19 Facts About Abortion In America That Should Make You Very Sick

__

The American Dream
February 11, 2012

Every single day, a silent horror kills more Americans than were killed on 9/11. Every single year, this silent horror kills about as many Americans as have been killed on all the battlefields in all of the wars in U.S. history combined. This silent horror is called abortion, and it is a national disgrace. Overall, more than 50 million babies have been slaughtered since Roe v. Wade was decided in 1973. We have become a nation with so little regard for human life that nobody even really talks that much about this issue anymore. But the truth is that it is at the very core of what is wrong with America. As I have written about previously, we have become a nation that is obsessed with population control, and we have been exporting this sick philosophy all over the globe. As you read this, there are workers from U.S. organizations and UN organizations (both funded by your tax dollars) that are on the other side of the world setting up “family planning services” for women in poor countries. The goal of these organizations (just like we see in the United States) is to reduce the number of poor children being born. The sick control freaks that run things have decided that overpopulation is a plague that must be eradicated and that mass murder is the answer. Unfortunately, there are very few people that are still willing to speak out strongly against abortion in America. So the carnage is just going to go on and on and on.

What will the history books say about a nation that murdered 50 million of its own babies?

The following are 19 facts about abortion in America that should make you very sick….

1 – There have been more than 53 million abortions performed in the United States since Roe v. Wade was decided back in 1973.

2 – When you total up all forms of abortion, including those caused by the abortion drug RU 486, the grand total comes to more than a million abortions performed in the United States every single year.

3 – The number of American babies killed by abortion each year is roughly equal to the number of U.S. military deaths that have occurred in all of the wars that the United States has ever been involved in combined.

4 – Approximately 3,000 Americans lost their lives as a result of the destruction of the World Trade Center towers on 9/11. Every single day, more than 3,000 American babies are killed by abortion.

5 – It has been reported that a staggering 41 percent of all New York City pregnancies end in abortion.

6 – According to Pastor Clenard Childress, approximately 52 percent of all African-American pregnancies now end in abortion.

7One very shocking study found that 86 percent of all abortions are done for the sake of convenience.

8 – According to the Guttmacher Institute, the average cost of a first trimester abortion at the ten week mark is $451.

9 – The average cost of a vaginal birth with no complications in the United Statesis now over $9,000.

10 – A Department of Homeland Security report that was released in January 2012 says that if you are “anti-abortion”, you are a potential terrorist. Unfortunately, there have also been other government reports that have also identified “anti-abortion” protesters as potential threats.

11 – A while back one Philadelphia abortionist was charged with killing seven babies that were born alive, but witnesses claim that he actually slaughtered hundreds “of living, breathing newborn children by severing their spinal cords or slitting their necks.”

12 – Some abortion clinics have been caught selling aborted baby parts to medical researchers.

13 – Planned Parenthood Founder Margaret Sanger once said the following….

“The most merciful thing that a family does to one of its infant members is to kill it.”

14 – In a 1922 book entitled “Woman, Morality, and Birth Control”, Planned Parenthood Founder Margaret Sanger wrote the following….

“Birth control must lead ultimately to a cleaner race.”

15 – Planned Parenthood performs more than 300,000 abortions every single year.

16 – Planned Parenthood specifically targets the poor. A staggering 72 percentof Planned Parenthood’s “customers” have incomes that are either equal to or beneath 150 percent of the federal poverty level.

17 – There are 30 Planned Parenthood executives that make more than $200,000 a year. A few of them make more than $300,000 a year.

18 – Planned Parenthood received more than 487 million dollars from the federal government during 2010.

19 – The following is one description of the five steps of a partial birth abortion….

1) Guided by ultrasound, the abortionist grabs the baby’s legs with forceps.

2) The baby’s leg is pulled out into the birth canal.

3) The abortionist delivers the baby’s entire body, except for the head.

4) The abortionist jams scissors into the baby’s skull. The scissors are then opened to enlarge the skull.

5) The scissors are removed and a suction catheter is inserted. The child’s brains are sucked out, causing the skull to collapse. The dead baby is then removed.

How can we murder our own children?

Unfortunately, there are organizations out there such as Planned Parenthood that spend millions upon millions of dollars trying to convince the American people that abortion is okay. Just check out this jaw dropping propaganda video.

And every single year, politicians from both political parties continue to vote to give hundreds of millions of our tax dollars to Planned Parenthood.

Our politicians talk about how we need to spread our values to the rest of the world, but what kind of “values” do we really have when we have such little respect for human life?

There is no hope for America as long as this mass slaughter of innocent children continues to go on all across the United States.

Please share this list of facts about abortion in America with as many people as you can. We need to wake the American people up. Most Americans spend their days in an entertainment-induced haze and take very little time to think about the issues that really matter.

And if you think that the issue of abortion does not matter, then you are dead wrong.

The mass murder of more than 50 million American babies is something that cannot be ignored.

Their blood is crying out to us from the ground where it has been spilled.

Yes, this article is going to make a lot of people uncomfortable, but it is the truth.

Isn’t it time that someone started telling the truth in America?

Fonte: http://www.infowars.com/19-facts-about-abortion-in-america-that-should-make-you-very-sick/

Revista médica defende ocultação do sexo do bebé para evitar aborto seletivo de meninas

__

Toronto, 17 jan (Lusa) – A revista da Associação Médica do Canadá defendeu na segunda-feira, no seu editorial, que os médicos não deveriam revelar o sexo do bebé antes dos 7,5 meses de gravidez, para evitar o aborto seletivo de meninas.

No seu mais recente número, a publicação assinala que o Canadá se converteu num paraíso para os pais que desejam abortar bebés do sexo feminino devido à sua predileção por filhos varões.

Os casos ocorrem entre os imigrantes asiáticos, principalmente da Índia e da China, onde a prática é elevada.

__

L’ONU et l’Europe alertent sur les effets pervers de la sélection des sexes

__

La sélection du sexe de l’enfant à naître, effet pervers des techniques de dépistage prénatal et de la procréation assistée, menace gravement l’équilibre démographique de plusieurs régions du monde et l’Europe n’est pas épargnée.

Le 6 octobre 2011, lors d’une conférence à Hanoï, l’ONU a exprimé son inquiétude face au déséquilibre démographique des sexes en Asie qui s’est aggravé depuis que la technologie permet aux futurs parents de connaître le sexe de leur enfant. Ainsi, il manquerait déjà 117 millions de femmes en Asie. Le Fond des Nations unies pour la population souligne que ces chiffres reflètent un “accès accru à la technologie de sélection des sexes“. Ces “avortements sélectifs” conduisent les pays à un grave déséquilibre, souligne le démographe français Christophe Guilmoto.

Parallèlement, lors de la session de l’Assemblée Parlementaire du Conseil de l’Europe (ACPE) le 3 octobre 2011, les députés ont voté une résolution condamnant la pratique de sélection prénatale selon le sexe (Cf. Synthèse de presse du 13/09/11). L’APCE proposerait d’interdire de communiquer aux parents le sexe de l’enfant à l’étape précoce de la grossesse. Si le Conseil s’est intéressé à ce phénomène des avortements sélectifs, c’est qu’il touche aujourd’hui de manière inquiétante certains pays de l’Europe Sud. L’Assemblée appelle donc l’Azerbaïdjan, l’Arménie et la Géorgie à adopter des programmes spéciaux de sensibilisation des sociétés concernant les problèmes liés à cette sélection du sexe des enfants. Doris Stump, rapporteuse de l’APCE, souligne : “C’est une question éthique. Est-ce que l’on veut traiter les enfants comme des voitures ? Vous allez chez le concessionnaire et vous dites, cette fois j’en veux une rouge, la prochaine fois je la prendrai bleue… En ce qui concerne les enfants, nous devrions avoir plus d’humilité et accepté le sexe déterminé par la nature“.

 

Voix de la Russie 04/10/11 –

Euronews 05/10/11 – AFP 06/10/11 –

Le Quotidien du Médecin  (Denis Durand de Bousingen)  07/10/11

Aborto seletivo pode explicar déficit de 8 milhões de meninas na Índia

__

“O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, qualificou o aborto de fetos do sexo feminino e o infanticídio como uma “vergonha nacional” e pediu que haja uma cruzada para salvar bebês meninas.
 
 A indiana Kulwant (aqui chamada por um nome fictício, por razões legais) tem três filhas com idades de 24, 23 e 20 anos e um filho com 16.
No período entre os nascimentos da terceira menina e do menino, Kulwant engravidou três vezes, mas foi forçada pela família a abortar os bebês após exames de ultrassom terem confirmado que eram do sexo feminino.O caso ilustra um problema cada vez mais sério na Índia: o censo de 2011 no país revelou um forte declínio no número de meninas com menos de sete anos.Militantes que fazem campanha para que a prática de abortar meninas seja abandonada temem que oito milhões de fetos do sexo feminino tenham sido abortados na última década. Para alguns, o que acontece hoje na Índia é infanticídio.

“Minha sogra me insultava por eu ter tido apenas meninas. Ela disse que seu filho ia se divorciar de mim se eu não tivesse um menino”, disse Kulwant.

Ela contou que tem vívidas lembranças do primeiro aborto. “O bebê já tinha quase cinco meses. Ela era linda. Eu tenho saudades dela e das outras que matamos”, ela contou, enquanto secava as lágrimas com as mãos.

Indesejadas Até o nascimento do filho, todos os dias, Kulwant levava surras e ouvia xingamentos do marido, sogra e cunhado. Uma vez, segundo ela, o grupo tentou colocar fogo nela.

“Eles estavam com raiva. Não queriam meninas na família, queriam meninos para que pudessem receber bons dotes”, ele explicou.

A prática de pagar dotes foi declarada ilegal na Índia em 1961, mas o problema persiste e o valor do dote sobe constantemente, afetando ricos e pobres.

O marido de Kulwant morreu três anos após o nascimento do filho. “Foi praga por causa das meninas que matamos. Por isso ele morreu tão jovem”, ela disse.

A vizinha de Kulwant, Rekha (nome fictício), tem uma menina de três anos de idade. Em setembro do ano passado, quando ficou grávida novamente, foi forçada pela sogra a abortar dois gêmeos após um exame de ultrassom revelar que eram meninas.

“Eu disse que não há diferença entre meninas e meninos, mas aqui eles pensam de outra forma. Não há felicidade quando nasce uma menina. Eles dizem que o menino vai carregar a linhagem adiante, mas meninas se casam e vão para uma outra família”.

Kulwant e Rekha vivem em Sagarpur, uma região de classe média-baixa no sudeste de Nova Déli.

Bebê Milagre Longe dali, na cidadezinha de Bihvarpur, no Estado de Bihar, a bebê Anuskha – a mais jovem de quatro meninas – sobreviveu por pouco.

Quando sua mãe, Sunita Devi, ficou grávida em 2009, foi a uma clínica para fazer um exame de ultrassom.

“Perguntei ao médico se era menina ou menino”, disse Sunita. “Eu disse a ela que era pobre e que tinha três meninas, e não podia tomar conta de mais uma”.

A médica disse que o bebê era do sexo feminino. “Pedi um aborto. Ela disse que ia custar US$ 110”.

Sunita não tinha o dinheiro e não fez o aborto. Hoje, Anushka tem nove meses de idade. A mãe diz que não sabe como vai alimentar e educar as filhas, ou pagar por seus dotes.

A história dessas mulheres se repete em milhões de lares em toda a Índia, afetando ricos e pobres. Porém, quanto maior o poder econômico da família, menores são as chances de que “milagres” como o de Anushka se repitam. Números: Embora o número total de mulheres tenha aumentado no país – devido a fatores como um aumento na expectativa de vida – a proporção entre o número de meninas e o de meninos no país é a segunda pior do mundo. só ficando atrás da China.

Em 1961, para cada mil meninos com menos de sete anos de idade, havia na Índia 976 meninas. Hoje, o índice nacional caiu para 914 meninas.

Os números são piores em algumas localidades.

Em um distrito na região sudoeste de Nova Déli, o índice é de 836 meninas com menos de sete anos para cada mil meninos. A média em toda a capital não é muito melhor, 866 meninas para cada mil meninos.

Os dois Estados com os piores índices, Punjab e Haryana, são vizinhos da capital. Nesses locais, no entanto, houve alguma melhora em comparação com censo anterior.

O censo recente revelou pioras nos índices de 17 Estados, com as piores quedas registradas em Jammu e Kashmir.

‘Vergonha Nacional’ Especialistas atribuem o problema a uma série de fatores, entre eles, infanticídio, abuso e negligência de crianças do sexo feminino.

O governo indiano foi forçado a admitir que sua estratégia para combater o problema falhou.

“Quaisquer que tenham sido as medidas adotadas nos últimos 40 anos, elas não tiveram nenhum impacto sobre os números”, disse o ministro da Fazenda do país, G.K. Pillai, após a publicação do relatório do censo.

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, qualificou o aborto de fetos do sexo feminino e o infanticídio como uma “vergonha nacional” e pediu que haja uma cruzada para salvar bebês meninas.

O mais conhecido ativista indiano a fazer campanhas sobre o assunto, Sabu George, disse, no entanto, que até o momento o governo não se empenhou verdadeiramente em parar com a prática.

Para George e outros militantes, o declínio no número de meninas se deve, principalmente, à disponibilidade cada vez maior, na Índia, de exames pré-natais para a determinação do sexo do bebê.

Controle da Natalidade: Ele explicou que, até 30 anos atrás, os índices eram “razoáveis”. Porém, em 1974, o prestigioso All India Institute of Medical Sciences publicou um estudo que dizia que testes para a determinação do sexo do bebê eram uma benção para as mulheres indianas. Para o instituto, as mulheres não precisavam mais ter vários bebês para atingir o número certo de filhos homens. A entidade encorajou a determinação e eliminação de fetos do sexo feminino como um instrumento efetivo de controle populacional.

“No final da década de 80, todos os jornais de Nova Déli estavam anunciando ultrassons para a determinação de sexo”, disse George.

“Clínicas do Punjab se gabavam de que tinham dez anos de experiência em eliminar meninas e convidavam os pais a visitá-las”.

Em 1994, o o Ato Teste de Determinação Pré-Natal tornou abortos para a seleção do sexo ilegais. Em 2004, a lei recebeu uma emenda proibindo a seleção do sexo do bebê mesmo no estágio anterior à concepção.

O aborto de forma geral é permitido até as primeiras 12 semanas de gravidez. O sexo do feto só pode ser determinado por ultrassom após cerca de 14 semanas.

“O que é necessário é uma implementação mais severa da lei”, disse Varsha Joshi, diretora de operações do censo em Nova Déli.

Existem hoje na Índia 40 mil clínicas de ultrassom registradas e muitas mais sem registro.

Segundo Joshi, a maioria das famílias envolvidas na prática pertence à classe média indiana, hoje em expansão, e à elite econômica do país. Segundo ela, esses grupos sabem que a tecnologia existe e tem condições de pagar pelo teste e subsequente aborto.

“Temos de adotar medidas efetivas para controlar a promoção da determinação do sexo pela comunidade médica. E abrir processos contra médicos que fazem isso”, disse o ativista Sabu George.

“Caso contrário, temos medo de pensar em como será a situação em 2021”.

Modelo a Ser Seguido? Alguns Estados indianos, no entanto, vêm criando iniciativas que podem, talvez, servir de modelo para os demais.

É o caso do Estado de Bihar, onde famílias de baixa renda estão participando do Esquema de Proteção da Menina. Como parte do programa, o Estado investe duas mil rúpias (cerca de R$ 70) em um fundo aberto no nome da criança. O dinheiro cresce ao longo da vida da menina. Quando ela completa 18 anos, segundo as autoridades, o fundo vale dez vezes mais e pode ser usado para pagar pelo casamento ou pela educação universitária da menina.

O programa está disponível apenas para os que vivem abaixo da linha da pobreza e cada família pode registrar apenas duas filhas.

A iniciativa, anunciada em novembro de 2007, é parte de um plano do governo para tornar bebês meninas desejadas e, ao mesmo tempo, tornar atraente a ideia de uma família pequena.

Infelizmente, o programa não pode ajudar Anushka, o “bebê milagre”. Sua mãe é analfabeta e ela não tem certidão de nascimento, então não pode participar do esquema.

***

http://noticias.uol.com.br/bbc/2011/05/25/aborto-seletivo-pode-explicar-deficit-de-8-milhoes-de-meninas-na-india.jhtm__

Abortos seletivos podem deixar 24 milhões de chineses solteiros até 2020

Aborto: debate na TV Justiça, no STF, em junho de 2007

***

(AFP) – Há 21 horas

PEQUIM — O desequilíbrio demográfico na China, país onde os abortos seletivos são frequentes para evitar o nascimento de meninas, corre o risco de criar um excedente de 24 milhões de homens em 2020, alerta um estudo oficial citado nesta segunda-feira pela imprensa.

“Os abortos seletivos continuam sendo muito frequentes, sobretudo nas zonas rurais”, da China, que conta atualmente com 1,3 bilhão de habitantes, indicaram uma série de pesquisas publicadas pela Academia de Ciências Sociais da China, citadas pelo jornal Global Times.

As famílias que vivem da agricultura preferem ter filhos homens por motivos tradicionais e econômicos: já que a maior parte da população não pode contar com um sistema de aposentadoria e proteção social, a maior parte da população idosa depende dos filhos para sobreviver. Assim, os casais preferem ter filhos, já que as filhas vão morar com a família do marido depois do casamento.

Assim, o desnível de gêneros na China, que era de 108 homens para 100 mulheres em 1982, saltou para 119 homens para 100 mulheres, de acordo com dados da Comissão de Planejamento Familiar.

A tendência se acentuou com a facilitação do acesso a tecnologias modernas de exames pré-natais, que permitem identificar o sexo do embrião – embora, na teoria, a equipe médica não tenha autorização para revelar esta informação aos futuros pais, justamente para evitar um eventual aborto.

Em algumas áreas do país, o desequilíbrio chega a 130 homens para cada 100 mulheres, segundo um recente relatório publicado pelo jornal Mirror.

As autoridades estimam que uma proporção saudável entre gêneros normal seja de 103 a 107 homens para cada 100 mulheres.

Desde o fim dos anos 70, as autoridades chineses mantêm uma rígida política de controle de natalidade, para evitar o crescimento exponencial da população. Esta política, no entanto, limita a autorização de nascimentos a um filho por casal; há, no entanto, algumas exceções no campo e em regiões habitadas por minorias étnicas.

Segundo um pesquisador da Academia de Ciências Sociais, os principais prejudicados por esse desequilíbrio demográfico são homens de renda mais baixa.

A enorme dificuldade para encontrar uma esposa em algumas regiões já provoca fenômenos preocupantes, como sequestros em países limítrofes, assim como o aumento do número de mulheres obrigadas a se casar ou a se prostituir.

Segundo um dos pesquisadores citados, Wang Yuesheng, muitos homens das regiões mais pobres do país correm o risco de permanecer solteiros por toda a vida, o que pode causar “uma ruptura das linhagens familiares”.

“As chances de encontrar esposa é rara no campo para homens de mais de 40 anos, que serão mais dependentes dos seguros sociais, pois terão menos recursos para sobreviver”, alertou.

http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5jJiRPy8ZrM8IUEeDuMfC6usKBrqg

***

%d blogueiros gostam disto: