O que o Brasil precisa saber e fazer para enfrentar com seriedade a pandemia do Coronavírus – Covid-19

_

 

Dengues sobre o Covid-19

___

Tudo teria sido uma QUESTÃO de genial jogada de “MERCADO” de ações, com uso de uma “gripezinha” inofensiva pelos ardilosos e superinteligentes chineses, diante do resto do mundo, todo burro e “histérico”, para baixar preços de ações nas bolsas de valores, e poderem comprar pelo menor preço as ações de todo o mundo?
 
E a “dengue”, então, que “mata mais”? ( Não sabia que a questão “é o que mata mais” … )
 
Pergunta-se: que poder teria a ardilosa China para determinar medidas preventivas drásticas de saúde pública para Governos como os de Israel e Itália, entre muitos outros, propagando uma “gripezinha inofensiva”, se não houvesse um fator de risco real pela alta PROPAGAÇÃO viral com consequências significativas para a saúde pública?
 
@aaaahhh, fala o Dengoso: – “mas a DENGUE mata mais!”
 
Matar mais! Eis a questão, que Shakespeare não percebeu. Matar menos, importa menos … Mas, pense, se for alguém da SUA família, então? Importa menos?
 
Inteligente, responda então qual a EQUIVALÊNCIA entre a propagação da dengue e a propagação do Covid-19?
 
Existe? Não, Inteligência!
 
Já lhes explicaram que a dengue é causada pelo relaxamento visível, sujeira notória de pessoas e prefeituras com a convivência com “águas paradas” e mosquitos, e não é resolvida por falta de multas para quem permite águas paradas em suas casas e ruas? Ou seja, dengue é falta de fiscalização do Poder Público!
 
Apenas recordando, nas décadas de 50/60 havia funcionários da Prefeitura de Porto Alegre que visitavam residências para colocar “creolina” nos esgotos e ralos. E não existia ainda o mosquito da dengue no Brasil.
 
Já cansei de denunciar “águas paradas” para Prefeitura e DEMORAR para ter resultados de repressão mínimos, e depois o retorno nos mesmos locais. Fora a burocracia para fazer isso.
 
Se alguém tossir ou espirrar NÃO vai propagar primariamente a dengue, sabia? Quem faz isso é o mosquito proveniente da África, o Sr. Aedes Aegypti. E ele precisa de água tão parada quanto sua inteligência.
 
Mais, a dengue não está em mutação, como já é considerado sobre o Covid-19.
 
Sem falar no período ASSINTOMÁTICO de contágio do Covid-19 que começou anunciado em 10 dias e já está sendo considerado para perto de 30 dias.
 
Mal perguntando, a dengue tem período assintomático de contágio entre humanos?
 
Mas sabe o que mata MAIS mesmo, já que tudo parece se resumir em matar mais ou matar menos? O que mata mais do que qualquer vírus ou qualquer doença é a IGNORÂNCIA de quem fala sem saber pensar ou se informar o suficiente.
 
Celso Galli Coimbra
OABRS 11352

Recomendações do Governo japonês para prevenção ao Coronavírus

___

Governo japonês e recomendações para prevenção ao Coronavírus

Vídeo, clique aqui.

O que o câncer nos ensina sobre a evolução humana

Além disso, pesquisas recentes mostram que as células cancerígenas não necessitam de oxigênio, remetendo a um antigo (e menos eficiente) método de metabolismo conhecido como fermentação.

__

Ao estudar o aparecimento da doença, pesquisadores obtêm vislumbres de uma antiga era biológica

A medicina define o câncer como uma doença onde células defeituosas se proliferam de forma descontrolada. Porém, na busca pela cura, a maioria dos pesquisadores deixou de lado questões essenciais, como “Por que o câncer existe?”, “Qual o seu papel na história da humanidade?”. É incrível, mas, após décadas de pesquisa, ainda não se sabe o motivo do aparecimento de um câncer dentre todas as células saudáveis. Sabe-se apenas que ele pode ser ativado por diversos agentes, como radiação, produtos químicos, inflamação e infecção, por exemplo.

asol

O câncer não é uma aberração moderna. A doença tem raízes profundas na evolução e afeta não só os humanos, mas também animais e até plantas. Cientistas identificaram os genes relacionados ao câncer e descobriram que eles têm milhões de anos.

Durante grande parte da história, a vida se resumia a mecanismos unicelulares. Conforme o planeta passava por mudanças, a atmosfera se tornou poluída com um elemento químico altamente tóxico: oxigênio, obtido como subproduto da fotossíntese. As células passaram a desenvolver estratégias para evitar o acúmulo de oxigênio e combater os danos causados pela oxidação. Contudo, alguns organismos passaram a transformar o oxigênio em uma fonte de energia. Assim surgiram as células dependentes de oxigênio.

Em organismos unicelulares, as células se reproduziam para garantir a imortalidade. Com o aparecimento de organismos multicelulares, as células passaram a utilizar óvulos e espermas para armazenar genes para gerações futuras. Com isso, as células comuns passaram a ter um prazo de vida, se autodestrunindo quando o prazo chega ao fim. Aparentemente, o aparecimento do câncer envolve uma quebra neste processo. Ao invés de se autodestruírem, as células malignas passam a se multiplicar, formando tumores. Além disso, pesquisas recentes mostram que as células cancerígenas não necessitam de oxigênio, remetendo a um antigo (e menos eficiente) método de metabolismo conhecido como fermentação.

Os profundos vínculos entre evolução biológica, desenvolvimento biológico e câncer têm implicações diretas no tratamento e mostram que existem razões para estudar o câncer. Ao revelar os detalhes de criação e progresso da doença, pesquisadores abrem uma janela que nos permite vislumbrar uma era passada.

Fonte:  The Guardian-Cancer can teach us about our own evolution

http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2012/nov/18/cancer-evolution-bygone-biological-age

__

 

 

Tabagismo causa mais câncer em mulheres

“A pesquisa mostrou que as mulheres que fumam têm 19% mais risco de desenvolver esse tipo de câncer do que as não fumantes, enquanto entre o público masculino, o cigarro aumenta esse risco em apenas 9%. O estudo confirmou, ainda, que o risco de desenvolver a doença revelou-se especialmente alto entre mulheres que começaram a fumar aos 16 anos (ou mais jovens) e aquelas que fumaram durante décadas. Durante o período analisado, cerca de 4 mil pacientes tiveram câncer no intestino.”

 

__

acigarro

Cientistas noruegueses afirmam, em pesquisa divulgada na publicação especializada Cancer Epidemiology Biomarkers & Prevention, que mulheres que fumam têm mais risco de desenvolver câncer de intestino do que os homens fumantes. Os estudiosos da Universidade de Tromso analisaram os registros médicos de 600 mil pacientes, e a conclusão é que a aparição da doença chega ao dobro entre mulheres que têm esse hábito.

 

A pesquisa mostrou que as mulheres que fumam têm 19% mais risco de desenvolver esse tipo de câncer do que as não fumantes, enquanto entre o público masculino, o cigarro aumenta esse risco em apenas 9%. O estudo confirmou, ainda, que o risco de desenvolver a doença revelou-se especialmente alto entre mulheres que começaram a fumar aos 16 anos (ou mais jovens) e aquelas que fumaram durante décadas. Durante o período analisado, cerca de 4 mil pacientes tiveram câncer no intestino.

 

Os noruegueses acreditam que este é o primeiro estudo a mostrar a vulnerabilidade das mulheres diante dos efeitos tóxicos do cigarro, já que até mesmo as que fumam menos que homens ainda apresentam risco mais alto de desenvolver câncer no intestino grosso, mas ressalvam que a pesquisa não levou em conta outros fatores que podem afetar a incidência, como o consumo de bebidas alcoólicas e suas dietas diárias.

 

Além do câncer, especialistas também já haviam apresentado conclusões de que as mulheres que fumam têm mais chance de sofrer um ataque cardíaco, e a explicação de estudiosos de uma equipe da Universidade do Oeste da Austrália é de que adolescentes expostas ao fumo passivo apresentariam baixos níveis do colesterol “bom” (HDL), que ajuda a reduzir o risco de doenças cardíacas

 

Fonte: http://www.emsgenericos.com.br/post.asp?id=100&ide=1

Crimes da Nestlé são acobertados por autoridades e imprensa brasileira. Fome Zero & Nestlé

__

As águas turvas da Nestlé: Se a imprensa brasileira, misteriosa e sistematicamente, vem ignorando o caso, o mesmo não ocorre na Europa, onde o assunto foi publicado em jornais de vários países, além de duas matérias de meia hora na televisão

 

aáguas-turvas-nestle

 

Há alguns anos, a Nestlé vem utilizando os poços de água mineral de São Lourenço para fabricar a água marca PureLife. Diversas organizações da cidade vêm combatendo a prática, por muitas razões. As águas minerais, de propriedades medicinais e baixo custo, eram um eficiente e barato tratamento médico para diversas doenças, que entrou em desuso, a partir dos anos 50, pela maciça campanha dos laboratórios farmacêuticos para vender suas fórmulas químicas através dos médicos. Mas o poder dessas águas permanece. Médicos da região, por exemplo, curam a anemia das crianças de baixa renda apenas com água ferruginosa.

Para fabricar a PureLife, a Nestlé, sem estudos sérios de riscos à saúde, desmineraliza a água e acrescenta sais minerais de sua patente. A desmineralização de água é proibida pela Constituição.

Cientistas europeus afirmam que nesse processo a Nestlé desestabiliza a água e acrescenta sais minerais para fechar a reação. Em outras palavras, a PureLife é uma água química. A Nestlé está faturando em cima de um bem comum, a água, além de o estar esgotando, por não obedecer às normas de restrição de impacto ambiental, expondo a saúde da população a riscos desconhecidos. O ritmo de bombeamento da Nestlé está acima do permitido.

Troca de dutos na presença de fiscais é rotina. O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos. A extração em níveis além do aceito está comprometendo os poços minerais, cujas águas têm um lento processo de formação. Dois poços já secaram. Toda a região do sul de Minas está sendo afetada, inclusive estâncias minerais de outras localidades.

Durante anos a Nestlé vinha operando, sem licença estadual. E finalmente obteve essa licença no início de 2004.

Um dos brasileiros atuantes no movimento de defesa das águas de São Lourenço, Franklin Frederick, após anos de tentativas frustradas junto ao governo e à imprensa para combater o problema, conseguiu apoio, na Suíça, para interpelar a empresa criminosa. A Igreja Reformista, a Igreja Católica, Grupos Socialistas e a ONG verde ATTAC uniram esforços contra a Nestlé, que já havia tentado a mesma prática na Suíça.

Em janeiro deste ano, graças ao apoio desses grupos, Franklin conseguiu interpelar pessoalmente, e em público, o presidente mundial do Grupo Nestlé. Este, irritado, respondeu que mandaria fechar imediatamente a fábrica da Nestlé em São Lourenço. No dia seguinte, no entanto, o governo de Minas (PSDB) baixou portaria regulamentando a atividade da Nestlé. Ao invés de aplicar multas, deu-lhe uma autorização, mesmo ferindo a legislação federal. Sem aproveitar o apoio internacional para o caso, apoiou uma corporação privada de histórico duvidoso.

O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos.

O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos.

Se a  imprensa brasileira, misteriosa e sistematicamente, vem ignorando o caso, o mesmo não ocorre na Europa, onde o assunto foi publicado em jornais de vários países, além de duas matérias de meia hora na televisão. Em uma dessas matérias, o vereador Cássio Mendes, do PT de São Lourenço, envolvido na batalha contra a criminosa Nestlé, reclama que sofreu pressões do governo federal (PT), para calar a boca. Teria sido avisado de que o pessoal da Nestlé apóia o Programa Fome Zero e não está gostando do barulho em São Lourenço.

Diga-se também que a relação espúria da Nestlé com o Fome Zero é outro caso sinistro. A empresa, como estratégia de marketing, incentiva os consumidores a comprar seus produtos, alegando que reverte lucros para o Fome Zero. E qual é a real participação da Nestlé no programa? A contratação de agentes e, parece, também fornecendo o treinamento.

Sim, é a mesma famosa Nestlé, que tem sido há décadas alvo internacional de denúncias de propaganda mentirosa, enganando mães pobres e educadores, para substituir leite materno por produtos Nestlé.

A vendedora de leites e papinhas “substitutos” estaria envolvida com o treinamento dos agentes brasileiros do Fome Zero, recolhendo informações e gerando lucros e publicidade nas duas pontas do programa: compradores desejosos de colaborar e famintos carentes de comida e informação. Mais preocupante: o governo federal anuncia que irá alterar a legislação, permitindo a desmineralização “parcial” das águas. O que é isso? Como será regulamentado?

Se a Nestlé vinha bombeando água além do permitido e a fiscalização nada fez, como irão fiscalizar agora a tal desmineralização “parcial”? Além do que, “parcial” ou “integral”, a desmineralização é combatida por cientistas e pesquisadores de todo o mundo. E por que alterar a legislação em um item que apenas interessa à Nestlé? O que nós, cidadãos, ganhamos com isso?

É simples. Sabemos que outras empresas, como a Coca-Cola, estão no mesmo caminho da Nestlé, adquirindo terrenos em importantes áreas de fontes de água. É para essas empresas que o governo governa? Uma vergonha!

Carla Klein, Correio da Cidadania

__

Presidente da Nestlé: seres humanos não têm direito à água

__
Na opinião de Peter Brabeck, a água deveria ser tratada como qualquer outro bem alimentício e ter um valor de mercado estabelecido pela lei de oferta e procura

24/04/2013

Do Abadia Digital

(Tradução de José Francisco Neto)

Peter Brabeck-Letmathe, um empresário austríaco que é presidente do grupo Nestle desde 2005, afirma que é necessário privatizar o fornecimento da água. Isso para que nós, como sociedade, tomemos consciência de sua importância e acabássemos com o subpreço que se produz na atualidade.

aagua

Na opinião de Peter Brabeck, a água deveria ser tratada como qualquer outro bem alimentício e ter um valor de mercado estabelecido pela lei de oferta e procura

Palavras sujas que provocaram estupor, sobretudo quando se tem em conta que a Nestlé é a líder mundial na venda de água engarrafada. Um setor que representa 8% de seu capital, que em 2011 totalizaram aproximadamente 68,5 bilhões de euros.

Pero Brabeker junta essa a outras críticas para destacar que o fato de muitas pessoas terem a percepção de que a água é gratuita faz com que em várias ocasiões não lhes deem valor e a desperdicem. Assim sustenta que os governos devem garantir que cada pessoa disponha de 5 litros de água diária para beber e outros 25 litros para sua higiene pessoal, mas que o resto do consumo teria que gerido segundo critérios empresariais.

Apesar das rejeições que sua posição provoca, faz tempo que ele defende, sem cerimônia, com entrevistas como esta que aparece no vídeo abaixo, que qualifica de extremistas as ONGs que sustentam que a água deveria ser um direito fundamental.

Em sua opinião, a água deveria ser tratada como qualquer outro bem alimentício e ter um valor de mercado, estabelecido pela lei de oferta e procura. Só desta maneira, aponta, empreenderíamos ações para limitar o consumo excessivo que se dá nesses momentos.

Foto: Reprodução

__

%d blogueiros gostam disto: