Fumar ‘emburrece’: mais uma razão para parar

 

Fumantes adultos na meia-idade tendem a ter performances mais pobres em testes de memória e raciocínio comparados com não-fumantes, aumentando a lista de razões para não fumar, disseram pesquisadores franceses nesta segunda-feira.

Çim, nóis podi

Çim, nóis podi

Analisando dados previamente coletados sobre cinco mil funcionários públicos britânicos, os pesquisadores descobriram que os que fumavam tinham mais chance do que pessoas que nunca fumaram de pertencer ao grupo de pior desempenho, de um total de cinco grupos, em testes de memória, raciocínio, vocabulário e fluência verbal.

O fumo foi associado com o declínio mental na meia-idade, assim como com demência e doenças físicas, eles descobriram.

“Fumar na meia idade está associado com déficit de memória e redução nas habilidades de raciocínio”, concluiu Severine Sabia e seus colegas do National Institute of Health and Medical Research em Villejuif, Fança.

Comparado com os fumantes, as pessoas que disseram que haviam parado de fumar tendiam a adotar hábitos mais saudáveis como beber menos álcool, ser fisicamente mais ativo, comer mais frutas e vegetais, Severine escreveu na revista científica Archives of Internal Medicine.

Os participantes estavam entre os 35 e 55 anos de idade no começo do estudo, que acompanhou os voluntários durante até 17 anos.

O estudo também demonstrou como pode ser difícil conduzir pesquisas de longo prazo com fumantes: mais do que o dobro dos fumantes, em comparação com os que não fumavam, se recusaram a repetir os testes de memória ou não puderam repeti-lo, em alguns casos por haverem morrido no ínterim.

___

(Reuters) – Middle-aged adults who smoke tended to perform poorly on tests of memory and reasoning compared to nonsmokers, adding to the list of reasons not to smoke, French researchers said on Monday.

Analyzing previously collected data on about 5,000 British civil servants, the researchers found those who smoked were more likely than people who never smoked to be in the lowest-performing of five groups in tests of memory, reasoning, vocabulary and verbal fluency.

Smoking was associated with mental decline in middle age, as it is with dementia and a host of physical ills later in life, they found.

“Smoking in middle age is associated with memory deficit and decline in reasoning abilities,” concluded Severine Sabia and colleagues from the National Institute of Health and Medical Research in Villejuif, France.

Compared to smokers, people who said they had quit cigarettes were more likely to adopt healthier behaviors, such as drinking less alcohol, being more physically active, and eating more fruits and vegetables, Sabia reported in the journal Archives of Internal Medicine.

The participants were aged 35 to 55 at the beginning of the study, which followed some subjects up to 17 years.

The study also demonstrated how difficult it can be to conduct long-term research on smokers: more than twice as many smokers as non-smokers refused to take the memory test again or were not able to be re-tested, in some cases because they died in the interim.

 

 

Fonte: http://www.reuters.com/article/2008/06/09/us-smoking-memory-idUSN0645737020080609

 

Mulheres fumantes perdem 14,5 anos de vida – The American College of Obstetricians and Gynecologists

__

[Whashington Post]

(The American College of Obstetricians and Gynecologists) Os males do cigarro tiram uma média de 14,5 anos de vida da mulher fumante. Os efeitos do dano do fumo são extensos, bem documentados e podem ser observados desde o berço até a morte prematura.

mulher-fumando-grande

 

Sabemos que fumar emburrece e segundo médica estadunidense Dra. Sharon Phelan “fumar é um hábito danoso que afeta negativamente quase todos os órgãos do corpo. Simplesmente não há uma boa razão para não parar” de fumar.

Lista dos riscos de fumar:

  • É a causa principal de câncer de pulmão e a principal causa de morte por câncer em mulheres. Desde os anos 1950 as mortes por câncer aumentaram mais de 600% nos EUA.
  • Fumar aumenta significativamente o risco de muitos outros tipos de de câncer em mulheres incluindo câncer de mama, câncer oral, câncer de faringe, laringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, útero e cervical.
  • Mulheres que fumam tem o dobro de chance de desenvolverem doença coronária e 10 vezes mais riscos de morrer de doença pulmonar obstrutiva crônica do que não fumantes.
  • Fumar aumenta o risco de efisema, bronquite, osteoporose, artrite, catarata, baixa densidade óssea após menopausa e fratura nos quadris.
  • O cigarro pode também levar a menopausa prematura, doença nas gengivas, perda de dentes e envelhecimento prematuro da pele.
  • Mulheres fumantes em idade reprodutiva podem ter mais dificuldades em engravidar, ter partos prematuros, bebês com peso muito baixo, bebês com baixa função pulmonar, bronquite ou asma.
  • Mulheres com mais de 35 anos que fumam e tomam anticoncepcionais tem risco de desenvolver coágulos sanguíneo fatais.

 

“Grávidas não devem fumar em hipótese nenhuma e o cigarro não deve ser permitido em casa depois que o bebê nasce”, disse Sharon. “Infelizmente nós sabemos que bebês e crianças são muito mais expostas à fumaça de cigarro do que adultos e que os pais, guardiães ou outros membros da casa fumam sempre perto delas.”

Mesmo assim quase 60% das crianças entre 3 e 11 anos são expostas à fumaça de cigarro, o que as coloca em risco acentuado de desenvolver uma grande quantidade de problemas de saúde.

__

Women Smokers Lose 14.5 Years Off Life Span

 

(HealthDay News) — During Lung Cancer Awareness Month in November, female smokers should take advantage of available resources, pick a quit day, and start taking steps toward kicking the habit, urges The American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG).

Even though smoking takes an average of 14.5 years off women’s lives, almost one in five American women age 18 and older smokes.

“The damaging effects of smoking on women are extensive, well-documented, and can be observed from the cradle to the premature grave,” Dr. Sharon Phelan said in an organization news release. She helped develop ACOG’s smoking cessation materials for health care providers.

“Smoking is a harmful habit that negatively affects nearly every organ in the body. There’s just no good reason not to quit,” she said.

Here’s a list of the dangers:

Smoking is the main cause of lung cancer, the leading cause of cancer death in women. Since 1950, lung cancer deaths among women have increased more than 600 percent, according to ACOG.Smoking also significantly increases the risk of many other cancers in women, including breast, oral, pharynx, larynx, esophageal, pancreatic, kidney, bladder, uterine, and cervical cancers.Women who smoke are twice as likely to develop coronary heart disease and 10 times more likely to die from chronic obstructive pulmonary disease (COPD) than nonsmokers.Smoking increases the risk of emphysema, bronchitis, osteoporosis, rheumatoid arthritis, cataracts, lower bone density after menopause, and hip fracture. It can also contribute to early menopause, gum disease, tooth loss, and premature skin aging.Reproductive-age women who smoke may have trouble conceiving, and pregnant women who smoke are at high risk of delivering preterm or low birth weight infants or having babies with poor lung function, bronchitis or asthma.Women over age 35 who smoke and take birth control pills are at risk for developing deadly blood clots.

“Pregnant women should absolutely not smoke, and smoking should not be allowed in the home after a baby is born,” Phelan said. “Unfortunately, we know that infants and young children are more heavily exposed to secondhand smoke than adults, and parents, guardians, or other members of the household often smoke around them.”

Almost 60 percent of children ages 3 to 11 are exposed to secondhand smoke, which puts them at increased risk for a wide range of health problems.

More information

The American Cancer Society has more about women and smoking.

SOURCE: The American College of Obstetricians and Gynecologists, news release, Nov. 3, 2008


Diversos depoimentos médicos – Vitamin D prevents breast cancer

__

(NaturalNews) You’ve heard the good news about vitamin D for years: It’s a “miracle” medicine that reduces cancer rates by 77% according to previous research

breast_cancer_survivor_pree1

(http://www.naturalnews.com/021892_cancer_Vitamin_D_cancer_industry.ht…). It also happens to be a powerful anti-cancer medicine that can both prevent and help reverse breast cancer.

Yet, bewilderingly, the cancer industry still refuses to teach women about vitamin D. Ever wonder why?

Today, we bring you a compilation of expert quotations on vitamin D and breast cancer, cited from some of the most authoritative books and authors in the world. Feel free to share what you learn here with others who may also be suffering from breast cancer.

Vitamin D and breast cancer

Sunlight triggers the formation of vitamin D in the skin, which can be activated in the liver and kidneys into a hormone with great activity. This activated form of vitamin D causes “cellular differentiation” – essentially the opposite of cancer. The following evidence indicates that vitamin D might have a protective role against breast cancer: Synthetic vitamin D-like molecules have prevented the equivalent of breast cancer in animals.
– The Natural Pharmacy: Complete A-Z Reference to Natural Treatments for Common Health Conditions by Alan R. Gaby, M.D., Jonathan V. Wright, M.D., Forrest Batz, Pharm.D. Rick Chester, RPh., N.D., DipLAc. George Constantine, R.Ph., Ph.D. Linnea D. Thompson, Pharm.D., N.D.

Two equally effective sources of vitamin D in humans are derived from plant ergosterol, which is converted to ergocalciferol (vitamin D2) and cholecalciferol (vitamin D3) by the action of sunlight on the skin. The body uses vitamin D3 for normal immune system function, to control cellular growth, and to absorb calcium from the digestive tract. Vitamin D3 can inhibit the growth of malignant melanoma, breast cancer, leukemia, and mammary tumors in laboratory animals. Vitamin D3 can also inhibit angiogenesis, the growth of new blood vessels that permit the spread of cancer cells through the body.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

There’s surprising new evidence that older women who skimp on foods rich in vitamin D are more likely to develop breast cancer, according to Frank Garland, Ph.D., of the Department of Community and Family Medicine at the University of California at San Diego. This may also help explain fish’s anticancer protection, because fatty fish is packed with vitamin D. Specifically, Dr. Garland finds that dietary vitamin D wards off postmenopausal breast cancer in women over fifty, but not in women who get cancer at younger ages.
– Food Your Miracle Medicine by Jean Carper

In animals fed a high fat diet, which normally would produce a higher incidence of colon cancer, supplements of calcium and vitamin D blocked this carcinogenic effect of the diet. Vitamin D inhibits the growth of breast cancer in culture, and also seems to subdue human breast cancer. Cells from human prostate cancer were put into a “…permanent nonproliferative state”, or shut down the cancer process, by the addition of vitamin D. Human cancer cells have been shown to have receptor sites, or stereo specific “parking spaces” for vitamin D.
– Beating Cancer with Nutrition by Patrick Quillin

Even though vitamin D is one of the most powerful healing chemicals in your body, your body makes it absolutely free. No prescription required. Diseases and conditions caused by vitamin D deficiency: Osteoporosis is commonly caused by a lack of vitamin D, which impairs calcium absorption. Sufficient vitamin D prevents prostate cancer, breast cancer, ovarian cancer, depression, colon cancer, and schizophrenia. “Rickets” is the name of a bone-wasting disease caused by vitamin D deficiency.
– Natural Health Solutions by Mike Adams

George’s Hospital Medical School in London finds local production of vitamin D in breast tissue reduces the risk for breast cancer. For women with low breast tissue levels of vitamin D the risk for breast cancer rose by 354%! This study suggests women sunbathe with breast tissue exposed to the sun to enhance local vitamin D production. The provision of 400 IU of vitamin D per day has been found to reduce the risk of pancreatic cancer by 43%.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

Taken together, these facts suggest that vitamin D and its derivatives may play a role in regulating the expression of genes and protein products that prevent and inhibit breast cancer. The cancer-stopping power of vitamin D has been documented in osteosarcoma (bone cancer), melanoma, colon cancer, and breast cancer. These cancer cells contain vitamin-D receptors that make them susceptible to the anticancer effects of this vitamin-hormone made by the skin when it is exposed to sunlight. Vitamin D-rich foods include salmon, tuna, fish oils, and vitamin D-fortified milk and breakfast cereals.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

Low levels of vitamin D may also increase the proliferation of white blood cells and may accelerate the arthritic process in rheumatoid arthritis. Vitamin D supplements are likely to be useful in retarding these adverse effects of alterations in metabolism. Low levels of vitamin D have been linked to several cancers including those of the colon, prostate and breast. Laboratory experiments show that vitamin D can inhibit the growth of human prostate cancer and breast cancer cells. Lung cancer and pancreatic cancer cells may also be susceptible to the effects of vitamin D.
– The New Encyclopedia of Vitamins, Minerals, Supplements and Herbs by Nicola Reavley

Laboratory experiments show that vitamin D can inhibit the growth of human prostate cancer and breast cancer cells. Lung cancer and pancreatic cancer cells may also be susceptible to the effects of vitamin D. Sunlight also seems to be protective against several types of cancer including ovarian, breast and prostate cancers; and this effect may be mediated by vitamin D levels. Synthetic vitamin D-type compounds are being investigated for their potential as anticancer drugs.
– The New Encyclopedia of Vitamins, Minerals, Supplements and Herbs by Nicola Reavley

If mutations aren’t corrected or if a cell has already undergone malignant transformation, activated vitamin D can team up with other proteins to stimulate programmed death of abnormal cells. This evidence, along with animal studies, suggest that a girl who lacks adequate vitamin D during puberty years will have abnormal breast development. This, in turn, may increase a woman’s susceptibility to risk factors such as alcohol for breast cancer development. In other words, the window of greatest opportunity for vitamin D to reduce breast cancer risk may be during childhood and puberty.
– The Vitamin D Cure by James Dowd and Diane Stafford

A key development for vitamin D was the appearance of increasing evidence that experts had detected a strong relationship between vitamin D and breast cancer risk. The important Nurses Health Study found a 30 percent lower risk of breast cancer in pre-menopausal women when comparing the highest to the lowest intakes of vitamin D, calcium, and low-fat dairy, especially skim milk.
– The Vitamin D Cure by James Dowd and Diane Stafford

Out of every 100 women who might get breast cancer, 50 of them can avoid breast cancer by simply getting adequate levels of vitamin D in their body, and that’s available free of charge through sensible exposure to natural sunlight, which produces vitamin D. This vitamin, all by itself, reduces relative cancer risk by 50 percent, which is better than any prescription drug that has ever been invented by any drug company in the world. Combine that with green tea, and your prevention of breast cancer gets even stronger.
 Natural Health Solutions by Mike Adams

There’s so much more to vitamin D than enhancing calcium absorption; its anticancer benefit is just one other possibility. Most of 63 recently reviewed studies found a protective effect between vitamin D status and cancer risk. A study presented at the 2006 American Association for Cancer Research meeting suggested that an increase in vitamin D lowered the risk of developing breast cancer by up to 50 percent. How might vitamin D help?
– Food Synergy: Unleash Hundreds of Powerful Healing Food Combinations to Fight Disease and Live Well by Elaine Magee

Place sunshine or vitamin D pills on your list of preventive or therapeutic measures. A daily intake of 2,600 units of vitamin D (65 mcg) is recommended to attain blood concentrations that will optimally protect against disease. There is no way the diet can provide this much vitamin D. Sun-starved females are at great risk for breast cancer, particularly women living in northern latitudes where wintertime sun exposure produces little vitamin D because of a decline in UV radiation in solar light.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

Sunlight produces vitamin D in humans. A deficiency of vitamin D is linked with breast cancer. Was the increase in male breast cancer caused by magnetic fields or by lack of vitamin D? These are the types of questions that make it difficult to ascertain if there is a link between EMF exposure and cancer. To make matters worse, a cell biologist doing work on EMFs for the Department of Energy, faked data linking cancer to electromagnetic fields in order to gain $3.3 million worth of grants for scientific research.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

The dosage of vitamin D required to inhibit the growth of prostate cancer may be much higher than the recommended daily allowance (RDA) of 400 international units per day. Since vitamin D can be toxic in doses that greatly exceed this value, researchers have developed synthetic analogues of vitamin D that retain the ability to inhibit cancer cell growth without the toxicity associated with high doses. These analogs have been successfully used in animal models of leukemia and breast cancer. Vitamin D may be related to other cancers.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

Sunlight exposure, which leads to an increased level of vitamin D, correlates with a reduced risk of breast cancer. I usually recommend small amounts of vitamin D (400 to 1,000 IU) for those people without sunlight exposure, especially during the winter. I also occasionally recommend cod liver oil during the winter months as a source of vitamin D and omega-3 fatty acids. Vitamin D deficiency is very common in the elderly and in people who live in parts of the world with little sunlight; it is also one of the major contributing factors to osteoporosis.
– Herbal Medicine, Healing and Cancer: A Comprehensive Program for Prevention and Treatment by Donald R. Yance, j r.,C.N., M.H., A.H.G., with Arlene Valentine

But how does vitamin D actually work? For many years that was a mystery. The “revolution of information” on vitamin D began in 1968, when J.W. Blunt and colleagues discovered the form of vitamin D that actually circulates in the blood (25-OH-D3). This hormonal form of the vitamin, created in the kidneys, is ultimately responsible for the classical action of the vitamin. At the molecular level, some cancer cells appear to have receptors on their surfaces that are capable of receiving the vitamin D molecule. Scientists studied cancer cells from 136 patients with breast cancer.
– Cancer Therapy: The Independent Consumer’s Guide To Non-Toxic Treatment & Prevention by Ralph W. Moss, Ph.D.

Symptoms of vitamin D toxicity include anorexia, disorientation, dehydration, fatigue, weight loss, weakness, and vomiting. New analogues of vitamin D3 allow cancer victims to take high doses of the vitamin without fear of elevating calcium in the blood to dangerous levels. These new forms of vitamin D have very high potency in controlling cell proliferation and differentiation. One of these, calci-potriol, can be used topically to treat psoriasis and inhibit the growth of metastatic breast cancer in patients with whose tumors have vitamin D receptors.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

In an investigation into the relationship of breast density as measured by mammography to serum-vitamin D levels, it was found that there was a strong inverse correlation; the higher the density, the lower the vitamin D levels. Does the blood level of vitamin D at the time of diagnosis of breast cancer make a difference in a woman’s time of survival? Yes, it does.
 The Clinician’s Handbook of Natural Healing by Gary Null, Ph.D.

Although not part of the study, outdoor exercise where you are getting some (but not too much) sun exposure also raises vitamin D levels. Low levels of vitamin D have been associated with a greater risk of cancer. Relaxation techniques such as writing, meditation, yoga, or massage therapy can aid in battling breast cancer. There is a clear link between alcohol consumption and an increased risk of breast cancer. A study reported in The New England journal of Medicine has stated that consuming as few as three alcoholic drinks a week increases the potential for breast cancer by 50 percent.
– Prescription for Nutritional Healing, 4th Edition: A Practical A-to-Z Reference to Drug-Free Remedies Using Vitamins, Minerals, Herbs & Food Supplements by Phyllis A. Balch, CNC

Learn more: http://www.naturalnews.com/027204_cancer_Vitamin_D_breast.html#ixzz2GCGrQrq6

SUS passa a ter medicamentos para doença ligada ao tabagismo

“Em 95% dos casos de tabagismo, as lesões no tecido pulmonar causadas pelo cigarro são irreversíveis, mesmo que a pessoa tenha parado de fumar há muitos anos”, completa. A DPOC engloba a bronquite crônica e o enfisema pulmonar.

__

O Ministério da Saúde vai incorporar à lista do Sistema Único de Saúde (SUS) medicamentos para tratar dos sintomas da doença pulmonar obstrutiva crônica, conhecida por DPOC, relacionada ao tabagismo. Os remédios já estão disponíveis no sistema, porém para outras finalidades, como o tratamento de asma.

De acordo com o Ministério da Saúde, a DPOC também está relacionada à exposição passiva ao fumo, à poeira e à poluição. A doença causa falta de ar, fadiga muscular e insuficiência respiratória. Serão incorporados os corticóides inalatórios budesonida e beclometasona e os broncodilatadores fenoterol, sabutamol, formoterol e salmeterol.

Segundo o pneumologista João Daniel Rego, 80% dos pacientes com DPOC são fumantes.  “As estatísticas mostram que são pessoas que fumam há mais de 15 anos. E, como é uma doença lenta, quando eles os pacientes chegam ao consultório, já estão em um estado de médio a grave”, relata.

O médico alertou também para o perigo da doença. “Ela tem alta taxa de mortalidade. E não há uma cura, a medicação é para combater o avanço da enfermidade”, disse. Entre os sintomas da doença, o médico destaca a falta de ar e a tosse com secreção.

A publicação da portaria que amplia a indicação dos medicamentos para a DPOC está prevista para a quarta-feira. A partir de então, as farmácias da rede pública de saúde terão até 180 dias para começar a ofertar os produtos à população.

Também estão incluídas na lista de incorporações outras linhas de cuidados para a DPOC, como a vacina contra a influenza, a oxigenoterapia domiciliar e os exames diagnósticos para deficiência de alfa-1, que é caracterizada por níveis muito baixos ou pela inexistência, no sangue, de uma proteína produzida pelo fígado.

No Brasil, o Ministério estima que cerca de 5 milhões de pessoas tenham DPOC. Em 2010, foram 116,6 mil internações causadas pela doença, que custaram R$ 83,6 milhões aos cofres públicos. Em 2011, o número de internações subiu para 116,7 mil, custando R$ 87,1 milhões. Até julho deste ano, já são 57,8 mil registros de internações, que já custaram ao governo R$ 45,1 milhões.

O número de mortes por DPOC também aumentou. Em cinco anos, o número cresceu 12%, passando de 33.616 mortes em 2005 para 37.592 em 2010.

Agência Brasil

***

O Cigarro é responsável por 90% dos casos de DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. A doença atinge mais de sete milhões de brasileiros e é responsável por mais casos de internações do que a hipertensão arterial.

Hoje, o Brasil registra mais de 36 milhões de fumantes, 18% da população, de acordo com o Ministério da Saúde. Deste total cerca de 15% desenvolverá a DPOC – Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. A doença atinge aproximadamente sete milhões de pessoas acima de 40 anos e é a quarta causa de internação nessa faixa etária.

A DPOC possui grande impacto socioeconômico e a sua evolução é tão grave quanto o diabetes ou hipertensão arterial. “Apesar das campanhas e do grande incentivo para que as pessoas parem de fumar, o número de tabagistas ainda é muito alto e em algum momento da vida essas pessoas podem desenvolver a doença”, afirma o pneumologista José Jardim, professor livre docente da Faculdade de Medicina da UNIFESP.

“Em 95% dos casos de tabagismo, as lesões no tecido pulmonar causadas pelo cigarro são irreversíveis, mesmo que a pessoa tenha parado de fumar há muitos anos”, completa. A DPOC engloba a bronquite crônica e o enfisema pulmonar.

É uma doença de evolução progressiva que se desenvolve após a exposição prolongada dos brônquios (estrutura que leva o ar para dentro dos pulmões) às substâncias tóxicas contidas na fumaça inalada do cigarro. Como conseqüência, ocorre a inflamação brônquica (inchaço e aumento da produção de catarro nos brônquios) e a destruição dos alvéolos do pulmão.

Segundo especialistas, 20% a 30% dos fumantes desenvolvem a DPOC após os 40 anos, sendo que alguns estudos sugerem que as mulheres são mais susceptíveis aos efeitos maléficos do cigarro do que os homens.

Os principais sintomas da DPOC são tosse crônica, produção de catarro e falta de ar, principalmente durante o sono e durante o esforço físico Normalmente, os sintomas aparecem de maneira lenta e progressiva, sendo comum o paciente somente dar atenção ao problema quando o quadro piora.

A falta de ar (dispnéia) é o sintoma que mais provoca limitações ao paciente. Nas fases mais avançadas da doença, o paciente tem dificuldade para realizar atividades simples como tomar banho, trocar de roupa e fazer caminhadas curtas. A DPOC possui quatro estágios de gravidade (leve, moderado, grave e muito grave) e as crises respiratórias (denominadas pelos médicos como exacerbações da doença pulmonar obstrutiva crônica) são causadas geralmente por infecções bacterianas ou virais. Nesse período, os pacientes sentem piora da falta de ar, fadiga, aumento da tosse crônica e da produção de catarro.

__

Outdoor da campanha contra tabagismo da Unimed

__

Produção excessiva de proteínas explica osteoporose relacionada ao tabagismo

__

July 30, 2012 – 6:54 pm

Fonte: R7

Cerca de duas décadas após cientistas identificarem o tabagismo como fator de risco para osteoporose e fraturas ósseas, um novo estudo lança luz sobre o processo desencadeado pelo fumo que é responsável pelo enfraquecimento dos ossos. O relatório publicado no ACS Journal of Proteome Research conclui que a fumaça do cigarro desencadeia a produção excessiva de duas proteínas que aceleram processo natural de reabsorção óssea do corpo .

O pesquisador envolvido no projeto Gary Guishan Xiao, da Creighton University, nos Estados Unidos, observa que estudos anteriores sugerem que toxinas presentes na fumaça do cigarro afetam a atividade dos osteoblastos – células responsáveis por construir novos ossos – e dos osteoclastos – células que reabsorvem, ou quebram os ossos velhos.

O presente estudo reúne evidências de que fumantes produzem quantidades anormalmente elevadas das proteínas S100A8 e S100A9 , que aceleram a produção dos osteoclastos. Resultados sugerem que a perda óssea relacionada ao tabagismo está ligada ao aumento da reabsorção óssea.

Descoberta foi realizada por meio da análise das diferenças da atividade genética em células de medula óssea de fumantes e não fumantes. Experimentos com ratos de laboratório confirmaram a descoberta.

 

Tabagismo e gravidez

__

No Canadá, a década de 1990 foi marcada por um aumento da conscientização pública sobre os efeitos maléficos do tabaco sobre a saúde e pelo surgimento de estudos e leis sobre o uso e o preço dos cigarros.   

O Relatório sobre Tabagismo no Canadá revela que, de 1985 a 2001, a prevalência de fumantes diários de ambos os sexos e de todas as faixas etárias diminuiu significativamente: a população de fumantes de 15 anos ou mais diminuiu de 35,1% para 21,7% em relação à população total.

Apesar disto, os fumantes ainda são predominantemente jovens, em seus primeiros anos de vida reprodutiva. Este fato está longe de ser trivial, uma vez que a exposição crônica à fumaça de cigarros durante o período fetal aumenta significativamente o risco de problemas de saúde, físicos e mentais.

De fato, se por um lado os efeitos devastadores do tabaco sobre a saúde de adultos são bem conhecidos, seus efeitos sobre crianças estão se mostrando preocupantes, especialmente quando a exposição à fumaça do tabaco começa durante o período fetal.

Resultados do National Longitudinal Study on Children and Youth (NLSCY- Estudo Longitudinal Nacional sobre Crianças e Jovens)2 indicam que 23,3% das mulheres canadenses fumam durante a gravidez. Destas mulheres, 84% fumam durante toda a gravidez. A distribuição das taxas de uso cotidiano de tabaco entre mulheres grávidas é a seguinte: 65% fumam entre um e dez cigarros por dia; 34% fumam entre 11 e 25 cigarros; 1% fuma mais de 25 cigarros.

Uma pesquisa do CEECD* sobre percepções do uso de tabaco entre mulheres grávidas mostra que a população canadense não está consciente do número de mulheres grávidas que fumam. Apesar de haver alguma consciência pública a respeito dos efeitos maléficos do tabagismo sobre o peso de neonatos, a maioria das pessoas ainda parece desconsiderar as consequências em longo prazo da exposição do feto à fumaça do tabaco sobre a saúde física e mental das crianças.

*NT: CEECD – Center of Excellence for Early Childhood Development (Centro de excelência pelo desenvolvimento infantil inicial).

Referências
Gilmore J. Report on Smoking in Canada 1985-2001. Ottawa, Ontario: Statistics Canada, Health Statistics Division, Minister of Industry; 2001.
Statistics Canada. National Longitudinal Study on Children and Youth, 1994-1995 Data. Ottawa, Ontario: Statistics Canada.

Fonte: http://www.enciclopedia-crianca.com/pt-pt/tabagismo-gravidez/qual-e-sua-importancia.html

__

Cigarro, um inimigo silencioso

__

Postado em 26 de julho de 2012

Fonte: http://www.dinheironaconta.com/2012/07/26/artigo-cigarro-um-inimigo-silencioso/

 

 

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) o tabagismo já matou mais de 100 milhões de pessoas em todo o mundo. Número superior à soma das mortes provocadas por HIV, pelos acidentes de trânsito, pelo consumo de álcool, cocaína, heroína e pelo suicídio, sendo responsável por um em cada dez óbitos em adultos. Só no Brasil, morrem cerca de 200 mil pessoas por ano em decorrência de doenças relacionadas ao tabaco.

Diferente de drogas como álcool, morfina e crack, o vício do cigarro é rápido e provoca dependência física tão grave quanto à heroína. O fumante entra num quadro de ansiedade crescente que só passa com uma tragada, uma vez que as crises de abstinência da nicotina se sucedem em intervalos de minutos enquanto as demais drogas dão trégua de dias, ou pelo menos de horas.

Mulheres podem enfrentar barreiras diferentes das encontradas pelos homens para a cessação do tabagismo devido questões ligadas ao ciclo menstrual, o estresse da dupla jornada de trabalho, medo de ganhar peso, maior probabilidade de apresentar sintomas de depressão e ansiedade, que muitas vezes são mascarados pela nicotina.

Hoje, o tratamento do tabagismo tem uma média de 70% de êxito, com base em pacientes que atingem pelo menos três meses de abstinência. Considerado doença pela OMS, o fumo é considerado um problema de saúde pública no Brasil. A expectativa de vida de uma pessoa que fuma é 25% menor que a de uma não fumante. Dentre as 25 doenças relacionadas ao hábito de fumar, todas são causas de morte: doenças cardiovasculares (43%); câncer (36%); doenças respiratórias (20%); outras (1%).

A lei 12.546, passada pelo Congresso em 2011, que proíbe a propaganda de cigarros nos pontos de vendas mesmo com a exposição de produtos, deve ser regulamentada o quanto antes para ser aplicada, fiscalizada e não ceder à pressão da indústria fumageira nas decisões do Governo Federal. Assim como não admitimos comerciais de maconha, crack ou heroína, por que aceitar o marketing do tabaco

* Dra. Larriany Giglio Médica psiquiatra especialista em dependência química da clínica Instituto Novo Mundo.

http://www.institutonovomundo.com.br

Fonte: Portal Comunique-se!

Fumantes à sua volta

__

Sexta-feira, 27 de Julho de 2012

Jornal do Brasil
Paulo Panossian*

No mundo, 47% das pessoas do sexo masculino fumam, e do feminino 12%. Já no Brasil, são 30 milhões de fumantes, ou 14,8% da população. Nada mal quando sabemos que em 1989 o nosso país tinha 34,8%; e em 2003, 22,4%. Ou seja, na proporção da população atual de 192 milhões de habitantes, se não tivéssemos obtido sucesso nas campanhas contra o tabagismo, o total de brasileiros fumantes seria de 67 milhões, ou, pelo lado positivo, 37 milhões a menos de baforantes… Quer dizer, valeu a pena a proibição de se fumar nos hospitais, restaurantes, ônibus, táxis, dentro das dependências de trabalho, etc. Na minha casa, dois filhos meus somente fumam no quintal, sendo o único prejudicado o passarinho…

Mas, para entender melhor a classe dos fumantes no Brasil, dos 30 milhões de tabagistas, temos 30 mil crianças que fumam com idade de 5 a 9 anos, e outros 3 milhões de 15 a 19 anos. A conta salgada deste vício não se resume apenas aos R$ 426 milhões que o SUS gasta por ano para cuidar dos dependentes. De acordo com a pesquisa divulgada pela Organização Pan-Americana de Saúde, os fumantes representam 25% das mortes por derrame cerebral, 30% por câncer em geral. Mas as mortes de fumantes relativas ao câncer do pulmão são os astronômicos 90%.

E, para refrescar, um dado interessante para incentivar principalmente aqueles que pretendem largar o vício do cigarro: deixando de fumar um maço por dia, ao final de um ano este ex-fumante poderá economizar e comprar uma TVLC de 42 polegadas à vista! Logicamente que este é o menor dos benefícios. A qualidade de vida vem em primeiro lugar…  Ainda há tempo!

* Paulo Panossian é jornalista
Fonte:  http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2012/07/27/fumantes-a-sua-volta/

__

Mais 80% dos fumantes acreditam que não sofrerão com câncer no pulmão

__

 Cerca de 80% dos fumantes se consideravam imunes aos males do cigarro, até desenvolverem câncer no pulmão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O hábito de fumar traz sérios danos para a saúde, afinal, o cigarro possui diversas impurezas que afetam o funcionamento do organismo. Os fumantes correm mais riscos de sofrer infarto, derrame, envelhecimento precoce, doenças vasculares, gengivite, infertilidade, tosse crônica, asma, entre muitos outros problemas de saúde.

Uma das doenças mais letais causadas pelo cigarro é o câncer de pulmão. No entanto, as fumantes menosprezam as pesquisas que revelam a ligação direta entre o tabagismo e tumores malignos pulmonares. De acordo com estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a cada ano são registrados 27.320 novos casos de câncer de pulmão. O fato desta doença ser um dos cânceres mais comuns no Brasil e no mundo se deve a negligência dos dependentes.

Fumantes se consideram imunes ao cigarro

Uma pesquisa realizada pela indústria farmacêutica Pfizer revelou que 83% dos fumantes acreditam ser imunes aos danos causados pelo tabagismo, especialmente o câncer de pulmão. Eles ignoram os estudos que mostram que 90% dos portadores de tumores malignos pulmonares têm o hábito de fumar.

Para chegar aos resultados, os pesquisadores da Pfizer avaliaram 166 pacientes com o diagnóstico de câncer nos pulmões, causado pelo tabagismo. Investigou-se, então, a sensação de segurança destas pessoas sobre a possibilidade de adoecer ou não.

Após as entrevistas, descobriu-se que, a cada dez pessoas com tumores malignos pulmonares, oito delas não acreditavam que sofreriam um dia com o esta doença. Em média, 83% dos pacientes não levavam a sério a possibilidade de adoecer.

A sensação de segurança que os pacientes tinham antes de adoecer também teve as justificativas avaliadas pelos pesquisadores. Quando questionados sobre os motivos de se sentirem imunes ao cigarro, 25% dos participantes responderam que viam a doença como uma possibilidade de acontecer com os outros, mas não com eles. Já 23% dos fumantes com câncer de pulmão afirmaram que eram pessoas saudáveis. Outros 9% justificaram o adoecimento através do discurso de não ter casos similares na família. Enquanto isso, 5% dos doentes alegaram que tinham o hábito de se exercitar e 3% defenderam o fato de que adotavam uma alimentação saudável.

Os especialistas que realizaram a pesquisa afirmam que os pacientes conheciam os males associados ao cigarro, mas simplesmente ignoravam os perigos oferecidos pelo hábito de fumar. Mesmo as pessoas que não possuem casos de câncer de pulmão na família estão vulneráveis a desenvolver a doença, pois o tabagismo danifica o DNA em poucos minutos e compromete a saúde do organismo.

A negligência do fumante brasileiro

O Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp) também realizou um estudo sobre a autoconfiança dos fumantes e a forma como ignoram os perigos oferecidos pelo cigarro. De acordo com a pesquisa, seis em dez fumantes que enfrentam os tumores malignos pulmonares não abandonam o vício após sobreviver ao tratamento.

Fonte: http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=7&cid=126626

__

Tabagismo aumenta em sete vezes o risco de periodontite

Universidade de São Paulo

__

10/07/2012 – 08h42

Estudo realizado na USP comprova os malefícios do fumo para a saúde bucal.

O hábito de fumar pode elevar em até sete vezes o risco de periodontite. É o que revela a pesquisa recentemente publicada no Journal of Clinical Periodontology, que acompanhou 52 fumantes de São Paulo durante um tratamento periodontal e antitabágico.

Cláudio Mendes Pannuti, responsável pelo estudo e professor de Periodontia da USP, explica os danos que os pacientes sofrem. “Além da periodontite, os pacientes apresentam halitose, manchas dentais e maior chance de desenvolver câncer bucal. Após um ano, somente 17 participantes pararam de fumar. Apenas estes apresentaram melhora significativa na gengiva, comprovando que os riscos de doenças bucais diminuem quando não há o uso do tabaco”.

A pesquisa, além de comprovar que o tabagismo aumenta a possibilidade de doenças orais, enfatiza a importância da correta higiene bucal. “A prevenção é a maneira menos dolorida e mais econômica de cuidar da boca. Com três passos simples, escovação, uso do fio dental e do enxaguatório, é possível deixar a boca saudável”, completa Pannuti.

Uma informação interessante obtida a partir da pesquisa foi que 49% dos pacientes gostariam de receber auxílio para parar de fumar durante o tratamento dentário. “Cabe aos profissionais esclarecer dúvidas e orientar os pacientes quanto aos danos causados pelo tabaco. Muitas vezes, é mais fácil convencer o paciente a parar de fumar mostrando os efeitos que o fumo causa especificamente na boca, do que em outras partes do corpo”, ressalta Pannuti.

Fonte:  http://www.inpn.com.br/noticia.asp?id=199

__

Tabagismo pode causar infertilidade

__

Efeitos nocivos do cigarro no aparelho reprodutor são poucos conhecidos da população, alertam especialistas.

Quando se pensa nos danos causados pelo cigarro logo vem à mente os problemas pulmonares, no máximo, cardíacos. Os anúncios do Ministério da Saúde nos lembram de outros tantos, como impotência, câncer, risco de aborto, etc. Mas pouca gente sabe a respeito dos efeitos do fumo sobre a fertilidade.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), o tabagismo pode ser responsável por diversas complicações que resultam em pacientes inférteis.

O cigarro pode provocar desde mudanças no ciclo reprodutivo a alterações hormonais e diminuição nas taxas de sucesso em tratamento de reprodução assistida.

Mulheres que fumam mais de 20 cigarros por dia têm quase quatro vezes mais chances de terem uma gravidez ectópica, que ocorre fora da cavidade uterina.

Nos homens, o fumo pode provocar redução na densidade, mobilidade e morfologia dos espermatozoides, além de alterar os sistemas de defesa dos gametas contra a oxidação.

“Poucos meses de fumo podem provocar mutações em óvulos e espermatozoides. No caso da mulher, basta um mês de fumo para que haja possíveis efeitos sobre o ciclo.

Nos homens, esse tempo sobe para três meses, já que a produção de espermatozoides é mais lenta”, explica a médica Silvana Chedid, especialista em reprodução humana e diretora do Instituto Valenciano de Infertilidade em São Paulo.

Segundo Silvana, estudos mostram que um casal de fumantes que queira engravidar tem de cinco a dez vezes mais chances de ter problemas de infertilidade. Já a combinação entre tabaco, cafeína e obesidade é ainda mais prejudicial e pode diminuir em 30% a probabilidade de se ter um filho.

De acordo com a vice-diretora da Aliança de Controle do Tabagismo (ACT), Mônica Andreis, apesar de existir uma maior divulgação sobre os males do tabagismo, muitas pessoas ainda não associam o fumo a todos os tipos de doenças que ele pode provocar:

“São mais de 50 doenças relacionadas ao uso do tabaco ou à exposição à fumaça. Além do impacto emocional e social para o fumante e sua família, o custo com tratamentos dessas doenças chega a R$ 21 bilhões por ano no Brasil”.

Para ela, iniciativas no sentido de ampliar a conscientização sobre as doenças causadas ou agravadas pelo fumo podem ser feitas não só através das imagens de advertência, mas também por meio de programas educativos e adoção de políticas públicas de controle do tabagismo.

“As imagens de advertência colocadas nos maços de cigarros são renovadas periodicamente e algumas delas abordaram efeitos relacionados ao sistema reprodutor, como a disfunção erétil ou impotência nos homens e risco de aborto espontâneo ou parto prematuro em mulheres gestantes.

Mas, alguns outros riscos, como a infertilidade e menopausa precoce, são ainda pouco conhecidos pela população”.

Fonte: Aliança de Controle do Tabagismo

__

INCA revela que 37% dos casos de câncer do País previstos para esse ano são relacionados ao tabagismo

__

Quando avaliados por região, os percentuais dos cânceres causados pelo tabaco, comparados com todos os casos novos para esse ano, ficam em 45 %, nas mulheres e 34% nos homens do Norte do País; 43% no sexo masculino e 35% no feminino do Sudeste; 40% nas mulheres e 35% nos homens do Centro-Oeste e, 35% do sexo masculino e 40% do feminino na Região Centro-Oeste do Brasil.”

Tabaco em destaque

Tabaco em destaque (Photo credit: Wikipedia)

 

__

31/05/2012 – “Fumar: faz mal pra você, faz mal pro planeta” é o tema deste ano, no Brasil, do Dia Mundial Sem Tabaco. A ideia foi adaptada da proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a realidade do País centrada nos danos causados pela cadeia de produção do tabaco e os malefícios à saúde. Estimativas de câncer para 2012 elaboradas pelo INCA mostram que 37% dos casos da doença podem estar relacionados ao tabagismo.

Apesar de ser a primeira vez que o Brasil registra menos de 15% na prevalência de fumantes, de acordo com as informações do Vigitel (pesquisa telefônica do Ministério da Saúde), o INCA alerta para os percentuais estimados de casos novos de câncer tabaco-relacionados para esse ano. “O País já alcançou muitos avanços na luta contra o tabagismo, mas o número de casos novos relacionados ao fumo é preocupante. É preciso regulamentar definitivamente a lei dos ambientes 100% livres do tabaco e dar mais um grande passo em prol da saúde dos brasileiros”, diz o diretor-geral do INCA, Luiz Antonio Santini.

Quando avaliados por região, os percentuais dos cânceres causados pelo tabaco, comparados com todos os casos novos para esse ano, ficam em 45 %, nas mulheres e 34% nos homens do Norte do País; 43% no sexo masculino e 35% no feminino do Sudeste; 40% nas mulheres e 35% nos homens do Centro-Oeste e, 35% do sexo masculino e 40% do feminino na Região Centro-Oeste do Brasil.

“Observar as informações do recorte das doenças tabaco-relacionadas nos dá a dimensão do que é o desafio do combate ao câncer. É importante que os gestores visualizem o impacto do tabaco nos casos novos de câncer para melhorar mais ainda as estratégias de prevenção”, explica a gerente da Divisão de Informação do INCA, Marise Rebelo.

Outra conclusão do estudo do INCA é que se considerarmos uma expectativa de vida até os 80 anos, os brasileiros podem perder até seis anos potenciais de vida e, as brasileiras, até cinco anos, devido a alguns tipos de câncer tabaco-relacionado. No Sul, essas informações chamam ainda mais atenção, pois são até dez anos perdidos, pelos homens e, seis pelas mulheres; e no Sudeste, oito anos, entre o sexo masculino, e cinco entre o feminino.

Apesar da queda significativa no número dos fumantes brasileiros, o percentual de mortalidade por câncer tabaco-relacionado ainda é alto. O câncer de pulmão, por exemplo, é responsável por 37% das mortes por câncer na Região Sul, entre o sexo masculino. Nas outras regiões, também entre os homens, esse tipo de tumor é responsável por 30% da mortalidade por câncer.

Entre as mulheres, na Região Sul, o tumor de pulmão é o que mata mais dentre todos os cânceres: 24%. O câncer de cólon e reto, que também sofre influência do tabagismo, representa 20% das mortes por câncer na Região Sudeste.

Fumar: faz mal pra você, faz mal pro planeta

Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+ 20, em junho, para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas, o INCA lembra que além dos danos à saúde (como diferentes tipos de câncer, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, dentre mais de 50 doenças diretamente relacionadas ao tabagismo), ao longo da cadeia de produção do tabaco há fatores que afetam o meio ambiente e toda a sociedade: desmatamento, uso de agrotóxicos, agricultores doentes, incêndios e poluição do ar, das ruas e das águas.

“Basta manter um cigarro aceso para poluir o ambiente. A fumaça do cigarro contém mais de 4.700 substâncias tóxicas, incluindo arsênico, amônia, monóxido de carbono (o mesmo que sai do escapamento dos veículos), substâncias cancerígenas, além de corantes e agrotóxicos em altas concentrações. Imagine a quantidade de toxicidade que várias pessoas fumando deixam no nosso planeta”, ensina a coordenadora da Divisão de Tabagismo do Inca, Valéria Cunha.

Os agricultores são vítimas de doenças causadas pelos pesticidas e pelo manuseio da folha de tabaco (doença do tabaco verde, com sintomas que incluem náusea, vômito, fraqueza, dor de cabeça, tonteira, dores abdominais, dificuldade para respirar e alteração na pressão sanguínea).

“Dentre as crianças e adolescentes de 5 a 15 anos envolvidas em atividades agrícolas na Região Sul do Brasil, 14% trabalham no cultivo do tabaco, ficando expostas a grandes quantidades de agrotóxicos, o que é bastante prejudicial à saúde”, explica o médico pneumologista da Divisão de Tabagismo do INCA, Ricardo Meirelles.

Nos países em desenvolvimento, o desmatamento devido ao plantio e secagem das folhas do tabaco corresponde a 5% do total. Para cada 300 cigarros produzidos, uma árvore é sacrificada. O fumante de um maço de cigarros por dia consome o equivalente a duas árvores em um mês. Ainda que as zonas desmatadas sejam reflorestadas, não são refeitas as condições naturais quanto à flora e à fauna da mata virgem. O desmatamento está associado ainda a surtos de doenças infecciosas, e à erosão e destruição do solo.

Pelo menos 25% dos incêndios rurais e urbanos são causados por pontas de cigarros. Os filtros, por sua vez, estão carregados de materiais tóxicos que podem demorar mais de cinco anos para se decompor. Há contaminação do solo e bloqueio dos sistemas das águas e esgoto. As pontas de cigarros são levadas pela chuva para rios, lagos, oceanos, matando peixes, tartarugas e aves marinhas que podem ingeri-las.

Um pouco mais sobre os danos ambientais – O tabaco, além de prejudicar a saúde de quem fuma, agride o meio ambiente, pois florestas inteiras são devastadas e utilizadas como combustível para alimentar os fornos à lenha e as estufas, que secam as folhas do fumo antes de serem industrializadas. Veja abaixo alguns desses e outros problemas provocados pelo tabaco:

Desmatamento

As ações de desmatamento para a produção do fumo de tabaco contribuem de forma significativa para o desmatamento global, correspondendo a aproximadamente 5% do total desmatado nos países em desenvolvimento. Para cada 300 cigarros produzidos, uma árvore é queimada. Cada 15 maços de cigarro que chegam ao mercado sacrificam uma árvore.

Segundo a OMS, a poluição tabagística ambiental, resultado da fumaça exalada pelo fumante, é a maior causa de poluição de ambientes fechados e a terceira maior causa de morte evitável no mundo. O ar poluído contém, em média, três vezes mais nicotina e monóxido de carbono, e até 50 vezes mais substâncias cancerígenas do que a fumaça que entra pela boca do fumante depois de passar pelo filtro do cigarro.

Entrave ao desenvolvimento

A colheita das folhas de fumo ocorre em dezembro e janeiro, na qual utiliza-se, massivamente, a mão-de-obra infantil. Tanto que o calendário escolar da região do fumo teve que se adequar a esta realidade, antecipando o término do ano letivo ao início da safra.

Fumo passivo

Estudos revelam que entre pessoas expostas ao fumo passivo há risco 30% maior de desenvolver câncer de pulmão, 30% mais risco de sofrerem doenças cardíacas e 25% a 35% mais riscos de terem doenças coronarianas agudas. Além disso, a propensão à asma e à redução da capacidade respiratória é maior neste grupo.

No Brasil, pelo menos, 2.655 não-fumantes morrem a cada ano por doenças atribuíveis ao tabagismo passivo. O que equivale dizer que, a cada dia, sete brasileiros que não fumam morrem por doenças provocadas pela exposição à fumaça do tabaco.

Para mais informações sobre as ações e notícias de 31 de maio: Dia Mundial sem Tabaco, acesse o site do INCA, na internet:

http://www1.inca.gov.br/tabagismo/

Fonte : Agência de Notícias – INCA

__

Considerações sobre o Tabagismo

__

O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. A OMS estima que um terço da população mundial adulta, isto é, 1 bilhão e 200 milhões de pessoas (entre as quais 200 milhões de mulheres), sejam fumantes. Pesquisas comprovam que aproximadamente 47% de toda a população masculina e 12% da população feminina no mundo fumam.

As estatísticas revelam que os fumantes comparados aos não fumantes apresentam um risco 10 vezes maior de adoecer de câncer de pulmão; 5 vezes maior de sofrer infarto; 5 vezes maior de sofrer de bronquite crônica e enfisema pulmonar e 2 vezes maior de sofrer derrame cerebral.

No Brasil, o câncer de pulmão é o tipo de tumor mais letal e também uma das principais causas de morte no país. Ao final do século XX, o câncer de pulmão se tornou uma das principais causas de morte evitável.

O consumo de tabaco é o mais importante fator de risco para o desenvolvimento de câncer de pulmão. Comparados com os não fumantes, os tabagistas têm cerca de 20 a 30 vezes mais risco de desenvolver câncer de pulmão.

A OMS classificou o tabaco como um dos fatores que mais contribuem para a epidemia de doenças não contagiosas como ataques cardíacos, derrames, câncer e enfisema. O grupo é responsável por 63% de todas as mortes no mundo. Outras doenças relacionadas ao tabagismo são: hipertensão arterial, aneurismas arteriais, úlcera do aparelho digestivo, trombose vascular, osteoporose, Catarata, impotência sexual no homem, infertilidade na mulher, menopausa precoce e complicações na gravidez.

Até 2030, a estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que 8 milhões de pessoas podem morrer em consequência do fumo.

Desde 1996 a Lei Federal n.º 9294 proíbe fumar em ambientes fechados públicos e privados. No entanto, essa lei ainda permite o tabagismo em áreas delimitadas destinadas exclusivamente ao consumo de produtos do tabaco (comumente chamadas de fumódromos), que são instaladas nesses estabelecimentos.

É consenso na comunidade científica que a redução do consumo do tabaco é um dos benefícios indiretos da adoção de ambientes fechados 100% livres de fumo, sendo o benefício direto a proteção das pessoas contra a exposição à fumaça do tabaco, que é tóxica e cancerígena, à qual não há nível seguro de exposição.

A OMS entende que a única medida capaz de proteger totalmente a saúde de não fumantes em recintos fechados é a adoção de ambientes 100% livres do tabaco. O Instituto Nacional de Câncer vem trabalhando junto com empresas, bares, restaurantes, escolas e outros estabelecimentos para que se tornem ambientes 100% livres do fumo.

O uso do tabaco é a maior epidemia evitável. Pense nisso!

Por: Gladis Helena da Silva

DANT/GEVRA/DIVE/SES/SC

Fonte : Jornal da Caixa Econômica Federal

__

 

Doenças causadas pelo cigarro matam 357 por dia no país

Tabaco

Tabaco (Photo credit: Eduardo Hildt)

__

Cálculo leva em conta os 15 principais males associados ao tabagismo, como infarto, derrame e câncer de pulmão

Gastos da saúde pública e privada com o cigarro são de R$ 21 bilhões por ano, segundo estudo feito pela Fiocruz

JOHANNA NUBLAT, DE BRASÍLIA

A cada dia, 357 fumantes ou ex-fumantes morrem no Brasil das principais doenças ligadas ao tabagismo, especialmente enfermidades cardíacas, pulmonares e câncer.

Tratar doenças decorrentes do fumo custa R$ 21 bilhões anuais às redes de saúde pública e privada do país -sem contar o fumo passivo.

Esse valor é cerca de cinco vezes o que o governo federal vai gastar, até 2014, no plano de combate ao crack.

As estimativas são de um estudo encomendado pela ONG ACT (Aliança de Controle do Tabagismo) à Fiocruz e que será apresentado hoje, em evento de comemoração do Dia Mundial sem Tabaco.

O trabalho se baseia em dados de 2008 sobre doenças e mortes e, a partir de um modelo matemático, estima o impacto do fumo e seu custo.

Apesar de o número de fumantes no país ter caído nas últimas décadas -hoje 14,8% dos adultos fumam-, o cigarro é responsável por 13% das mortes, segundo o estudo.

Essa fatia é equiparável à das mortes por causas externas, incluindo homicídios e acidentes.

Estima-se que, em 2008, 130.152 pessoas morreram das 15 principais doenças atribuídas ao fumo (de um total de 150 ligadas ao tabaco). O Ministério da Saúde diz que, em 2009, 37,6 mil pessoas morreram de acidentes terrestres e 52 mil de homicídio.

“A carga é muito pesada. Você tem um fator de risco, o fumo, que toma 0,5% do PIB, da sua riqueza”, diz Márcia Pinto, economista da Fiocruz que coordenou o estudo com um instituto argentino.

O trabalho avalia quantos anos de vida e de atividade social e produtiva se perdem por conta do tabagismo.

A estimativa média é que o consumo do tabaco encurte em 4,5 anos a vida de uma mulher fumante e em cinco anos a vida de um homem. Embora a presença do cigarro esteja ficando mais forte entre as mulheres, os homens ainda são os que mais fumam e que mais adoecem.

SÓ ÔNUS

Para Paula Johns, diretora executiva da ACT, o estudo desconstrói o discurso do setor fumageiro sobre a importância da arrecadação de impostos. A ONG calcula que o tabaco custe para a saúde 3,3 vezes o que o governo arrecada de impostos com o setor.

“É impactante olhar para os R$ 21 bilhões e para outras coisas que poderiam ser financiadas. Os ônus são para todos, mas os lucros vão para os acionistas”, diz ela.

O ministro Alexandre Padilha (Saúde) disse à Folha que o estudo reforça decisões recentes de cerco ao tabaco, como a proibição de aditivos e do fumo em locais fechados.

“Isso reafirma a avaliação de que o cigarro é um dano econômico à saúde, na medida em que o custo das internações é muito superior à arrecadação feita pelo setor.”

OUTRO LADO

Romeu Schneider, presidente da câmara setorial do tabaco, classifica os números de “chute” e questiona a possibilidade de isolar o cigarro como causa das doenças.

“Deveriam usar números reais, como os que usamos. Nosso faturamento é superior a R$ 17 bilhões, mais de R$ 10 bilhões em impostos.”

A Abifumo (que reúne a indústria do tabaco) foi procurada, mas não se pronunciou.

Fonte : Folha de São Paulo

Casos de câncer devem aumentar mais de 75% até 2030. Tabagismo é o vilão

__

Dados da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (AIPC), ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam para uma prospecção alarmante: o número de pessoas com câncer deve crescer mais de 75% até 2030. Um dos motivos apontados pelo estudo é a adoção de estilos de via insalubres, especialmente em países pobres.

Para os especialistas, a melhoria na qualidade de vida nos países pobres aumenta o poder de consumo e leva à adoção de hábitos “ocidentalizados” de alimentação, ao sedentarismo e a outros hábitos nocivos. Com isso, a tendência é que os casos de câncer aumentem.

Os tipos de câncer com maior probabilidade de aumento nos casos são o de mama, o de próstata e o colorretal. Freddie Bray, da seção de informação sobre o câncer da AIPC, explica que a doença já é a principal causa de morte em muitos países com renda elevada, e deve se tornar também nos países em desenvolvimento.

Os pesquisadores descobriram que nos países menos desenvolvidos, especialmente na África Subsaariana, os casos de câncer ligados a infecções são mais comuns, sendo o de colo do útero o mais frequente. Além desse, casos de câncer de fígado, estomago e sarcoma de Kaposi.

Já em países como Brasil, Grã-Bretanha, Austrália e Rússia, os tipos de câncer mais comuns são os relacionados ao tabagismo, à obesidade e à má alimentação. Os pesquisadores dizem que a melhoria na qualidade de vida pode levar a uma diminuição dos casos de câncer relacionados a infecções nos países subdesenvolvidos, mas, em contrapartida, tende a aumentar os relacionados à alimentação, sedentarismo e obesidade.

Países de renda média, como China, Índia e África do Sul podem ter até 78% de aumento nos casos da doença até 2030, afirmam os pesquisadores. Nos países menos desenvolvidos, o aumento no número de casos pode chegar a 93%.

O estudo usou dados da Globocan, um banco de dados compilado pela AIPC com estimativas sobre a incidência e mortalidade decorrente do câncer em 2008 em 184 países e foi publicado no jornal Lancet Oncology.

Fonte : Jornal da Manhã

http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,7,SA%DADE,63395

“O tabagismo é uma dependência química a uma droga”

__

 “Fumar é uma pandemia: o cigarro é o vetor, a fumaça o agente! Fumar ou utilizar qualquer outra forma de tabaco causa uma doença neurocomportamental denominada tabagismo, reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e classificada com o código internacional de doenças CID-10: F17. Os dados do Brasil demonstram um acerto nas políticas de controle do tabaco, pois é reconhecido como um dos países do mundo onde houve a maior queda do percentual de fumantes nos últimos 20 anos de 32% em 1989 para 17% em 2008, o que representa uma taxa de 47% de fumantes acima de 15 anos que deixaram de fumar neste período.”

O presidente da Comissão de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, Alberto Araújo, fala, em entrevista, sobre os malefícios do tabaco e lembra que mesmo quem fuma pouco não garante um nível seguro para a saúde.

Brasília – Por hora morrem 23 pessoas no Brasil por doenças relacionadas ao consumo ativo de tabaco. Se o pulmão adoece compromete a cadeia vital, e fumar favorece a instalação da asma brônquica, das rinites, sinusites, laringites, edema de cordas vocais, tuberculose, pneumonias. Quem afirma é o presidente da Comissão de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia  e Tisiologia (SBPT), Dr. Alberto Araújo. Confira a entrevista.

– Existe uma grande diferença de quem fuma alguns cigarros por dia (ex: um cigarro após cada refeição) e uma pessoa que fuma mais de uma carteira de cigarros?

Sim, embora ambos sejam dependentes químicos da nicotina – uma substância psicoativa presente na fumaça do tabaco – existem algumas características que os diferenciam e outras que são similares. No que é similar comparando aos fumantes “pesados” (fumantes de mais de 20 cigarros/dia) aos fumantes ocasionais (finais de semana) e fumantes de poucos cigarros é que mesmo que fumem poucos cigarros, há evidências científicas de que não há nível seguro para a saúde, pois seguirão inalando partículas e gases altamente tóxicos para o sistema respiratório, circulatório e para as células.

– Qual a porcentagem de fumantes brasileiros?

Fumar é uma pandemia: o cigarro é o vetor, a fumaça o agente! Fumar ou utilizar qualquer outra forma de tabaco causa uma doença neurocomportamental denominada tabagismo, reconhecida pela Organização Mundial da Saúde e classificada com o código internacional de doenças CID-10: F17. Os dados do Brasil demonstram um acerto nas políticas de controle do tabaco, pois é reconhecido como um dos países do mundo onde houve a maior queda do percentual de fumantes nos últimos 20 anos de 32% em 1989 para 17% em 2008, o que representa uma taxa de 47% de fumantes acima de 15 anos que deixaram de fumar neste período.

– Um fumante tem tendências a ser um viciado em drogas no futuro?

Esta é uma questão das mais relevantes em termos de saúde pública. É verdade que a porta de entrada para as outras drogas, como o crack, a cocaína, a maconha, a heroína, o ecstasy etc., é precedida, na maioria das vezes, pela iniciação no consumo do tabaco e/ou do álcool (os quais são parceiros também frequentes na dependência da nicotina, particularmente nos fumantes mais compulsivos, que consomem mais de 1 maço por dia). Então, a prevenção da iniciação do tabagismo e do alcoolismo que costumam preceder o uso destas outras drogas, é fundamental.

– Parar de fumar é uma questão de foro íntimo?

Não, o tabagismo é uma dependência química a uma droga – nicotina – que tem poderosa ação no Sistema Nervoso Central estimulando a liberação de grande quantidade de neuro-hormônios na circulação, o principal deles a dopamina que atua no sistema de recompensa ou gratificação cerebral gerando a sensação prazerosa e/ou de alívio da abstinência (falta da droga) que o cigarro proporciona ao fumante.

Portanto, é uma doença crônica, que se instala em 70-80% dos fumantes, ainda no período da adolescência, fase em que se completa a maturação do sistema nervoso, por isso é também reconhecida como uma doença pediátrica. Além disso, cerca de 40-60% dos fumantes tem carga genética (herança) para desenvolverem a dependência à nicotina, dependendo do quanto ajam fatores sócio-ambientais e familiares na experimentação e iniciação do tabagismo.

A força de vontade, a determinação, a persistência são parâmetros importantes para o fumante batalhar pela cessação, contudo sem o suporte com medicamentos para aliviar os sintomas da abstinência e a orientação terapêutica para as mudanças comportamentais esta tarefa fica mais difícil. Somente 3% dos fumantes que param sem ajuda médica conseguem ficar sem fumar após 1 ano, enquanto 35-45% conseguem ficar em abstinência por mais de 1 ano se procuram ajuda profissional.

– Como a SBPT trabalha o tabagismo? Existem cursos de orientação?

O tabagismo é uma das áreas prioritárias para os pneumologistas. É nas vias aéreas (respiratórias) que se espalham as 4.700 substâncias tóxicas, gases como o monóxido de carbono e partículas como a nicotina, presentes na fumaça do tabaco. O pulmão é um órgão vital para o funcionamento cotidiano do indivíduo e essencial para a manutenção da vida com qualidade, através dos alvéolos, se faz a troca gasosa (hematose), com a absorção do combustível da vida – oxigênio – e a eliminação de gases nocivos, como o monóxido de carbono (o mesmo dos escapamentos dos veículos automotivos). Além disso, os brônquios através do muco e do movimento ciliar fazem a “toalete brônquica” eliminando as impurezas depositadas durante as inspirações do indivíduo.

Assim, se o pulmão adoece compromete a cadeia vital, e fumar favorece a instalação da asma brônquica, das rinites, sinusites, laringites, edema de cordas vocais (voz grossa, p.ex., nas mulheres), tuberculose, pneumonias e, é o principal responsável pela bronquite crônica, enfisema pulmonar e câncer de pulmão, doenças debilitantes e incapacitantes, que podem abreviar não só a qualidade quanto à expectativa de vida do fumante. No site da SBPT há um espaço destinado ao público como informações sobre o tabagismo e um “Guia para a pessoa dar os primeiros passos para deixar de fumar”.

Fonte : Portugal Digital

%d blogueiros gostam disto: