Até onde o nosso lixo alcança? Assista a este vídeo.

Este vídeo é sobre uma ilha no oceano a 2000 km de qualquer outra linha de costa. Ninguém vive lá, apenas  pássaros. Você não vai acreditar no que você vai assistir aqui.Não jogue nada no mar.  Olhe para as consequências.

http://midwayfilm.com/ – em Midway Island, Oceano Pacífico Norte .

mar-de-lixo

Pela Vitamina D: a Sociedade Brasileira de Metabologia e Endocrinologia solicita a inclusão deste hormônio na lista do SUS

Observação: a Vitamina D não é nutriente, ela é um hormônio.

Celso Galli Coimbra
cgcoimbra@gmail.com

__

A SBEM encaminhou ao Ministério da Saúde e à Secretaria de Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos um ofício no qual ela solicita uma reunião para discutir a inclusão da Vitamina D3 na lista de medicamentos fornecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o texto, a disponibilização corrigiria a deficiência prevalente deste nutriente nos grandes centros urbanos.

sbem_logo

De acordo com a Sociedade, o SUS já fornece o 400 UI Vitamina D, porém apenas em associação com sais de cálcio,  o que seria uma desvantagem,  já que a maioria dos pacientes não precisa de suplementação de cálcio, mas sim de quantidades maiores de Vitamina D.  Para a SBEM, as doses de ataque deveriam ser de 7000 UI/dia por períodos de 2 a 3 meses.

Ainda segundo o Ofício, valores inadequados de Vitamina D foram encontrados em 85% dos idosos moradores na cidade de São Paulo, em mais de 90% dos idosos institucionalizados e em cerca de 50% da população de jovens saudáveis.  Entre as consequências desta deficiência estão a maior fragilidade óssea e fraturas.

De acordo como texto, “uma meta-análise sobre o assunto constatou que a suplementação com doses superiores à 700 UI de Vitamina D/dia em população idosa conseguiu reduzir o risco de fraturas de quadril em 26% e de fraturas não-vertebrais em 23%. Doses inferiores não foram efetivas. Portanto, a adequação das concentrações de Vitamina D é obrigatória na prevenção das fraturas e do tratamento da osteoporose, com excelente relação de custo/benefício”.

Leia o ofício na íntegra:

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – SBEM vem solicitar à V. Ex.a uma reunião para discutir a inclusão da Vitamina D3 na lista de medicamentos fornecidos pelo SUS, que possibilitará a correção da já comprovada deficiência deste nutriente, altamente prevalente nos grandes centros urbanos do Brasil.

Em função das mudanças sociais e comportamentais ocorridas no último século, vivenciamos atualmente uma drástica redução nos períodos de exposição solar, o principal mecanismo pelo qual adquirimos a Vitamina D. Isto fez com que um problema irrelevante em nosso meio até meados do século passado se tornasse altamente prevalente nos dias de hoje, com sérias consequências para a saúde de nossa população.

Valores séricos inadequados de Vitamina D foram encontrados em 85% dos idosos moradores na cidade de São Paulo, em mais de 90% dos idosos institucionalizados e em cerca de 50% da população de jovens saudáveis, números que se agravam à medida que caminhamos para o sul do país. Esta deficiência tem consequências já bastante conhecidas sobre o sistema musculoesquelético, levando a maior fragilidade óssea e fraturas. Uma meta-análise sobre o assunto constatou que a suplementação com doses superiores à 700 UI de Vitamina D/dia em população idosa conseguiu reduzir o risco de fraturas de quadril em 26% e de fraturas não-vertebrais em 23%. Doses inferiores não foram efetivas. Portanto, a adequação das concentrações de Vitamina D é obrigatória na prevenção das fraturas e do tratamento da osteoporose, com excelente relação de custo/benefício.

O SUS já fornece 400 UI Vitamina D, mas apenas em associação com sais de Cálcio, o que é uma desvantagem. A maioria dos pacientes não precisa de suplementação de cálcio por obtê-lo em quantidade suficiente na dieta, mas necessitam, entretanto, quantidades maiores de Vitamina D para corrigir sua deficiência. Esta correção exige doses de ataque de 7000 UI/dia por períodos de 2 a 3 meses, o que inviabiliza o uso destas associações.

Portanto, faz-se urgente o fornecimento de Vitamina D3 isolada em apresentações versáteis, que possibilitem a titulação da dose para diferentes situações clínicas.

Os benefícios da Vitamina D sobre o sistema musculoesquelético são reconhecidos há quase um século. Entretanto, sua inadequação crônica vem sendo associada a outras situações clínicas indesejáveis, como alguns tipos de câncer, a doenças autoimunes, distúrbios metabólicos, entre outros. Portanto, sua disponibilização pelo SUS será muito bem-vinda, pois possibilitará oferecer, com esta medida de baixo custo, mais saúde à população.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia coloca-se à disposição do Ministério da Saúde para auxiliar na construção de diretrizes para a utilização de Vitamina D pelo Sistema Único de Saúde.

Fonte: http://www.endocrino.org.br/pela-vitamina-d/

__

Hormônio-Vitamina D: quando a Medicina tem dois pesos e duas medidas e a saúde do paciente vale menos do que a saúde do médico

__

Constituição Federal, Art. 196.   “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.”

__

Resolução do Conselho Federal de Medicina, 1098, de 30.06.83, ratificando decisão da Assembléia Mundial de Médicos em Tóquio, de 1975:

“No tratamento de um paciente, o médico deve ter liberdade para empregar um novo diagnóstico e uma nova medida terapêutica se, em sua opinião, ela oferece esperança de salvar vida, restabelecer a saúde ou minorar os sofrimentos.

__

O Multiple Sclerosis Journal publicou neste mês uma série de artigos,  onde foi perguntado aos neurologistas se eles tomariam um suplemento de 10.000 UI de vitamina D por dia, se eles tivessem uma síndrome clinicamente isolada, um ataque de Esclerose Múltipla antes do diagnóstico definitivo, e um MRI scan sugestivo de esclerose múltipla.

saude_publica

A conclusão foi que sim, eles providenciariam a suplementação imediata em valores que, para terceiros e para a mídia, chamam de “superdosagem”, o que provavelmente não surpreende a ninguém mais.

Os autores identificaram que, quando tenham sido excluídas as causas de um nível anormalmente elevado de cálcio,  um suplemento de 10.000 UI de vitamina D por dia é seguro. Quando alcança níveis de vitamina D na banda 150-225nmol/L, o nível no qual vitamina D  tem seu efeito melhor sobre o sistema imunológico [é seguro até níveis de 380nmol/L], e reduz a atividade da doença e sua taxa de reincidência.

A parte surpreendente quanto a este procedimento terapêutico é a grave contradição ética da Medicina.   Apesar de estes neurologistas afirmarem ser esta a opção de tratamento que utilizariam para si mesmos ou recomendariam para seus parentes,  já para os seus pacientes com esclerose múltipla eles afirmam que não prescreveriam a mesma suplementação, porque ainda “não existiriam evidências conclusivas”.   Por conclusivo,  eles querem dizer que não haveria ainda na Medicina nenhuma  grande experimentação  controlada.

A suplementação do hormônio-vitamina D é boa para o uso deles próprios médicos e de seus parentes, mas não é boa para os seus pacientes em idênticas situações neuroclínicas ou para inúmeras outras patologias que são socorridas por esta providência de baixo custo.  A explicação dada por estes médicos para os dois pesos e duas medidas – tão comum na medicina – é verossímil?   Não.   Está faltando honestidade médica, que destrói com a saúde e a vida de um universo indefinido de cidadãos pacientes.

Esta é uma posição da Medicina surpreendente para muitas pessoas, mas lamentavelmente não é incomum,  e impõe a reflexão sobre o que esta medicina baseada em “evidências”, segundo conveniências estranhas à saúde dos pacientes e ênfase alopata farmacêutica, tem destruído em termos de valores éticos pela simples arrogância ou ganância médica.

Informe-se:

Vitamina D3 – 10.000 UI diárias é vital para à saúde

Vitamina D

Aqui está o editorial do  Multiple Sclerosis Journal :

VIt D for relative with MS

Celso Galli Coimbra
OABRS 11352
cgcoimbra@gmail.com
__

Yoani Sánchez, o poder das palavras e o ódio à democracia no Brasil

__

Janaina Paschoal

21/02/2013
Acompanhei, hoje pela manhã, a “Conversa com Yoani”, promovida pelo Jornal O Estado de São Paulo. Diversamente do ocorrido em outras oportunidades em que a blogueira tentou se manifestar, o clima estava ameno e respeitoso. O que, confesso, conferiu-me grande alívio, pois, na qualidade de cidadã brasileira, já estava morrendo de vergonha pela forma com que a moça vinha sendo recepcionada.

comecam a tirar e vc nem percebe

Várias perguntas foram formuladas pelos jornalistas que conduziram a conversa e também pelo público. Yoani respondeu a todas de forma objetiva e serena. Algumas questões deram à blogueira a oportunidade de fazer o papel de garota propaganda de uma suposta abertura cubana, bem como do elevado espírito democrático do governo brasileiro.

Com efeito, pela “enésima” vez, ela foi indagada acerca do embargo a Cuba. Respondeu ser contra, pois, caindo o embargo, Cuba não mais terá desculpas para todas as violações praticadas na Ilha. O Senador Eduardo Suplicy perguntou a opinião de Yoani sobre a frase da presidente Dilma, referente a ser melhor ter uma democracia barulhenta do que uma silenciosa ditadura. Ela, como qualquer pessoa minimamente racional faria, afirmou que gostaria de eternizar a frase, por ser uma de suas preferidas.

Eu já estava redigindo uma pergunta quando alguém se antecipou e indagou a opinião de Yoani acerca da postura do governo brasileiro diante da ditadura cubana. Nesse instante, a meu ver o ponto alto da Conversa, a moça, corajosa e calmamente, disse que, se ela pudesse dar uma sugestão, seria justamente a de que diminuísse o silêncio. Ela elogiou e agradeceu a ajuda financeira que o Brasil envia a Cuba, mas foi bastante clara ao cobrar firmeza e menos silêncio perante a violação aos direitos fundamentais.

Ela ainda fez questão de enfatizar que não existem cubanos de Fidel ou cubanos de Miami. Há apenas cubanos que amam o seu país, onde quer que estejam.

Para aqueles que vêm procurando distorcer os fatos, sugerindo que, se Cuba fosse mesmo tão ditatorial, esta moça não estaria aqui, Yoani, de forma muito diplomática (ela, inclusive, se apresentou como uma diplomata da cidadania), disse que, na verdade, Cuba nem a tolera nem autoriza que ela mantenha seu trabalho. Cuba, dada a visibilidade mundial que ela conquistou, não tem mais como impedi-la.

Restou, portanto, muito evidente que Yoani não recebeu a liberdade; ela abriu, conquistou, a duras penas, esse espaço.

Ao falar da frustração que implica ler as notícias em seu país, Yoani relatou que, ao comparar os verbos utilizados nas notícias nacionais e internacionais, intriga constatar que, nas nacionais, sempre estão presentes “AUMENTAR”, “CRESCER”, “DESENVOLVER”; por outro lado, nas internacionais, sempre se encontram “MATAR” e “MORRER”. Tudo a referendar a falsa ideia de que Cuba seria um paraíso. Ideia, infelizmente, muito difundida no ambiente acadêmico brasileiro, onde nossos jovens escutam, reiteradamente, que a verdadeira democracia está em Cuba.

Quando questionada sobre os protestos que enfrentou, a blogueira foi bastante categórica ao aduzir que exercício da democracia não guarda relação com fanatismo, que se caracteriza pela violência verbal e até física.

Acrescento que a truculência sofrida pela visitante, mais que motivo de vergonha própria e alheia, não tem mesmo nada a ver com democracia e poderia até configurar o crime de constrangimento ilegal, previsto no artigo 146 do Código Penal, pois ela foi impedida de fazer o que a lei permite.

Fossem os tais protestos, que realmente exorbitaram a livre manifestação, intentados apenas por jovens românticos, aqueles que ainda acham “in” usar camisetas com fotografias de Che Guevara, ou Fidel, até seria “desculpável”.

No entanto, as agressões físicas e verbais, perpetradas por pessoas já não tão jovens — pessoas, muitas vezes, que se esforçam para não terminar os cursos universitários em que ingressaram e, quando jubiladas, prestam novos vestibulares para poder exercer seu ofício — são, em grande parte, estimuladas por muitos mestres. Mestres que propalam e escrevem que a liberdade de manifestação não tem valor quando não se tem igualdade social. Mestres que, como no nazi-fascismo, elevam a sociedade ao patamar de uma entidade indefinida e, portanto, diversa dos vários indivíduos que a compõem. Os indivíduos, com suas necessidades, suas esperanças, medos e sonhos são apenas detalhes. Ora, para aniquilar um detalhe, não precisa muito.

Yoani foi bem clara ao dizer que os cubanos vivem um quotidiano de pavor, pois não sabem se o amigo com quem falam ao telefone é ou não um agente do Estado.

Não pertenço a nenhum partido. Por óbvio, apesar de ter até parentes petistas, não posso me alinhar com uma sigla que trabalha, a todo tempo, com dois pesos e duas medidas.

Amigo é herói. Inimigo é ditador. Aliado é vítima de perseguição política. Dissidente é terrorista ou vendido. Amigo de amigo recebe asilo, não importa o que tenha feito. Opositor de amigo é deportado, hostilizado, vaiado, agredido. Tribunal que condena inimigo é democrático. O que condena amigo é Corte de Exceção.

Ora, já que democracia barulhenta é melhor que ditadura silente, por que, diante da ditadura cubana, ainda permanece o silêncio? Além do silêncio, por qual razão um governo que se diz democrático ainda não explicou todo esse imbróglio envolvendo o funcionário da Presidência e um esquema de espionagem da visitante?

Muito tenho ouvido que seria papel da oposição ter uma presença mais firme ao lado de Yoani. Respeito, mas não penso dessa forma. Apoiar alguém que luta COM PALAVRAS por liberdade para AS PALAVRAS é papel de todo cidadão, independentemente da causa.

Ademais, não são poucos os intelectuais e políticos não formalmente petistas que ainda ostentam certo romantismo juvenil em torno de Cuba; reverenciam Fidel, em um saudosismo injustificável. Creio que o problema seja mais profundo que qualquer confronto de legendas partidárias.

Já escrevi e faço questão de repetir que ditadura é ditadura, e ditador não é herói.

A vinda de Yoani para o Brasil se revelou muito importante por escancarar a realidade que tomou conta do país há um bom tempo. Algumas pessoas se assustaram com os protestos e agressões contra a blogueira, como se fossem atos isolados. No entanto, esse já é o tratamento dispensado a qualquer pessoa que ouse pensar um pouco diferente.

Para não perder o tom de relato, concluo dizendo que, ao final do evento, encontrei Yoani no banheiro e, a pedido de uma cubana, que sonha poder voltar para sua terra natal sem correr riscos, bati uma fotografia de ambas, abraçadas, ali mesmo no banheiro. As duas cubanas estavam felizes por se encontrarem, fisicamente e nos ideais. Eu fiquei feliz por registrar o momento e por, finalmente, ter a visitante conseguido falar. Afinal, foi somente para isso que ela veio.

 

Vitamina D – Reportagem com Dr. Cícero Galli Coimbra e Daniel Cunha, na Rede Record

__

Este espaço tem as mais recentes informações sobre a descoberta pela pesquisa médica científica da vital importância preventiva e terapêutica da VITAMINA D3 e sobre o grave assunto de saúde pública das DOENÇAS AUTOIMUNES, que este hormônio na realidade pode PREVENIR e também solucionar.  Na COLUNA DA ESQUERDA deste site está situado em último lugar a categoria “VITAMINA D”.  Entrem ali e terão acesso às principais publicações, vídeos e programas feitos sobre esta vitamina-hormônio.  Ou apenas cliquem no link que dá acesso direto a todas elas:

Postagens sobre Vitamina D neste Blog

 https://biodireitomedicina.wordpress.com/category/vitamina-d/

No meu canal do YouTube, todo o material de áudio, vídeos e programas sobre Vitamina D3 podem ser acessados neste endereço:

Vitamina D3 – 10.000 UI diárias é vital para preservar à saúde

https://www.youtube.com/playlist?list=PL301EAE2D5602A758

No Facebook apenas “curta” esta página e estará automaticamente inscrito:

Vitamina D é um hormônio vital para preservação da saúde

https://www.facebook.com/VitaminaD.HormonioVital

 

Leia também:

 

Por 30 anos, extensa revisão de toda a pesquisa anterior confirma que baixo nível de vitamina D é uma sentença de morte

 

Cientistas convocam para uma Ação de Saúde Pública tendo como modelo o uso do Hormônio-Vitamina D

Por 30 anos, extensa revisão de toda a pesquisa anterior confirma que baixo nível de vitamina D é uma sentença de morte

__

Este trabalho de pesquisa e estudo sobre a vitamina D, que perdurou por 30 anos, e foi publicado no final do ano passado, demonstra contundente e simplesmente:  ou você têm os níveis necessários diários ou adoece e morre.  Não há alternativa para este desfecho.

A Medicina brasileira e seus gestores não podem continuar mentindo para a sociedade e para seus pacientes.  Exija o fim das mentiras para beneficiar o investimento em doenças, visando maiores lucros às custas de sua saúde e vida.

Cabe a você cidadão informar-se, DIVULGAR este fato, e exigir respeito com a sua vida.   Ninguém vai fazer isto no seu lugar: quem tem obrigação de defender sua saúde e sua vida é você mesmo.  Senão o fizer estará praticando suicídio.

Celso Galli Coimbra
OABRS 11352
cgcoimbra@gmail.com

__
Baixos níveis de vitamina D  provaram ser mortais,  e potencializam a mortalidade

molecula-vitamina-d

Tradução de Celso Galli Coimbra

 

Quarta-feira, 13 de fevereiro, 2013 por: Jonathan Benson,

A revisão mais abrangente epidemiológica já realizada sobre a associação entre vitamina D e mortalidade revelou que baixos níveis de vitamina D estão diretamente ligados à morte prematura por doença cardíaca e outras causas.   Publicado no jornal Arteriosclerose, Trombose Vascular, Biologia, o estudo constatou que os indivíduos com menores níveis de vitamina D têm um risco significativamente maior de desenvolver a doença isquêmica do coração, infarto do miocárdio (IM), ou doença cardíaca isquêmica e fatal MI, ou morte precoce, em comparação com os indivíduos com maiores níveis de vitamina D.

Mais de 10.000 homens e mulheres foram incluídos como parte do estudo, que teve lugar em Copenhagen University Hospital (CUH) na Dinamarca, no início de 1980, e foi concluído no ano passado.  Cada um dos participantes tinham níveis de plasma de 25-hidroxivitamina D,  testado e verificado no início do estudo realizado por pesquisadores que trabalham no Copenhagen City Heart Study,  e esses mesmos participantes foram posteriormente seguidos durante todo o curso de quase 30 anos para monitorar seus desenvolvimentos de saúde.

Após o acompanhamento, determinou-se que 3.100 participantes desenvolveram eventualmente doença isquêmica do coração, ao mesmo tempo 1.625 tinham um MI, e  outros  6.747 morreram por causa destas ou de outras doenças.  Mas o que é particularmente interessante sobre estas descobertas é a enorme disparidade na doença e as taxas de mortalidade entre aqueles do grupo de baixo nível de vitamina D em comparação com aqueles no grupo de alto nível de vitamina D.  Com base nos números, aqueles com os níveis  mais  baixos de vitamina D –  abaixo de cinco níveis, nanomoles  por litro (nmol / L), foram 40 por cento mais propensos a desenvolver doenças isquêmicas do coração, 64 por cento mais propensos a ter um enfarte, e 57 por cento mais propensos a morrer de uma morte precoce. Esse mesmo grupo também foi considerado ser 81 por cento com mais probabilidade de morrer de doença cardíaca isquêmica ou MI.

“As pessoas com baixos níveis de vitamina D têm um risco maior de ataque cardíaco, de morrer mais cedo de doenças cardiovasculares, e esta é uma mensagem importante”,  explicou o autor do estudo, Dr. Borge G. Nordestgaard para heartwire. “A forma mais barata e fácil de obter quantidade suficiente de vitamina D é deixar o sol brilhar em sua pele em intervalos regulares. Tem ocorrido na Medicina muito foco na tentativa de evitar que as pessoas se exponham ao sol, mas talvez isso não tenha sido equilibrado.”

 

Extensa revisão de toda a pesquisa anterior confirma que baixo nível de vitamina D é uma sentença de morte

 

Para confirmar a integridade de suas próprias conclusões, a equipe de pesquisa também realizou uma meta-análise de todas as pesquisas anteriores sobre a vitamina D e mortalidade.  A equipe identificou 17 estudos anteriores no total – e encontraram resultados semelhantes. Diminuição dos níveis de vitamina D  foram encontrados diretamente associados a um maior risco de doença e de morte em praticamente todos os estudos,  provando que a manutenção de altos níveis de vitamina D é CRUCIAL para a boa saúde.

“A meta-análise dá exatamente o mesmo resultado de nosso estudo”, acrescentou o Dr. Nordestgaard. “Assim, os resultados são bastante robustos quando você olha para a totalidade da prova.”

Para saber mais sobre os muitos benefícios de saúde de vitamina D, e a melhor forma de obtê-la quando a luz solar natural não é uma opção, confira o Conselho de vitamina D:

 http://www.vitamindcouncil.org/

e

 https://biodireitomedicina.wordpress.com/category/vitamina-d/

Vitamina D3 – 10.000 UI diárias é vital para preservar à saúde

No Facebook apenas “curta” esta página e estará automaticamente inscrito:

Vitamina D é um hormônio vital para preservação da saúde

Fontes para este artigo incluem:

http://www.vitasearch.com/get-clp-summary/40507

http://www.theheart.org/article/1451199.do

Fonte: http://www.naturalnews.com/039072_vitamin_d_mortality_early_death.html

MAIS informações importantes:

http://www.youtube.com/playlist?list=PL301EAE2D5602A758

Os artigos relacionados com este artigo:

• Vitamina D Crescimento pára tumores de câncer de mama

• Vitamina D previne o câncer de mama

• A vitamina D é essencial para a prevenção do cancro da mama

• Vitamina D previne doenças do coração

• A luz do sol surgindo como tratamento comprovado para câncer de mama, câncer de próstata e outros tipos de câncer

__

Os segredos da produção do hormônio-vitamina D – Artigo de John Cannell, MD – “Fatos não deixam de existir, apenas porque eles são ignorados.”


__


“O primeiro fato que você já conhece.   A forma ativa de vitamina D é um hormônio esteróide, e o mais potente no corpo. Os hormônios esteroides funcionam por “desmascarar” o genoma. Isto é, eles habilitam a produção de proteínas e enzimas pelo seu equipamento genético, a essência da vida. Então a forma ativa de vitamina D age habilitando a expressão genética de proteínas e enzimas cruciais para a saúde em centenas de tecidos por todo o corpo. Este fato explica por que a deficiência de vitamina D é envolvida em tantas doenças diferentes.” (…)

__

“O segundo fato mudou minha vida. Fez-me perguntar por quê?  O fato é o seguinte:  a maioria de nós produz mais ou menos 20.000 unidades de vitamina D após mais ou menos 20 minutos de sol de verão. (Para a maioria dos tipos de pele, um mínimo eritema por todo o corpo [vermelhidão leve] produzido pela luz de raios UVB resulta na produção de cerca de 20.000 unidades de colecalciferol.) Isto é mais ou menos 100 vezes mais vitamina D do que o governo diz que você precisa diariamente.” (…)

__

O terceiro fato é mais complexo e tem a ver com a regulação singular do sistema hormonal esteróide da vitamina D. Os hormônios esteroides são moléculas fabricadas a partir do colesterol que atuam agindo sobre um receptor no genoma. Os sistemas hormonais esteroides são firmemente regulados pelo organismo. Quando os níveis estão muito baixos, o corpo fabrica mais hormônios. Quando aqueles níveis estão muito altos, o corpo produz menos. Mas não com a vitamina D.

 

Primeiramente, diferente de outros sistemas esteroides  o sistema da vitamina D necessita de ambos, colesterol e luz solar para iniciar. O corpo não tem nenhuma maneira de obter vitamina D a menos que você entre em contato com o sol ou tome suplementos. Lembre, diferentemente de todos os outros hormônios esteroides  o corpo não pode fabricar sua própria vitamina D a partir do colesterol. Ele necessita de raios de sol também.

 

Claro, até mais ou menos 300 anos atrás, os humanos sempre tiveram muitos raios solares. (…)

 

Este complexo terceiro conjunto de fatores fortemente implica numa severa deficiência difundida entre os seres humanos modernos.  Quando os sistemas de hormônio de esteróide são ligados a pleno, sem desligamento periódico, isto normalmente significa que o corpo está sempre pedindo por mais!  Uma vez que poucos de nós vivemos desnudos sob o sol, nossos sistemas de vitamina D estão secos, nossos tanques de calcidiol estão sempre com o ponteiro na reserva, nossos tecidos estão famintos por mais desse hormônio esteróide, O MAIS POTENTE DO CORPO e, talvez por isso, as doenças de nossa civilização estejam cada vez mais disseminadas.

 

É por isso toda essa estapafúrdia sobre o assunto…

 

__

(…) Isso implica que os níveis de Vitamina D nos tecidos podem estar cronicamente esvaziados nos humanos modernos.  Além disso, nós não temos nenhum método fácil de saber se nós estamos depletados, uma vez que isso se tornou um estado humano padrão.

__

Então o que limita a quantia de calcitriol nos tecidos? A pele.

vitamin-connection

__

Trad.: José Carlos Brasil Peixoto

Você viu os recentes artigos sobre a vitamina D na Newsweek e no Boston Globe?  A manchete do artigo da Newsweek era: “Estão os americanos morrendo por falta da vitamina D?” E por que toda essa agitação sobre a vitamina D?

 

Todos nós sabemos que a vitamina D (colecalciferol) é crucial para sua saúde. Mas a vitamina D é realmente uma vitamina? Está presente nas comidas que os humanos normalmente consomem? Embora exista em algum percentual na gordura do peixe, a vitamina D não está em nossas dietas a não ser que os humanos artificialmente incrementem um produto alimentar, como o leite enriquecido com vitamina D. A natureza planejou que você a produzisse em sua pele, e não a colocasse direto em sua boca.

 

Então, seria a vitamina D realmente uma vitamina?

 

Diferentemente de qualquer outra vitamina, a vitamina D é realmente um pró-hormônio. O seu corpo é a única fonte do potente hormônio esteróide chamado calcitriol. Como isso naturalmente acontece? Primeiro, sua pele produz vitamina D quando a luz solar atinge uma molécula de pré-colesterol. Então seu fígado converte a vitamina D na forma de armazenamento chamado calcidiol (25-hidroxi vitamina D). O corpo armazena o calcidiol no sangue e na gordura para uso posterior.

 

(Seu médico pode medir o calcidiol com um exame de sangue para descobrir se você apresenta deficiência de vitamina D. Os níveis ideais de calcidiol [25-hidroxi vitamina D] estão entre 35-65 ng/ml [87-162 nm/L], ao longo do ano.)

Se você tiver suficiente calcidiol em seu sangue, então as “coisas realmente acontecem”. Um pouco de calcidiol vai para os rins para ajudar a manter os níveis de cálcio no sangue, mas o mais importante acontece nos seus tecidos. Os tecidos por toda parte do seu corpo convertem calcidiol em calcitriol. O calcitriol, ou vitamina D ativa, é o hormônio esteróide mais potente do corpo humano. É ativo em quantidades medidas em pico gramas ou 1/1.000.000.000.000 de um grama.

 

Como os todos os hormônios esteroides, o calcitriol funciona ligando seus genes. Isto é, em centenas de tecidos por todo o seu corpo, o calcitriol expõe seu genoma! Ele dá o sinal para seus genes produzirem centenas de enzimas e proteínas cruciais para manter a saúde e lutar contra doenças.

 

 

Obtendo Sua Porção de Vitamina D

 

Tudo isso acontece, só se você conseguir suficiente vitamina D a partir dos raios do sol ou de suplementos. Se você é um dos que evitam totalmente o sol, pesquisas recentes indicam que você precisa mais ou menos 4.000 unidades de vitamina D em um dia! Então você não vai conseguir suficiente vitamina D a partir do leite (a menos que você beba 40 copos por dia) ou de um multi-vitamínico (a menos que você ingira mais ou menos 10 tabletes por dia), aliás, nada disso é recomendado.

 

Se você não conseguir a vitamina D do modo como a Mãe Natureza pretendeu, a partir do raio do sol, você precisa tomar suplementos de vitamina D. Muitos de nós conseguimos muito mais vitamina D dos raios solares do que nós imaginamos, mas a maioria tem uma necessidade de mais ou menos 2.000 unidades extras por dia. Cada vez mais a Internet e lojas de suplementos alimentares e de saúde vendem vitamina D.

 

Tenha certeza de que a vitamina D que você compra é puro colecalciferol. Não compre uma preparação adicionada com vitamina A. Apenas puro colecalciferol.

 

Muitas das doenças de civilização moderna – câncer, doença de coração, diabete, hipertensão, doença periodental, depressão e até obesidade – estão agora claramente associados com a deficiência de vitamina D. Mas uma associação não é o mesmo que uma relação de causa e efeito. A deficiência de vitamina D causa muitos casos dessas doenças da civilização moderna? Nós apenas não sabemos. Nós precisamos dos Institutos Nacionais de Saúde para financiar mais pesquisa em vitamina D. Até agora, porém, eles recusaram.

 

Se você quiser entender a vitamina D, você precisa reconhecer três fatos que têm sido geralmente ignorado por quase todos exceto alguns cientistas da vitamina D.  Aldous Huxley uma vez disse, “Fatos não deixam de existir, apenas porque eles são ignorados.”  Dois destes fatos ignorados são questões simples e um terceiro é mais complexo.

 

 

O Hormônio Esteróide

 

O primeiro fato que você já conhece.  A forma ativa de vitamina D é um hormônio esteróide, e o mais potente no corpo. Os hormônios esteróides funcionam por “desmascarar” o genoma. Isto é, eles habilitam a produção de proteínas e enzimas pelo seu equipamento genético, a essência da vida. Então a forma ativa de vitamina D age habilitando a expressão genética de proteínas e enzimas cruciais para a saúde em centenas de tecidos por todo o corpo. Este fato explica por que a deficiência de vitamina D é envolvida em tantas doenças diferentes.

 

O segundo fato mudou minha vida. Fez-me perguntar por quê? O fato é o seguinte: A maioria de nós produz mais ou menos 20.000 unidades de vitamina D após mais ou menos 20 minutos de sol de verão. (Para a maioria dos tipos de pele, um mínimo eritema por todo o corpo [vermelhidão leve] produzido pela luz de raios UVB resulta na produção de cerca de 20.000 unidades de colecalciferol.) Isto é mais ou menos 100 vezes mais vitamina D do que o governo diz que você precisa diariamente.

 

Pergunte a si mesmo: por quê? Por que os seres humanos fariam tanta vitamina D, com tanta rapidez? Eu pensei sobre isto, estudei livros de ensino, pesquisei na literatura médica, perguntei a todos os peritos, e dediquei o resto de minha vida profissional a fazer outras pessoas a se perguntarem “por quê?” Por que nós teríamos um sistema hormonal esteróide que faz tanto substrato com tanta rapidez?

 

A única resposta que qualquer um pode apresentar é: “Provavelmente seja por uma boa razão.” A ciência não sabe por quê. Os biólogos sabem que a natureza não projeta sistemas tão complexos quanto o sistema hormonal esteróide da vitamina D sem alguma razão. A ciência médica simplesmente não sabe por que nós temos a capacidade para produzir tanta vitamina D tão depressa.

 

Se você pensar sobre isso por um tempo razoável, você também concluirá que é provavelmente para uma boa razão. Embora nós não saibamos por que, alguns cientistas têm tentado descobrir porque, e perdem o fôlego nas explosivas possíveis implicações.

 

Este segundo fato também diz a você algo sobre a condição humana normal – e o atual desvio de conduta. Antes de nós começarmos a viver em edifícios e carros, vestindo roupas protetoras contra o sol e besuntando em bloqueadores solares, nós lavrávamos e caçamos. E antes disso, nós procurávamos por alimentos, desnudos sob o sol subequatorial africano por mais de um milhão de anos.

 

Quanta vitamina D nós obtínhamos então? Muita.

 

Nós começamos a movermos para os interiores durante a revolução industrial e agora o movimento está quase completo.  Alguns de nós ficamos por dias, semanas, ou até meses sem deixar que um único raio de sol atinja nossa pele e produza vitamina D. Se nós formos ao sol, nossos dermatologistas nos repreendem.   Tanto faz se é bom ou ruim, esta forma de existência é aberrante para a espécie. A “moderna” evitação ao sol é um erro de conduta para o homo sapiens.

 

Uma vez que nós produzimos mais ou menos 20.000 unidades de vitamina D com alguns minutos de raio de sol (talvez 10.000 unidades após nossa pele ficar bronzeada), foi assim que o ser humano fez para ter muita vitamina D a cada dia, até muito recentemente. Agora, a maior parte de nós obtém muito pouco. Isto é simplesmente um desvio.

 

 

Controlando Natureza?

 

O terceiro fato é mais complexo e tem a ver com a regulação singular do sistema hormonal esteróide da vitamina D. Os hormônios esteroides são moléculas fabricadas a partir do colesterol que atuam agindo sobre um receptor no genoma. Os sistemas hormonais esteroides são firmemente regulados pelo organismo. Quando os níveis estão muito baixos, o corpo fabrica mais hormônios. Quando aqueles níveis estão muito altos, o corpo produz menos. Mas não com a vitamina D.

 

Primeiramente, diferente de outros sistemas esteroides  o sistema da vitamina D necessita de ambos, colesterol e luz solar para iniciar. O corpo não tem nenhuma maneira de obter vitamina D a menos que você entre em contato com o sol ou tome suplementos. Lembre, diferentemente de todos os outros hormônios esteroides  o corpo não pode fabricar sua própria vitamina D a partir do colesterol. Ele  necessita de raios de sol também.

 

Claro, até mais ou menos 300 anos atrás, os humanos sempre tiveram muitos raios solares.

 

Lembre, a ação real está nos tecidos.  O sistema de vitamina D autócrino (para a própria célula) e parácrino (para as células vizinhas) parecem estarem ligados a pleno o tempo todo. (Em termos científicos, a constante de Michaelis Menton nunca é alcançada plenamente até que ocorra o pleno equilíbrio das taxas de concentração dos substratos fisiológicos de ambas, a produção de calcidiol do fígado e da produção de calcitriol dos tecidos.)

 

O sistema direto de retroalimentação negativa (direct negative feedback) não parece estar operando em níveis fisiológicos para ambas as produções de calcidiol no fígado e calcitriol nos tecidos. Isso implica que os níveis nos tecidos podem estar cronicamente esvaziados nos humanos modernos. Além disso, nós não temos nenhum método fácil de saber se nós estamos depletados, uma vez que isso se tornou um estado humano padrão.

 

Se a produção de tecido de calcitriol está ligada a pleno, o tempo todo, o que previne a toxicidade da vitamina D nos humanos que vivem sob o sol?  Primeiro muito da vitamina D você produz é excretado pela bílis. O mesmo pode ser verdade para muito do calcidiol que seu fígado produz. Além disso, existem numerosos outros metabólitos da vitamina D. Então, apenas mais ou menos 1/1000 de seu calcidiol é transformado em calcitriol.  Dito isso, a produção nos tecidos de calcitriol está ainda correndo a pleno sob concentrações normais do substrato calcidiol.

 

Então o que limita a quantia de calcitriol nos tecidos? A pele.

 

Depois de você produzir mais ou menos 20.000 unidades, os raios de sol começam a destruir vitamina D na pele. Em outras palavras, a mesma luz solar que produz vitamina D é a primeira a iniciar o seu processo de degradação. A produção equivale à destruição.

 

Como a produção de calcitriol nos tecidos e a criação de calcidiol no fígado sempre funcionam abaixo de sua capacidade bioquímica, isso significa que o processo limitador das taxas do hormônio esteroide mais potente do corpo humano parece recair sobre a pele.  De certo modo, isso recai sobre seu comportamento, sua escolha em andar ao sol – ou não. Isto é biologicamente inigualável para qualquer um de todos os hormônios esteroides.]

 

Este complexo terceiro conjunto de fatores fortemente implica numa severa deficiência difundida entre os seres humanos modernos.  Quando os sistemas de hormônio de esteróide são ligados a pleno, sem desligamento periódico, isto normalmente significa que o corpo está sempre pedindo por mais!  Uma vez que poucos de nós vivemos desnudos sob o sol, nossos sistemas de vitamina D estão secos, nossos tanques de calcidiol estão sempre com o ponteiro na reserva, nossos tecidos estão famintos por mais desse hormônio esteróide, O MAIS POTENTO DO CORPO, e, talvez por isso, as doenças de nossa civilização estejam cada vez mais disseminadas.

 

É por isso toda essa estapafúrdia sobre o assunto…

 

Saiba mais sobre o assunto no site:

http://www.vitamindcouncil.org

Conheça melhor o autor:

http://www.vitamindcouncil.org/cannellBiography.shtml

Deficiência de Vitamina D: Um importante fator de risco para a doença cardiovascular

__

A vitamina D não é uma “vitamina”. Seu produto metabólico, calcitriol , é realmente um hormônio seco esteróide que é a chave que abre pontos de ligação do genoma humano. O genoma humano contém mais de 2.700 sítios de ligação para o calcitriol, que estão perto dos genes envolvidos em PRATICAMENTE TODAS AS DOENÇAS importantes conhecidas dos seres humanos.

genoma

__

Conforme estudos recentemente publicados, a deficiência de Vitamina D   [que  não é vitamina  e  sim  um hormônio  esteroide ASSOCIADO à SAÚDE  de todas as pessoas],  que é tradicionalmente associada com fraqueza óssea ou muscular,  também aumenta o risco da doença cardiovascular. Um crescente número de evidências relaciona baixos níveis de Vitamina D a fatores comuns da doença cardiovascular, como por exemplo, hipertensão arterial, diabetes, aterosclerose, além de outros eventos cardiovasculares maiores que incluem acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e morte súbita por origem cardíaca. Mundialmente a prevalência da deficiência de vitamina D entre idosos é de quase 50%.

Resultados dos estudos sobre vitamina D e doença cardiovascular

Tem sido demonstrado que a deficiência de Vitamina D leva a diminuição na contratilidade cardíaca, tônus vascular, volume do colágeno cardíaco e desenvolvimento do tecido cardíaco, existindo uma crescente evidência vinculando resultados do tratamento com vitamina D para a melhoria da sobrevida na hemodiálise em pacientes no estágio final da doença renal, e melhoria na função cardíaca (1, 2).

Baixos níveis de vitamina D no plasma têm sido relacionados como um fator contributivo para a patogênese da insuficiência cardíaca congestiva (3), prevalente disfunção miocárdica, óbitos por insuficiência cardíaca congestiva, e morte cardíaca súbita (4).

Indivíduos com baixos níveis de vitamina D têm maior incidência de pressão alta, diabetes, e elevação nos triglicérides do que aqueles com mais altos níveis de vitamina D no plasma (5).

Estudos epidemiológicos recentes também têm vinculado a deficiência de vitamina D com um aumentado risco de eventos adversos cardiovasculares maiores (6). Um estudo envolvendo profissionais da saúde mostrou um risco 2 vezes maior de enfartes do miocárdio em indivíduos com deficiência D comparados com aqueles dentro de uma faixa normal (7). Similarmente um estudo prospectivo recente de coortes mediu os níveis de vitamina D em 3.258 pacientes adultos, os quais estavam sendo submetidos a cateterização cardíaca eletiva. Durante o seguimento médio de 7.7 anos, os indivíduos no mais baixo quartíl de 25-hydroxyvitamin D no soro tiveram um risco ajustado de 2 vezes no aumento de risco de óbito, especialmente óbito por doença cardiovascular, comparados com aqueles no mais alto quartil de vitamina D (8).

Baixos níveis de vitamina D aumentam o risco de eventos cardiovasculares entre pacientes com hipertensão, mas não entre aqueles sem hipertensão (6). Mulheres jovens com baixos níveis de vitamina D no plasma têm um aumentado risco para o desenvolvimento de hipertensão (9).

Níveis maiores de calcificação coronária são vistos naqueles pacientes com maior deficiência de vitamina D (10, 11).

A deficiência de vitamina D pode se estender a doenças vasculares além das artérias coronárias. Recente estudo determinou que quanto maior a deficiência de vitamina D, mais placa aterosclerótica era encontrada na carótida, através de avaliação por ultrasonografia. A espessura da íntima-medial da carótida é considerada uma medida substituta válida para a avaliação da aterosclerose coronária. Esse estudo concluiu que os baixos níveis de vitamina D encontrados no sangue representam um forte e independente preditor da aterosclerose. Também mostrou que a deficiência severa de vitamina D foi o dobro em diabéticos do que em não diabéticos (12).

Pessoas com pouca ou nenhuma função renal freqüentemente têm muitos baixos níveis de vitamina D, já que o rim é requerido para essa ativação (13). Estudo envolvendo pacientes com doença renal grave em diálise peritoneal demonstrou que o tratamento para corrigir a deficiência de vitamina D conseguiu uma dramática redução em enfartes e óbitos por doença cardíaca (14). Outro estudo revisando as evidências, tanto da ciência básica quanto de estudos clínicos, apoiou um possível papel protetor da vitamina D, além de seus efeitos no metabolismo mineral, sugerindo a necessidade para uma avaliação contínua do papel da vtamina D na saúde cardiovascular da população de pacientes com doença renal crônica (15).

Enfim, a restauração da vitamina D aos níveis normais pode ajudar a reduzir inflamação, a normalização da pressão sangüínea, e melhora da sensibilidade à insulina – fatores que podem reduzir o risco cardíaco (16, 17, 18, 19).

Estudo recentemente publicado no Jornal do Colégio Americano de Cardiologia emitiu recomendações práticas para a triagem e tratamento de pacientes com baixos níveis de vitamina D, especialmente naqueles com fatores de risco para doenças cardíacas e diabetes, ressaltando que a vitamina D é fácil de conseguir e sua suplementação é simples, segura e de baixo custo (20).

Fontes de vitamina D

A pele humana é rica em pré-vitamina D latente, a qual é ativada pela luz do sol. A vitamina D não é contida em um grau significante nos alimentos e nem deveria ser obtida através de consumo oral. Algumas das fontes naturais de vitamina D incluem salmão, sardinhas, óleo de fígado de bacalhau, e de alimentos fortificados com vitamina D, incluindo leite e alguns cereais. A vitamina D pode também ser fornecida na forma de suplementos.

As pessoas deveriam obter vitamina D através da exposição ao sol. Entretanto, através dos séculos as pessoas têm migrado para lugares mais frios e privados de climas mais ensolarados, trabalhando internamente em escritórios ou fábricas, fazendo viagens de automóvel, exercícios em ginásios ao invés de ao ar livre, e vestindo roupas que cobrem praticamente 95% da superfície do corpo. De fato, mesmo adultos vivendo em lugares ensolarados são passiveis de deficiência de vitamina D, pelo menos durante uma parte do ano. Assim o consumo oral de vitamina D se tornou necessário tendo em vista que os seres humanos desenvolveram estilos de vida envolvendo menos e menos exposição ao sol. Adicionando-se a isso a fobia promovida pelos dermatologistas que aconselham a população de que exposição ao sol causa câncer de pele, com muitas pessoas privando-se do sol e, portanto incapazes de ativar a vitamina D (21).

A teoria de Carl J Reich sobre a deficiência de cálcio e vitamina D

Há cerca de 53 anos Carl Reich acreditava que muitos dos sintomas e doenças da civilização poderiam ser atribuídos à deficiência crônica de cálcio e vitamina D, criada por defeitos específicos no estilo de vida, incluindo dieta, podendo levar à acidose.

No início de sua prática clínica nos anos 50 ele acompanhou diversos pacientes exibindo todos os sinais físicos e sintomas de um sistema nervoso autônomo sobre-estimulado os quais muito freqüentemente eram classificados como de origem psicossomática, como por exemplo: fadiga crônica, fraqueza física, ansiedade, distúrbios do sono, dores de cabeça, câimbras, etc…

Reich descobriu que seus pacientes saudáveis tinham leituras na saliva, feitas através de papel litmus, com medidas de neutro para alcalino de 7,0 para 7,5 pH que ele acreditava fielmente representassem o pH do sangue e tecidos. Enquanto isso os pacientes não saudáveis tinham leituras de saliva ácida mostrando evidência de um pH ácido no sangue na direção de ou abaixo de 6,5.

Dentro de poucas semanas ou meses de dieta com vitaminas e minerais e mudanças suplementares o pH ácido na saliva dos pacientes tratados podiam retornar a leituras mais normais de neutro para alcalino, de 7 para 7,5 pH, acompanhadas pelo desaparecimento de sintomas (22)

Referências

  1. Zittermann A. Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep;92(1):39-48.

  2. Achinger SG, Ayus JC. The role of vitamin D in left ventricular hypertrophy and cardiac function. Kidney Int Suppl. 2005 Jun;(95):S37-S42.

  3. Zittermann A, Schleithoff SS, Tenderich G, Berthold HK, Korfer R, Stehle P. Low vitamin D status: a contributing factor in the pathogenesis of congestive heart failure? J Am Coll Cardiol. 2003 Jan 1;41(1):105–12.

  4. Pilz S, Marz W, et al. Association of vitamin D deficiency with heart failure and sudden cardiac death in a large cross-sectional study of patients referred for coronary angiography. J Clin Endocrinol Metab, Oct 2008, 93(10): 3927-3935

  5. Martins D, Wolf M, Pan D, et al. Prevalence of cardiovascular risk factors and the serum levels of 25-hydroxyvitamin d in the United States: data from the third national health and nutrition examination survey. Arch Intern Med. 2007 Jun 11;167(11):1159-65.

  6. Wang T, Pencina MJ, Booth SL, et al. Vitamin D deficiency and risk of cardiovascular disease. Circulation, 2008 Jan 29;117(4):503-11.

  7. Giovannuci E, Liu Y, Hollis BW, Rimm EB. 25-Hydroxyvitamin D and risk of myocardial infarction in men: a prospective study. Arch Intern Med 2008;168:1174-80

  8. Dobnig H, Pilz S, Schanagl H et al. Independent association of low serum 25-Hydroxyvitamin D  and 1,25-Hydroxyvitamin D levels with all cause and cardiovascular mortality. Arch Intern Med 2008;168:1340-9

  9. Forman JP, Curhan GC, Taylor EM. Plasma 25-Hydroxyvitamin D levels and risk of hypertension among young women. Hypertension. 2008, 52:828

  10. Watson KE, Abrolat ML, Malone LL, et al. Active serum vitamin D levels are inversely correlated with coronary calcification. Circulation. 1997 Sep 16;96(6):1755-60.

  11. Zittermann A, Schleithoff SS, Koerfer R. Vitamin D and vascular calcification. Curr Opin Lipidol. 2007 Feb;18(1):41-6.

  12. Targher G, Bertolini L, Padovani R, et al. Serum 25-hydroxyvitamin D3 concentrations and carotid artery intima-media thickness among type 2 diabetic patients. Clin Endocrinol (Oxf). 2006 Nov;65(5):593-7.

  13. Levin A, Li YC. Vitamin D and its analogues: do they protect against cardiovascular disease in patients with kidney disease? Kidney Int. 2005 Nov;68(5):1973-81.

  14. Taskapan H, Ersoy FF, Passadakis PS, et al. Severe vitamin D deficiency in chronic renal failure patients on peritoneal dialysis. Clin Nephrol. 2006 Oct;66(4):247-55.

  15. Shoji T, Shinohara K, Kimoto E, et al. Lower risk for cardiovascular mortality in oral 1alpha-hydroxy vitamin D3 users in a haemodialysis population. Nephrol Dial Transplant. 2004 Jan;19(1):179-84.

  16. Pfeifer M, Begerow B, Minne HW, Nachtigall D, Hansen C. Effects of a short-term vitamin D(3) and calcium supplementation on blood pressure and parathyroid hormone levels in elderly women. J Clin Endocrinol Metab. 2001 Apr;86(4):1633-7.

  17. Lind L, Hanni A, Lithell H, et al. Vitamin D is related to blood pressure and other cardiovascular risk factors in middle-aged men. Am J Hypertens. 1995 Sep;8(9):894-901.

  18. Timms PM, Mannan N, Hitman GA, et al. Circulating MMP9, vitamin D and variation in the TIMP-1 response with VDR genotype: mechanisms for inflammatory damage in chronic disorders? QJM. 2002 Dec;95(12):787-96.

  19. Zittermann A. Vitamin D and disease prevention with special reference to cardiovascular disease. Prog Biophys Mol Biol. 2006 Sep;92(1):39-48.

  20. Lee JH, O’Keefe JH, et al. Vitamin D deficiency, an important, common, and easily treatable cardiovascular risk factor?. J Am Coll Cardiol 2008; 52: 1949-1956

  21. William Davis,, Vidamin D’s crucial role in cardiovascular protection, LE Magazine, September 2007.

  22. Calcium and Vitamin D Deficiency. The clinical work and theory of Carl J. Reich, MD. Publicado em 1995 pela “Foundation for Erradication of Rheumatoid Disease”, e disponível em http://www.arthritistrust.org/Articles/Calcium%20and%20Vitamin%20D%20Deficiency.pdf

Fonte:  http://www.infarctcombat.org/polemica-47/icem.html

Maioria dos depressivos não sabe que tem a doença, que pode levar à morte

__
[ há dois textos nesta postagem. Este assunto tem relação com o que se informa na página:  

https://www.facebook.com/VitaminaD.HormonioVital?fref=ts  

– A vitamina D não é uma “vitamina”. Seu produto metabólico, calcitriol , é realmente um hormônio seco esteróide que é a chave que abre pontos de ligação do genoma humano. O genoma humano contém mais de 2.700 sítios de ligação para o calcitriol, que estão perto dos genes envolvidos em PRATICAMENTE TODAS AS DOENÇAS importantes conhecidas dos seres humanos.  ]

 

Apoio da família é muito importante para a melhora do paciente. Veja como identificar os sintomas

por Marianna Feiteiro

A depressão sempre existiu na vida humana, mas nem sempre foi reconhecida como uma doença. Até hoje, muitos pacientes não recebem o tratamento adequado por ignorarem os sintomas ou simplesmente não saberem identificá-los. Um estudo feito a nível global apoiado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que, no Brasil, apenas 37% dos depressivos graves recebem algum tipo de tratamento, e que a maioria nem sabia da sua própria condição.

depressao

Leia também:
Diagnóstico para depressão
Tristeza X depressão
Café ajuda a evitar a depressão

O psiquiatra Dr. Fernando Portela, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, explica que existem dois tipos de depressão. A primeira é a reativa, que se manifesta devido a algum evento na vida do indivíduo que o deixou daquele jeito, como a  perda  de um  ente querido ou de um emprego importante, e que eventualmente some de forma natural. O outro tipo é a doença em si, que não tem causa aparente e não necessariamente é desencadeada por um acontecimento triste. É uma condição pré-existente no indivíduo, que se diferencia da melancolia por ser um quadro prolongado e que independe da iniciativa do paciente. “O melancólico sabe que algo está errado e procura fazer alguma coisa para melhorar. A pessoa depressiva é tomada, é engolida pela doença”, define o psiquiatra.

O especialista descreve a depressão como um estado que dura pelo menos duas semanas em que o paciente perde o interesse nas coisas que anteriormente fazia. “O indivíduo se sente ansioso, pode apresentar perda de apetite ou fome maior do que o normal, perda do interesse sexual que antes tinha e dificuldade com o sono, passando a acordar muito cedo. Ele começa a se amofinar, não consegue sair desse estado e isso o deixa angustiado e preocupado”, descreve o especialista. “Nos casos mais agravados, o sujeito não sai mais de casa, acorda com dificuldade, o dia para ele é sombrio, e o grau de angústia chega a tal ponto que ele pode chegar ao suicídio”, completa.

Existem outras formas nas quais a doença pode se manifestar. Além da depressão menor e maior, descritas acima, existe também a distimia, condição em que o paciente se mostra constantemente irritado, sentindo-se insatisfeito com tudo, mostra baixo rendimento no trabalho e permanece em um estado de inquietude e insatisfação. Sua autoestima fica muito baixa, pois sente que não consegue trabalhar direito, nem satisfazer a família ou os amigos, e também apresenta falta de interesse em geral. A distimia só é diagnosticada quando o paciente apresenta os sintomas por, no mínimo, dois anos.

Outra variação da doença, que o Dr. Fernando descreve como sendo muito grave, é o transtorno bipolar, caracterizado pela mudança abrupta de humor. “Em um momento a pessoa está eufórica, falante, e no próximo cai em uma depressão profunda: não toma banho, não se cuida, não sai mais de casa e pode, inclusive, cometer suicídio”, descreve.

A depressão pode até causar dores físicas, como a lombar, articulares, enxaqueca, entre outras. Segundo o psiquiatra, as causas dessas reações ainda são um grande enigma, mas é possível que fatores imunológicos tenham participação.

O tratamento muitas vezes é acompanhado de visitas ao psicoterapeuta, mas o fundamental é a medicação, que, segundo Dr. Fernando, é a responsável por tirar o paciente da depressão. “O ponto mais importante é que o médico oriente o paciente sobre o que está acontecendo e deixe muito claro que o tratamento será longo. O antidepressivo não age da noite para o dia, geralmente leva de 15 dias a um mês para fazer efeito e o paciente se sentir bem. Mas o tratamento não acaba aí, pode se prolongar por meses, anos ou pela vida toda. O medicamento deve ser mantido até que os neurotransmissores sejam equilibrados”, explica. “O grande problema é quando o paciente abandona o tratamento antes de ficar estabilizado porque pensa que já está bem. Toda vez que ele tem uma recaída, é mais difícil de tratar”, alerta.

Força de vontade 
Segundo Dr. Fernando, a “falta de força de vontade” é uma invenção de pessoas que ainda enxergam a depressão com preconceito e não a reconhecem como doença. “Isso só faz com que o depressivo sofra mais. Ele luta internamente para sair daquela situação, mas não consegue”, explica.

Ele explica que a participação da família é fundamental no diagnóstico e tratamento da doença. “Pode acontecer de a pessoa negar que está doente e se recusar a buscar ajuda médica. A família deve apoiá-la e oferecer ajuda, mas nunca abandoná-la. O deprimido não pode ficar sozinho, ele tem que se sentir apoiado, assistido, isso facilita bastante a evolução da doença”, orienta Dr. Fernando, que também recomenda o engajamento em atividades sociais ou mesmo voluntárias para que o paciente desenvolva os sentimentos de obrigação e compromisso.

Fique atento aos sinais
Segundo a OMS, a pessoa que apresenta ao menos cinco dos seguintes sintomas é considerada depressiva:

Alteração do apetite

Alteração do sono

Desinteresse geral

Desinteresse sexual

Dificuldade de concentração

Baixa autoestima

Pensamentos relacionados à morte

Ansiedade com movimentos repetitivos (mexer constantemente as pernas, mãos, cabeça, etc.)

Paralisia geral (por exemplo, ficar na cama por dias)

Sentimento permanente de culpa e inutilidade

Fadiga ou perda de energia, diariamente

Alteração de peso não intencional

Fonte: http://www.bolsademulher.com/saude-mulher/maioria-dos-depressivos-nao-sabe-que-tem-a-doenca-que-pode-levar-a-morte/

__

Segundo texto:

“Depressão é um problema de saúde pública significativo”

Estudo avalia prevalência da doença em todo o mundo

As depressões podem ser devastadores e afectar a capacidade de trabalho ou de iniciar relacionamentos, por exemplo, sendo que as mais graves podem levar ao suicídio e são responsáveis por 850 mil mortes todos os anos.

Num novo estudo publicado no jornal BMC Medicine, da iniciativa da World Health Organization – World Mental Health (WMH), investigadores de 20 centros colaboraram na investigação da prevalência da depressão em todo o mundo, comparando as condições sociais com a depressão em 18 países.

A partir de entrevistas detalhadas a mais de 89 mil pessoas, os resultados mostram que 15 por cento da população dos países ricos (comparada com 11 por cento da população de países com rendimento médio ou baixo) podem vir a desenvolver uma depressão durante o período de vida, e que 5,5 por cento tinham tido uma depressão no ano anterior.

Pessoas com episódios graves de depressão (que apresentam tristeza, perda de interesse e prazer, sentimentos de culpa e falta de auto-estima, perda de apetite ou dificuldade em dormir, falta de energia e concentração) são elevadas nos países ricos (28 por cento), especialmente em França, na Holanda e nos EUA.
Alguns aspectos da doença parecem ser comuns entre as culturas – as mulheres têm mais tendência para sofrer uma depressão do que os homens, sendo que a perda do companheiro, morte, divórcio e separação os factores que mais contribuem para este cenário.Evelyn Bromet, investigadora da State University of New York at Stony Brook, nos EUA, e primeira autora do artigo, explicou que “este é o primeiro estudo a usar um método estandardizado para comparar depressão e episódios graves da doença em diferentes países e culturas”.

Segundo a investigadora, mostrou-se que “a depressão é um problema de saúde pública significativo e deve ser uma preocupação em todo o mundo. Perceber os padrões que causam depressão, como as condições sociais, pode ajudar em iniciativas globais para reduzir o impacto desta doença em indivíduos e na sociedade.”

Fonte:  http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=50248&op=all

__

Obesidade pode levar à deficiência de vitamina D, mas o contrário não ocorre

 

__

 

Pesquisadores  estimam  que  cada  10%  de  aumento  no  IMC  leva  a  4,2%  de  queda  na  concentração  de vitamina D

 

 

 

Obesidade-e-Diabetes

 

 

A obesidade pode levar à deficiência de vitamina D, mas a deficiência de vitamina D não leva à obesidade. Essa é a principal conclusão de um amplo estudo que analisou dados de 42.024 participantes de 21 pesquisas, publicado nesta terça-feira no periódico científico Plos Medicine.

English: A Collection of Articles on Disease M...

English: A Collection of Articles on Disease Mongering in PLoS Medicine Español: Portada del monográfico publicado en Public Library of Science – Medicine sobre promoción de enfermedades (Photo credit: Wikipedia)

Para os autores, a descoberta tem grande importância para a saúde pública,  uma vez que a obesidade vem crescendo em todo o mundo, o que indica que a deficiência de vitamina D também pode aumentar.

 

A vitamina D é produzida pela pele após a exposição ao sol, mas também pode ser obtida através da alimentação. Ela é encontrada principalmente em leite e derivados, além de peixes oleosos, como cação e salmão, ricos em ômega 3. A falta dessa vitamina pode causar, além de problemas ósseos, alterações na liberação de insulina e no controle da pressão arterial, por exemplo.

 

O estudo relacionou os principais genes ligados à obesidade com aqueles referentes à vitamina D, e a associação entre o aumento do índice de massa corporal (IMC – calcule aqui seu IMC) e a redução da vitamina D se mostrou muito consistente.  Os pesquisadores  estimam que cada 10% de aumento no IMC leva a 4,2% de queda na concentração de vitamina  D  mas,  por outro lado, a deficiência de vitamina D não exerce influência sobre o IMC.

 

“Nosso estudo sugere que uma intervenção a nível populacional para reduzir a obesidade poderia levar a uma redução na prevalência de deficiência de vitamina D”, afirmam os autores.

 

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/obesidade-pode-levar-a-deficiencia-de-vitamina-d-mas-o-contrario-nao-ocorre

 

__

 

 

Pela 1ª vez, transgênicos ocupam mais da metade da área plantada no Brasil

__

Da BBC Brasil em Londres

Atualizado em  8 de fevereiro, 2013 – 06:04 (Brasília) 08:04 GMT
Foto: ReutersTransgênicos corresponderão a mais de 50% da área cultivada no Brasil

Em 2013, pela primeira vez os cultivos geneticamente modificados devem ultrapassar, em área ocupada, os não transgênicos no Brasil.

Segundo a consultoria Céleres, especializada em agronegócio, o total da área plantada com cultivos geneticamente modificadas neste ano chega a 37,1 milhões de hectares, o que representa um aumento de 14% em relação ao ano anterior (que por sua vez, já tinha registrado um aumento de mais de 21% em relação à safra de 2010/2011) – ou seja, 4,6 milhões de novos hectares dedicados a variedades transgênicas.

O IBGE prevê, para 2013, uma área recorde dedicada à atividade agrícola no país de 67,7 milhões de hectares. Cruzando o dado do IBGE com o da consultoria Céleres, chega-se à conclusão de que os transgênicos responderão por 54,8% de toda a área cultivada na safra 2012/2013 no país.

No ano passado, as lavouras transgênicas cobriram 31,8 milhões de hectares (segundo a Céleres) e a safra total (incluindo transgênicos e não transgênicos) atingiu 63,7 milhões de hectares (segundo o IBGE), ou seja, as lavouras não transgênicas ainda ocupavam uma área maior que as transgênicas.

Esse avanço impressiona, ainda mais considerando-se que há cinco anos, segundo a Céleres, o cultivo total com transgênicos no país era de apenas 1,2 milhão de hectares.

Soja

A grande estrela nessa façanha é a soja modificada, tolerante a herbicidas – uma das cinco variantes aprovadas no país também é resistente a insetos. Seu cultivo foi autorizado pela CTNBio em 1998, mas liberado apenas em 2004, quando já vinha sendo plantada ilegalmente havia anos. Já em 2012 ela respondia por 85% de toda a soja plantada no país, ocupando mais de 21 milhões de hectares.

A previsão para 2013 da Céleres é de que a proporção da soja transgênica suba para 88,8%, equivalente a uma área de 24,4 milhões de hectares, de longe, a maior dedicada a cultivares transgênicos no país.

 

tomates-transgenicos

CliqueLeia mais: Conheça 10 transgênicos que já estão na cadeia alimentar

Nos Estados Unidos, 94% dos feijões de soja colhidos nos EUA em 2011 eram transgênicos, o mesmo pode ser dito de 88% do algodão – modificado para resistir a insetos – plantado no mesmo ano na Índia.

Soja em fazenda de Cuiabá | Foto: ReutersSoja é o principal transgênico cultivado no Brasil

A soja transgênica foi introduzida nos Estados Unidos – o grande pioneiro do cultivos de GMs – em 1996, e já em 2001 ela respondia por 68% de toda a soja plantada no país.

O Brasil é hoje o segundo maior semeador de transgênicos do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos –  onde, em 2011/2012, os transgênicos ocupavam 70 milhões de hectares.

 

Nas suas estatísticas comparativas mais recentes – reunindo dados de 2010 – a FAO, a agência da ONU para Alimentos e Segurança Alimentar estima que “quase 150 milhões de hectares no mundo” são plantados com cultivares geneticamente modificados.

O grosso dessa área é dedicado a plantações de soja, milho, canola (usado em forragem/ração) e algodão nas Américas, e de algodão na Ásia e na África.

Os maiores produtores entre os países em desenvolvimento são Brasil, Argentina, Índia e China. “Variedades de algodão resistente a insetos são os cultivares transgênicos comercialmente mais importantes na Ásia e na África”, diz a FAO. Na América Latina, “são a soja resistente a herbicidas seguida pelo milho resistente a inseto”.

A FAO reconhece que o cultivo de transgênicos cresceu “principalmente por causa dos benefícios da redução de custos de trabalho e produção, da redução no uso de químicos e dos ganhos econômicos”.

Fonte:  http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2013/02/130207_transgenicos_cultivo_tp.shtml

__

A vitamina D é na realidade um hormônio: o mais potente hormônio da saúde para o organismo humano.

__

Ingresse nesta página do Facebook:

https://www.facebook.com/VitaminaD.HormonioVital

__

Em mais de cem anos de civilização com o maior desenvolvimento tecnológico já visto na história, mais de cem anos de completa estagnação da medicina na prevenção e tratamento das doenças autoimunes: o supermercado das doenças.

É uma TRAGÉDIA o que os DERMATOLOGISTAS e a INDÚSTRIA DOS PROTETORES SOLARES desenvolveram com o trabalho de aterrorizar as pessoas para a exposição solar. Eles fizeram de tudo para recomendar para todos evitarem a exposição solar o máximo possível.  Nunca questionamos seus reais interesses.

Todo este trabalho devastador, combinado com o ESTILO DE VIDA em que passamos a maior parte do tempo dentro de ambientes fechados, durante o trabalho e o tempo de lazer, causa um prejuízo à saúde humana sem precedentes e em grau ascendente.

Enquanto isso, no meio médico em geral, reina soberana a omissão e o silêncio de forma generalizada, com RARAS EXCEÇÕES de médicos que assumem dizer a verdade para seus pacientes. Esta combinação contribui para o maior crescimento da DEFICIÊNCIA da Vitamina D, que constata-se hoje em dia, e o CONSEQUENTE aumento exponencial de doenças graves e supostamente incuráveis, que são OBJETIVOS dos interesses da Medicina que se consolidou nos EUA na década de 50 do século passado, QUANDO ela passou a ser um MERO NEGÓCIO e, necessariamente, irmã gêmea da INDÚSTRIA FARMACÊUTICA alopata para realizar o sonho de fortuna e poder de ambos.  

Como tem estreita relação com este assunto, assinalamos de passagem que, na Segunda Guerra Mundial, ensinam que EUA e Alemanha Nazista eram inimigos. Sob o ponto de vista de confronto bélico isto não está errado, mas sob o ponto de vista das vistas grossas para cruéis experimentações médicas com seres humanos, eles já eram aliados e continuaram aliados. A indústria farmacêutica estava acima do confronto bélico e agia nos dois lados com os mesmos resultados.

Esta MEDICINA MERCANTILISTA ALOPATA pós Segunda Guerra, logo conquistou o mundo e o domina por inteiro até os dias presentes.  Se uma pessoa pensar que elegeu um governo em seu país, ela está errada:  QUEM manda nestes governos é o maior empreendimento de negócios já desenvolvido no mundo até hoje, o ideal por excelência e REALIZADO da indústria farmacêutica alopata.

Como a luz solar e a natureza não podem ser patenteadas, SOMENTE quando houvesse neles o que pudesse ser sintetizado e patenteado, é que entrariam no mercado médico farmacêutico e, AINDA ASSIM, restrito pelas agências reguladoras de remédios e nas prescrições médicas, em subdosagens que mantivessem dependência destes mercados.

Há 30.000 genes no corpo humano e o hormônio-vitamina D está vinculado a mais de 2.000 deles. Esta é uma das razões primárias que causa tantas doenças evitáveis e, hoje, tratáveis com baixíssimo custo mensal em contrate com o império das terapias de alto custo mensal e não poucas vezes de alta complexidade, que além de tudo isso, são estas últimas elas próprias causas adicionais do agravamento destas doenças e também da causa de outras que inexistiam.  A terapia alopata desta medicina mercantilizada passou a ser sinônimo de mais doenças e mais mortes desnecessárias.

Hipoteticamente, se alguma outra civilização, após o desaparecimento da nossa, investigasse como vivíamos, eles não teriam como não procurar a resposta de porque nós nos tornamos a civilização mais dependente que já houve de medicação alopata.

A maioria entre nós prefere viver sem tomar conhecimento destes fatos, que vão determinar como adoecerão e como morrerão, mesmo não sendo por causas naturais, visto que de natural a frágil aparência é suficiente.  Por isso, a INFORMAÇÃO e sua promoção constante são os únicos recursos com o qual podemos contar para amenizar o que se descreveu.  

Celso Galli Coimbra – OABRS 11352

__

A vitamina D  não é uma “vitamina”.   Seu produto metabólico, calcitriol , é realmente um hormônio seco esteróide que é a chave que abre pontos de ligação do genoma humano.  O genoma humano contém mais de 2.700 sítios de ligação para o calcitriol, que estão perto dos genes envolvidos em praticamente todas as doenças importantes conhecidas dos seres humanos.

__

A falta deste hormônio é indissociável do câncer, assim como doenças cardíacas, derrame, hipertensão, doenças auto-imunes, diabetes, depressão, dor crônica, osteoartrite, osteoporose, fraqueza muscular, perda de massa muscular, defeitos congênitos, doença periodontal, e muitas outras.

__

hormonio

A vitamina D é na realidade um hormônio, o mais potente hormônio do organismo humano.

Estudos recentes, vêm provar cada vez mais, o importante papel que a vitamina D desempenha no nosso organismo.   Tecnicamente não é uma “vitamina”.   Seu produto metabólico, calcitriol , é realmente um hormônio seco esteróide que é a chave que abre pontos de ligação do genoma humano. O genoma humano contém mais de 2.700 sítios de ligação para o calcitriol, que estão perto dos genes envolvidos em praticamente todas as doenças importantes conhecidas dos seres humanos.   A vitamina D tem uma bioquímica significativa do cérebro. Receptores Nucleares para a vitamina D existem no cérebro e vitamina D está envolvida na biossíntese de fatores neurotróficos, síntese de óxido nítrico e aumento nos níveis de glutationa,  sugerindo um importante papel da vitamina D na função cerebral. Os dados em animais indicam que a tirosina hidroxilase, a enzima limitante para todas as monoaminas cerebrais, é aumentada de vitamina D.  Os ratos nascidos de mães gravemente deficientes em vitamina D têm anormalidades cerebrais profundas. Pesquisas atuais tem implicado a deficiência de vitamina D como um fator importante na patologia de pelo menos 17 variedades de câncer, assim como doenças cardíacas, derrame, hipertensão, doenças auto-imunes, diabetes, depressão, dor crônica, osteoartrite, osteoporose, fraqueza muscular, perda de massa muscular , defeitos congênitos, doença periodontal, e muito mais.   A vitamina D influencia as principais funções biológicas vitais para a saúde e o bem-estar;  é mandatório que a vitamina D não seja mais ignorada pela indústria de cuidados de saúde, nem por indivíduos que se esforçam para alcançar e manter um melhor estado de saúde.

Em adultos e adolescentes que regularmente evitam a exposição solar, a pesquisa indica uma necessidade de suplementar com pelo menos 5.000 unidades (UI) de vitamina D diariamente. Para obter essa quantidade no leite seria preciso ingerir 50 copos. Com um multivitamínico mais de 10 comprimidos seriam necessárias. Também não é aconselhável.

Como Obter Quantidade Suficiente De Vitamina D

Existem 3 maneiras para os adultos de garantir níveis adequados de vitamina D:

1.    receber regularmente a exposição ao sol do meio-dia no final da primavera, verão e início do outono, expondo tanto da pele quanto possível, por 20-30 minutos (com cuidado para não queimar). (Aqueles com pele escura terá maior tempo de exposição. – Até seis vezes mais)

2.    utilizam regularmente uma espreguiçadeira (evitando queimaduras), durante os meses mais frios.

3.    ter 10.000 UI por dia por 2-3 meses, em seguida, obter um teste de 25-hidroxivitamina D . Ajustar a dose de modo que os níveis sanguíneos fiquem entre 50-80 ng / mL (ou 125-200 nM / L) durante o ano todo.

A Vitamina D é um Co-Fator

A vitamina D tem co-fatores que o corpo necessita para utilizá-la  apropriadamente. São eles:

  • magnésio
  • zinco
  • Vitamina K2
  • boro
  • uma pequena quantidade de vitamina A

O magnésio é o mais importante desses co-fatores. De fato, é comum para aumento dos níveis de vitamina D a exacerbar uma deficiência de magnésio subjacente. Se alguém está tendo problemas em regularizar a complementação com vitamina D, uma deficiência de magnésio pode ser o motivo.

A vitamina D e Depressão

Propomos a vitamina D desempenha um papel na doença mental com base nos seguintes cinco razões:

1.    Evidências epidemiológicas mostram uma associação entre a exposição ao sol reduzida e doença mental.

2.    A doença mental é associada à baixos níveis de 25-hidroxivitamina D [25 (OH) D].

3.    A doença mental mostra uma significativa comorbidade com doenças associada com a deficiência de vitamina D.

4.    Os modelos teóricos (em evidência in vitro ou animal) existem para explicar como a deficiência de vitamina D pode desempenhar um papel causal na doença mental.

5.    Estudos apontam a vitamina D aumenta a doença mental.

Vitamina D

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A vitamina D (ou calciferol) é uma vitamina que promove a absorção de cálcio (após a exposição à luz solar), essencial para o desenvolvimento normal dos ossos e dentes, atua também, como recentemente descoberto, no sistema imune, no coração, no cérebro e na secreção de insulina pelo pâncreas. É uma vitamina lipossolúvel obtida a partir do colesterol como precursor metabólico através da luz do sol, e de fontes dietéticas. Funcionalmente, a vitamina D atua como um hormônio que mantém as concentrações de cálcio e fósforo no sangue através do aumento ou diminuição da absorção desses minerais no intestino delgado. A vitamina D também regula o metabolismo ósseo e a deposição de cálcio nos ossos.

O nome da vitamina foi criada pelo bioquímico polonês Casimir Funk em 1912, baseado na palavra em latim vita (vida) e no sufixo -amina. Foi usado inicialmente para descrever estas substâncias do grupo funcional amina, pois naquele tempo pensava-se que todas as vitaminas eram aminas. Apesar do erro, o nome manteve-se.

A vitamina D pode ser encontrada sob duas formas: o ergocalciferol (vitamina D2) e o colecalciferol (vitamina D3). O ergocalciferol é produzido comercialmente a partir do esteróide ergosterol encontrado em vegetais e leveduras, através de irradiação com luz ultravioleta. É utilizado como suplemento alimentar para enriquecimento de alimentos como o leite com vitamina D. O colecalciferol é transformado pela ação dos raios solares a partir da provitamina D3 (7-deidrocolesterol) encontrada na pele humana. Ambas as formas D2 e D3 são hidroxiladas no fígado e rins a 25- hidroxicalciferol e subsequentemente à forma biologicamente activa, o 1,25-di- hidroxicalciferol (calcitriol), que atua como um hormonio na regulação da absorção de cálcio no intestino e regulação dos níveis de cálcio em tecidos ósseos e renais.

A vitamina D é fundamental para a homeostase do cálcio no organismo.

Poucos alimentos são considerados fontes de vitamina D, mas entre eles encontram-se a gema de ovo, fígado, manteiga e alguns tipos de peixes como a cavala, o salmão e o arenque. Embora em menor quantidade, a sardinha e o atum também têm vitamina D.

Referências

http://www.vitamindcouncil.org  BIESEK, Simone et al. Estratégias de Nutrição e Suplementação no Esporte. São Paulo: Manole, 2005. FOSS, M.L.; KETEYIAN, S.J. Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. MCARDLE, William D. et al. Fisiologia do Exercício – Energia, Nutrição e Desempenho Humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998. WILMORE, Jack H.; COSTILL, David L. Fisiologia do Esporte e do Exercício. São Paulo: Manole, 2001 NELSON, David L.; COX, Michael M., Lehninger Principles of Biochemistry, 4a edição, W. H. Freeman, 2005, ISBN 978- 0716743392 Wikipedia “http://pt.wikipedia.org/wiki/Vitamina_D” Davidson M. Risk of cardiovascular disease and sudden death in schizophrenia. J Clin Psychiatry. 2002;63 Suppl 9:5–11. , Peet M. Diet, diabetes and schizophrenia: review and hypothesis. Br J Psychiatry Suppl. 2004 Apr;47:S102–5. , osteoporosis Levine J, Belmaker RH. Osteoporosis and schizophrenia. Am J Psychiatry.2006 Mar;163(3):549–50. Smith M. APA: Schizophrenia Patients Go Untreated For Comorbidities. MedPage Today. 2006 May 24. Heaney RP, Davies KM, Chen TC, Holick MF, Barger-Lux MJ. Human serum 25- hydroxycholecalciferol response to extended oral dosing with cholecalciferol. Am J Clin Nutr. 2003;77:204–10. Vieth R. Vitamin D supplementation, 25-hydroxyvitamin D concentration, and safety. Am J Clin Nutr.1999;69:842–56. Heaney RP, Davies KM, Chen TC, Holick MF, Barger-Lux MJ. Human serum 25-hydroxycholecalciferol response to extended oral dosing with cholecalciferol. Am J Clin Nutr. 2003;77:204–10. Zittermann A. Vitamin D in preventive medicine: are we ignoring the evidence? Br J of Nutr. 2003;89:552–572. Holick M. Vitamin D: A millennium Perspective. J Cell Biochem. 2003;88:296–307 (2003). Amsterdam JD, Hooper MB. Bone density measurement in major depression. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 1998 Feb;22(2):267–77. Robbins J, Hirsch C, Whitmer R, Cauley J, Harris T. The association of bone mineral density and depression in an older population. J Am Geriatr Soc. 2001 Jun;49(6):732–6. Patti F, Cacopardo M, Palermo F, Ciancio MR, Lopes R, Restivo D, Reggio A. Health-related quality of life and depression in an Italian sample of multiple sclerosis patients. J Neurol Sci. 2003 Jul 15;211(1–2):55–62. Buchanan RJ, Wang S, Tai-Seale M, Ju H. Analyses of nursing home residents with multiple sclerosis and depression using the Minimum Data Set. Mult Scler. 2003 Mar;9(2):171–88. Abdel-Nasser AM, Abd El-Azim S, Taal E, El-Badawy SA, Rasker JJ, Valkenburg HA. Depression and depressive symptoms in rheumatoid arthritis patients: an analysis of their occurrence and determinants. Br J Rheumatol. 1998 Apr;37(4):391–7. Green AI, Canuso CM, Brenner MJ, Wojcik JD. Detection and management of comorbidity in patients with schizophrenia. Psychiatr Clin North Am. 2003 Mar;26(1):115–39. Dixon L, Weiden P, Delahanty J, Goldberg R, Postrado L, Lucksted A, Lehman A. Prevalence and correlates of diabetes in national schizophrenia samples. Schizophr Bull. 2000;26(4):903–12. Dixon L, Postrado L, Delahanty J, Fischer PJ, Lehman A. The association of medical comorbidity in schizophrenia with poor physical and mental health. J Nerv Ment Dis. 1999 Aug;187(8):496– 502. Fonte: http://www.emtr.com.br/vitaminad.htm __

 

Related articles

D, a vitamina-hormônio da longevidade e da boa saúde

__

Observação importante: vitamina D não é “nutriente”, é HORMÔNIO.  A abordagem leiga como “nutriente” compromete o entendimento de sua enorme e insubstituível importância para preservar ou recuperar a saúde.

__

“Importante: o medo do câncer de pele não pode servir como desculpa para evitar os raios solares. “Os protetores não impedem que tenhamos uma quantidade adequada de vitamina D”, afirma o dermatologista Marcus Maia, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que demonstrou isso em um trabalho finalista do III Prêmio SAÚDE, promovido pela Editora Abril. Fica o recado: tem que tomar sol! Sua saúde vai agradecer.”

___

Veja como o sol, principal fonte de vitamina D, pode ajudá-lo a combater o câncer, o diabete e os problemas cardíacos

A gente não cansa de ouvir e ler que a receita para uma vida longa e cheia de saúde deve incluir uma alimentação equilibrada, a prática regular de atividade física, sono em dia e cuca fresca. Hoje, porém, muito cientista sério acrescentaria a essa lista banhos de sol diários. Nem muito extensos nem muito curtos: bastam 15 minutos para que os raios solares ativem no organismo a produção de uma substância capaz de fortalecer os ossos, deixar as defesas em ponto de bala, preservar a massa cinzenta e garantir que o coração bata forte por anos a fio.

d3

Trata-se da vitamina D, uma substância que, com tantas qualidades elencadas nos tempos muito recentes, tem despertado o interesse de pesquisadores de várias áreas – de nutricionistas a bioquímicos. Só para ter uma idéia, o PubMed, biblioteca virtual da medicina, que pertence ao governo americano e armazena artigos científicos de todo o globo, registrou no ano passado mais de mil estudos sobre funções recém-descobertas dessa molécula. E ela é muito mais importante do que se desconfiava.

Um desses trabalhos, que acaba de sair na revista científica Archives of Internal Medicine, revela que níveis adequados de vitamina D esticam mesmo a expectativa de vida. A pesquisa avaliou mais de 13 mil homens e mulheres. Quem estava com taxas insuficientes da substância apresentou um risco de morte das mais variadas causas 26% maior em relação aos indivíduos com altos índices da molécula. “A vitamina D está envolvida em vários processos no organismo, participando inclusive da homeostase, o equilíbrio interno de todas as funções do corpo”, justifica a nutricionista Lígia Martini, da Universidade de São Paulo.

Já uma pesquisa da Universidade da Califórnia em Riverside, nos Estados Unidos, analisou o papel do nutriente em diversos tecidos do corpo, literalmente da cabeça aos pés. Seu autor, o bioquímico Anthony Norman, quis mostrar que os benefícios da vitamina D, que no nosso imaginário ainda é mais associada ao fortalecimento dos ossos, vão muito além desse papel. Não à toa, o professor defende que a recomendação diária vá das atuais 400 UI (unidades internacionais) para 2 mil. “Os valores indicados hoje se baseiam apenas no aporte de cálcio, que a vitamina ajuda a fixar no esqueleto. Mas agora sabemos que a vitamina D atua no sistema imune, no coração, no cérebro e na secreção de insulina pelo pâncreas”, exemplifica Norman a SAÚDE!. Ou seja, para dar conta de tantas tarefas, a dose precisaria ser mesmo maior. Sua argumentação faz sentido. “Atualmente, essa vitamina é considerada um potente modulador das células de defesa”, diz a nutricionista Marianna Unger, doutoranda em nefrologia pela USP. Em outras palavras, estimula a atividade das células imunológicas quando elas precisam entrar em ação. Sem a pitada diária de sol, portanto, ficamos ligeiramente indefesos.
Boas doses de vitamina D são, ainda, sinônimo de peito forte. Isso porque ela controla as contrações do músculo cardíaco, vitais para o bombeamento de sangue. Sem contar que, em níveis desejáveis, mantém a pressão arterial em dia. A razão é simples: inibe lá nos rins a síntese de renina, uma enzima envolvida na secreção de um hormônio que faz a pressão disparar. Por falar em hormônio, a insulina, que bota o açúcar para dentro das células, é mais uma substância que depende da ação adequada da vitamina D. “Ela estimula o pâncreas a produzi-la”, diz Lígia Martini. De quebra, a vitamina torna a insulina mais sensível ao açúcar. Assim, taxas reduzidas podem estar relacionadas à síndrome metabólica, que engloba hipertensão, obesidade, colesterol ruim elevado e resistência insulínica.

No caso do câncer, desconfia-se que a vitamina D regule genes vinculados à proliferação celular na mama, no cólon e na próstata. Esse batalhão genético se encarrega de outra missão: induzir o suicídio de células malignas, a apoptose. “A vitamina também comanda genes que inibem a angiogênese, a formação de vasos que alimentam o tumor”, diz Marianna. Ou seja, age contra o câncer em várias frentes. “Em muitos casos, mulheres com câncer de mama apresentam uma dosagem deficiente de vitamina D”, revela a oncologista Maria Aparecida Koike Folgueira, da USP. E talvez não seja mera coincidência.

O mesmo déficit pode estar por trás de problemas como o Parkinson, que provoca tremores involuntários. Esse elo foi verificado por cientistas da Universidade Emory, nos Estados Unidos. Os portadores do mal tinham uma carência acentuada do nutriente. “A hipótese é que a vitamina D ofereça uma maior proteção aos neurônios ameaçados pelo Parkinson”, conta a neurologista Marly de Albuquerque, da Universidade Federal de São Paulo.

A falta do nutriente talvez se explique pelo fato de a população se expor cada vez menos ao sol, até mesmo no Brasil. Foi o que mostrou um trabalho da nutricionista Marianna Unger. O estudo avaliou 619 indivíduos considerados saudáveis. “Cerca de 80% deles tinham níveis insuficientes de vitamina D após o inverno”, diz a pesquisadora. “Depois do verão, a proporção de indivíduos com carência caiu para 39,6%, índice muito elevado para um país ensolarado como o nosso.”

Importante: o medo do câncer de pele não pode servir como desculpa para evitar os raios solares. “Os protetores não impedem que tenhamos uma quantidade adequada de vitamina D”, afirma o dermatologista Marcus Maia, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que demonstrou isso em um trabalho finalista do III Prêmio SAÚDE, promovido pela Editora Abril. Fica o recado: tem que tomar sol! Sua saúde vai agradecer.
No corpo todo

Quando foi descoberta, no início do século passado, a vitamina D só era vinculada à saúde dos ossos. Mas hoje os cientistas sabem que há receptores para essa molécula em 31 áreas do corpo humano (veja a lista completa abaixo). E, quando a natureza cria receptores para determinada molécula, é sinal de que ela é realmente importante para a célula

As 31 áreas em que ela atua

• Cartilagens
• Células produtoras de insulina
• Cérebro
• Coração 
• Desenvolvimento do embrião
• Estômago
• Fígado
• Folículo capilar
• Formação da placenta
• Funcionamento da musculatura
• Glândula supra-renal
• Hipófise
• Inibidores do câncer
• Intestino
• Mamas
• Medula óssea
• Ossos 
• Ovários
• Paratireóide
• Parótida
• Pele
• Próstata
• Pulmões
• Retina
• Rins
• Sistema imunológico
• Tecido adiposo
• Testículos
• Timo
• Tireóide
• Útero
Depois dos 50…
…A vitamina D se torna ainda mais fundamental. Isso porque a partir dessa idade os ossos tendem a se desmineralizar em um ritmo acelerado, aumentando o risco de osteoporose. Além disso, o corpo perde massa muscular, o que favorece a ocorrência de quedas e até de certa dificuldade de locomoção. “O problema é que nessa idade a pele tem uma menor capacidade de síntese da vitamina”, diz Rodolfo Herberto Schneider, geriatra da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Por isso, muitos especialistas preconizam doses mais elevadas da substância, prescrevendo, de acordo com o caso, até mesmo a suplementação.

Fonte:  http://saude.abril.com.br/edicoes/0305/medicina/conteudo_403054.shtml

__

Morte pela Medicina – Death by Medicine

__

O artigo relata com objetividade e ampla bibliografia um rol de causas médicas e hospitalares de doenças e mortes que estão se ampliando a ponto de deixar de serem exceções para serem regras, e também aponta o envolvimento geral de médicos e revistas médicas com os interesses da indústria farmacêutica, comandando as prescrições para a medicação alopata,  subordinando a pesquisa acadêmica a estes interesses.

Celso Galli Coimbra – OABRS 11352

O artigo está disponível na íntegra para download neste link:   Death by Medicine

__

Seguem trechos deste artigo, Death by Medicine:

Medical Ethics and Conflict of Interest in Scientific Medicine

Medical Conflicts of Interest

Medical Conflicts of Interest (Photo credit: Mike Licht, NotionsCapital.com)

Jonathan Quick, director of essential drugs and medicines policy for the World Health Organization (WHO), wrote in a recent WHO bulletin: “If clinical trials become a commercial venture in which self-interest overrules public interest and desire overrules science, then the social contract which allows research on human subjects in return for medical advances is broken.”(19)
As former editor of the New England Journal of Medicine , Dr. Marcia Angell struggled to bring greater attention to the problem of commercializing scientific research. In her outgoing editorial entitled “ Is Academic Medicine for Sale?” Angell said that growing conflicts of interest are tainting science and called for stronger restrictions on pharmaceutical stock ownership and other financial incentives for researchers:(20) “When the boundaries between industry and academic medicine become as blurred as they are now, the business goals of industry influence the mission of medical schools in multiple ways.” She did not discount the benefits of research but said a Faustian bargain now existed between medical schools and the pharmaceutical industry.


Angell left the New England Journal in June 2000. In June 2002, the New England Journal of Medicine announced that it would accept journalists who accept money from drug companies because it was too difficult to find ones who have no ties. 

Another former editor of the journal, Dr. Jerome Kassirer, said that was not the case and that plenty of researchers are available who do not work for drug companies.(21) According to an ABC news report, pharmaceutical companies spend over $2 billion a year on over 314,000 events attended by doctors.

The ABC news report also noted that a survey of clinical trials revealed that when a drug company funds a study, there is a 90% chance that the drug will be perceived as effective whereas a non-drug-company-funded study will show favorable results only 50% of the time. It appears that money can’t buy you love but it can buy any “scientific” result desired.


Cynthia Crossen, a staffer for the Wall Street Journal, in 1996 published Tainted Truth : The Manipulation of Fact in America , a book about the widespread practice of lying with statistics.(22) Commenting on the state of scientific research, she wrote: “The road to hell was paved with the flood of corporate research dollars that eagerly filled gaps left by slashed government research funding.” Her data on financial involvement showed that in l981 the drug industry “gave” $292 million to colleges and universities for research. By l991, this figure had risen to $2.1 billion.

(…)

“Pharmaceutical and Medical-Device Industries


1. About two-thirds of the industry’s $9.4 billion budget went to drug research; device manufacturers spent the remaining one-third.
2. In addition to R&D, the medical industry spent 24% of total sales on promoting their products and 15% of total sales on development.
3. Total marketing expenses in 1990 were over $5 billion.
4. Many products provide no benefit over existing products.
5. Public and private health care consumers buy these products.
6. If health care spending is perceived as a problem, a highly profitable drug industry exacerbates the problem.

 

Cover of "Tainted Truth: The Manipulation...

Cover via Amazon

(…)

WHAT REMAINS TO BE UNCOVERED
Our ongoing research will continue to quantify the morbidity, mortality, and financial loss due to:
1. X-ray exposures (mammography, fluoroscopy, CT scans).
2. Overuse of antibiotics for all conditions.
3. Carcinogenic drugs (hormone replacement therapy,* immunosuppressive and prescription drugs).
4. Cancer chemotherapy(70)
5. Surgery and unnecessary surgery (cesarean section, radical mastectomy, preventive mastectomy, radical hysterectomy, prostatectomy, cholecystectomies, cosmetic surgery, arthroscopy, etc.).
6. Discredited medical procedures and therapies.
7. Unproven medical therapies.
8. Outpatient surgery.
9. Doctors themselves.

(…)

 

UNNECESSARY HOSPITALIZATION
Nearly 9 million (8,925,033) people were hospitalized unnecessarily in 2001.(4) In a study of inappropriate hospitalization, two doctors reviewed 1,132 medical records. They concluded that 23% of all admissions were inappropriate and an additional 17% could have been handled in outpatient clinics. Thirty-four percent of all hospital days were deemed inappropriate and could have been avoided.(93) The rate of inappropriate hospital admissions in
1990 was 23.5%.(94) In 1999, another study also found an inappropriate admissions rate of 24%, indicating a consistent pattern from 1986 to 1999.(95) The HCUP database indicates that the total number of patient discharges from US hospitals in 2001 was 37,187,641,(13) meaning that almost 9 million people were exposed to unnecessary medical intervention in hospitals and therefore represent almost 9 million potential iatrogenic episodes.(4)

 

(…)

UNNECESSARY X-RAYS
When x-rays were discovered, no one knew the long-term effects of ionizing radiation. In the 1950s, monthly fluoroscopic exams at the doctor’s office were routine, and you could even walk into most shoe stores and see x-rays of your foot bones. We still do not know the ultimate outcome of our initial fascination with x-rays.
In those days, it was common practice to x-ray pregnant women to measure their pelvises and make a diagnosis of twins. Finally, a study of 700,000 children born between 1947 and 1964 in 37 major maternity hospitals compared the children of mothers who had received pelvic x-rays during pregnancy to those of mothers who did not. It found that cancer mortality was 40% higher among children whose mothers had been x-rayed.(88)
In present-day medicine, coronary angiography is an invasive surgical procedure that involves snaking a tube through a blood vessel in the groin up to the heart. To obtain useful information, X-rays are taken almost continuously, with minimum dosages ranging from 460 to 1,580 mrem. The minimum radiation from a routine chest x-ray is 2 mrem. X-ray radiation accumulates in the body, and ionizing radiation used in X-ray procedures has been shown to cause gene mutation. The health impact of this high level of radiation is unknown, and often obscured in statistical jargon such as, “The risk for lifetime fatal cancer due to radiation exposure is estimated to be 4 in one million per 1,000 mrem.”(89)
Dr. John Gofman has studied the effects of radiation on human health for 45 years. A medical doctor with a PhD in nuclear and physical chemistry, Gofman worked on the Manhattan Project, discovered uranium-233, and was the first person to isolate plutonium. In five scientifically documented books, Gofman provides strong evidence that medical technology—specifically x-rays, CT scans, and mammography and fluoroscopy devices—are a contributing factor to 75% of new cancers. In a nearly 700-page report updated in 2000, “Radiation from Medical Procedures in the Pathogenesis of Cancer and Ischemic Heart Disease: Dose-Response Studies with Physicians per 100,000 Population,”(90) Gofman shows that as the number of physicians increases in a geographical area along with an increase in the number of x-ray diagnostic tests performed, the rate of cancer and ischemic heart disease also increases. Gofman elaborates that it is not x-rays alone that cause the damage but a combination of health risk factors that include poor diet, smoking, abortions, and the use of birth control pills. Dr. Gofman predicts that ionizing radiation will be responsible for 100 million premature deaths over the next decade.
In his book, “Preventing Breast Cancer,” Dr. Gofman notes that breast cancer is the leading cause of death among American women between the ages of 44 and 55. Because breast tissue is highly sensitive to radiation, mammograms can cause cancer. The danger can be heightened other factors including a woman’s genetic makeup, preexisting benign breast disease, artificial menopause, obesity, and hormonal imbalance.(91)
Even x-rays for back pain can lead someone into crippling surgery. Dr. John E. Sarno, a well-known New York orthopedic surgeon, found that there is not necessarily any association between back pain and spinal x-ray abnormality. He cites studies of normal people without a trace of back pain whose x-rays indicate spinal abnormalities and of people with back pain whose spines appear to be normal on x-ray.(92) People who happen to have back pain and show an abnormality on x-ray may be treated surgically, sometimes with no change in back pain, worsening of back pain, or even permanent disability. Moreover, doctors often order x-rays as protection against malpractice claims, to give the impression of leaving no stone unturned. It appears that doctors are putting their own fears before the interests of their patients.

(…) 

Specific Drug Iatrogenesis: Cancer Chemotherapy

 
In 1989, German biostatistician Ulrich Abel, PhD, wrote a monograph entitled “Chemotherapy of Advanced Epithelial Cancer.” It was later published in shorter form in a peer-reviewed medical journal.(70) Abel presented a comprehensive analysis of clinical trials and publications representing over 3,000 articles examining the value of cytotoxic chemotherapy on advanced epithelial cancer. Epithelial cancer is the type of cancer with which we are most familiar, arising from epithelium found in the lining of body organs such as the breast, prostate, lung, stomach, and bowel. From these sites, cancer usually infiltrates adjacent tissue and spreads to the bone, liver, lung, or brain. With his exhaustive review, Abel concluded there is no direct evidence that chemotherapy prolongs survival in patients with advanced carcinoma; in small-cell lung cancer and perhaps ovarian cancer, the therapeutic benefit is only slight. According to Abel, “Many oncologists take it for granted that response to therapy prolongs survival, an opinion which is based on a fallacy and which is not supported by clinical studies.”
Over a decade after Abel’s exhaustive review of chemotherapy, there seems no decrease in its use for advanced carcinoma. For example, when conventional chemotherapy and radiation have not worked to prevent metastases in breast cancer, high-dose chemotherapy (HDC) along with stem-cell transplant (SCT) is the treatment of choice. In March 2000, however, results from the largest multi-center randomized controlled trial conducted thus far showed that, compared to a prolonged course of monthly conventional-dose chemotherapy, HDC and SCT were of no benefit, (71) with even a slightly lower survival rate for the HDC/SCT group. Serious adverse effects occurred more often in the HDC group than the standard-dose group. One treatment-related death (within 100 days of therapy) was recorded in the HDC group, but none was recorded in the conventional chemotherapy group. The women in this trial were highly selected as having the best chance to respond.
Unfortunately, no all-encompassing follow-up study such as Dr. Abel’s exists to indicate whether there has been any improvement in cancer-survival statistics since 1989. In fact, research should be conducted to determine whether chemotherapy itself is responsible for secondary cancers instead of progression of the original disease. We continue to question why well-researched alternative cancer treatments are not used.

(…)

Organização Mundial da Saúde confirma falsa pandemia da Gripe Infuenza H1N1

 

__

Esta notícia é de junho de 2010, e até hoje você continua sendo enganado pela Medicina & Indústria farmacêutica (assista o vídeo no final) !

__

“A OMS confirmou que o vírus H1N1 é o que continua circulando de maneira predominante no mundo, é MENOS nefasto do que se temia e com uma taxa de mortalidade MENOR inclusive que a da gripe estacional.

A gripe suína causou algo mais de 18 mil mortes em um ano. No mesmo período, a gripe estacional causou 500 mil mortes.”

gripe a
__

Efe

GENEBRA – A Organização Mundial da Saúde (OMS) adiou em um dia, postergou até esta quinta-feira, 3, o anúncio da decisão sobre manter ou retirar o alerta de pandemia de gripe suína, declarado há quase um ano.

Um grupo de cientistas da OMS debateu nesta terça-feira o assunto em uma teleconferência e transmitiu suas recomendações à diretora-geral da entidade sanitária mundial, Margaret Chan. Esperava-se que Chan anunciasse nesta terça-feira mesmo sua decisão, mas ela decidiu revisar as recomendações.

A OMS confirmou que o vírus H1N1 é o que continua circulando de maneira predominante no mundo, é menos nefasto do que se temia e com uma taxa de mortalidade menor inclusive que a da gripe estacional.

A gripe suína causou algo mais de 18 mil mortes em um ano. No mesmo período, a gripe estacional causou 500 mil mortes.

No entanto, a temporada de gripe deste ano está a ponto de começar no hemisfério sul e não se descarta que os cientistas considerem conveniente acompanhar a evolução antes de levantar a declaração de pandemia.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,oms-adia-mais-uma-vez-decisao-sobre-status-de-pandemia-da-gripe-suina,560586,0.htm

Documentário completo, mostrando as razões porque é “proibida a cura do câncer” – Cancer – The Forbidden Cures

__

 

Vacinas x Autismo: EUA Recompensou Secretamente por Danos pela Vacina 83 Crianças que Ficaram Autistas

Este post tem mais dois artigos sobre o assunto, em português:

EUA: vacinas foram a causa do autismo de Bailey

A CDC OCULTOU PROVAS CIENTÍFICAS QUE DEMONSTRAM QUE O MERCÚRIO CONTIDO NAS VACINAS PROVOCA AUTISMO!

vacina (1)

__

1 – Vacinas x Autismo: EUA Recompensou Secretamente por Danos pela Vacina 83 Crianças que Ficaram Autistas

O Governo dos EUA sempre negou a ligação entre autismo e vacinas. No entanto, o governo americano secretamente recompensou no Juizado Especial da Vacina mais de 83 famílias com crianças autistas, admitindo desta forma a correlação entre autismo vacinasAqui está um estudo sobre esta questão.

Por mais de 20 anos, o governo federal negou publicamente uma ligação entre a vacina e o autismo, mas ao mesmo tempo, seu “Programa de Compensação por Lesões Causadas Por Vacinas” (VICP) pagou indenizações por danos de vacinas para crianças com lesão cerebral, convulsão e autismo. Uma nova investigação, com base em dados verificáveis do governo, traz novas informações ao controverso debate sobre a ligação entre as vacinas e o autismo. A investigação revelou que um número substancial de crianças recompensadas por danos da vacina também tinham autismo e que esses casos que já existiam desde 1989, um ano após o VICP ter sido formado.

O Diretor Executivo da SafeMinds, Lyn Redwood, comentou: “Este estudo muda dramaticamente o debate sobre autismo e vacinas. A questão não é mais se é possível que as vacinas causem o autismo? A resposta é clara. Agora, temos de perguntar: Quantos casos de autismo as vacinas causaram e como nós podemos prevenir novos casos?” O governo tem afirmado que “não monitora” a ocorrência de autismo entre aqueles lesados por vacina. O SafeMinds responde que não procurar é a maneira mais fácil de não encontrar coisa alguma. SafeMinds está pedido uma imediata investigação federal nos mecanismos de lesão nestas crianças em um esforço de proteger outras crianças contra futuros danos, e pede também a ação do Congresso para
reformar o VICP.

O estudo peer-reviewed analisou os casos de lesão por vacinas que foram recompensados monetariamente pelo Programa Federal por Danos de Vacinas. O estudo foi publicado duas semanas atrás no jornal acadêmico Pace Environmental Law Review. O estudo investigou aproximadamente 1.300 casos de lesão cerebral infantil como resultado de vacinas em que o Juizado Especial da Vacina deu o ganho de causa para os demandantes, em busca de referências ao autismo, sintomas de autismo ou desordens comumente associadas ao autismo. O estudo mostrou que 21 casos realmente mencionavam “autismo ou os sintomas como os do autismo” nos registros do tribunal. Os pesquisadores então identificaram e contataram as mais de 150 famílias recompensadas pelo tribunal para descobrir se as crianças tinham autismo. Eles foram capazes de encontrar um adicional de 62 casos (superior a 40% de sua amostra) totalizando 83 casos de autismo. Em 39 casos (47%) houve confirmação de autismo, além do próprio reporte dos pais.

O governo federal americano tem chamado o autismo de uma “emergência de saúde nacional”, que afeta pelo menos 1 em cada 110 crianças e custa ao país bilhões de dólares a cada ano. Se uma parcela destes casos de autismo são induzidas pelas vacinas e houver evidências de que os funcionários fizeram “vista grossa”, isto não pode ser tolerado. A recente tentativa do VICP de recusar mais de 5.000 casos do Omnibus Autism Proceedings é suspeito à luz destas novas descobertas com base em seus próprios registros.
http://www.anovaordemmundial.com/2011/05/vacinas-x-autismo-eua-recompensou.html
Fontes:
[ESTUDO] Unanswered Questions from the Vaccine Injury Compensation Program: A Review of Compensated Cases of Vaccine-Induced Brain Injury (PDF)
Vigilant Citizen: Government Secretly Settled 83 Vaccine-Autism Cases in the Last 20 Years
Pr News Wire: 83 Cases of Autism Associated with Childhood Vaccine Injury Compensated in Federal Vaccine Court
Safeminds Press-Release

vacina 4

__

2- EUA: vacinas foram a causa do autismo de Bailey

O tribunal determinou que Bailey não teria sofrido este atraso se não fosse pela administração da vacina tríplice … uma sequência próxima de causa e efeito levando inexoravelmente da vacina ao PDD [Autismo].”- Banks vs Secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos [EUA].

O tribunal determinou que Bailey não teria sofrido este atraso se não fosse pela administração da vacina tríplice … uma sequência próxima de causa e efeito levando inexoravelmente da vacina ao PDD [Autismo].”
– Banks vs Secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos [EUA]

Uma criança não deveria ter que enfrentar sozinha uma indústria inteira.

Hoje, num exclusivo do Huffington Post, Robert F. Kennedy Jr. e o jornalista de investigação David Kirby revelam que no recente caso de Bailey Banks vs. HHS, o tribunal de vacinas [dos EUA]determinou que as vacinas foram a causa do autismo de Bailey e ordenaram que a sua família fosse compensada.

Banks é o segundo caso onde o governo não pôde negar a evidência esmagadora demonstrando que as vacinas foram a causa do autismo da criança. O primeiro foi o caso de Hannah Poling em Março de 2008. O governo aceitou a decisão e entregou as indemnizações à sua família.

Pequenas vitórias para estas crianças, mas que dizer das centenas de milhares de outras famílias debatendo-se com o autismo? Nesta contínua controvérsia vacina-autismo em quem podem acreditar e no quê?

O Congresso criou o misterioso tribunal de vacinas em 1986, por insistência da indústria farmacêutica, o qual não só protegeu os produtores de vacinas de responsabilidade como levou à triplicação do número de vacinas que são ministradas aos nossos filhos. Porque é que existe o tribunal de vacinas? Porque é que as decisões em favor das crianças são suprimidas? Onde está a justiça para estes pais?

Nesta nova era de responsabilidade governamental e de transparência, as uma em 64 famílias que têm que se debater com o autismo merecem mais. Já é tempo de o governo dizer a verdade sobre vacinas infantis.

www.generationrescue.org

__

3 – A CDC OCULTOU PROVAS CIENTÍFICAS QUE DEMONSTRAM QUE O MERCÚRIO CONTIDO NAS VACINAS PROVOCA AUTISMO!

Pra quem fica taxando isso de “teorias conspiratórias” e não procura investigar as coisas antes de afirmar algo ou conceituar sobre algum tema, ficará difícil engolir isso a “seco” agora.

CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) ocultou as PROVAS que demonstram o vínculo entre o mercúrio contido nas vacinas e a explosão de casos de altismo.Graças ao FOIA (Freedom of Information Act), um novo documento publicado pelo CoalitionforMercury-FreeDrugs (CoMeD) COMPROVA sem sombra de dúvidas que deFATO há um vínculo alarmante entre o Mercúrio contido nas vacinas e as causas de ALTISMO nas crianças.Acabou! Não dá mais pra esconder e nem pra negar … pra quem prescisava de “provas” científicas, aí está!!!
OBS: Lembra do Tiomersal ? Tiomersal (também conhecido comoTimerosal) é um conservante à base de mercúrio. Sim, um conservante usado nas vacinas e principalmente na última da gripe A. Pois é … agora, pra quem ria dos que diziam para não tomarem a vacina podem começar a chorar. E … pode esperar que logo começará a nova campanha de vacinação para a terceira dose. Vai encarar?Fontes:
http://www.amcmh.org/PagAMC/downloads/ads141.htm
http://www.anh-usa.org/cdc-mercury-in-vaccines/
http://www.naturalnews.com/032216_Thorsen_fraud.html
http://www.simceros.org/saude

%d blogueiros gostam disto: