Estudo destaca a vitamina D como forte aliada contra várias doenças

__

Baixos níveis da vitamina no organismo já foram associados a uma sucessão de problemas de saúde, desde doenças cardiovasculares até doenças neurológicas

“A vitamina — que na verdade é um hormônio — pode ser encontrada no leite, no salmão, sardinha, óleo de fígado de peixe, cogumelo, ovos e alguns cereais que são fortificados com essa vitamina. Entretanto, uma maneira boa de manter níveis adequados do hormônio é tomar sol de 10 a 15 minutos — nos bons horários ou somente até começar leve vermelhidão na pele exposta —, duas vezes ao dia, pois a luz solar é uma das principais fontes de absorção do nutriente. O responsável por esse estímulo é ninguém menos do que o raio UVB. Em outras palavras, apesar de perigoso em doses exageradas, o sol é necessário à saúde.”

1271613963VLivhi

Vitamina pode ser encontrada em alimentos como leite, salmão, sardinha, óleo de fígado de peixe, cogumelo e ovos

 

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, recebeu destaque na mídia nacional e internacional recentemente. Eles sequenciaram o código genético humano para averiguar quais regiões do DNA apresentavam receptores para as vitaminas. Receptores são uma espécie de fechadura química só aberta por chaves compatíveis — nesse caso, a vitamina D —, para liberar o acesso e a ação do composto à estrutura a qual pertencem.

O time de Oxford descobriu nada menos do que 2.776 pontos de ligação com receptores desta vitamina, cujo baixos níveis no organismo já foram associados a uma sucessão de problemas de saúde, desde doenças cardiovasculares até doenças neurológicas.

— A carência afeta mais de 200 processos no organismo, ou seja, a sua falta prejudica desde o humor até a pressão arterial e o risco de infarto — alerta Ícaro Alves Alcântara, médico especialista em homeopatia.

A vitamina — que na verdade é um hormônio — pode ser encontrada no leite, no salmão, sardinha, óleo de fígado de peixe, cogumelo, ovos e alguns cereais que são fortificados com essa vitamina. Entretanto, uma maneira boa de manter níveis adequados do hormônio é tomar sol de 10 a 15 minutos — nos bons horários ou somente até começar leve vermelhidão na pele exposta —, duas vezes ao dia, pois a luz solar é uma das principais fontes de absorção do nutriente. O responsável por esse estímulo é ninguém menos do que o raio UVB. Em outras palavras, apesar de perigoso em doses exageradas, o sol é necessário à saúde.

— Estima-se que a vitamina D esteja faltando em mais de 70% da população, sobretudo no inverno, com a diminuição dos raios UVB — diz Alcântara.

O sistema imunológico é outro beneficiado, como explica a farmacêutica Rogy Tokarski:

— A quantidade certa da vitamina permite que o corpo se defenda melhor de doenças como a gripe.

Esperança contra a esclerose

A substância tem sido vista como uma esperança também para pacientes de esclerose múltipla, doença autoimune que acomete células nervosas e leva à perda gradual dos movimentos. Já se sabe que o seu avanço é mais rápido em quem convive com níveis baixos da substância, como documentou um estudo da Universidade de Maas­tricht, na Holanda, após acompanhar 267 pessoas com a doença.

Outra pesquisa realizada pelo Centro Médico da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, sugere que a falta de Vitamina D pode prejudicar o tratamento de pacientes com câncer de mama. Os cientistas descobriram que 70% das 200 voluntárias, cujos resultados do tratamento se apresentavam comprometidos, tinham baixo índice da vitamina no sangue.

 

VIDA DO CLICRBS

__

 

Remédio para o melanoma: Tome mais sol

__

O professor Angus Dalgleish é radical no que diz respeito ao câncer de pele, ele assume a posição que este câncer é causado pela ausência de  Sol, e não pelo Sol.  Por isso, em maio de 2012, ele escreveu um artigo aconselhando pessoas com câncer de pele a exporem-se ao Sol.

Ele mostra que por causa das propagandas contra o sol com as quais muitos de nós ficamos familiarizados ao longo de nossas vidas, isto pode ter ocasionado uma deficiência crônica da vitamina D nas pessoas. A implicação está clara: Nossa recomendação sobre a exposição ao sol pode estar contribuindo para o aumento da incidência de câncer, incluindo o melanoma.

Não existe neste comentário qualquer endosso à posição dele neste caso específico, mas a mencionamos aqui para mostrar como vem sendo considerada grave a falta deste hormônio-vitamina para a saúde.  Celso Galli Coimbra.

sol1

Autor: Epoch Times Publicação: maio 25, 2012

Quase caí da cadeira em meu escritório quando li um artigo do oncologista e professor Angus Dalgleish, especialista em câncer, no Daily Mail no dia 24 de maio: “Sim! Uma dose de sol PODE proteger você contra o câncer de pele”.

Dalgleish tem um interesse particular em melanoma maligno. No artigo, ele chama nossa atenção para a ligação entre a vitamina D e o câncer, incluindo a ligação entre os baixos níveis de vitamina D e o melanoma.

Ele mostra que por causa das propagandas contra o sol com as quais muitos de nós ficamos familiarizados ao longo de nossas vidas, isto pode ter ocasionado uma deficiência crônica da vitamina D nas pessoas. A implicação está clara: Nossa recomendação sobre a exposição ao sol pode estar contribuindo para o aumento da incidência de câncer, incluindo o melanoma.

Em abril, eu escrevi sobre a relação entre a luz solar e o melanoma, e apresentei algumas observações do dermatologista Dr. Sam Shuster, incluindo estes fatos:

• A relação entre o melanoma e a latitude é pequena e inconsistente (em outras palavras, os locais mais próximos do equador com mais exposição à luz solar não têm aumento significante na incidência do melanoma maligno).

• A incidência do melanoma maligno e morte por causa disto são menores em indivíduos com maior exposição à luz solar (são mencionados 11 estudos como evidência disto).

• A incidência de melanoma maligno não diminui e pode aumentar com o uso de protetor solar.

• O risco do melanoma associado ao uso da cadeira de sol é “pequeno e inconsistente”.

• Desenvolver um melanoma maligno em laboratório usando luz ultravioleta é difícil (em contraste com outros cânceres de pele menos agressivos e mais tratáveis).

Os comentários de Dalgleish ainda levantam a questão sobre a orientação geral que temos a respeito da exposição ao sol e aos riscos que isto apresenta especificamente com relação ao melanoma. Suas ideias vão um tanto contra o pensamento convencional, e eu acredito que ele deveria ser aplaudido por injetar alguma objetividade no debate.

Eu não conheço Angus Dalgleish pessoalmente, mas minha suspeita é de que ele é um homem que pensa por si próprio e se preocupa em tratar seus pacientes com o maior cuidado e orientação possíveis. Eu também acho que provavelmente seja verdade que ele e sua área de trabalho não recebem fundos dos fabricantes de protetores solar.

O Dr. John Briffa é um médico de Londres e escreve sobre saúde, com interesse em nutrição e medicina natural. Seu website é Drbriffa.com

 Fonte: http://www.epochtimes.com.br/remedio-para-o-melanoma-tome-mais-sol-2/
__

Beneficiados pelo tratamento de esclerose múltipla com vitamina D divulgam a terapia

__

Documentário que divulga a terapia já tem mais de 97.111 visualizações no You Tube

Autor: Ticiane Rossi

Beneficiados pelo tratamento com altas doses de Vitamina D contra esclerose múltipla tem divulgado a informação da terapia a outros pacientes que sofrem da mesma doença. A terapia, segundo os beneficiários, apresenta resultados rápidos e eficientes na redução dos sintomas da doença, ajudando-os a superá-la e ter uma vida normal e sem sequelas.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune, na qual o sistema imunitário do próprio corpo ataca a bainha de mielina do sistema nervoso central, que é composto pelo cérebro e a medula espinhal. No Brasil, estima-se que 50.000 pessoas são afetadas pela doença, de acordo com a Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM). A doença afeta geralmente jovens entre 20 a 40 anos.

O jornalista, Daniel Cunha, de 27 anos, foi diagnosticado com a doença no final de 2009. Durante os seis meses de tratamento convencional, ele experimentou uma depressão devido aos efeitos colaterais do tratamento convencional, que é ministrado por meio de injeções periódicas. Após este período, ele conheceu o tratamento com vitamina D, prescrito pelo neurologista Dr. Cícero Galli Coimbra, que também é professor e pesquisador na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Em 2010, o jornalista começou o tratamento com vitamina D, que gerou bons resultados, segundo ele. Imediatamente, Daniel se questionou sobre o tratamento não ser divulgado. Por ser jornalista e motivado em divulgar o tratamento, ele fez um documentário lançado em abril deste ano, que já teve mais de 97.111 acessos no You Tube e criou um blog para que as pessoas pudessem se manter informadas sobre o tratamento.

“Hoje recebo muitos e-mails por dia … tem um monte de pessoas que comentaram o vídeo. As pessoas [beneficiadas pelo tratamento] se unem porque todas tiveram melhoras e querem difundir o conhecimento para outras pessoas”, disse Daniel.

Outro paciente, o engenheiro ambiental e surfista de 31 anos, Marcelo Claudio Bergamo de Palma, que apresenta seu depoimento no vídeo feito por Daniel, foi diagnosticado com a doença em 2008, e hoje leva uma vida normal graças ao mencionado tratamento com doses elevadas de vitamina D.

“Passei por diversas internações de pulsoterapias para receber medicação (corticóides) intravenosa e utilizei poucos meses do tratamento convencional com aplicações diárias de Copaxone. Após iniciar o tratamento com vitamina D, abandonei o tratamento convencional e nunca mais precisei de pulsoterapia. Nos exames de ressonância magnética as lesões regrediram ou desapareceram e não houveram mais lesões novas ou em atividade, o que mostra que a doença está em remissão permanente. Hoje minha vida é normal, com trabalho e atividades físicas”, disse o engenheiro.

Segundo Marcelo,  pacientes da Europa e América do Norte, vem atualmente para o Brasil receber o tratamento prescrito pelo Dr. Cícero.

“A vitamina D é um hormônio esteroide que controla 229 funções (genes) dos órgãos humanos. A falta desta substância pode causar doenças autoimunes ou não autoimunes”, afirma o Dr. Cícero. (Oli Scarff/Getty Images)

“A vitamina D é um hormônio esteroide que controla 229 funções (genes) dos órgãos humanos. A falta desta substância pode causar doenças autoimunes ou não autoimunes”, afirma o Dr. Cícero Galli Coimbra. (Oli Scarff/Getty Images)

Tratamento convencional

O tratamento convencional da esclerose múltipla, oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, é feito por medicamentos chamados interferons.

A ABEM informa que o tratamento de esclerose múltipla pode ser subdividido em quatro tratamentos, conforme a evolução da doença: surto, modificadores da evolução da doença, sintomático e reabilitacional.

Para o surto, se utiliza habitualmente pulsoterapia com glicocorticoides, que são anti-inflamatórios hormonais e visam abortar a atividade inflamatória e, com isto, o evento sintomático.

Os modificadores da evolução da doença visam minimizar os surtos na intensidade e frequência, com isto acarretando menos acúmulos lesionais (em nível de sistema nervoso) e concomitantemente menos acúmulo de incapacitações.

O tratamento sintomático visa amenizar e tornar mais toleráveis os sintomas vigentes. A reabilitação trabalha concomitantemente melhorias funcionais, melhorando funções deficitárias, adaptando e melhorando a qualidade de vida do paciente.

“[A efetividade do tratamento dos] modificadores da evolução da doença tem uma eficácia de 30-40% (interferons e acetato de glatirâmer). Já as medicações mais novas [tem eficiência] em torno de 68% (natalizumabe e fingolimod)”, informou a ABEM.

O gasto mensal de um paciente com esclerose múltipla varia de R$ 2.300,00 a R$ 5.700,00 com o interferon-beta ou acetato de glatirâmer, segundo o portal da UNICAMP.

O tratamento com Vitamina D

O tratamento com altas doses de vitamina D é conhecido e estudado pela comunidade científica há mais de 40 anos, com mais de 3.700 estudos publicados em revistas científicas.

“A vitamina D é um hormônio esteróide que controla 229 funções (genes) dos órgãos humanos. A falta desta substância pode causar doenças autoimunes ou não autoimunes”, afirma o Dr. Cícero.

O tratamento não se limita somente a esclerose múltipla. É usado  também em outras doenças autoimunes, tais como artrite reumatóide, lúpus eritematoso sistêmico, psoríase, vitiligo, tiroidite de Hashimoto, entre outras. Algumas doenças não autoimunes, como câncer, tuberculose, depressão e esquizofrenia também podem ser melhoradas com o uso deste tratamento.

A vitamina D é uma substância produzida durante a exposição solar. O médico alerta que devido ao estilo de vida moderna, as pessoas possuem baixo nível de vitamina D em seus organismos.

“As pessoas estão se escondendo do sol, durante o trabalho ou dentro de casa, fazem compras em locais fechados e usam insulfilm nos vidros dos carros com medo da violência urbana”, afirma.

Além disso, “a vitamina D não é restaurada pela alimentação, ou o valor é muito baixo para permitir a sua substituição no nível apropriado”, afirma o médico.

Segundo o doutor, estudos mostram que, se apenas 5.000 unidades diárias de vitamina D fossem substituídas nos corpos de população adulta, os casos de câncer poderiam cair para 40%.

Polêmica na comunidade médica

O tratamento de esclerose múltipla e outras doenças com altas doses de Vitamina D tem gerado polêmica na comunidade médica. Alguns médicos alegam que este tratamento não deve ser ministrado isoladamente e que o tratamento convencional usando interferons deve continuar.

“O que está se focando sempre agora é que ‘estou bem porque não estou tendo surtos’, mas isso não é a única leitura da doença”, diz a presidente da Sociedade Gaúcha de Neurologia e Neurocirurgia, Dra. Maria Cecília Vecino, ao G1. Ela afirma que o tratamento com vitamina D pode ser usado como complemento ao tratamento convencional, com interferons.

O Centro de Atendimento e Tratamento de Esclerose Múltipla (CATEM) no editorial de junho deste ano alertou que o tratamento convencional deve ser mantido, podendo repor doses de Vitamina D nos casos em que as pessoas tenham níveis inadequados deste hormônio em seus organismos.

“Não há até hoje sequer um artigo que demonstre o efeito terapêutico da vitamina D no tratamento da esclerose múltipla”, alega a CATEM em seu editorial de junho.

Entretanto, uma busca de artigos científicos relacionando as expressões “Vitamina D”, “esclerose múltipla” e “terapia” resultam em 58.319 estudos no portal científico Scirus.

O Dr. Cícero, quando questionado sobre a efetividade de seu tratamento afirmou categoricamente “[Com este tratamento com altas doses de vitamina D] a doença é desligada”.

Ele também afirma que muitos médicos têm resistência a adotar novos tratamentos e podem enfrentar interesses econômicos das empresas farmacêuticas, fabricantes de medicamentos de alto custo para o tratamento da esclerose múltipla.

Fonte: http://www.epochtimes.com.br/beneficiarios-do-tratamento-de-esclerose-multipla-com-vitamina-d-divulgam-a-terapia/

Epoch Times publica em 35 países em 19 idiomas.

Você Comeria Salmão transgênico? FDA Aprova Salmão Geneticamente Modificado

 

salmao

(…) Michael Hansen, um pesquisador da União dos Consumidores, explicou que o salmão transgênico pode causar reações alérgicas que o FDA é incapaz de prever. Peixes transgênicos também não poderão ser rotulados, deixando os consumidores no escuro sobre a sua origem.

Se o FDA não prestar atenção ao clamor público, o Congresso pode ainda evitar a comercialização do peixe transgênico. Wenonah Haute, diretor do Food & Water Watch, pede para que os consumidores contactem os seus deputados para derrubar o que tem sido chamado de “um experimento perigoso” às custas da saúde do consumidor.

Outras preocupações sobre o peixe transgênico diz respeito a capacidade deste superar o salmão natural do Atlântico. Se ele for solto na vida selvagem, o salmão AquAdvantage poderia se adaptar aos novos alimentos, sobreviver em habitats mais difíceis, e se reproduzir muito mais rápido que o salmão natural.

Andrew Kimbrell do Centro para a Segurança dos Alimentos concluiu que “o salmão geneticamente modificado não tem valor socialmente redentor. Ele é ruim para o consumidor, ruim para a indústria do salmão e ruim para o meio ambiente.”(…)

 

(NaturalNews) Depois de poucos e breves testes, o salmão transgênico, projetado para crescer duas vezes mais rápido que o salmão normal do Atlântico, foi considerado seguro para o ambiente e para o consumo humano. O FDA (a ANVISA dos EUA) acrescentou que ouviria comentários do público durante 60 dias, antes de finalmente decidir se aprova ou não o salmão.

As críticas a respeito da avaliação recente pelo FDA aponta para a falta de evidências suficientes de que o peixe é seguro para o consumo, e também da dificuldade em medir o impacto real sobre o meio ambiente uma vez que a produção em massa do salmão transgênico inicie.

De onde o salmão biotecnológico vem?

O controverso peixe é desenvolvido pela AquaBounty Technologies, uma pequena empresa de biotecnologia americana, cujo principal objetivo é encontrar a solução que poderia aumentar a produtividade da aquicultura. Sua pesquisa mais importante consiste em desenvolver
    salmão, truta, e ovos de tilápia que produzem  espécimes de rápido desenvolvimento. Para conseguir isso, os pesquisadores modificaram a estrutura genética do peixe. Sua variedade de salmão foi patenteada e recebeu o nome de Salmão AquAdvantage.

O relatório do FDA  afirma que “no que diz respeito à segurança dos alimentos, a FDA concluiu que alimentos feitos com o Salmão AquAdvantage são tão seguros quanto aqueles feitos com o salmão convencional do Atlântico, e que existe certeza razoável de que não existe nenhum prejuízo de seu consumo“.

O que dizem os críticos?

Michael Hansen, um pesquisador da União dos Consumidores, explicou que o salmão transgênico pode causar reações alérgicas que o FDA é incapaz de prever. Peixes transgênicos também não poderão ser rotulados, deixando os consumidores no escuro sobre a sua origem.

Se o FDA não prestar atenção ao clamor público, o Congresso pode ainda evitar a comercialização do peixe transgênico. Wenonah Haute, diretor do Food & Water Watch, pede para que os consumidores contactem os seus deputados para derrubar o que tem sido chamado de “um experimento perigoso” às custas da saúde do consumidor.

Outras preocupações sobre o peixe transgênico diz respeito a capacidade deste superar o salmão natural do Atlântico. Se ele for solto na vida selvagem, o salmão AquAdvantage poderia se adaptar aos novos alimentos, sobreviver em habitats mais difíceis, e se reproduzir muito mais rápido que o salmão natural.

Andrew Kimbrell do Centro para a Segurança dos Alimentos concluiu que “o salmão geneticamente modificado não tem valor socialmente redentor. Ele é ruim para o consumidor, ruim para a indústria do salmão e ruim para o meio ambiente.”

Fontes:
– Natural News: Would you eat biotech fish? FDA approves genetically engineered salmon

__

Would you eat biotech fish? FDA approves genetically engineered salmon

(NaturalNews) After a few brief tests, GE salmon, meant to grow twice as fast as regular Atlantic salmon, was deemed safe both for the environment and for human consumption. The FDA added that it would take public comments for 60 days before finally deciding on whether or not to approve the salmon.

Criticism of the recent FDA assessment points to the lack of sufficient evidence that the fish is safe for consumption, and the difficulty in measuring its real impact on the environment once mass production begins.

Where does biotech salmon come from?

The controversial fish is developed by AquaBounty Technologies, a small American biotechnology company whose main goal is to find solutions that could increase the productivity of aquaculture. Its most important research consists of developing salmon, trout, and tilapia eggs that produce fast growing specimens. To achieve this, researchers have to modify the very genetic fabric of fish. Their salmon variety has been patented and bears the trade name AquAdvantage Salmon.

The FDA report so far states that “with respect to food safety, FDA has concluded that food from AquAdvantage salmon is as safe as food from conventional Atlantic salmon, and that there is a reasonable certainty of no harm from consumption.”

What the critics say

Michael Hansen, a researcher at the Consumers Union, explained that GE fish could cause allergic reactions that the FDA is unable to anticipate. GE fish will also likely not be labeled accordingly, leaving consumers in the dark about where the fish is coming from.

If the FDA does not heed the public outcry, Congress could still prevent the commercialization of GE fish. Wenonah Hauter, director at the Food & Water Watch, urges consumers to contact their congressmen to overturn what has been called “a dangerous experiment” at the expense of consumer health.

Other concerns about GE fish pertain to its ability to outcompete natural Atlantic salmon. If it is released into the wild, the AquAdvantage salmon could adapt to new pray, survive in tough habitats, and reproduce much faster than its natural counterpart.

Andrew Kimbrell of the Center for Food Safety concluded that “the GE salmon has no socially redeeming value. It’s bad for the consumer, bad for the salmon industry and bad for the environment.”

Healthy, vegan alternatives to GE salmon

Chickpeas have been hailed by vegans everywhere for their ability to mimic fish, making them an excellent addition to faux fish salads. Chickpeas provide considerable amounts of protein, slow release carbohydrates, folate and zinc.

A delicious vegan “salmon” dish can be prepared by mixing grated carrots, mashed chickpeas, white vinegar, tomatoes, finely grated lemon peel, lemon juice, dill, vegetable oil and a pinch of salt. The mixture can either be consumed raw, or divided into patties and baked for about 25 minutes. For added flavor, vegan “salmon” can be topped with vegan mayonnaise or grated horseradish.

When choosing salmon as a means to obtain healthy fats, many may want to consider chia instead. With 724 mg of Omega-3’s in 28 grams of salmon, and 4915 mg in 28 grams of chia, chia is a clear winner.

Sources for this article include:
http://www.reuters.com
http://www.fda.gov
http://www.guardian.co.uk
http://www.onegreenplanet.org/vegan-food/recipe-vegan-salmon-patties/
www.facebook.com

About the author:
Raw Michelle is a natural health blogger and researcher, sharing her passions with others, using the Internet as her medium. She discusses topics in a straight forward way in hopes to help people from all walks of life achieve optimal health and well-being. She has authored and published hundreds of articles on topics such as the raw food diet and green living in general. In 2010, Michelle created RawFoodHealthWatch.com, to share with people her approach to the raw food diet and detoxification.

Learn more: http://www.naturalnews.com/038469_GM_salmon_FDA_approval.html#ixzz2GOfF9E2r

5 Passos para parar de fumar definitivamente

para-sua-saude-como-deixar-de-fumar-cigarros

__

Canadian Lung Association

[The Lung Association]   Parar de fumar pode ser uma das coisas mais difíceis que você terá que fazer, mas fica mais fácil com a prática. Pesquisas mostram que cada vez que você tenta parar de fumar você melhora suas chances de parar de vez. Sua chance de sucesso é ainda maior se você combina métodos para parar de fumar como aconselhamentos, substituição de nicotina ou remédios.

 

Você terá sucesso se seguir os conselhos à seguir.

 

1. OS QUATRO DEGRAUS PARA PARAR DE FUMAR

 

  1. Escolha um dia. Escolha um dia nas próximas duas ou três semanas para parar. Ter um prazo torna mais fácil planejar como você irá lidar com as pessoas, lugares e situações que o fazem querer fumar. Tente escolher um momento que não seja difícil para você. Mas não fique esperando para sempre pelo dia “perfeito”: escolha uma data agora e trabalhe com esse prazo.
  2. Escolha um ou mais métodos comprovados para parar de fumar.
  3. Suas chances de sucesso são maiores se você combina métodos de cessação como aconselhamento, guias de auto-ajuda, o adesivo e medicamentos. Escolha mais abaixo um dos métodos que irão funcionar melhor para você. Estes itens você também deve seguir:
    • Liste as suas razões para parar nos campos da saúde, família, dinheiro, etc.
    • Escreva as coisas que podem substituir o cigarro: alternativas saudáveis como exercício ou um novo hobby.
    • Fale com seus amigos, família e colegas que podem dar apoio. Fale para eles sobre seu plano para parar de fumar, para que ele fique mais real e realizável para você.
    • Comece a fazer mudanças no seu estilo de vida que irão apoiar seu plano: deixe os cigarros em casa quando sair, remova os cinzeiros da sua casa, etc.
    • Considere juntar-se a um grupo de suporte. Para algumas pessoas ajuda falar com outros que também estão tentando parar.
  4. Coloque seu plano em andamento
    • Hoje é o seu dia de parar de fumar. Seja firme e não fume.
    • Revise sempre o seu plano. Sabendo como você irá lidar com os impulsos de fumar irá te ajudar a lidar com o desejo de um cigarro.
    • Evite aquelas pessoas e situações que te deixam com vontade de fumar.
    • Dê uma caminhada ao invés de fumar.
    • Encontre um hobby que mantenha suas mãos e pensamentos ocupados.
    • Limpe seus dentes, roupas, carro e casa do cheiro da fumaça do cigarro.
    • Seja positivo! Você está escolhendo ficar livre do fumo.
  5. Comemore o seu sucesso
    • Confie em si mesmo e no seu plano.
    • Entenda que leva tempo para reaprender hábitos livres de cigarro.
    • Lembre-se que parar de fumar é um processo e não um evento.
    • Apesar de a recuperação começar apenas em horas depois do seu último cigarro, leva pelo menos três semanas para criar o novo hábito. Não desencoraje se você escorregar. É parte do processo. Você não é um fracasso. Revise o seu plano e pergunte a si mesmo como você poderá agir diferente da próxima vez. “O erro é o princípio do acerto.
    • Recompense a si mesmo.

 

2. MÉTODOS COMPROVADOS PARA PARAR DE FUMAR

 

A maioria das pessoas que param de fumar usam uma combinação de métodos para cortar os cigarros das suas vidas. Pesquisas mostraram que as pessoas têm mais chances de sucesso se combinam diversos métodos de apoio.

Por exemplo, você pode se unir a um grupo de suporte e também manter chicletes ou adesivos de nicotinas em mãos, para superar os desejos de fumar. Você deverá encontrar a combinação que apoios que melhor funcionam para você.

 

Aqui estão alguns métodos comuns que funcionam comprovadamente:

 

  1. Grupos de suporte/aconselhamento: A maioria das pessoas pensa que ajuda juntar-se a um grupo de suporte, conseguir aconselhamento ou ler um livro de auto-ajuda. Este tipo de suporte irá ajudar a entender o que vem pela frente e a lidar melhor com os sintomas da abstinência.
  2. Terapias de substituição de nicotina: Existem muitas opções de terapias de substituição de nicotina: adesivos para a pele, chiclete, sprays e inaladores. Eles possuem pequenas quantidades de nicotina e podem ajudar a lidar com os desejos. Estes produtos trabalham reduzindo vagarosamente a quantidade de nicotina levada ao seu corpo para te ajudar a lidar com os sintomas da abstinência com mais facilidade. Pesquisas mostram que eles são eficazes ao ajudar as pessoas a parar de fumar, especialmente quando combinados com aconselhamento ou auto-ajuda.
  3. Champix: Este medicamento da Pfizer foi aprovado em 2007 pela Anvisa. Ele simula as alterações que a nicotina causa no cérebro, sem levar as mudanças que levam à dependência química.
  4. Antidepressivos: A bupropiona (encontrada no medicamento Zyban) é um antidepressivo vendido sob prescrição médica que pode reduzir a vontade de fumar em algumas pessoas. É mais eficiente para ajudar pessoas a pararem de fumar quando combinado com outros métodos como aconselhamento.
    1. Beba água: Muita água. Isso leva a nicotina e outros compostos químicos mais rapidamente para fora do seu sistema. Ajuda a manter a sua boca ocupada.
    2. Respire fundo: Respire fundo ao invés de fazer uma pausa para o cigarro. Respire fundo algumas vezes. Segure a última e solte o ar lentamente.
    3. Espere: Como fumante você nem sempre esteve no controle de si mesmo. Você fumava quando seu corpo necessitava de nicotina. Ao atrasar ou esperar você está dando as cartas. Normalmente o desejo por um cigarro passa em alguns minutos.
    4. Faça algo diferente: Quando o desejo bate, ajuda muito mudar a situação atual. Faça algo diferente. Para algumas pessoas ajuda a fazer alguma coisa com as mãos, quando o desejo domina, como apertar uma bolinha de estresse ou tricotar.
    • Desejo de fumar
    • Cansaço
    • Tosse
    • Gases e dores no estômago
    • Fome
    • Dores de cabeça
    • Irritabilidade (mau humor)
    • Dificuldade de concentração
    • Irritabilidade: Pode durar entre 2 e 4 semanas. Fazer caminhadas, banhos quentes, usar técnicas de relaxamento, música suave e alongamento podem ajudar.
    • Cansaço e falta de energia: A nicotina é um estimulante e pode levar entre 2 e 4 semanas para seu corpo aprender a viver sem ela. Tente tirar uma soneca sempre que possível. Não force seu organismo.
    • Dificuldade para dormir: A nicotina afeta as ondas cerebrais e os padrões de sono. Mas no máximo em uma semana este problema costuma desaparecer. Evite toda forma de cafeína, inclusive de refrigerantes. Fazer uma atividade física durante o dia ajuda o corpo a dormir melhor.
    • Tosse, garganta seca, coriza: Ocorre pelo fato de que o muco natural do corpo escorrega para fora da garganta. O seu corpo está se livrando do muco que estava preso nas vias aéreas. Este sintoma deve durar alguns dias apenas. Para compensar o problema beba muita água.
    • Tontura: O seu cérebro está recebendo mais oxigênio, pois os níveis de gás carbônico estão caindo, mas em um ou dois dias este sintoma deve desaparecer. Lembre-se de levantar-se devagar da cadeira ou da cama.
    • Problemas de concentração: O seu corpo deverá se acostumar ficar sem a nicotina, portanto você deverá esperar algumas semanas para seu corpo adaptar-se à sua nova vida sem cigarro. Para remediar reduza sua carga de trabalho e faça pausas com mais freqüência.
    • Pressão no peito: Os músculos ficam doloridos por causa da tosse ou da tensão muscular do desejo de fumar. Pode durar algumas semanas. Ajuda se você respirar fundo.
    • Gases, dores estomacais e prisão de ventre: Os movimentos do intestino podem diminuir por duas ou quatro semanas. Beber bastante água e comer alimentos ricos em fibra como frutas e vegetais ajuda o intestino a trabalhar.
    • Fome: Você pode confundir o desejo de fumar com fome, porque sua boca não está acostumada a não ter nada o que fazer. Mas ela irá aprender em duas ou quatro semanas. Beber água, comer snacks de baixas calorias pode ajudar.
    • Desejo de fumar: Esse possivelmente é o pior sintoma da abstinência, pois seu corpo simplesmente precisa de uma droga na qual está viciado; a nicotina. Para a maioria das pessoas estes desejos ocorrem apenas nos primeiros dias, mas para outros pode ocorrer ocasionalmente por meses ou anos. Algumas técnicas funcionam bem como: esperar (os desejos tendem a durar apenas poucos minutos), tentar fazer outra atividade, beber água, sair para uma caminhada, ligar para um amigo ou utilizar o substituto de nicotina como chiclete ou adesivo. Você poderá tentar combinar algumas destas técnicas para obter um resultado mais eficiente.
    • Escolha uma data e anote na agenda, na geladeira e no calendário.
    • Escreva as suas razões pessoais para parar de fumar em um cartão. Carregue-o para onde for e olhe para ele quando não estiver incerto sobre a sua decisão de parar de fumar ou quando tiver vontade de fumar.
    • Antes de você parar de fumar anote o horário, local e o que sente (tédio, estresse, aborrecimento, etc.) para cada cigarro que fumar. Faça isso por uns dois dias. Olhe para os seus padrões de fumante e planeje o que fará para lidar com as mesmas situações quando não estiver fumando.
    • Torne o fumo menos confortável ou fácil: mude o cigarro de mão quando fumar, carregue os cigarros em um local diferente, mude para uma marca que você não gosta, não leve isqueiro, etc.
    • Escolha substitutos dos cigarros mais importantes do dia. Por exemplo, se você fuma sempre logo que acorda, tente mastigar um chiclete de nicotina ou caminhar.
    • Marque uma limpeza ou clareamento de dentes no dia que você determinou para parar de fumar. A motivação de dentes limpos ou mais brancos ajudarão a manter-se com motivação.
    • Lembre-se que parar de fumar é um processo e não um evento. Você teve que aprender a fumar e terá que dar tempo para aprender a não fumar.

 

3. LIDANDO COM A ABSTINÊNCIA DE NICOTINA

 

A abstinência é a resposta fisiológica da falta de nicotina. Todos que param de fumar devem esperar alguns sintomas de abstinência. Os mais comuns são:

Os sintomas da abstinência e a sua duração são diferentes para cada um. Em geral os sintomas começam depois de horas de parar de fumar e podem ser piores entre o final da tarde e o começo da noite. Os sintomas tendem a diminuir ao longo dos 4-5 dias. Algumas pessoas têm sintomas mais fortes do que outras.

Fonte:  http://www.lung.ca/protect-protegez/tobacco-tabagisme/quitting-cesser/how-comment_e.php

[The Lung Association]

______________________________

 

VERSÃO EM INGLÊS

Smoking & tobacco

Quitting smoking

How to quit smoking

Most people find it hard to quit smoking. Quitting can be hard, but it’s not impossible. Many people like you have quit smoking. You can too. Counseling, medications, and other supports can help you quit.

If you’ve tried quitting smoking before but couldn’t do it, try again. Each time you try, it will get easier. You will be one step closer to quitting for good.

Now is the best time to quit. It’s never too late.

How should I quit smoking?

1. Pick a quit day

Choose a date within the next two weeks to quit. Don’t wait for the “perfect” day – just pick a date and work with it. Put it in your calendar.

If you’d like:

  • List your reasons for quitting – health, family, money.
  • Write down some new hobbies you can do instead of smoking – exercise, knitting, making model airplanes- something to keep your hands and mind busy.
  • Speak with friends, family, and colleagues and ask for support. Tell them about your plan to quit, so it feels more real to you.
  • Start making the changes to push smoking out of your everyday life – stop smoking in the house and in the car. Make your house and car smoke-free, so no one is allowed to smoke inside.
  • Learn about nicotine withdrawal symptoms and how to cope with them.

 

2. Choose two or more proven quit-smoking methods

There are many proven ways to quit smoking. To boost your chances of quitting, choose more than one method. Pick what seems right for you. Each person is different. You’ll know what will work best for you.

Proven quit smoking methods:

 

Going “cold turkey” – quitting spontaneously, on your own – also works well for some people. Some people just decide to quit smoking one day – maybe it’s the day they find out they have a lung disease, or the day their grandchild is born. Maybe there is something else that motivates them. Many people who have quit smoking for good say they quit “cold turkey”. If you think going cold turkey could work for you, try it.

3. On your quit date, butt out completely.

  • Don’t smoke, not even a little.
  • Toss out your cigarettes, other tobacco, and ashtrays.
  • Avoid people and situations where you will be tempted to smoke. If you usually smoke in a certain chair, don’t sit in that chair. If you usually smoke at a nightclub, avoid that nightclub for a while. Change your usual routine, so your new routine doesn’t include smoking.
  • Go for a walk instead of a smoke.
  • Be positive. Believe in yourself and your plan.
  • Remember that nicotine withdrawal symptoms only last a short time. Follow these tips to cope with withdrawal symptoms.
  • Get help from support groups, counselors and your local quitline
  • Take it one day at a time. Remind yourself that once the withdrawal is over, you’ll feel better than you have in years. You deserve to feel better…. You’re almost there!
  • Celebrate your success and give yourself credit! Tell people how long you’ve been quit. It’s a major achievement and you should be proud.
  • If you’d like, tell us how long you’ve quit. We’d love to hear from you and celebrate your success! You can use this form to submit your quit story.

 

Consider exercising more. When you’re quitting smoking, exercise can help. Exercise is a healthy alternative to smoking, it can take your mind off your cravings, it can help your mood and energy level, and it can help keep off extra weight. If you are new to exercising, start slowly. A walk around the block is a good start.

4. If you slip up, don’t give up. Try quitting again.

Quitting smoking gets easier with practice. Every time you try to quit, you boost your chances of quitting for good. Most people who’ve quit smoking forever had to try 5 or 6 times before they could quit for good. This is normal.

Don’t be discouraged if you slip up. You are not a failure. Try to figure out what the barriers were to your quitting. Were the nicotine cravings too strong? Did you go back to smoking when you were stressed? Talk with your counselor, doctor or pharmacist about your experience. Ask yourself how you can do it differently next time. If you think quit smoking medicines will make it easier for you to quit next time, ask your doctor or pharmacist for their recommendation. Then try quitting again. Keep trying.

Unproven methods to quit smoking

Quitting smoking is tough. You are going to spend time, energy, and maybe even money to try to quit. So it’s best to choose quit smoking methods that are proven to work.

We’ve reviewed the medical evidence and put a list of proven quit smoking methods, above. There are also some unproven quit smoking methods that people and companies may try to sell you.

These quit smoking methods have not been proven to work:

  • Acupuncture
  • Acupressure
  • Electrostimulation
  • Laser therapy
  • Hypnosis

It’s best to check with your doctor before spending money on these therapies.

 

[The Lung Association]

__

 

 

Saúde sem reajuste por idade – Justiça considera abusivo o aumento em plano para clientes que completam 60 anos

__

Justiça considera abusivo o aumento em plano para clientes que completam 60 anos

POR PABLO VALLEJOS

Rio –  Reajuste no valor do plano de saúde em função de o segurado ter completado 60 anos de idade configura cobrança indevida e é proibido pelo Estatuto do Idoso. Esse foi o entendimento da Terceira Turma Recursal em Segunda Instância da Justiça Federal do Rio. Em ação movida pela a Anacont (Associação Nacional de Assistência ao Consumidor e ao Trabalhador), o aumento de 150% no valor da mensalidade do plano de um cliente de 62 anos foi cancelado.

A sentença beneficia todos os clientes acima dos 60 que, como ele, são clientes do plano coletivo da Companhia Souza Cruz. Segundo especialistas, recorrer é direito discriminado no estatuto do idoso e não há necessidade de procurar advogado para tanto. É possível, também, tirar proveito da sentença, que está atrelada ao processo: 0225029-46-2012.8.19.0001.

NO ESTATUTO E NO CDC

No ação vitoriosa da Anacont, o cliente que completava 62 anos notou que o preço da mensalidade do plano de saúde havia passado de R$209,67 para R$ 524. Na sentença deste caso, é ressaltado o artigo do Estatuto do Idoso que proíbe o reajuste: “É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde pela cobrança de valores diferenciados em razão da idade”.

 

População de idosos aumentou no Brasil | Foto: Reprodução Internet

Nem sempre o idoso precisa contar somente com o plano de saúde, diz geriatra |

 

A sentença também destaca que o aumento é prática “manifestamente abusiva”, também condenada pelo Código de Defesa do Consumidor. O advogado da Anacont que defendeu  o cliente,  Carlos Henrique Dantas,  detalha: “Com a  decisão, o aumento foi cancelado e o idoso volta a se comprometer com o valor que pagava antes de completar 60 anos”.

A dica do presidente da Anacont, José Roberto Oliveira,  é verificar se houve aumento na mensalidade  quando o  cliente completou  essa idade  e reforçar a atenção nas cobranças. Procurada, a Souza Cruz não se manifestou sobre o caso.

 

Misto de prevenção com tratamento

 

Para a Dra. Silvia Pereira, presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria, casos de reajuste na mensalidade do plano de saúde são abusivos para idosos. “Quando se é jovem,  nem  sempre  os benefícios  do plano são usados.  Quando passa dos 60,  é vital fazer uso desse serviço , misturando o tratamento e a prevenção”, ressalta Silvia.

A prevenção, segundo a geriatra, consiste na busca por uma rotina cercada de exercícios. Ela explica que a expectativa de vida agora é maior e o idoso pensa mais no bem-estar. A Dra. Silvia Pereira orienta: “Praticar o exercício físico é bom, independente de ter um plano de saúde. No entanto, é importante buscar orientação para isso”.

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/economia/sa%C3%BAde-sem-reajuste-por-idade-1.526288

__

Maior acesso a suplementos de vitamina D pode “eliminar casos de raquitismo” – Greater access to vitamin D supplements would ‘cut the cases of rickets’

Vitamins

Vitamins (Photo credit: DBduo Photography)

Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH) considera que a deficiência de vitamina D afeta um quarto das crianças, resultando em altas incidências de diabetes, tuberculose, esclerose múltipla e raquitismo.

According to the Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH), vitamin D deficiency is thought to affect a quarter of children, resulting in higher incidences of diabetes, tuberculosis, multiple sclerosis and rickets.

__

Katy Morton, 14 December 2012, 12:15pm

The Royal College of Paediatrics and Child Health has called for vitamin D supplements to be made more widely available to children.

According to the Royal College of Paediatrics and Child Health (RCPCH), vitamin D deficiency is thought to affect a quarter of children, resulting in higher incidences of diabetes, tuberculosis, multiple sclerosis and rickets.

While the Government’s Healthy Start programme provides vitamins free to low-income families and at risk groups, Professor Mitch Blair, officer for health promotion at the RCPCH, has claimed that the vitamins are in short supply and uptake is low.

In light of this, the RCPCH has today (Friday) launched a campaign calling for high quality vitamin D supplements to be readily available at a low cost, something which is already happening in some countries says Prof Blair.

It follows a recommendation by the chief medical officer for England, Dame Sally Davies, in January that all women who are pregnant or breastfeeding and children aged six months to five-years-old take vitamin D supplements.

The RCPCH’s campaign also recommends an investigation into the pros and cons of further fortification of food with vitamin D, and increasing public awareness by providing clear information for parents and families on the warning signs of vitamin D deficiency and how to prevent it.

Prof Mitch Blair (pictured) said, ‘We know vitamin D deficiency is a growing problem and research reveals startling high levels of vitamin deficiency among certain groups including children.

‘It is only possible to get a fraction (10 per cent) of the recommended daily amount of vitamin D  through  food   and very little from sunlight. So getting out in the sun more or eating more oily fish isn’t going to solve the problem.

‘Lack of vitamin D is related to a plethora of serious illnesses  in children that could be prevented through relatively simple steps such as taking supplements.’

He added, ‘Equally as important is making sure that all healthcare professionals can spot the signs of vitamin D deficiency in children; aches and pains, poor growth, muscle weakness and seizures – and make sure they get appropriately treated.

The first stage of the RCPCH campaign will see a series of leaflets for paediatricians and other healthcare professionals highlighting the signs of vitamin D deficiency, which will be published in the spring.

The Scientific Advisory Committee on Nutrition is currently looking into proposals for further vitamin D fortification of food and drink, which already happens in countries including the United States, Canada and Finland.

Risco de câncer de pele vs importância da vitamina D – Risk of skin cancer vs importance of vitamin D

Para compensar qualquer perda de produção de vitamina D em razão de evitar o Sol e as suas medidas protetoras (filtro solar impede a produção de vitamina D), os suplementos de Vitamina D poderiam ser disponibilizados prontamente e os países poderiam considerar fortalecer alimentos com vitamina D3.

(…) To compensate for any vitamin D production lost due to sun avoidance and protection measures, vitamin D supplements could be made more readily available and countries could consider fortifying food with vitamin D3.(…)

__

Two recent papers in the British Journal of Dermatology made recommendations on how to reduce skin cancer incidence rates in Europe.1,2 While reducing skin cancer incidence rates is a worthwhile health measure, policies aimed doing so should not compromise overall health.

Ultraviolet (UV) irradiance is the primary risk factor for skin cancer. However, solar UVB is also the most important source of vitamin D for most people, and vitamin D has many health benefits. Thus, measures aimed at reducing skin cancer incidence should be designed in a manner not to reduce vitamin D production from solar UVB irradiance or recommend vitamin D supplements to compensate for reduced vitamin D production from solar UVB.

Skin pigmentation changes throughout the world in response to solar UV doses, striking a balance between protection against folate destruction and the effects of free radical formation on one hand and vitamin D production on the other hand.3 Most Europeans have skin pigmentation well suited to their location due to the long history of civilization in Europe and the relative immobility compared to, say, the United States. Thus, Europeans should not be at high risk for skin cancer.

There is reasonable evidence that skin cancer is associated with better overall health outcomes, likely through higher serum 25-hydroxyvitamin D [25(OH)D] concentrations. A study in Denmark found a 10-year mortality rate ratio = 0.91 (95% CI: 0.89-0.92) for those who developed basal cell carcinoma (BCC), but an increased mortality rate ratio for those who developed squamous cell carcinoma (SCC).4 Smoking is an important risk factor for SCC but only weakly for BCC,5 as well as many adverse health outcomes, which likely explains the different findings.

An ecological study of internal cancer mortality rates with respect to nonmelanoma skin cancer mortality rate in Spain found inverse correlations for mortality rates for 15 types of cancer.6

A study of cancer incidence rates related to 54 categories of occupation using lip cancer standardized incidence ratios (SIRs) less lung cancer SIRs for men as the index of solar UVB dose found this index significantly inversely correlated with 14 types of internal cancer for men and three types of internal cancers for women.5 The evidence that solar UVB reduces the risk of many types of cancer is reviewed in a recent paper.7

There are many types of disease for which vitamin D is protective in addition to many types of cancer. Such diseases include Alzheimer’s disease, cardiovascular disease, diabetes mellitus, and respiratory infections.8,9 Based on calculations of disease outcomes with respect to serum 25(OH)D concentrations, it was estimated that mortality rates in Europe could be reduced by 15-17% and life expectancy increased by 2 years if population mean 25(OH)D concentrations were increased from 54 nmol/l to 110 nmol/l.8 Similar estimates were found for the United States.9  A conference of vitamin D experts meeting in Paris in 2009 recommended serum 25(OH)D concentrations above 75-100 nmol/l.10

Looking at Tables 3-5 in Ref. 1, it appears that outdoor hobbies contribute the most risk for BCC, SCC, and melanoma, followed by outdoor work for BCC and SCC, with sunburns and sunbed use contributing much less risk. However, as found for Nordic countries, outdoor work was very protective against many types of internal cancers for males. As for outdoor hobbies, the best advice would likely be to avoid sunburning, as outdoor hobbies are an important source of vitamin D.

To compensate for any vitamin D production lost due to sun avoidance and protection measures, vitamin D supplements could be made more readily available and countries could consider fortifying food with vitamin D3.

References

1. de Vries E, Arnold M, Altsitsiadis E, et al. Potential impact of interventions resulting in reduced exposure to ultraviolet (UV) radiation (UVA and UVB) on skin cancer incidence in four European countries, 2010-2050. Br J Dermatol. 2012; 167 Suppl 2:53–62.

2. Diepgen TL, Fartasch M, Drexler H, Schmitt J. Occupational skin cancer induced by ultraviolet radiation and its prevention. Br J Dermatol. 2012; 167 Suppl 2:76–84.

3. Jablonski NG, Chaplin G. Colloquium paper: human skin pigmentation as an adaptation to UV radiation. Proc Natl Acad Sci U S A. 2010; 107 Suppl 2:8962–8.

4. Jensen AØ, Lamberg AL, Jacobsen JB, et al. Non-melanoma skin cancer and ten-year all-cause mortality: a population-based cohort study. Acta Derm Venereol. 2010; 90:362–7.

5. Grant WB. Role of solar UV irradiance and smoking in cancer as inferred from cancer incidence rates by occupation in Nordic countries. Dermatoendocrinol. 2012; 4:203–11.

6. Grant WB. An ecologic study of cancer mortality rates in Spain with respect to indices of solar UV irradiance and smoking. Int J Cancer. 2007; 120:1123–7.

7. Grant WB. Role of solar ultraviolet-B irradiance in reducing cancer risk. Anticancer Agents Med Chem. 2012 Oct 12. [Epub ahead of print]

8. Grant WB. An estimate of the global reduction in mortality rates through doubling vitamin D levels. Eur J Clin Nutr. 2011; 65:1016–26.

9. Grant WB. In defense of the sun: An estimate of changes in mortality rates in the United States if mean serum 25-hydroxyvitamin D levels were raised to 45 ng/mL by solar ultraviolet-B irradiance. Dermatoendocrinol. 2009; 1:207–14.

10. Souberbielle JC, Body JJ, Lappe JM, et al. Vitamin D and musculoskeletal health, cardiovascular disease, autoimmunity and cancer: Recommendations for clinical practice. Autoimmun Rev. 2010; 9:709-15

Fonte: http://blog.vitamindcouncil.org/2012/12/18/risk-of-skin-cancer-vs-importance-of-vitamin-d/

Níveis de Vitamina D e traumatismo encefálico – Vitamin D levels and traumatic brain injury

__

by Brant Cebulla

A new randomized controlled trial from Iran suggests that vitaminD  could  play  an important role in the treatment of traumatic brain injury.

The study, led by Professor Bahram Aminmansour and colleagues from Isfahan University of Medical Sciences, investigated whether vitamin D in conjunction with progesterone could improve recovery rates in patients with traumatic brain injury.

Currently, physicians have few drugs that are effectively neuro-protective after a traumatic brain injury. Progesterone has been identified as safe and effective, protecting the blood-brain barrier, and helping prevent cerebral edema, excessive inflammatory response, and necrosis.  It  also helps stimulate myelin formation, reduces free radicals, and helps prevent neuronal loss.

Recent studies have suggested that vitamin D deficiency  may  worsen  traumatic brain injury and reduce the effects of current treatment. Like progesterone, activated vitamin D is a neurosteroid and has proven to be effective aiding recovery in animal models, perhaps by mechanisms similar to progesterone, which is also a steroid hormone.

The researchers enrolled patients admitted for traumatic brain injury, treating them in less than 8 hours of admission. They randomized 60 patients into three groups, with 20 patients in each of the following groups:

  1. Progesterone. These patients were injected with one mg/kg of progesterone intramuscularly every 12 hours for 5 days.
  2. Progesterone and vitamin D. These patients were injected with one mg/kg of progesterone intramuscularly every 12 hours for 5 days and also 200 IU/kg of vitamin D once-a-day for 5 days. For a 150 lb person, this would be 13,600 IU of vitamin D/day for five days.
  3. Placebo. These 20 patients were injected intramuscularly with placebo.

The researchers used the Glasgow Coma Scale to assess patients, which is a 15 point scale that monitors severity of coma via eye, verbal and motor responses; the higher the score, the better the consciousness. Prior to treatment, the three group had equivalent scores of around six.

Three months after intervention, patients in the progesterone + vitamin D group had the highest mean scale rating at 11.27, followed by progesterone alone at 10.25 and then placebo at 9.16 (p=.001).

Furthermore, after 3 months, 35% of patients in the progesterone + vitamin D group made “Good Recovery,” as assessed by the Glasgow Outcome Scale, while only 25% met this assessment in the progesterone group and only 15% in the placebo group (p=.03). Ten-percent died in the progesterone + vitamin D group, compared to 20% in the progesterone group and 40% in the placebo group (p=.03).

The authors note that the progesterone + vitamin D group showed the most favorable results likely because of a variety of complimentary mechanisms, including vitamin D’s beneficial role in the immune system, its anti-inflammatory action and reduction of TH1 cytokines. Furthermore, vitamin D prevents intracellular hypercalcemia (not promotes).

The researchers conclude:

“The use of combined progesterone and vitamin D is reasonable in that vitamin D in combination with progesterone improves repair mechanisms of the central nervous system considering their common pathways, and also compensates other mechanisms, which are not performed by progesterone. This reduces the . . . probable failure of a single treatment.”

Source:

Aminmansour B et al. Comparison of the administration of progesterone versus progesterone and vitamin D in improvement of outcomes in patients with traumatic brain injury: A randomized clinical trial with placebo group. Adv Biomed Res, 2012

 

Mulheres fumantes perdem 14,5 anos de vida – The American College of Obstetricians and Gynecologists

__

[Whashington Post]

(The American College of Obstetricians and Gynecologists) Os males do cigarro tiram uma média de 14,5 anos de vida da mulher fumante. Os efeitos do dano do fumo são extensos, bem documentados e podem ser observados desde o berço até a morte prematura.

mulher-fumando-grande

 

Sabemos que fumar emburrece e segundo médica estadunidense Dra. Sharon Phelan “fumar é um hábito danoso que afeta negativamente quase todos os órgãos do corpo. Simplesmente não há uma boa razão para não parar” de fumar.

Lista dos riscos de fumar:

  • É a causa principal de câncer de pulmão e a principal causa de morte por câncer em mulheres. Desde os anos 1950 as mortes por câncer aumentaram mais de 600% nos EUA.
  • Fumar aumenta significativamente o risco de muitos outros tipos de de câncer em mulheres incluindo câncer de mama, câncer oral, câncer de faringe, laringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, útero e cervical.
  • Mulheres que fumam tem o dobro de chance de desenvolverem doença coronária e 10 vezes mais riscos de morrer de doença pulmonar obstrutiva crônica do que não fumantes.
  • Fumar aumenta o risco de efisema, bronquite, osteoporose, artrite, catarata, baixa densidade óssea após menopausa e fratura nos quadris.
  • O cigarro pode também levar a menopausa prematura, doença nas gengivas, perda de dentes e envelhecimento prematuro da pele.
  • Mulheres fumantes em idade reprodutiva podem ter mais dificuldades em engravidar, ter partos prematuros, bebês com peso muito baixo, bebês com baixa função pulmonar, bronquite ou asma.
  • Mulheres com mais de 35 anos que fumam e tomam anticoncepcionais tem risco de desenvolver coágulos sanguíneo fatais.

 

“Grávidas não devem fumar em hipótese nenhuma e o cigarro não deve ser permitido em casa depois que o bebê nasce”, disse Sharon. “Infelizmente nós sabemos que bebês e crianças são muito mais expostas à fumaça de cigarro do que adultos e que os pais, guardiães ou outros membros da casa fumam sempre perto delas.”

Mesmo assim quase 60% das crianças entre 3 e 11 anos são expostas à fumaça de cigarro, o que as coloca em risco acentuado de desenvolver uma grande quantidade de problemas de saúde.

__

Women Smokers Lose 14.5 Years Off Life Span

 

(HealthDay News) — During Lung Cancer Awareness Month in November, female smokers should take advantage of available resources, pick a quit day, and start taking steps toward kicking the habit, urges The American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG).

Even though smoking takes an average of 14.5 years off women’s lives, almost one in five American women age 18 and older smokes.

“The damaging effects of smoking on women are extensive, well-documented, and can be observed from the cradle to the premature grave,” Dr. Sharon Phelan said in an organization news release. She helped develop ACOG’s smoking cessation materials for health care providers.

“Smoking is a harmful habit that negatively affects nearly every organ in the body. There’s just no good reason not to quit,” she said.

Here’s a list of the dangers:

Smoking is the main cause of lung cancer, the leading cause of cancer death in women. Since 1950, lung cancer deaths among women have increased more than 600 percent, according to ACOG.Smoking also significantly increases the risk of many other cancers in women, including breast, oral, pharynx, larynx, esophageal, pancreatic, kidney, bladder, uterine, and cervical cancers.Women who smoke are twice as likely to develop coronary heart disease and 10 times more likely to die from chronic obstructive pulmonary disease (COPD) than nonsmokers.Smoking increases the risk of emphysema, bronchitis, osteoporosis, rheumatoid arthritis, cataracts, lower bone density after menopause, and hip fracture. It can also contribute to early menopause, gum disease, tooth loss, and premature skin aging.Reproductive-age women who smoke may have trouble conceiving, and pregnant women who smoke are at high risk of delivering preterm or low birth weight infants or having babies with poor lung function, bronchitis or asthma.Women over age 35 who smoke and take birth control pills are at risk for developing deadly blood clots.

“Pregnant women should absolutely not smoke, and smoking should not be allowed in the home after a baby is born,” Phelan said. “Unfortunately, we know that infants and young children are more heavily exposed to secondhand smoke than adults, and parents, guardians, or other members of the household often smoke around them.”

Almost 60 percent of children ages 3 to 11 are exposed to secondhand smoke, which puts them at increased risk for a wide range of health problems.

More information

The American Cancer Society has more about women and smoking.

SOURCE: The American College of Obstetricians and Gynecologists, news release, Nov. 3, 2008


Quase um terço dos brinquedos contem metais tóxicos

__

KIEV, Ucrânia – Durante a temporada de férias, os pais devem ser mais cuidadosos ao escolherem brinquedos para seus filhos, segundo uma investigação recente.

Há suas semanas, um projeto de pesquisa conjunto anunciou resultados que mostram que 29% dos brinquedos testados continham elementos tóxicos.

1349438674brinquedos

 

A pesquisa foi realizada por organizações ecológicas em seis países da Europa oriental e da Ásia, incluindo Ucrânia, Rússia, Bielorrússia, Armênia, Cazaquistão e Quirguistão. Os objetos de teste de brinquedos disponíveis nesses países foram selecionados aleatoriamente . A maioria dos brinquedos  são  originários da China.

Um total de 569 brinquedos foi testado para seis metais pesados: antimônio, mercúrio, arsênio, cádmio, chumbo e cromo. Os pesquisadores descobriram metais tóxicos em 164 brinquedos ou 29%.

Os resultados mostraram que chumbo era a toxina mais comum, descoberto em 18% dos brinquedos testados. 13% dos brinquedos continha antimônio, enquanto 8% continha arsênio e 3% continha mercúrio.

Cerca de 80% dos brinquedos selecionados era originário da China. Os outros 20% que continham elementos tóxicos eram fabricados na Alemanha, Itália, Grécia e República Checa.

“Os resultados nos permitiram concluir que apenas 71% dos brinquedos são limpos”, disse a ecologista Olga Tsygulyova, que participou da pesquisa, ao Epoch Times.

Tsygulyova diz que os brinquedos tóxicos são prejudiciais não só quando as crianças os colocam na boca ou engolem, mas também quando os tocam, já que as superfícies dos brinquedos podem conter partículas tóxicas.

Os pais devem estar atentos ao escolherem brinquedos e evitar comprar produtos com cores muito brilhantes ou odores fortes, aconselha Tsygulyova.

Tsygulyova também aponta que brinquedos inseguros são prejudiciais não só para a saúde das crianças, mas também para o ambiente quando são jogados fora como lixo. Neste caso, os brinquedos podem causar danos ao meio ambiente, liberando metais tóxicos que, gradualmente, penetram no solo e na água subterrânea. Este problema é especialmente grave em países sem sistemas desenvolvidos de triagem e reciclagem de lixo, como a Ucrânia.

Ecologistas aconselham aos pais que verifiquem se os brinquedos têm marcas de qualidade antes de comprarem. Marcas que incluam o ISO 9000 do sistema de garantia da qualidade, o ISO 14000 do sistema de gestão ambiental ou a marcação ‘CE’ para os produtos feitos na União Europeia (UE). Outras marcas de garantia de qualidade podem variar de país para país.

Os pais também podem pedir a varejistas que mostrem os documentos que acompanham os brinquedos, como os certificados de qualidade. Na legislação de muitos países, os consumidores têm o direito de solicitar informações sobre os produtos.

Os varejistas também são obrigados a dar certas garantias de qualidade. Oleksiy Shumilo, diretor da organização ecológica ucraniana EcoRight-Kharkiv, diz que os consumidores contribuem para a fabricação de produtos pobres quando compram brinquedos em locais não regulamentados.

“Por exemplo, quando saímos de uma estação de metrô e vemos alguém vendendo brinquedos e não temos tempo para ir a uma loja… Se compramos em tais lugares, sem verificar, então estamos sendo irresponsáveis com nossos filhos”, disse ele.

No entanto, de acordo com Zoryana Mischuk, diretor da organização ecológica ucraniana MAMA-86, brinquedos de baixa qualidade foram encontrados até mesmo em lojas credenciadas.

“Vocês podem encontrar brinquedos inseguros em grandes redes comerciais também. Tenham cuidado”, alertou Mishchuk.

Epoch Times publica em 35 países em 20 idiomas.

Fonte: http://www.epochtimes.com.br/quase-um-terco-dos-brinquedos-contem-metais-toxicos-diz-relatorio/

__

Petição para investigar colheita forçada de órgãos na China ganha suporte mundial

 

ch_peticao.investigar.colheita.mundial

“Isso envia a mensagem de que as pessoas acham a prática de matar por órgãos repugnante, que não querem que isso continue, que acreditam que a China pode fazer melhor e que acham que as promessas de mudança deve ser cumprida.”

No Brasil, a mensagem não chega: existem duas diferentes declarações de morte encefálica para fins de retirada de órgãos: uma prevista na Resolução CFM 1.480/97, que causa a morte de 2/3 dos traumatizados encefálicos severos, outra praticada em hospitais de elite, onde o protocolo não é seguido, e o texte da apnéia é feito DEPOIS dos exames confirmatórios. Este fato foi publicado pela Folha de São Paulo, em 04 de outubro de 2003, e faz toda a diferença em escolher quem vive e quem morre para colheita de órgãos.  O Ministério Público Federal sabe oficialmente disto e assume a posição de que se trata de “Políticas de Estado”.

Celso Galli Coimbra
OABRS 11352
cgcoimbra@gmail.com
Médicos condenados por tráfico de órgãos em Taubaté - SP

Médicos condenados por tráfico de órgãos em Taubaté – SP

__

Em todo o mundo, defensores dos direitos humanos pediram a governos para investigarem e condenarem a colheita forçada de órgãos de prisioneiros da consciência na China.

Mais de 160 mil pessoas apoiaram o pedido de investigação às Nações Unidas. As assinaturas vieram de 36 países, principalmente da Europa, Austrália, Índia e Israel e foram entregues ao Comitê sobre Direitos Humanos da ONU em Genebra em 18 de dezembro.

As assinaturas foram recolhidas entre 6 de outubro e 22 de novembro de uma ampla gama de pessoas, incluindo parlamentares, políticos e prefeitos nacionais.

Nos Estados Unidos, mais de 21 mil pessoas já assinaram seu apoio desde 2 de dezembro, pedindo ao presidente Barack Obama que tome uma posição contra a colheita forçada de órgãos. A petição, no website da Casa Branca chamado “Nós, o Povo”, precisa alcançar 25 mil assinaturas até 31 de dezembro para exigir uma resposta pública da Administração Obama.

A petição da ONU foi iniciada pelos ‘Médicos contra a Colheita Forçada de Órgãos’ (DAFOH). Ela foi entregue por David Matas, um advogado internacional de direitos humanos e coautor de dois livros sobre a extração de órgãos na China.

Os muitos milhares de folhas de papel A4 branco cheias de assinaturas, amarradas em feixes organizados e claramente identificados com os nomes dos países em letras destacadas, foram despachados para o edifício da ONU em Genebra num veículo azul.

Azul e amarelo são as cores associadas à prática espiritual de meditação do Falun Gong, que é conhecido por ter o maior número de prisioneiros da consciência na China.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, inicialmente recebeu prêmios e elogios do Partido Comunista Chinês (PCC), quando foi apresentado ao público em 1992. Ele foi proibido em 1999 pelo então líder chinês Jiang Zemin, devido a seu grande desgosto pelo movimento que tinha se tornado maior do que o PCC.

David Matas e o ex-secretário de Estado canadense David Kilgour, coautores do livro ‘Colheita Sangrenta: A colheita de órgãos de praticantes do Falun Gong na China’, foram nomeados para um Prêmio Nobel da Paz em 2010. Eles forneceram evidências de que instituições estatais chinesas são cúmplices no assassinato de prisioneiros do Falun Gong por seus órgãos.

“Nenhum estudo independente contradisse nosso resultado”, disse Matas em seu discurso para um painel sobre o tráfico de órgãos na China, no Hotel Metrópole em Genebra, Suíça, no dia anterior à entrega da petição às Nações Unidas. “A única discordância que vemos é a propaganda do Partido Comunista Chinês.”

Matas também coeditou a obra ‘Órgãos do Estado: O abuso do transplante na China’ com o Dr. Torsen Trey.

O Dr. Arthur Caplan, diretor da Divisão de Bioética do Centro Médico Langone da Universidade de Nova York, foi um dos três autores da petição norte-americana. Numa entrevista ao Epoch Times em 5 de dezembro, Caplan pediu às pessoas para assinarem, “Eu insisto que assinem. Peço intensamente que enviem para seus amigos e organizações envolvidas, que a circulem amplamente. É uma petição importante, porque pode fazer a diferença.”

“Isso envia a mensagem de que as pessoas acham a prática de matar por órgãos repugnante, que não querem que isso continue, que acreditam que a China pode fazer melhor e que acham que as promessas de mudança deve ser cumprida.”

Epoch Times publica em 35 países em 20 idiomas.

Fonte: http://www.epochtimes.com.br/peticao-para-investigar-colheita-forcada-de-orgaos-na-china-ganha-suporte-mundial/

 

A vitamina D é o novo fenômeno dos estudos científicos

 Cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra sequenciaram o código genético humano para averiguar quais regiões do DNA apresentavam receptores para a vitamina. Receptores são uma espécie de fechadura química só aberta por chaves compatíveis – nesse caso, a vitamina D -, para liberar o acesso e a ação do composto à estrutura a qual pertencem.

O time de Oxford descobriu nada menos do que 2.776 pontos de ligação com receptores de vitamina D ao longo do genoma. “A carência afeta mais de 200 processos no organismo, ou seja, a sua falta prejudica desde o humor até a pressão arterial e o risco de infarto

universidade-oxford

__

A vitamina D é o novo fenômeno dos estudos científicos, que comprovam sua eficácia desde o combate à pressão arterial e controle de peso ao afastamento dos riscos de tumores.

Um dos achados mais reveladores surgiu de um trabalho de cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, que recebeu destaque no Brasil ao ser capa da Revista Istoé, de circulação nacional.

Eles sequenciaram o código genético humano para averiguar quais regiões do DNA apresentavam receptores para a vitamina. Receptores são uma espécie de fechadura química só aberta por chaves compatíveis – nesse caso, a vitamina D -, para liberar o acesso e a ação do composto à estrutura a qual pertencem.
O time de Oxford descobriu nada menos do que 2.776 pontos de ligação com receptores de vitamina D ao longo do genoma. “A carência afeta mais de 200 processos no organismo, ou seja, a sua falta prejudica desde o humor até a pressão arterial e o risco de infarto”, alertou o Dr. Ícaro Alves Alcântara, médico especialista em Homeopatia.

A vitamina – que na verdade é um hormônio – pode ser encontrada no leite, no salmão, sardinha, óleo de fígado de peixe, cogumelo, ovos e alguns cereais que são fortificados com essa vitamina.

Entretanto, uma maneira boa de manter níveis adequados do hormônio é tomar sol de 10 a 15 minutos – nos bons horários  -, duas vezes ao dia, pois a luz solar é uma das principais fontes de absorção do nutriente. O responsável por esse estímulo é ninguém menos do que o raio UVB.

Em outras palavras, apesar de perigoso em doses exageradas, o UVB é, sim, necessário à saúde. “Estima-se que a Vitamina D esteja faltando em mais de 70% da população mundial; e no inverno – com a diminuição dos raios UVB – esta carência atinge níveis ainda piores”, contou o especialista.

O sistema imunológico é outro beneficiado. “A quantidade certa da vitamina permite que o corpo se defenda melhor, por exemplo, das gripes e resfriados de repetição”, contou Rogy Tokarski, farmacêutica da Naiak – Alimentos Funcionais.

O óleo de fígado de peixe – riquíssimo em vitamina D -, produzido pela Naiak, é um dos produtos mais procurados da linha de alimentos funcionais da marca.

A substância tem sido vista como uma esperança também para pacientes de esclerose múltipla, enfermidade autoimune que acomete células nervosas e leva à perda gradual dos movimentos.

Já se sabe que o seu avanço é mais rápido em quem convive com níveis baixos da substância, conforme documentou um estudo da Universidade de Maastricht, na Holanda, a partir do acompanhamento de 267 pessoas com a doença.

Outra pesquisa realizada pelo Centro Médico da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, sugere que a falta de Vitamina D no organismo pode prejudicar o tratamento de pacientes com Câncer de Mama.

O estudo aconteceu com aproximadamente 200 mulheres que estavam sendo submetidas à quimioterapia. Depois de alguns exames, os cientistas descobriram que 70% das voluntárias, cujos resultados do tratamento se apresentavam comprometidos, tinham baixo índice da vitamina no sangue.

Fonte: http://www.salutre.com.br/noticia/234/site/2012/12/26/a-vitamina-d-e-o-novo-fenomeno-dos-estudos-cientificos.html

__

Indústria farmacêutica pode enganar pacientes, vendendo remédios que não funcionam

“(…) Existem 23 laboratórios oficiais no Brasil, que são ligados à Anvisa e fornecem medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS). As centenas de laboratórios privados, no entanto, estão sob observação menor: o único controle realmente rigoroso por parte da Vigilância Sanitária acontece no momento de permitir que a empresa abra.

Uma vez operantes, os produtores detém o controle sobre os testes. Em outras palavras: quem aprova um remédio para uso da população é a Anvisa, mas são os próprios laboratórios que atestam a qualidade do medicamento que eles mesmos fabricaram. Em geral, eles mesmos fazem os testes e publicam os resultados. Com este aval, o produto já pode ser comercializado. (…)

a0158-000112

__

Quando a gente vai ao médico, imaginamos que ele conheça exatamente todos os remédios para cada moléstia que pode acometer um ser humano. Não é verdade. A cada ano, são testados e lançados uma infinidade de novos medicamentos, e nem sempre os doutores estão a par das novidades. Às vezes, eles precisam acreditar na indústria farmacêutica. Mas será que ela é digna de confiança?

Já houve quem investigasse o problema no caminho que um remédio faz entre o laboratório e a farmácia. A realidade parece perigosa: em busca de proteger os próprios interesses econômicos, os laboratórios farmacêuticos nem sempre liberam os remédios ao mercado com a garantia de que farão bem aos pacientes.

Como um remédio chega à prateleira da farmácia?

O Brasil é um exemplo claro de como esse sistema não é infalível. A entidade que libera remédios para uso comercial no país é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), um órgão ligado ao Ministério da Saúde. Além dos medicamentos, no entanto, eles também precisam se preocupar em regular a produção de agrotóxicos, cosméticos, alimentos e vários outros produtos.

Existem 23 laboratórios oficiais no Brasil, que são ligados à Anvisa e fornecem medicamentos para o Sistema Único de Saúde (SUS). As centenas de laboratórios privados, no entanto, estão sob observação menor: o único controle realmente rigoroso por parte da Vigilância Sanitária acontece no momento de permitir que a empresa abra.

Uma vez operantes, os produtores detém o controle sobre os testes. Em outras palavras: quem aprova um remédio para uso da população é a Anvisa, mas são os próprios laboratórios que atestam a qualidade do medicamento que eles mesmos fabricaram. Em geral, eles mesmos fazem os testes e publicam os resultados. Com este aval, o produto já pode ser comercializado.

Uma prática perigosa

Na Grã-Bretanha, país onde o sistema de aprovação de remédios é muito parecido com o nosso (com a diferença que a MHRA, entidade responsável, cuida apenas de medicamentos e nada mais), a medicina nem sempre conversa muito bem com a farmácia.

Um médico inglês, Benjamin Goldcare, se viu confuso quando surgiu no mercado um novo antidepressivo chamado reboxetina (no Brasil, mais conhecido pelo nome comercial Edronax). Para avaliar se era seguro receitar tal remédio a seus pacientes, ele pesquisou estudos acadêmicos e resultados de testes. Encontrou apenas resultados favoráveis e nem uma só linha falando mal do remédio.

Depois de algum tempo, o médico britânico reparou que a reboxetina simplesmente fazia menos efeito do que um placebo nos pacientes que ele tratava. Além de não tratar dos sintomas da depressão, ela apresentava alguns efeitos colaterais graves, tais como aumento do risco de ataque cardíaco, que não foram mencionados em nenhum momento pelos resultados dos farmacêuticos.

O dr. Goldcare conta que teve acesso a todos os testes acadêmicos e laboratoriais feitos com a reboxetina. Inclusive com os que não chegaram a ser publicados. Fazendo as comparações, ele descobriu que os testes com resultados negativos, ou pelo menos “alarmantes”, são quase sempre escondidos. Os laboratórios só revelam os testes que lhes interessa.

A pior parte da realidade, no entanto, é que os laboratórios não estão agindo na ilegalidade. O sistema de teste e aprovação dos remédios coloca controle excessivo nas mãos dos fabricantes, de forma que eles quase sempre podem definir qual o veredicto sobre qualquer medicamento em fase de experimentos.

Esse mecanismo coloca uma série de medicamentos no mínimo ineficazes no mercado. Além de não surtirem o efeito esperado, podem ocasionar novos problemas no organismo. Se a questão se resumisse aos lucros dos laboratórios, não seria tão preocupante. Mas o médico Goldcare teme um futuro trágico para a saúde das pessoas se não houver mudanças neste panorama. [The Guardian/Anvisa/UFRJ]

fonte: http://hypescience.com/industria-farmaceutica-pode-enganar-pacientes-vendendo-remedios-que-nao-funcionam/

Diversos depoimentos médicos – Vitamin D prevents breast cancer

__

(NaturalNews) You’ve heard the good news about vitamin D for years: It’s a “miracle” medicine that reduces cancer rates by 77% according to previous research

breast_cancer_survivor_pree1

(http://www.naturalnews.com/021892_cancer_Vitamin_D_cancer_industry.ht…). It also happens to be a powerful anti-cancer medicine that can both prevent and help reverse breast cancer.

Yet, bewilderingly, the cancer industry still refuses to teach women about vitamin D. Ever wonder why?

Today, we bring you a compilation of expert quotations on vitamin D and breast cancer, cited from some of the most authoritative books and authors in the world. Feel free to share what you learn here with others who may also be suffering from breast cancer.

Vitamin D and breast cancer

Sunlight triggers the formation of vitamin D in the skin, which can be activated in the liver and kidneys into a hormone with great activity. This activated form of vitamin D causes “cellular differentiation” – essentially the opposite of cancer. The following evidence indicates that vitamin D might have a protective role against breast cancer: Synthetic vitamin D-like molecules have prevented the equivalent of breast cancer in animals.
– The Natural Pharmacy: Complete A-Z Reference to Natural Treatments for Common Health Conditions by Alan R. Gaby, M.D., Jonathan V. Wright, M.D., Forrest Batz, Pharm.D. Rick Chester, RPh., N.D., DipLAc. George Constantine, R.Ph., Ph.D. Linnea D. Thompson, Pharm.D., N.D.

Two equally effective sources of vitamin D in humans are derived from plant ergosterol, which is converted to ergocalciferol (vitamin D2) and cholecalciferol (vitamin D3) by the action of sunlight on the skin. The body uses vitamin D3 for normal immune system function, to control cellular growth, and to absorb calcium from the digestive tract. Vitamin D3 can inhibit the growth of malignant melanoma, breast cancer, leukemia, and mammary tumors in laboratory animals. Vitamin D3 can also inhibit angiogenesis, the growth of new blood vessels that permit the spread of cancer cells through the body.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

There’s surprising new evidence that older women who skimp on foods rich in vitamin D are more likely to develop breast cancer, according to Frank Garland, Ph.D., of the Department of Community and Family Medicine at the University of California at San Diego. This may also help explain fish’s anticancer protection, because fatty fish is packed with vitamin D. Specifically, Dr. Garland finds that dietary vitamin D wards off postmenopausal breast cancer in women over fifty, but not in women who get cancer at younger ages.
– Food Your Miracle Medicine by Jean Carper

In animals fed a high fat diet, which normally would produce a higher incidence of colon cancer, supplements of calcium and vitamin D blocked this carcinogenic effect of the diet. Vitamin D inhibits the growth of breast cancer in culture, and also seems to subdue human breast cancer. Cells from human prostate cancer were put into a “…permanent nonproliferative state”, or shut down the cancer process, by the addition of vitamin D. Human cancer cells have been shown to have receptor sites, or stereo specific “parking spaces” for vitamin D.
– Beating Cancer with Nutrition by Patrick Quillin

Even though vitamin D is one of the most powerful healing chemicals in your body, your body makes it absolutely free. No prescription required. Diseases and conditions caused by vitamin D deficiency: Osteoporosis is commonly caused by a lack of vitamin D, which impairs calcium absorption. Sufficient vitamin D prevents prostate cancer, breast cancer, ovarian cancer, depression, colon cancer, and schizophrenia. “Rickets” is the name of a bone-wasting disease caused by vitamin D deficiency.
– Natural Health Solutions by Mike Adams

George’s Hospital Medical School in London finds local production of vitamin D in breast tissue reduces the risk for breast cancer. For women with low breast tissue levels of vitamin D the risk for breast cancer rose by 354%! This study suggests women sunbathe with breast tissue exposed to the sun to enhance local vitamin D production. The provision of 400 IU of vitamin D per day has been found to reduce the risk of pancreatic cancer by 43%.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

Taken together, these facts suggest that vitamin D and its derivatives may play a role in regulating the expression of genes and protein products that prevent and inhibit breast cancer. The cancer-stopping power of vitamin D has been documented in osteosarcoma (bone cancer), melanoma, colon cancer, and breast cancer. These cancer cells contain vitamin-D receptors that make them susceptible to the anticancer effects of this vitamin-hormone made by the skin when it is exposed to sunlight. Vitamin D-rich foods include salmon, tuna, fish oils, and vitamin D-fortified milk and breakfast cereals.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

Low levels of vitamin D may also increase the proliferation of white blood cells and may accelerate the arthritic process in rheumatoid arthritis. Vitamin D supplements are likely to be useful in retarding these adverse effects of alterations in metabolism. Low levels of vitamin D have been linked to several cancers including those of the colon, prostate and breast. Laboratory experiments show that vitamin D can inhibit the growth of human prostate cancer and breast cancer cells. Lung cancer and pancreatic cancer cells may also be susceptible to the effects of vitamin D.
– The New Encyclopedia of Vitamins, Minerals, Supplements and Herbs by Nicola Reavley

Laboratory experiments show that vitamin D can inhibit the growth of human prostate cancer and breast cancer cells. Lung cancer and pancreatic cancer cells may also be susceptible to the effects of vitamin D. Sunlight also seems to be protective against several types of cancer including ovarian, breast and prostate cancers; and this effect may be mediated by vitamin D levels. Synthetic vitamin D-type compounds are being investigated for their potential as anticancer drugs.
– The New Encyclopedia of Vitamins, Minerals, Supplements and Herbs by Nicola Reavley

If mutations aren’t corrected or if a cell has already undergone malignant transformation, activated vitamin D can team up with other proteins to stimulate programmed death of abnormal cells. This evidence, along with animal studies, suggest that a girl who lacks adequate vitamin D during puberty years will have abnormal breast development. This, in turn, may increase a woman’s susceptibility to risk factors such as alcohol for breast cancer development. In other words, the window of greatest opportunity for vitamin D to reduce breast cancer risk may be during childhood and puberty.
– The Vitamin D Cure by James Dowd and Diane Stafford

A key development for vitamin D was the appearance of increasing evidence that experts had detected a strong relationship between vitamin D and breast cancer risk. The important Nurses Health Study found a 30 percent lower risk of breast cancer in pre-menopausal women when comparing the highest to the lowest intakes of vitamin D, calcium, and low-fat dairy, especially skim milk.
– The Vitamin D Cure by James Dowd and Diane Stafford

Out of every 100 women who might get breast cancer, 50 of them can avoid breast cancer by simply getting adequate levels of vitamin D in their body, and that’s available free of charge through sensible exposure to natural sunlight, which produces vitamin D. This vitamin, all by itself, reduces relative cancer risk by 50 percent, which is better than any prescription drug that has ever been invented by any drug company in the world. Combine that with green tea, and your prevention of breast cancer gets even stronger.
 Natural Health Solutions by Mike Adams

There’s so much more to vitamin D than enhancing calcium absorption; its anticancer benefit is just one other possibility. Most of 63 recently reviewed studies found a protective effect between vitamin D status and cancer risk. A study presented at the 2006 American Association for Cancer Research meeting suggested that an increase in vitamin D lowered the risk of developing breast cancer by up to 50 percent. How might vitamin D help?
– Food Synergy: Unleash Hundreds of Powerful Healing Food Combinations to Fight Disease and Live Well by Elaine Magee

Place sunshine or vitamin D pills on your list of preventive or therapeutic measures. A daily intake of 2,600 units of vitamin D (65 mcg) is recommended to attain blood concentrations that will optimally protect against disease. There is no way the diet can provide this much vitamin D. Sun-starved females are at great risk for breast cancer, particularly women living in northern latitudes where wintertime sun exposure produces little vitamin D because of a decline in UV radiation in solar light.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

Sunlight produces vitamin D in humans. A deficiency of vitamin D is linked with breast cancer. Was the increase in male breast cancer caused by magnetic fields or by lack of vitamin D? These are the types of questions that make it difficult to ascertain if there is a link between EMF exposure and cancer. To make matters worse, a cell biologist doing work on EMFs for the Department of Energy, faked data linking cancer to electromagnetic fields in order to gain $3.3 million worth of grants for scientific research.
– You Don’t Have to be Afraid of Cancer Anymore by Bill Sardi

The dosage of vitamin D required to inhibit the growth of prostate cancer may be much higher than the recommended daily allowance (RDA) of 400 international units per day. Since vitamin D can be toxic in doses that greatly exceed this value, researchers have developed synthetic analogues of vitamin D that retain the ability to inhibit cancer cell growth without the toxicity associated with high doses. These analogs have been successfully used in animal models of leukemia and breast cancer. Vitamin D may be related to other cancers.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

Sunlight exposure, which leads to an increased level of vitamin D, correlates with a reduced risk of breast cancer. I usually recommend small amounts of vitamin D (400 to 1,000 IU) for those people without sunlight exposure, especially during the winter. I also occasionally recommend cod liver oil during the winter months as a source of vitamin D and omega-3 fatty acids. Vitamin D deficiency is very common in the elderly and in people who live in parts of the world with little sunlight; it is also one of the major contributing factors to osteoporosis.
– Herbal Medicine, Healing and Cancer: A Comprehensive Program for Prevention and Treatment by Donald R. Yance, j r.,C.N., M.H., A.H.G., with Arlene Valentine

But how does vitamin D actually work? For many years that was a mystery. The “revolution of information” on vitamin D began in 1968, when J.W. Blunt and colleagues discovered the form of vitamin D that actually circulates in the blood (25-OH-D3). This hormonal form of the vitamin, created in the kidneys, is ultimately responsible for the classical action of the vitamin. At the molecular level, some cancer cells appear to have receptors on their surfaces that are capable of receiving the vitamin D molecule. Scientists studied cancer cells from 136 patients with breast cancer.
– Cancer Therapy: The Independent Consumer’s Guide To Non-Toxic Treatment & Prevention by Ralph W. Moss, Ph.D.

Symptoms of vitamin D toxicity include anorexia, disorientation, dehydration, fatigue, weight loss, weakness, and vomiting. New analogues of vitamin D3 allow cancer victims to take high doses of the vitamin without fear of elevating calcium in the blood to dangerous levels. These new forms of vitamin D have very high potency in controlling cell proliferation and differentiation. One of these, calci-potriol, can be used topically to treat psoriasis and inhibit the growth of metastatic breast cancer in patients with whose tumors have vitamin D receptors.
– Permanent Remissions by Robert Hass, M.S.

In an investigation into the relationship of breast density as measured by mammography to serum-vitamin D levels, it was found that there was a strong inverse correlation; the higher the density, the lower the vitamin D levels. Does the blood level of vitamin D at the time of diagnosis of breast cancer make a difference in a woman’s time of survival? Yes, it does.
 The Clinician’s Handbook of Natural Healing by Gary Null, Ph.D.

Although not part of the study, outdoor exercise where you are getting some (but not too much) sun exposure also raises vitamin D levels. Low levels of vitamin D have been associated with a greater risk of cancer. Relaxation techniques such as writing, meditation, yoga, or massage therapy can aid in battling breast cancer. There is a clear link between alcohol consumption and an increased risk of breast cancer. A study reported in The New England journal of Medicine has stated that consuming as few as three alcoholic drinks a week increases the potential for breast cancer by 50 percent.
– Prescription for Nutritional Healing, 4th Edition: A Practical A-to-Z Reference to Drug-Free Remedies Using Vitamins, Minerals, Herbs & Food Supplements by Phyllis A. Balch, CNC

Learn more: http://www.naturalnews.com/027204_cancer_Vitamin_D_breast.html#ixzz2GCGrQrq6

Campanha de órgão britânico incentiva suplementação de vitamina D

__

Segundo especialistas, ela evitaria a incidência de doenças como diabetes , tuberculose, esclerose múltipla e raquitismo.

1308573449

Royal College of Paediatrics and Child Health, RCPCH, órgão que supervisiona a saúde infantil no Reino Unido, está lançando uma campanha que incentiva a população a consumir diariamente doses de vitamina D para fortalecer a saúde.

Segundo os estudiosos, alguns dos benefícios seriam o aumento da incidência de diabetes, tuberculose, esclerose múltipla e raquitismo, doença que provoca e enfraquecimento e deformação dos ossos.

Normalmente obtido pela luz solar e por alimentos como peixes oleosos, ovos e cogumelos, o nutriente evita dores ósseas e musculares, além dos inchaços nos punhos e costelas.

Em países como Estados Unidos, Canadá e Finlândia a ingestão de vitamina D já é mais comum.

Segundo especialistas do RCPCH, consumir mais peixe ou aumentar a incidência de radiações solares não vão solucionar, já que elas oferecem apenas 10% das necessidades.

Sendo assim, a suplementação vitamínica seria a melhor solução.

Fonte: http://www.sesifarmacias.com.br/servicos/dicas/detalhes/campanha-de-orgao-britanico-incentiva-suplementacao-de-vitamina-d

__

Severe vitamin D deficiency influences heart health

Cada vez mais médicos e publicações especializadas são incisivos quanto à dose mínima diária PREVENTIVA de Vitamina D3, que é de fato um indispensável hormônio para a saúde humana:  10.000 UI por dia.  

Ao contrário do que é alardeado por alguns, e mesmo muitos médicos desinformados,  10.000 UI  diárias não é mais considerada “superdosagem” é sim dosagem mínima para efeitos preventivos na saúde das pessoas.

 Apenas interessará em desinformar quanto a este fato, aqueles que lucram em promover doenças, dentro da própria medicina, do seu meio gestor, da indústria farmacêutica e dos governos no Brasil. Esta necessidade representa nos dias atuais um legítimo caso de saúde pública, eis que a falta desta vitamina-hormônio tem caráter epidêmico.  Em consequência disto, cada vez mais pessoas de todas as idades estarão adquirindo doenças autoimunes, como esclerose múltipla, parkinson, alzheimer, e centenas de outras.

Consulte, também:

http://youtu.be/4uJt1361aGw
http://youtu.be/cIwIWim4hNM
http://www.youtube.com/playlist?list=PL301EAE2D5602A758

Leia:

Os perigosos laços da medicina com a indústria farmacêutica – Vitamina D comentado

Premio Nobel de Medicina: Farmacéuticas bloquean fármacos que curan porque no son rentables

Celso Galli Coimbra
OABRS 11352
cgcoimbra@gmail.com

“Now most real vitamin D experts agree that the minimum 25(OH)D serum level for optimum health and immunity from disease should start at 50 ng/ml. With these recent discoveries, many are taking four to ten thousand iu of vitamin D3 supplements daily, unless they’re under the sun relatively bare-skinned and often.”

capsulas-D

__

(NaturalNews) Severe vitamin D deficiency influences heart health: study

Mainstream medicine has promoted the merits of vitamin D’s bone health and rickets prevention for decades. For that level of health protection, a low RDA (recommended dietary allowance) was established of 600 iu (international units) daily while a vitamin D blood level at 20 ng/ml (nanograms/milliliter) was considered normal.

Now most real vitamin D experts agree that the minimum 25(OH)D serum level for optimum health and immunity from disease should start at 50 ng/ml. With these recent discoveries, many are taking four to ten thousand iu of vitamin D3 supplements daily, unless they’re under the sun relatively bare-skinned and often.

A few courageous heart specialist MDs are breaking through the cholesterol smoke screen scam asserting that arterial inflammation is the root of all cardiovascular issues and heart disease (http://www.naturalnews.com).

A lot of this inflammation is the result of poor diets. But vitamin D also provides a measure of protection against inflammation of all types (http://www.naturalnews.com).

With the link of inflammation to heart disease, it’s no wonder that recent studies are pointing to increased heart disease mortality among those vitamin D deficient.

Studies connecting vitamin D deficiency to increased heart disease

These studies were conducted on patients in hospitals and clinics that handle coronary problems. The most recent was conducted in Brazil at and published in PubMed online in November of 2012. (Sources [1] [2] below)

Two-hundred and six patients admitted into two nearby hospitals with various acute heart conditions had their blood serum vitamin D levels measured upon admission.

They were divided into two groups: Those with serum D levels at or under 10 ng/ml, considered severely deficient, and those with 20 +/- 8 ng/ml, closer to normal. A higher percentage of those patients severely deficient died in the hospital than those mildly deficient.

The researchers concluded, “… severe vitamin D deficiency is independently associated with in-hospital cardiovascular mortality in patients with acute coronary syndromes.” In other words, your chances of dying in a hospital after a heart attack are greater if you’re vitamin D deficient.

In September of 2012, Science Daily reported a Danish study conducted by the University of Copenhagen and the Copenhagen University Hospital. This study involved more than 10,000 Danes whose vitamin D levels were established between 1981 and 1983 and tested again with follow-up readings since then.

Lead researcher Dr. Peter Brondum-Jacobsen reported: “We have observed low levels of vitamin D compared to optimal levels are linked to 40% higher risk of ischemic heart disease [reduced blood supply], 64% higher risk of heart attack, 57% higher risk of early death, and no less than 81% higher risk of death from heart disease.” (Source [3] below)

Another study reported by Science Daily in 2009 took place at the Heart Institute at Intermountain Medical Center in Salt Lake City, Utah (USA). This time almost 28,000 patients of 50 years or older age with no prior history of heart disease had their vitamin D blood levels measured periodically.

The levels were divided into very low, low, and normal. This time the normal standard was relatively high at 30 ng/ml. They found that those with very low levels of vitamin D were twice as likely to have heart failure than those with normal levels.

Comparing very low D levels to normal, the low end patients were 78 percent more prone to strokes and 45 percent more likely to incur coronary artery disease. Overall, very low levels of vitamin D appeared to manifest twice as much heart failure as normal D levels. (Source [4] below)

It’s impossible to overdose vitamin D from sun exposure. But it’s remotely possible that supplementing heavily over time with D3 might even create heart problems. This can be avoided by also taking vitamin K2, especially the MK-7 variety (http://www.naturalnews.com/027832_vitamin_K_osteoporosis.html).

Sources for this article include:

[1] http://www.vitasearch.com/get-clp-summary/40492

[2] http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23174181

[3] http://www.sciencedaily.com/releases/2012/09/120924102504.htm

[4] http://www.sciencedaily.com/releases/2009/11/091116085038.htm

[5] http://en.wikipedia.org/wiki/Vitamin_D

[6] http://ods.od.nih.gov/factsheets/VitaminD-HealthProfessional/

Learn more: http://www.naturalnews.com/038463_vitamin_D_deficiency_heart_health_studies.html#ixzz2GB1h5W5Z

%d blogueiros gostam disto: