done for cancer.9 These factors included alcohol consumption, lung cancer mortality rates for females, obesity, fraction of population living below poverty level and particulate air pollution concentrations.

WBG conducted linear regression analyses with the SPSS 20.0 statistical package (IBM/SPSS, Chicago, IL) and power law regression analyses with KaleidaGraph version 4.02 (Synergy Software, Reading, PA). Graphs were prepared using KaleidaGraph.

 

Disclosure of Potential Conflicts of Interest

W.B.G. receives funding from the UV Foundation (McLean, VA), Bio-Tech Pharmacal (Fayetteville, AR), the Vitamin D Council (San Luis Obispo, CA), the Vitamin D Society (Canada) and the Sunlight Research Forum (Veldhoven). J.J.C. is president of the Vitamin D Council and receives remuneration from Purity Products, Inc.

 

References

1. Cannell JJ. Autism and vitamin D. Med Hypotheses 2008; 70:750-9; PMID: 17920208; DOI: 10.1016/j.mehy.2007.08.016.
2. Cannell JJ. On the aetiology of autism. Acta Paediatr 2010; 99:1128-30; PMID: 20491697; DOI: 10.1111/j.1651-2227.2010.01883.x.
3. Kinney DK, Barch DH, Chayka B, Napoleon S, Munir KM. Environmental risk factors for autism: do they help cause de novo genetic mutations that contribute to the disorder?. Med Hypotheses 2010; 74:102-6; PMID: 19699591; DOI: 10.1016/j.mehy.2009.07.052.
4. Mostafa GA, Al-Ayadhi LY. Reduced serum concentrations of 25-hydroxy vitamin D in children with autism: relation to autoimmunity. J Neuroinflammation 2012; 9:201; PMID: 22898564; DOI: 10.1186/1742-2094-9-201.
5. Kočovská E, Fernell E, Billstedt E, Minnis H, Gillberg C. Vitamin D and autism: clinical review. Res Dev Disabil 2012; 33:1541-50; PMID: 22522213; DOI: 10.1016/j.ridd.2012.02.015.
6. Los Angeles Times. Autism rates by state, December 9, 2011; Credits: Interactivity: Pesce A. | Research: Poindexter S, Smith D, Zarembo A. [http://graphics.latimes.com/usmap-autism-rates-state/, accessed July 3, 2012]
7. Devesa SS, Grauman DJ, Blot WJ, Pennello GA, Hoover RN, Fraumeni JF Jr. Atlas of Cancer Mortality in the United States, 1950-1994. NIH Publication No. 99-4564, 1999.
8. Grant WB. An estimate of premature cancer mortality in the U.S. due to inadequate doses of solar ultraviolet-B radiation. Cancer 2002; 94:1867-75; PMID: 11920550; DOI: 10.1002/cncr.10427.
9. Grant WB, Garland CF. The association of solar ultraviolet B (UVB) with reducing risk of cancer: multifactorial ecologic analysis of geographic variation in age-adjusted cancer mortality rates. Anticancer Res 2006; 26:2687-99; PMID: 16886679.
10. Kurtzke JF. Epidemiologic evidence for multiple sclerosis as an infection. Clin Microbiol Rev 1993; 6:382-427; PMID: 8269393.
11. Grant WB, Holick MF. Benefits and requirements of vitamin D for optimal health: a review. Altern Med Rev 2005; 10:94-111; PMID: 15989379.
12. Grant WB. Hypothesis–ultraviolet-B irradiance and vitamin D reduce the risk of viral infections and thus their sequelae, including autoimmune diseases and some cancers. Photochem Photobiol 2008; 84:356-65; PMID: 18179620; DOI: 10.1111/j.1751-1097.2007.00266.x.
13. Fioletov VE, McArthur LJ, Mathews TW, Marrett L. Estimated ultraviolet exposure levels for a sufficient vitamin D status in North America. J Photochem Photobiol B 2010; 100:57-66; PMID: 20554218; DOI: 10.1016/j.jphotobiol.2010.05.002.
14. Cannell JJ, Vieth R, Umhau JC, Holick MF, Grant WB, Madronich S, et al. Epidemic influenza and vitamin D. Epidemiol Infect 2006; 134:1129-40; PMID: 16959053; DOI: 10.1017/S0950268806007175.
15. Lerchbaum E, Obermayer-Pietsch B. Vitamin D and fertility: a systematic review. Eur J Endocrinol 2012; 166:765-78; PMID: 22275473; DOI: 10.1530/EJE-11-0984.
16. Hallmayer J, Cleveland S, Torres A, Phillips J, Cohen B, Torigoe T, et al. Genetic heritability and shared environmental factors among twin pairs with autism. Arch Gen Psychiatry 2011; 68:1095-102; PMID: 21727249; DOI: 10.1001/archgenpsychiatry.2011.76.
17. Krakowiak P, Walker CK, Bremer AA, Baker AS, Ozonoff S, Hansen RL, et al. Maternal metabolic conditions and risk for autism and other neurodevelopmental disorders. Pediatrics 2012; 129:e1121-8; PMID: 22492772; DOI: 10.1542/peds.2011-2583.
18. Pittas AG, Nelson J, Mitri J, Hillmann W, Garganta C, Nathan DM, et al. Plasma 25-hydroxyvitamin D and progression to diabetes in patients at risk for diabetes: an ancillary analysis in the Diabetes Prevention Program. Diabetes Care 2012; 35:565-73; PMID: 22323410; DOI: 10.2337/dc11-1795.
19. Drincic AT, Armas LA, Van Diest EE, Heaney RP. Volumetric dilution, rather than sequestration best explains the low vitamin D status of obesity. Obesity (Silver Spring) 2012; 20:1444-8; PMID: 22262154; DOI: 10.1038/oby.2011.404.
20. Eyles D, Burne T, McGrath J. Vitamin D in fetal brain development. Semin Cell Dev Biol 2011; 22:629-36; PMID: 21664981; DOI: 10.1016/j.semcdb.2011.05.004.
21. Sullivan PF, Magnusson C, Reichenberg A, Boman M, Dalman C, Davidson M, et al. Family history of schizophrenia and bipolar disorder as risk factors for autism. Arch Gen Psychiatry 2012; :1-5; PMID: 22752149.
22. Whitehouse AJ, Holt BJ, Serralha M, Holt PG, Kusel MM, Hart PH. Maternal serum vitamin D levels during pregnancy and offspring neurocognitive development. Pediatrics 2012; 129:485-93; PMID: 22331333; DOI: 10.1542/peds.2011-2644.
23. Disanto G, Chaplin G, Morahan JM, Giovannoni G, Hypponen E, Ebers GC, et al. Month of birth, vitamin D and risk of immune mediated disease: a case control study. BMC Med 2012; 10:69; PMID: 22764877; DOI: 10.1186/1741-7015-10-69.
24. Gillberg C. Do children with autism have March birthdays?. Acta Psychiatr Scand 1990; 82:152-6; PMID: 2239360; DOI: 10.1111/j.1600-0447.1990.tb01373.x.
25. Grant WB, Soles CM. Epidemiologic evidence supporting the role of maternal vitamin D deficiency as a risk factor for the development of infantile autism. Dermatoendocrinol 2009; 1:223-8; PMID: 20592795.
26. Zerbo O, Iosif AM, Delwiche L, Walker C, Hertz-Picciotto I. Month of conception and risk of autism. Epidemiology 2011; 22:469-75; PMID: 21543984; DOI: 10.1097/EDE.0b013e31821d0b53.
27. Brown AS. Epidemiologic studies of exposure to prenatal infection and risk of schizophrenia and autism. Dev Neurobiol 2012; 72:1272-6; PMID: 22488761; DOI: 10.1002/dneu.22024.
28. Zerbo O, Iosif AM, Walker C, Ozonoff S, Hansen RL, Hertz-Picciotto I. Is maternal influenza or fever during pregnancy associated with autism or developmental delays? Results from the CHARGE (CHildhood Autism Risks from Genetics and Environment) Study. J Autism Dev Disord 2012; ; PMID: 22562209; DOI: 10.1007/s10803-012-1540-x.
29. Edwards MJ. Review: Hyperthermia and fever during pregnancy. Birth Defects Res A Clin Mol Teratol 2006; 76:507-16; PMID: 16933304; DOI: 10.1002/bdra.20277.
30. Gombart AF. The vitamin D-antimicrobial peptide pathway and its role in protection against infection. Future Microbiol 2009; 4:1151-65; PMID: 19895218; DOI: 10.2217/fmb.09.87.
31. Lim U, Freedman DM, Hollis BW, Horst RL, Purdue MP, Chatterjee N, et al. A prospective investigation of serum 25-hydroxyvitamin D and risk of lymphoid cancers. Int J Cancer 2009; 124:979-86; PMID: 19035445; DOI: 10.1002/ijc.23984.
32. McGrath JJ, Welham JL. Season of birth and schizophrenia: a systematic review and meta-analysis of data from the Southern Hemisphere. Schizophr Res 1999; 35:237-42; PMID: 10093868; DOI: 10.1016/S0920-9964(98)00139-X.
33. Urashima M, Segawa T, Okazaki M, Kurihara M, Wada Y, Ida H. Randomized trial of vitamin D supplementation to prevent seasonal influenza A in schoolchildren. Am J Clin Nutr 2010; 91:1255-60; PMID: 20219962; DOI: 10.3945/ajcn.2009.29094.
34. Sabetta JR, DePetrillo P, Cipriani RJ, Smardin J, Burns LA, Landry ML. Serum 25-hydroxyvitamin d and the incidence of acute viral respiratory tract infections in healthy adults. PLoS ONE 2010; 5:e11088; PMID: 20559424; DOI: 10.1371/journal.pone.0011088.
35. Sun Y, Vestergaard M, Christensen J, Olsen J. Prenatal exposure to elevated maternal body temperature and risk of epilepsy in childhood: a population-based pregnancy cohort study. Paediatr Perinat Epidemiol 2011; 25:53-9; PMID: 21133969; DOI: 10.1111/j.1365-3016.2010.01143.x.
36. Torrey EF, Miller J, Rawlings R, Yolken RH. Seasonal birth patterns of neurological disorders. Neuroepidemiology 2000; 19:177-85; PMID: 10859496; DOI: 10.1159/000026253.
37. Anderson GM. Twin studies in autism: what might they say about genetic and environmental influences. J Autism Dev Disord 2012; 42:1526-7; PMID: 22610470; DOI: 10.1007/s10803-012-1552-6.
38. Slominski A, Wortsman J. Neuroendocrinology of the skin. Endocr Rev 2000; 21:457-87; PMID: 11041445; DOI: 10.1210/er.21.5.457.
39. Slominski A, Tobin DJ, Shibahara S, Wortsman J. Melanin pigmentation in mammalian skin and its hormonal regulation. Physiol Rev 2004; 84:1155-228; PMID: 15383650; DOI: 10.1152/physrev.00044.2003.
40. Slominski A. Neuroendocrine activity of the melanocyte. Exp Dermatol 2009; 18:760-3; PMID: 19558501; DOI: 10.1111/j.1600-0625.2009.00892.x.
41. Slominski AT, Zmijewski MA, Skobowiat C, Zbytek B, Slominski RM, Steketee JD. Sensing the environment: regulation of local and global homeostasis by the skin’s neuroendocrine system. Adv Anat Embryol Cell Biol 2012; 212:v-, vii, 1-115; PMID: 22894052.
42. Abdallah MW, Larsen N, Mortensen EL, Atladóttir HÓ, Nørgaard-Pedersen B, Bonefeld-Jørgensen EC, et al. Neonatal levels of cytokines and risk of autism spectrum disorders: an exploratory register-based historic birth cohort study utilizing the Danish Newborn Screening Biobank. J Neuroimmunol 2012; 252:75-82; PMID: 22917523; DOI: 10.1016/j.jneuroim.2012.07.013.
43. Gambichler T, Bader A, Vojvodic M, Bechara FG, Sauermann K, Altmeyer P, et al. Impact of UVA exposure on psychological parameters and circulating serotonin and melatonin. BMC Dermatol 2002; 2:6; PMID: 11952999; DOI: 10.1186/1471-5945-2-6.
44. Connors SL, Matteson KJ, Sega GA, Lozzio CB, Carroll RC, Zimmerman AW. Plasma serotonin in autism. Pediatr Neurol 2006; 35:182-6; PMID: 16939857; DOI: 10.1016/j.pediatrneurol.2006.02.010.
45. Doyen C, Mighiu D, Kaye K, Colineaux C, Beaumanoir C, Mouraeff Y, et al. Melatonin in children with autistic spectrum disorders: recent and practical data. Eur Child Adolesc Psychiatry 2011; 20:231-9; PMID: 21359552; DOI: 10.1007/s00787-011-0162-8.
46. Dealberto MJ. Prevalence of autism according to maternal immigrant status and ethnic origin. Acta Psychiatr Scand 2011; 123:339-48; PMID: 21219265; DOI: 10.1111/j.1600-0447.2010.01662.x.
47. O’Donnell K, O’Connor TG, Glover V. Prenatal stress and neurodevelopment of the child: focus on the HPA axis and role of the placenta. Dev Neurosci 2009; 31:285-92; PMID: 19546565; DOI: 10.1159/000216539.
48. Ross AC, Manson JE, Abrams SA, Aloia JF, Brannon PM, Clinton SK, et al. The 2011 report on dietary reference intakes for calcium and vitamin D from the Institute of Medicine: what clinicians need to know. J Clin Endocrinol Metab 2011; 96:53-8; PMID: 21118827; DOI: 10.1210/jc.2010-2704.
49. Bodnar LM, Simhan HN, Powers RW, Frank MP, Cooperstein E, Roberts JM. High prevalence of vitamin D insufficiency in black and white pregnant women residing in the northern United States and their neonates. J Nutr 2007; 137:447-52; PMID: 17237325.
50. Ginde AA, Sullivan AF, Mansbach JM, Camargo CA. Vitamin D insufficiency in pregnant and nonpregnant women of childbearing age in the United States. Am J Obstet Gynecol 2010; 202:436-, e1-8; PMID: 20060512; DOI: 10.1016/j.ajog.2009.11.036.
51. Ginde AA, Liu MC, Camargo CA. Demographic differences and trends of vitamin D insufficiency in the US population, 1988-2004. Arch Intern Med 2009; 169:626-32; PMID: 19307527; DOI: 10.1001/archinternmed.2008.604.
52. Bodnar LM, Krohn MA, Simhan HN. Maternal vitamin D deficiency is associated with bacterial vaginosis in the first trimester of pregnancy. J Nutr 2009; 139:1157-61; PMID: 19357214; DOI: 10.3945/jn.108.103168.
53. Bodnar LM, Catov JM, Zmuda JM, Cooper ME, Parrott MS, Roberts JM, et al. Maternal serum 25-hydroxyvitamin D concentrations are associated with small-for-gestational age births in white women. J Nutr 2010; 140:999-1006; PMID: 20200114; DOI: 10.3945/jn.109.119636.
54. Merewood A, Mehta SD, Chen TC, Bauchner H, Holick MF. Association between vitamin D deficiency and primary cesarean section. J Clin Endocrinol Metab 2009; 94:940-5; PMID: 19106272; DOI: 10.1210/jc.2008-1217.
55. Bodnar LM, Catov JM, Simhan HN, Holick MF, Powers RW, Roberts JM. Maternal vitamin D deficiency increases the risk of preeclampsia. J Clin Endocrinol Metab 2007; 92:3517-22; PMID: 17535985; DOI: 10.1210/jc.2007-0718.
56. Harms LR, Burne TH, Eyles DW, McGrath JJ. Vitamin D and the brain. Best Pract Res Clin Endocrinol Metab 2011; 25:657-69; PMID: 21872806; DOI: 10.1016/j.beem.2011.05.009.
57. Morales E, Guxens M, Llop S, Rodríguez-Bernal CL, Tardón A, Riaño I, et al. Circulating 25-hydroxyvitamin D3 in pregnancy and infant neuropsychological development. Pediatrics 2012; 130:e913-20; PMID: 22987876; DOI: 10.1542/peds.2011-3289.
58. Whitehouse AJ, Holt BJ, Serralha M, Holt PG, Kusel MM, Hart PH. Maternal serum vitamin D levels during pregnancy and offspring neurocognitive development. Pediatrics 2012; 129:485-93; PMID: 22331333; DOI: 10.1542/peds.2011-2644.
59. Hollis BW, Wagner CL. Vitamin D requirements and supplementation during pregnancy. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes 2011; 18:371-5; PMID: 21857221.
60. Hollis BW, Johnson D, Hulsey TC, Ebeling M, Wagner CL. Vitamin D supplementation during pregnancy: double-blind, randomized clinical trial of safety and effectiveness. J Bone Miner Res 2011; 26:2341-57; PMID: 21706518; DOI: 10.1002/jbmr.463.
61. Luxwolda MF, Kuipers RS, Kema IP, van der Veer E, Dijck-Brouwer DA, Muskiet FA. Vitamin D status indicators in indigenous populations in East Africa. Eur J Nutr 2012; ; PMID: 22878781; DOI: 10.1007/s00394-012-0421-6.
62. Luxwolda MF, Kuipers RS, Kema IP, Janneke Dijck-Brouwer DA, Muskiet FA. Traditionally living populations in East Africa have a mean serum 25-hydroxyvitamin D concentration of 115 nmol/l. Br J Nutr 2012; 108:1557-61; PMID: 22264449; DOI: 10.1017/S0007114511007161.
63. Haddad JG, Chyu KJ. Competitive protein-binding radioassay for 25-hydroxycholecalciferol. J Clin Endocrinol Metab 1971; 33:992-5; PMID: 4332615; DOI: 10.1210/jcem-33-6-992.
64. Leffell DJ, Brash DE. Sunlight and skin cancer. Sci Am 1996; 275:52-3, 56-9; PMID: 8658110; DOI: 10.1038/scientificamerican0796-52.
65. Douglas AS, Brown T, Reid D. Infectious mononucleosis and Hodgkin’s disease–a similar seasonality. Leuk Lymphoma 1996; 23:323-31; PMID: 9031113; DOI: 10.3109/10428199609054835.

 

 

 

__

 

Legalização do aborto aumenta a mortalidade materna

__

Gaudium Press

Quarta-feira, 18 de julho de 2012

A legalização do aborto aumenta a mortalidade materna, segundo afirma o diretor de pesquisas do Departamento de Saúde da Universidade do Chile, Elard Koch. O cientista disse em Puebla, no México, que são muitos os países da América espanhola que estão sendo pressionados para que legalizem o aborto, com consequências nefastas para as taxas de mortalidade materna.

O diretor citou o exemplo do Estado do México, onde a mortalidade materna aumentou em 15%. Por outro lado, Koch destacou que, no Chile, após a proibição do aborto, somada a um aumento na educação da mulher e a habilitação de políticas públicas, a taxa de mortalidade materna diminuiu de 41,3 para 12,7 mortes para cada 100 mil nascimentos.

Insistindo nessa linha, o pesquisador expressou que leis a favor do direito à vida fazem com que muitas mulheres que têm o aborto como opção desistam desta prática e concluam sua gravidez.

O diretor de pesquisas do Departamento de Saúde da Universidade do Chile insistiu que os fatores determinantes para reduzir a mortalidade materna são a educação e a definição de políticas públicas. (/BD)

__

Educação, não legalização do aborto, reduz a mortalidade materna
Redação do Diário da Saúde

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=educacao-aborto-mortalidade-materna

Uma análise científica de dados dos últimos 50 anos sobre a mortalidade materna do Chile concluiu que o fator mais importante na redução da mortalidade materna é o nível educacional das mulheres.

A equipe do Dr. Elard Koch, da Universidade Católica de Concepción, analisou o efeito sobre a mortalidade materna exercido pelo histórico educacional (escolaridade) e pelas políticas de saúde da mulher, incluindo a legislação que proibiu o aborto no Chile em 1989.

Os pesquisadores analisaram os fatores com probabilidade de afetar a mortalidade materna, tais como anos de escolaridade, renda per capita, taxa de fecundidade total, ordem de nascimento, abastecimento de água potável, esgoto sanitário e parto por pessoal qualificado.

“Educar as mulheres aumenta a capacidade que elas têm para acessar os recursos de saúde existentes, incluindo atendentes qualificados para o parto, e leva diretamente a uma redução no seu risco de morrer durante a gravidez e o parto”, diz Koch.

Aborto e morte das mães

Uma das descobertas mais significativas é que, ao contrário de suposições amplamente sustentadas, tornar o aborto ilegal no Chile não resultou em um aumento da mortalidade materna.

Os defensores da legalização do aborto argumentam que a ilegalidade leva as mulheres para clínicas ilegais, o que aumentaria sua mortalidade.

Na verdade, após o aborto tornar-se ilegal, em 1989, a Taxa de Mortalidade Materna (TMM) continuou a diminuir de 41,3 para 12,7 por 100.000 nascidos vivos – uma redução de 69,2%.

TMM é o número de mortes maternas relacionadas à gravidez, dividido pelo número de nascidos vivos.

“Definitivamente, o status legal do aborto não tem relação com as taxas globais de mortalidade materna,” destacou o Dr. Koch.

Modelo de saúde materna

Durante o período do estudo – 50 anos – a Taxa de Mortalidade Materna geral declinou dramaticamente, passando de 270,7 para 18,2 óbitos por 100.000 nascidos vivos entre 1957 e 2007 (93,8%), tornando Chile um modelo para a saúde materna em outros países.

As variáveis que afetam essa diminuição incluem os fatores previsíveis, como o acompanhamento do parto por atendentes qualificados, nutrição complementar para as mulheres grávidas e seus filhos nas clínicas de cuidados primários e escolas, instalações limpas e fertilidade.

Mas o fator mais importante, e aquele que aumentou o efeito de todos os outros, foi o nível educacional das mulheres.

Para cada ano adicional de escolaridade materna, houve uma diminuição correspondente na TMM de 29,3 por 100.000 nascidos vivos.

Prejuízos do fumo na gravidez. Como evitar. Vídeos legendados em português

Influência do tabagismo na fertilidade, gestação e lactação

The influence of smoking on fertility, pregnancy and lactation

Acesse os endereços:

 http://www.jped.com.br/conteudo/01-77-04-257/port_print.htm

 http://www.jped.com.br/conteudo/01-77-04-257/ing_print.htm

Filho gerado em útero de terceira pessoa deve ser registrado por casal que forneceu material genético

__

O Juiz de Direito Luís Antônio de Abreu Johnson, da Vara de Família de Lajeado, autorizou o Registro Civil local a proceder ao registro de nascimento de criança nascida em útero de substituição, a partir de fertilização in vitro com material genético retirado do casal autor da ação. Tanto a mulher que emprestou o útero como seu marido, e o casal genitor, concordaram com o procedimento. O homem e a mulher que forneceram os gametas deverão constar como pais no registro.

Referiram os autores da ação que após obter a anuência do CREMERS, foi ajustado o contrato de consentimento para a substituição temporária de útero com a concordância do marido. Postularam na Justiça autorização para que a declaração de nascido vivo fosse emitida em seu nome e de seu marido para, de posse do documento, proceder ao registro de nascimento no Registro Civil das Pessoas Naturais.

A decisão é dessa terça-feira (1º/3). Exame de DNA a que as partes se submeteram confirmou, no entender do magistrado, de forma incontestável e espancando quaisquer dúvidas, a maternidade e a paternidade.

O Juiz Johnson relatou ter o Conselho Federal de Medicina editado a Resolução nº 1.358/92 considerando o avanço do conhecimento científico e a relevância do tema fertilidade humana, com todas as implicações médicas e psicológicas decorrentes. O texto do documento menciona que as Clínicas, Centros ou Serviços de Reprodução Humana podem usar técnicas de Reprodução Assistida para criarem a situação identificada como gestação de substituição, desde que exista um problema médico que impeça ou contraindique a gestação na doadora genética.

Esclarece ainda o Conselho que as doadoras temporárias do útero, por sua vez, devem pertencer à família da doadora genética, num parentesco até o segundo grau, sendo os demais casos sujeitos à autorização do Conselho Regional de Medicina. E que jamais a doação temporária do útero poderá ter caráter lucrativo ou comercial.

Ao concluir a sentença, o Juiz Johnson considerou que a medida é recomendável para os interesses da criança: Diante da ausência de regulamentação legislativa específica, e não se vislumbrando indício de ilegalidade, tenho que a melhor solução para o caso em concreto coincide com o melhor interesse da criança e este consiste em se determinar a lavratura do assento de nascimento tornando por base a verdade biológica que, no caso em tela, coincide com a verdade socioafetiva, da filiação, demonstrada no exame genético.

O processo tramita em segredo de Justiça.

Fonte: TJRS

__

Gestação, amamentação e fumo: veneno para o bebê

__

A nicotina contamina o leite, o que prejudica o desenvolvimento do recém-nascido, afetando seu sono e aumentando a incidência de cólicas, náuseas, vômitos e problemas respiratórios

Rio – Problemas de sono e respiratórios, maior incidência de cólicas, náuseas e vômitos. Bebês podem ter todos estes problemas se amamentados por mães que fumam, uma vez que o leite materno é contaminado com derivados da nicotina.

A pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Sônia de Lourdes Liston, alerta a relação entre o número de cigarros que a mãe consome e o descanso do bebê: “A alteração do sono está ligada à quantidade de cigarros fumados. Cinco por dia já são capazes de diminuir a qualidade e a quantidade das horas dormidas pela criança, o que prejudica seu desenvolvimento”.
Fumo durante a amamentação contamina leite por derivados da nicotina.

No corpo, a nicotina é absorvida pela circulação, passando para todos os órgãos. Nesta passagem, a substância sofre um processo de metabolização, resultando em várias novas substâncias. Uma delas é a cotinina. É ela que vai contaminar o leite. Como consequência, além da falta de sono, a criança pode ter problemas respiratórios e alteração de humor.

O bebê que é amamentado por uma fumante não se prejudica apenas pelo leite, que passa a ser produzido em menor quantidade e com menos nutrientes. Ele se torna um fumante passivo, devido à inalação das substâncias nocivas do cigarro, podendo, então, ter predisposição a quadros pulmonares alérgicos e secretivos a curto prazo.

CIGARRO DURANTE A GESTAÇÃO

Já no caso dos bebês em gestação, os malefícios do cigarro são parecidos e só serão percebidos depois do nascimento. “O feto gerado nestas condições pode nascer com problemas pulmonares, baixo peso, ou até mesmo ser um bebê irritado”, afirma Sônia. A nicotina estimula o sistema nervoso central, fazendo com que sejam liberadas em excesso substâncias já presentes no corpo, como a dopamina, a noradrenalina e vasopressina, responsáveis pela manutenção da pressão arterial. Presentes na circulação em exagero, estas substâncias provocam a contração dos vasos sanguíneos, dificultando as trocas gasosas e de nutrientes entre mãe e feto.

24/5/2010. O Dia

__

Gestação e uso de drogas

__

Estudo para avaliar a prevalência do uso de drogas durante a gestação, feito por pesquisadores da Unifesp, aponta que 17,3% consumiam tabaco, 2,8% álcool e 1,7% drogas ilícitas

Por Thiago Romero

Agência FAPESP – Um estudo feito na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que avaliou a prevalência do uso de drogas durante a gestação de mil adolescentes atendidas em um hospital público de São Paulo, verificou que o consumo de tabaco, álcool e drogas ilícitas foi de 17,3%, 2,8% e 1,7%, respectivamente.

O objetivo da pesquisa foi descrever as condições sociodemográficas e comportamentais associadas com a gestação na adolescência no hospital, localizado na periferia da zona norte da capital paulista, com alto índice de vulnerabilidade juvenil e no qual 25% dos partos realizados são de adolescentes.

O trabalho, coordenado por Ronaldo Laranjeira, pesquisador da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (Uniad) da Unifesp, integra o Projeto Temático Uso de Drogas por Gestantes Adolescentes, apoiado pela FAPESP para estudar a prevalência do uso de drogas e os fatores de risco para seu uso durante a gravidez.

“Quase um terço das grávidas no Brasil são adolescentes e, nesse estudo específico, estamos falando de mil jovens que estavam no terceiro trimestre de gravidez. Então, considerar que 17,3% delas fumavam durante a gestação é uma estatística alta e preocupante, podendo provocar impactos no feto”, disse Laranjeira à Agência FAPESP.

Quanto ao uso de drogas durante a gestação, as adolescentes que fumavam disseram que ingeriam, em média, cinco cigarros por dia e, do total das que disseram consumir álcool, 26,6% admitiram ter ingerido pelo menos em uma ocasião durante a gestação, sendo 2,8% de forma abusiva.

No que se refere a outros tipos de drogas, como maconha e cocaína, além das 17 (1,7%) que admitiram ter usado durante a gestação, seis (0,6%) relataram uso de droga injetável e 24 (2,4%) disseram ter tido relação com um parceiro usuário de droga injetável.

O levantamento, que foi aprovado pelos Comitês de Ética e Pesquisa da Unifesp, aponta ainda que a média de idade das participantes foi de 17 anos, sendo que 17% tinham até 15 anos.

“Apesar de ficarmos mais atentos à questão do uso de álcool e drogas, que obviamente é o que mais nos preocupa, o assunto da gravidez na adolescência também é um problema de saúde pública muito maior do que imaginávamos”, disse Laranjeira.

Segundo ele, das mil adolescentes analisadas, 93% pertenciam às classes econômicas C, D e E e 68% tinham renda familiar mensal de até quatro salários mínimos, sendo que apenas 9,7% disseram estar trabalhando. Outro dado é que, independentemente da faixa de idade, mais da metade das adolescentes (67,3%) não estudava no momento da entrevista.

Ainda do total, 81,2% não tinham planejado a gestação, 60,2% associavam o abandono da escola com a gravidez e apenas 23,7% faziam uso de método contraceptivo. Em relação ao comportamento sexual, a média de idade de início de atividade sexual foi de 15 anos, variando de 10 a 19 anos.

Tratamento específico

“Um dos resultados que mais impressionam nesse estudo é justamente o alto índice de gravidez entre as adolescentes, sendo que normalmente 20% delas têm o segundo filho ainda na adolescência. E outros estudos indicam que esse alto índice está se mantendo e até aumentando”, disse Laranjeira.

Quanto à estrutura familiar, o estudo mostra que apenas 7,2% das mulheres eram casadas legalmente, mas 62,7% delas disseram viver com um companheiro.

De acordo com Laranjeira, esse e outros estudos conduzidos por pesquisadores da Unifesp têm fornecido subsídios importantes para o estabelecimento de estratégias e políticas públicas específicas para a população feminina.

“Os dados da Uniad têm sido replicados em outras linhas de pesquisa e também temos tentado dialogar com as várias esferas de governo para a criação de políticas públicas voltadas à diminuição da maternidade precoce e do consumo de drogas na adolescência, tanto no que diz respeito às questões preventivas como no âmbito do tratamento”, disse.

Laranjeira antecipa que um dos resultados desses diálogos deverá se concretizar em breve com a criação, pelo governo do Estado de São Paulo, de uma unidade de saúde voltada exclusivamente ao tratamento de mulheres com problemas de dependência química. “Esse é um projeto que deve ser inaugurado ainda este ano em São Bernardo do Campo”, disse.

__

Ovo é o principal alimento para produção de novas células

__

observação: quando se refere a ovos o que foi explicado é relativo a clara do ovo como fonte de proteínas.

__

No ovo estão contidas todas as substâncias necessárias à produção de novas células; pesquisas afirmam que a ‘colina’ é essencial para saúde do cérebro. A gema do ovo é o alimento que contém maior quantidade de colina – substância derivada de um aminoácido denominado serina (associada à sensação de bem-estar) -, entre os componentes da dieta comum. Uma unidade tem cerca de 130 miligramas de colina, enquanto uma posta de 100 gramas de salmão tem 56 miligramas.

O resultado de pesquisas feitas pelo Departament of Agriculture (EUA), constatou que nenhum alimento supera a gema do ovo em concentração de colina. “Estima-se que a concentração circulante de colina duplica após a ingestão de uma refeição contendo dois ovos.” Diz o professor Cícero Galli Coimbra, do departamento de neurologia da Universidade Federal de São Paulo. A colina forma parte da estrutura dos denominados fosfolipídeos, os quais poderiam ser descritos como a unidade estrutural da membrana das células. Em sentido figurado, é como se a colina fosse o “tijolo” utilizado na construção da estrutura da membrana celular. Todas as células que se formam em nosso organismo requerem fosfolípídeos, portanto, colina, para estruturação das membranas. A colina é necessária para produção de novas células e para reparação das membranas celulares lesadas, que deve ser particularmente sensível à deficiência de colina, pois as células nervosas necessitam produzir mais quantidade de membrana celular do que qualquer outra célula. A formação de novos neurônios pode ocorrer mesmo no cérebro de indivíduos de idade avançada, graças ao trabalho de neurocientistas suecos (1998). As regiões responsáveis pela aquisição de novas informações, tais como hipocampo, são aquelas em que a neurogênese (formação de novos neurônios) é mais intensa, indicando a importância da colina sobre a preservação da memória. “A produção de uma substância fundamental para o armazenamento de informações pelo hipocampo – a acetilcolina – requer a disponibilidade de colina na dieta.” Explica o especialista. Há um composto derivado da colina denominado citicolina (ou CDP- colina), que constitui-se no único neuro-protetor até hoje demonstrado e confirmado contra as lesões provocadas pelo AVC(derrame). Com a descoberta de que a produção de novos neurônios encontra-se presente mesmo em idade avançada, entende-se a colina pode ter um papel positivo nas seguintes situações: doenças em que a recuperação possa ser facilitada ou àquelas cuja progressão possa ser limitada pela neurogênese. Dados concretos já existem em relação à prevenção de mal formações do sistema nervoso durante a vida intra-uterina, tais como anencefalia e espinha bífida. A colina consumida pela mãe pode influenciar o desenvolvimento cerebral do feto e do bebê, aumentando a formação de neurônios durante a gestação e a amamentação. Isso pode exercer uma influência decisiva na sua capacidade de aprendizado futura e, portanto, na sua capacidade de competir por oportunidades no ambiente profissional quando adulto. Vários estudos já mostraram que a colina é tão ou mais importante do que o ácido fólico durante a gestação. Pesquisas futuras devem demonstrar efeitos positivos da colina sobre a evolução de doenças neurodegenerativas, tais como a doença de Alzheimer e a doença de Parkinson. Isso porque o cérebro do idoso tem menor capacidade de captar a colina circulante, sendo mais sensível às conseqüências negativas de uma dieta pobre em colina.

Fonte: Dr Cícero Galli Coimbra

Fonte: Apavi/Dr Cícero Galli Coimbra

__

A importância da colina para a regeneração neuronal

__

“A colina é especialmente importante na gravidez. “Vários estudos já mostraram que ela é tão ou mais importante do que o ácido fólico durante a gestação”


Antes inimigo da saúde cardiovascular, o alimento agora está liberado pelos médicos

Anna Paula Buchalla

Ao longo das últimas décadas, o ovo carregou a má fama de inimigo da saúde cardiovascular. Como a gema é rica em colesterol, seu consumo foi associado ao aumento no risco de infarto e derrame. Foi necessária a revisão de mais de 200 estudos, realizados a partir da década de 80, com cerca de 8.000 pessoas, para chegar à sentença (definitiva, pelo menos até agora) de que o ovo tem mesmo substâncias potencialmente nocivas mas privar-se dele na dieta pode ser ainda mais danoso. Recentemente se descobriram três novos bons motivos para levá-lo de volta à mesa. Presente na gema, a colina é um nutriente vital para o bom funcionamento do cérebro. Além disso, o ovo é uma excelente fonte de triptofano, o aminoácido precursor da serotonina, a substância associada à sensação de bem-estar. Do total de gorduras contidas em um ovo, a maioria é de monoinsaturadas – a gordura do bem, protetora do coração.

Com o ovo condenado por tanto tempo, muita gente deixou de consumir o alimento – e, junto com ele, uma série de nutrientes essenciais ao organismo. Muitos deles podem ser encontrados em outros alimentos, mas a colina, em especial, é abundante sobretudo no ovo. Uma unidade tem cerca de 130 miligramas de colina, enquanto uma posta de 100 gramas de salmão tem 56 miligramas. Recentemente, pesquisadores das universidades Harvard e da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, analisaram a dieta de 2.000 mulheres e detectaram que as americanas ingerem uma quantidade de colina inferior à considerada ideal – 314 miligramas diários, contra os 425 miligramas recomendados. A colina é especialmente importante na gravidez. “Vários estudos já mostraram que ela é tão ou mais importante do que o ácido fólico durante a gestação”, diz o professor Cícero Galli Coimbra, do departamento de neurologia da Universidade Federal de São Paulo. A colina consumida pela mãe pode influenciar o desenvolvimento cerebral do feto. Além disso, outras pesquisas mostram que a substância é essencial para a saúde do cérebro, inclusive na formação de novos neurônios. Por essa razão, o consumo de colina é indicado na prevenção das doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkinson. Alçada à condição de substância de 1.001 utilidades, a colina já pode ser encontrada em cápsulas, barras de cereais e bebidas energéticas.

Além de conter colina, o ovo é rico em proteínas. “Depois do leite materno, o ovo de galinha é a proteína animal mais completa e barata”, diz o professor Antonio Gilberto Bertechini, da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais. Outro benefício do ovo é a presença de antioxidantes, como a luteína e a zeaxantina, que ajudam a prevenir a degeneração macular. O baixo teor de gordura constitui mais uma vantagem do alimento. Uma unidade tem em média 7 gramas de gordura total – apenas 1,5 grama é gordura saturada, a metade do que se encontra numa fatia de queijo branco, considerado um alimento magro e saudável. “O ovo é o alimento de menor valor calórico com relação a outras fontes protéicas”, diz a nutricionista Eda Maria Scur. Um ovo tem cerca de 70 calorias. Um bife de 120 gramas, igualmente rico em proteínas, tem o dobro desse valor. O consumo de quatro gemas por semana é suficiente para obter todos esses benefícios.

De fato, o ovo tem muito colesterol. Uma unidade contém 213 miligramas da substância, quase o total da ingestão diária recomendada pela Associação Americana do Coração, que é de 300 miligramas. O erro, no entanto, é imaginar que todo esse colesterol, depois de ingerido, tem como destino certo o entupimento das artérias. Para 70% das pessoas, o colesterol da comida não causa impacto significativo nos níveis de gordura circulante no sangue. A elas, que não têm problema de colesterol, permite-se o consumo de até um ovo por dia. Para os 30% restantes, sugere-se moderação, mas não necessariamente a eliminação total do ovo do cardápio – especialmente se ele não dividir o prato com gorduras trans. Essas, sim, estão na mira dos médicos.

http://veja.abril.com.br/041006/p_104.html

__

Relativismo moral e aborto, por Percival Puggina – Zero Hora 29.03.2009

Aborto: debate na TV Justiça, no STF, em junho de 2007

__

Não por acaso, Paul Johnson abre seu extraordinário Tempos Modernos com um capítulo sobre o relativismo moral. Trata-se de tema central do século. Johnson adota como ponto de partida para suas reflexões a meticulosidade que marcou o trabalho de Einstein na Teoria da Relatividade. Como se sabe, a comprovação foi alcançada com medições astronômicas feitas durante o eclipse de 29/05/1919. Naquela noite, enquanto a Física era erguida a novos degraus, muitos filósofos deslizavam pelo corrimão, extraindo do fato mais do que ele podia fornecer. Se tempo e espaço são relativos alardearam , não há mais verdades nem certezas; não há mais certo nem errado. Era o clarim de alvorada para o relativismo moral. E era o avesso de tudo pelo que Einstein se empenhara. Sua contrariedade diante da apropriação indébita da relatividade pelo relativismo foi tanta, registra Paul Johnson, que o grande homem da ciência arquejou: soubesse disso teria preferido ser relojoeiro!

Uma coisa é reconhecer a incerteza que caracteriza certas áreas e etapas do conhecimento. Outra é armar barraca nos porões da dúvida sobre tudo e todos. No entanto, a moral relativista alonga os cílios, requebra os quadris e se faz sedutora pela completa liberalidade que disponibiliza. Eu acho, tu achas, ele acha e ninguém tem nada com isso, tá sabendo, mano? E a mente, por esse caminho, vai virando uma pipoqueira de dúvidas confortáveis. Se tudo é incerto e relativo, não há valores permanentes, limites determináveis nem proibições admissíveis. Família já era, postes fazem xixi nos cachorros e alunos espancam professores.

Vá que seja, estou exagerando um nadinha porque os relativistas têm lá suas convicções. Poucas, mas têm. Uma delas, por exemplo, afirma que os totalitarismos se fundam sobre certezas que não admitem contestação. Estão corretos. É fato histórico. Mas então nem tudo é tão incerto? Existem algumas certezas? Tipo assim: o Inter venceu o Gre-Nal? Os totalitarismos são uma grande droga? Assino embaixo.

Testemos outro acordo: o fato de que só o aborto consegue ceifar mais vidas humanas do que o comunismo entra, também, nessa galeria dos nossos consensos? Suspeito que não. Os militantes do ceticismo olham para um feto com 10 semanas de gestação – cabeça, tronco, membros, coraçãozinho pulsante, pezinhos de um centímetro – e sugerem tratar-se de “coisa”. Coisa expurgável, como muco nasal, ou extraível, como cálculo biliar. Percebeu o paradoxo, leitor? Esse duvidar a tal ponto dos próprios olhos ou é um problema oftalmológico (uma catarata da Razão), ou é o máximo em matéria de fé! Fé na própria dúvida, a despeito de toda evidência.

Os relativistas escamoteiam o fato de que suas incertezas também determinam uma “moralidade”. E é uma “moralidade” pimpona, cheia de si, do topo de cujos saltos altos exerce sua militância materialista, antiteísta e anticatólica. Atenção, porém! Nada há de novo ou moderninho nesse combate à moral contida nos Dez Mandamentos e no Direito Natural. O Estado ateu, o apartheid que transforma em subcidadãos os que têm fé, o direito sem referências morais e o materialismo como religião são as unhas e os dentes de sistemas que patrocinaram e patrocinam os grandes horrores dos últimos cem anos. É tudo coisa já testada. E reprovada. Seu alvo são as virtudes e os valores inerentes à tradição judaico-cristã, arrimo dos princípios da dignidade da pessoa humana, do bem comum, da solidariedade, do zelo prioritário pelos mais carentes e de todos os grandes fundamentos da Justiça.

http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2456938.xml&template=3898.dwt&edition=11992&section=1012

__

%d blogueiros gostam disto: